Você sabe o que é Ethereum e como essa tecnologia funciona no mercado de criptomoedas? De fato é uma revolução que visa mudar para sempre o mercado financeiro.

Para entender melhor como essa mudança ocorrerá pela Ethereum, vamos explicar melhor o que são as criptomoedas e como elas funcionam.

Basicamente, as criptomoedas referem-se a qualquer forma de moeda que existe digitalmente e é negociada usando criptografia. Ou seja, as criptomoedas não possuem um emissor oficial central como os bancos.

Em vez disso, essas moedas usam um sistema como o de controle biometrico de acesso descentralizado para registrar transações e emitir novas unidades.

Ou seja, não uma regulamentação que proteja de fato o valor investido em criptomoedas, no entanto não deixa de ser uma moeda de fato segura, apesar desse detalhe.

Além disso, elas são moedas que podem ser usadas ​​por qualquer pessoa física ou jurídica que queira aumentar os lucros e diversificar seu capital, como uma empresa de cabeamento estruturado de fibra óptica.

Mas há riscos? Ou podem depreciar? E como a Ethereum irá promover benefícios a essa modalidade de moedas digitais? Confira este artigo para mais detalhes!

O que é Ethereum?

Para de fato entender as mudanças que ocorreram no Ethereum, é preciso primeiro saber o que ele é e como ele funciona.

A Ethereum é uma plataforma altamente tecnológica que permite a programação de aplicativos descentralizados, contratos inteligentes e a troca de criptomoedas e vários tokens por pessoas físicas ou uma empresa de antecipação de recebíveis, por exemplo.

Tudo isso é baseado na tecnologia blockchain que veio junto com o Bitcoin. Por causa disso, muitos veem o Ethereum como uma evolução do conceito de tecnologia blockchain.

Mudanças da Ethereum

A segunda maior blockchain por capitalização de mercado está prestes a passar por uma grande transformação que a comunidade de criptomoedas apelidou de “The Merge”, ou “A Fusão” em uma tradução para o português.

Mas apesar de tantas informações e espera, ainda há muito mal-entendido sobre o que realmente aconteceu durante a fusão.

O que é Ethereum Fusion?

Esta atualização do Ethereum ou a chamada "fusão" altera a maneira como as novas transações de criptomoeda acontecem na blockchain.

Anteriormente, a blockchain Ethereum, como a blockchain Bitcoin, funcionava em um modelo de prova de trabalho, que envolve computadores que fazem parte de uma grande rede competindo entre si para resolver problemas matemáticos complexos.

A atualização converte o Ethereum em um modelo de prova de participação, que é um sistema mais eficiente em termos energéticos e ecológicos. Significa selecionar por meio de um algoritmo que prioriza os nós que possuem mais moeda na rede.

Em outras palavras, sua "participação" na rede obtém o poder dos computadores recompensados ​​em um sistema de prova de trabalho.

A fusão melhorará quase todas as métricas da blockchain Ethereum, abrindo caminho para futuras inovações de aplicativos e experimentação, assim como acontece no mercado de serviços eletricos industriais, por exemplo.

Os recursos de contrato inteligente da Ethereum foram usados ​​para criar milhares de DApps (aplicativos descentralizados da blockchain) que atraíram milhões de usuários e geraram bilhões de dólares para investidores e usuários.

Devido às capacidades do Ethereum, houve a criação de muitos projetos significativos, incluindo:

  • Organizações autônomas descentralizadas (DAO);

  • Finanças Descentralizadas (DeFi);

  • Ofertas iniciais de moedas (ICO);

  • Ofertas de token de segurança (STO);

  • Tokens não-fungíveis (NFT);

  • Stablecoins.

Esses são alguns exemplos de apps que de fato contribuem para o grande avanço dessa tecnologia. Veja outras principais mudanças estabelecidas por esse processo de mudança. 

Recalibração da sustentabilidade

Uma das mudanças que trata das criptomoedas é a tão aguardada recalibração da sustentabilidade. É uma atualização há muito esperada em todo o sistema que, segundo especialistas, reduzirá o consumo de energia da blockchain em cerca de 99%.

Além disso, significará uma grande melhoria no sistema de mineração, bem como a eficiência e a segurança do sistema. O impacto ambiental das criptomoedas tem sido um ponto importante para essas novas medidas reguladoras.

Por exemplo, com base em detectores de tensão, uma única transação de Ethereum consome quase tanta energia quanto o suficiente para abastecer uma casa por um dia inteiro.

Ou seja, de acordo com a pesquisa inicial da Cointelegraph Research sobre as blockchains mais eficientes em termos de energia para tokens não-fungíveis (NFTs), a rede Ethereum atualmente usa mais energia do que a Costa Rica por um ano inteiro.

Essa é parte da razão pela qual o fundador mais conhecido da Ethereum, Vitalik Buterin, está preparando as bases para a fusão desde 2014.

