Por Felipe Leonard, CEO e presidente da S.I.N. Implant System

Do Templo de Apolo, em Delfos, só ficaram as ruínas. Mas uma frase grafada no monumento se espalhou pelo mundo e resiste há 2500 anos: “conhece a ti mesmo”. Dizem, aliás, que a inscrição marcou um jovem visitante, Sócrates, antes de transformar para sempre o pensamento ocidental.

Na verdade, muito além da Filosofia, o autoconhecimento aparece como chave para diferentes questões humanas. Fácil deduzir, então, que algumas delas podem fazer toda a diferença na eficácia da sua liderança e no sucesso dos negócios, em geral.  

O próprio Fórum Econômico Mundial alerta sobre isso, cravando que até 2025 a lista de maiores talentos profissionais incluirá racionalidade, resiliência, flexibilidade e influência social, características normalmente relacionadas ao processo de autoconhecimento. Já a Mckinsey calcula que, no máximo em oito anos, capacidades como essas devem se tornar tão necessárias quanto fatores cognitivos em si.

A verdade é que nenhuma dessas habilidades surge da noite para o dia. Isto é, sem uma reflexão sobre o que move, impede, motiva ou assusta a nós mesmos. Ainda assim, o autoconhecimento é um processo que, embora seja urgente para todos, é menos complicado do que aparenta. Veja como começar – e os benefícios de seguir esta jornada.     

Seu comportamento afeta desempenhos – O trajeto rumo ao autoconhecimento não precisa ser solitário. Ao contrário, parcerias certeiras são algumas das melhores guias para este movimento ter êxito. Tudo depende, claro, do que é mais adequado para você. Terapia, meditação, cursos imersivos, consultorias especializadas, coaching, mentoring ou simplesmente uma boa leitura...cada personalidade ou meta pede uma ferramenta diferente.

Daniel Goleman, o pai da Inteligência Emocional, diz que autoconhecimento é mais importante do que o seu QI. Para o psicólogo, jornalista científico e palestrante, aliás, uma das grandes competências do líder eficaz é entender suas percepções ou ações e como elas afetam o workplace.

Nesse sentido, inclusive, estudo publicado pela Harvard Business Review aponta que pessoas sem self-awareness podem reduzir pela metade as chances de sucesso em uma empresa.

Autoconhecimento é uma meta-habilidade – Uma paráfrase do neuropsiquiatra austríaco Viktor Frankl vem a calhar aqui: “tudo aquilo que emana luz deve suportar o calor da queima”. Não se trata de romantizar o sofrimento, mas de uma verdadeira ode à força que todo desafio impõe.

E todos que são gestores entendem bem disso. Afinal, sabem que liderar equipes de alta performance, alcançar plena eficiência nos negócios e fidelizar stakeholders é missão árdua. E ela exige a compreensão de nuances que vão desde propósitos e talentos até sobre limites pessoais ou profissionais.  

Por esse motivo, especialistas como Tasha Eurich já chamam o autoconhecimento de “meta-habilidade do século XXI”. Segundo ela, quem se desconhece internamente tende à inconsistência quanto aos próprios objetivos e à autossabotagem em projetos ou relações. Com certeza, este não haverá de ser o perfil de liderança que você quer construir. Portanto, é mais que o momento de partir para a ação e compreender melhor a si mesmo.

Quem conhece a si entende o outro – Uma metáfora recorrente nos debates sobre gestão é a da “roupa nova do rei”. No conto de Hans Christian Andersen, um monarca vaidoso e autoritário cai no golpe de um alfaiate charlatão, desfilando entre os súditos com um “traje invisível que só os inteligentes conseguem ver”. Na verdade, ele está nu, mas a sua necessidade não reconhecida de impressionar os outros com a sua inteligência, gerar admiração e atrair elogios, o levou a cair na armadilha do alfaiate e simular que conseguia ver o traje. Até que uma criança começou a gritar “O Rei está nu, o Rei está nu”, e tudo acabou em uma grande vergonha. Ou seja, aceitar a limitação de sua inteligência o teria levado a evitar a cegueira intelectual, reconhecendo que não conseguia ver as roupas mágicas e buscar ajuda, além de concluir que estava na frente de um simples ladrão. O exercício da boa escuta evitaria o constrangimento.

