Estudo detalha benefício do treino aeróbio para portador de hipertensão crônica e insuficiência cardíaca

Agência FAPESP* – Pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) descobriram, por meio de experimentos com ratos, como o exercício aeróbico melhora o controle da hipertensão arterial em indivíduos com hipertensão crônica ou insuficiência cardíaca. De acordo com os estudos, o treinamento ajuda a corrigir disfunções na barreira hematoencefálica e restaura o fluxo sanguíneo no sistema nervoso central mesmo em caso de persistência da doença.

A barreira hematoencefálica é uma estrutura que tem a função de regular o transporte de substâncias entre o sangue e o sistema nervoso central, barrando a entrada de substâncias tóxicas e de hormônios plasmáticos em excesso. Esses hormônios, em quantidade acima do ideal, são capazes de ativar neurônios envolvidos na regulação do sistema cardiovascular, levando à disfunção autonômica e ao desequilíbrio da circulação sanguínea. Isso facilita o aparecimento de lesões em órgãos-alvo, podendo comprometer coração, cérebro, rim, entre outros órgãos.

“Além de corrigir o controle autonômico da circulação, o treinamento aeróbico também contribui para reduzir de 10% a 15% os níveis da pressão arterial nos hipertensos”, afirma Lisete Compagno Michelini, coordenadora do Laboratório de Fisiologia Cardiovascular, responsável pelos estudos, em entrevista para a Assessoria de Imprensa do ICB-USP.

A investigação recebeu financiamento da FAPESP por meio dos Projetos Temáticos “Barreira hematoencefálica: um novo paradigma no tratamento da hipertensão” e “Amelioration of the autonomic imbalances of old age with exercise: exploring the molecular and physiological mechanisms”, além do projeto “Barreira hematoencefálica e regulação autonômica na hipertensão arterial: efeitos da angiotensina ii e do treinamento aeróbio”.

Filtro de substâncias

Encontrada nos capilares cerebrais por onde o sangue circula, a barreira hematoencefálica é composta por células endoteliais intimamente ligadas umas às outras por junções oclusivas que limitam a passagem de substâncias solúveis em água. Não há limite para a passagem de substâncias lipossolúveis, como oxigênio e gás carbônico, através da célula endotelial. O problema são as macromoléculas, entre elas substâncias tóxicas e hormônios plasmáticos.

“Em indivíduos saudáveis, a passagem de macromoléculas, que ocorre através de vesículas sanguíneas, é bastante limitada. No entanto, observamos que em hipertensos e portadores de insuficiência cardíaca há um aumento expressivo no número dessas vesículas em áreas autonômicas, o que eleva a permeabilidade da barreira hematoencefálica. Por outro lado, observamos que o treinamento aeróbico reduziu em muito a formação dessas vesículas, além de normalizar a permeabilidade da barreira hematoencefálica”, explica Michelini.

Segundo a professora do ICB, já se sabia que em casos de acidente vascular cerebral (AVC), traumas e doenças neurodegenerativas a integridade da barreira era comprometida pela quebra das junções oclusivas, o que permitia livre acesso das substâncias. “Em nossos experimentos, observamos que na hipertensão e na insuficiência cardíaca não há quebra em áreas de controle cardiovascular e sim aumento da permeabilidade por facilitação do transporte das vesículas, o que pode ser prontamente corrigido pelo treinamento aeróbico”, destaca.

As descobertas feitas pela equipe reforçam a importância do treinamento físico para a melhora do controle autonômico da circulação, pois, além de ser um importante aliado no tratamento farmacológico dessas patologias, permite reduzir a quantidade necessária de medicamentos e, consequentemente, diminui a ocorrência de efeitos colaterais.

“O exercício físico, assim como diferentes fármacos, favorece a vasodilatação vascular, ajuda a balancear desvios do sistema renina angiotensina, responsável por regular a pressão arterial, e melhora o controle autonômico da circulação”, afirma Michelini.

O grupo segue estudando o funcionamento da barreira hematoencefálica, agora com o objetivo de avaliar se o transporte vesicular aumentado na hipertensão e insuficiência cardíaca, mas reduzido em ambas as situações pelo treinamento aeróbio, é mediado pela disponibilidade do hormônio angiotensina II e/ou de citocinas pró-inflamatórias. O grupo verificará ainda se os resultados obtidos na hipertensão primária (sem causa esclarecida) são também aplicáveis à hipertensão secundária, derivada de uma outra condição (como apneia do sono, insuficiência renal e hipotireoidismo, entre outras).

Parte dos resultados já obtidos pela equipe do ICB foi divulgada em três artigos. O estudo intitulado Transcytosis within PVN capillaries: a mechanism determining both hypertension-induced blood-brain barrier dysfunction and exercise-induced correction pode ser acessado em: https://journals.physiology.org/doi/full/10.1152/ajpregu.00154.2020.

O artigo Perfusion of Brain Preautonomic Areas in Hypertension: Compensatory Absence of Capillary Rarefaction and Protective Effects of Exercise Training está disponível em: www.frontiersin.org/articles/10.3389/fphys.2021.773415/full.

E o estudo Maintenance of Blood-Brain Barrier Integrity in Hypertension: A Novel Benefit of Exercise Training for Autonomic Control pode ser encontrado em: www.frontiersin.org/articles/10.3389/fphys.2017.01048/full.

* Com informações do ICB-USP.
 


Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.

Qual é a sua opinião sobre este artigo?

Caro leitor, sua opinião é essencial para nós! Compartilhe seus pensamentos nos comentários sobre esta publicação. Garantimos manter o Seja Hoje Diferente sempre atualizado e funcional. Se notar algum link quebrado ou problema com áudio e vídeo, por favor, avise-nos nos comentários. Agradecemos sua colaboração, seu apoio é a bússola que nos orienta na entrega de conteúdo relevante. Obrigado por fazer parte desta comunidade engajada!

Postagem Anterior Próxima Postagem

Shopee