A atualização, que deveria acontecer em 2016, continuou a ser adiada pela Ethereum Foundation, uma organização sem fins lucrativos que ajuda a manter a blockchain Ethereum. Parece que finalmente vai acontecer no início deste verão, e então foi adiado.

Ou seja, a fusão finalmente aconteceu em 15 de setembro, e os testes agora estão completos.

Prova de participação

Após a fusão, o Ethereum usará um sistema de "prova de participação", em vez de usar uma loteria algorítmica para determinar quem verificou as transações de um grupo de "jogadores" (e são recompensados ​​com tokens).

O impacto ambiental das criptomoedas tem sido um ponto importante para essas novas medidas reguladoras, mas apesar de tantas informações e espera, ainda há muito mal-entendido sobre o que realmente aconteceu durante a fusão.

Como o mercado de criptomoedas ficou sob pressão nos últimos meses, uma atualização de software muito aguardada para uma das plataformas de criptomoedas mais populares, a Ethereum, foi lançada na semana passada.

A atualização, apelidada de "fusão", sofreu vários atrasos desde que foi anunciada pela primeira vez em 2014, levando muitos a questionar se surgirá uma estratégia de consenso da indústria alternativa e eficiente em termos de energia.

Ou seja, para muitas empresas de consultoria tributária, ainda pode haver dúvidas acerca de como foram essas mudanças.

Maior participação

Essa mudança otimiza não apenas a proposta de valor que as criptomoedas e os aplicativos blockchain apresentam aos usuários de criptomoedas, mas também aos inovadores climáticos da Web3, uma nova geração de defensores do meio ambiente.

Afinal, agora sim eles poderão investir nessas criptomoedas, já que antes não investem devido ao uso intenso de energia.

Essa migração moverá o Ethereum, com milhares de projetos Web3 e 71 milhões de carteiras criptográficas baseadas em Ethereum de seu atual sistema de prova de trabalho (PoW) para um sistema de prova de participação (PoS).

De acordo com a Ethereum Foundation, a mudança reduzirá o uso de energia da rede em 99,95% e preparará o terreno para melhorias adicionais em sua infraestrutura principal.

Em um nível mais alto, uma fusão do Ethereum poderia mudar a narrativa de toda a indústria sobre os potenciais benefícios climáticos.

Considerações finais

Como mencionado acima, após vários atrasos, a fusão finalmente ocorreu nas primeiras horas de 15 de setembro de acordo com um tweet do cofundador da Ethereum, Vitalik Buterin.

Os proponentes dizem que a transição reduz o consumo de energia da rede Ethereum em cerca de 99%. O modelo de prova de trabalho usado pela rede Bitcoin requer mais poder do que o modelo de prova de participação.

O impacto negativo da negociação de criptomoedas tem sido uma grande preocupação para muitos comentaristas e defensores de criptomoedas, e a mudança do Ethereum para a prova de participação com uso intensivo de energia é vista como um grande avanço.

Também estabelecerá as bases para outros aspectos do roteiro da rede, como melhorar a eficiência das transações.

Mesmo com todas essas mudanças que foram esclarecidas acima, é incerto como a blockchain Ethereum se comporta em termos de velocidade e custos de transação e configuração de servidor após a fusão.

Um grande problema com o Ethereum no passado era que as transações eram muito caras, às vezes chegando a milhares de dólares no pico de 2021.

Os desenvolvedores da Ethereum Foundation não esperam que a fusão tenha um impacto significativo nessas mudanças. Talvez mais importante pode ocorrer na mudança da jornada do Ethereum para o “Ethereum 2.0”, o sharding, que deve acontecer em 2023.

Também teremos que esperar e ver se de fato essas mudanças citadas serão bem estabelecidas. Erros de sincronização e atualização de suporte técnico informática podem afastar os investidores por medo da instabilidade.

Mas, no geral, embora a fusão não seja um milagre, pode ajudar a impulsionar o perfil da criptomoeda e atrair investidores institucionais e de varejo.

Em um momento em que o investimento sustentável é cada vez mais uma prioridade, a fusão do Ether e seus retornos atraentes têm o potencial de colocá-lo nos principais investimentos de criptomoedas.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.


Aqui indico ao meu network de amigos diversos produtos interessantes em conteúdo referente ao gosto de meus seguidores.

Quem gosta comenta!

O você achou desta publicação? Qual sua opinião a respeito?
Gostaria de acrescentar algo? Use o campo abaixo e registre sua participação nesta publicação.
Sugerimos Usar a Opção Nome + URL = Escreva seu nome e no campo url coloque o link de seu blog, site, rede social ou deixe em branco.
Estamos aguardo sua participação.

Postagem Anterior Próxima Postagem
 *Todos os textos do Seja Hoje Diferente é uma produção independente e todo conteúdo produzido é de total responsabilidade de seus idealizadores e editores, apresentados em "Informações" e ou Links de origem.

*O artigo acima não reflete, necessariamente, a opinião do Seja Hoje Diferente publicado em carater divulgativo. 


GeraLinks - Agregador de links