A lição vale para toda liderança. As salas dos C-Level não são bunkers à prova de erros. E de fato podem criar a ideia de uma falsa muralha, o que é um equívoco enorme, ao se acreditar de que está livre das opiniões alheias.

Um temor sem propósito porque, na verdade, quem conhece suas forças, fraquezas, certezas e dúvidas não teme feedbacks. Ao contrário, compreende todos eles como peças importantes no quebra-cabeças pessoal, profissional e, ainda, de insights transformadores.

Suas decisões se tornam mais assertivas – Numa conferência da Apple em 1997, Steve Jobs compartilhou um de seus pensamentos mais emblemáticos: “Eu me orgulho do que fiz e deixei de fazer na mesma proporção. Inovar é dizer ‘não’ a mil coisas. Mas é preciso escolher a quais delas com cuidado”.

Só quem aposta no autoconhecimento é capaz de medir seus impactos e decidir sobre suas ações e atitudes com equilíbrio e resiliência. Isto é, o líder que reconhece quais virtudes embasam suas escolhas aceita as vulnerabilidades que podem afetá-las e, portanto, confia no que ponderam seus pares, colaboradores e todos os stakeholders, nivelando com sabedoria todo o seu entorno.

Sobre a S.I.N. Implant System: referência mundial em produtos para implantes dentários, a S.I.N Implant System tem DNA brasileiro e está no mercado desde 2003. Hoje, seu parque fabril de última geração entrega mais de 5 milhões de produtos acabados todos os anos, com presença em 22 países. Com uma trajetória de conquistas apoiada nos princípios da simplicidade, inovação e nanotecnologia, a S.I.N. Implant System oferece as melhores linhas de implantes dentários do mundo, além de componentes protéticos. A empresa tem como visão oferecer o que há de melhor e mais seguro na área de implantodontia, utilizando, para isso, tecnologia de ponta e equipamentos de última geração, que passam por rigoroso controle de processos. A excelência em qualidade de seus produtos é garantida e comprovada por meio de certificações nacionais e internacionais. O sonho de restaurar sorrisos, iniciado com a Sra. Neide e o Dr. Ariel Lenharo, continua vivo. Em tempo: Ariel Lenharo foi o primeiro doutor em implantodontia do Estado de São Paulo, tendo também realizado sua pós-graduação nos Estados Unidos, no Pankey Institute. A Sra. Neide e o Dr. Lenharo estiveram à frente da companhia até 2009, quando o controle acionário da S.I.N passou para o fundo de investimentos Southern Cross Group, equity firm líder e mais antigo dedicado ao mercado latino-americano, com mais de U$ 2,8 bilhões investidos em 38 empresas em todo o continente. 

Mais informações em www.sinimplantsystem.com.br.

Shopee Brasil:
Ofertas incríveis - Melhores preços do Mercado.
Confira as ofertas especiais na Shopee aos visitantes do SHD.
Aproveite agora mesmo! De uma olhada clicando aqui.

Canais de Notícias e Informações do Blog SHD.
Rerceba em primeira mão diariamente os principais destaques do blog.
Inscreva-se nos canais de notícias:
Canal SHD no Whatsapp clique aqui.
Canal SHD no Telegram clique aqui.

Amigos, Parceiros e Visitantes: 
Precisamos de sua ajuda para manter esse blog vivo.
De pouco em pouco chegamos ao muito!
Nos ajude com um café através do pix 11 98363-7919

Postagem Anterior Próxima Postagem
Seja Parceiro Anuncie no Seja Hoje Diferente!


Seja Parceiro Anuncie no Seja Hoje Diferente!

Compartilhe nas redes sociais: Apoie ou retribua.

Todos os nossos artigos são exclusivos. A reprodução total ou parcial é proibida.

Apoie ou retribua.