Blog Diferente Para Ser Diferente
Seja Uma Pessoa Melhor, Diferente Você já é ! - Junte-se ao Grupo de Amigos do Seja Hoje Diferente - Bem Vindo (a).

Cachorro comeu seu remédio? Saiba como proceder
A agilidade e algumas outras medidas podem salvar o animal

Quem escolhe ter um animal de estimação sabe que deve ter atenção redobrada com relação ao acesso dos bichos a objetos e produtos. Isso porque a intoxicação por ingestão pode ocorrer de diversas formas: quando o animal come plantas, alimentos tóxicos, objetos cortantes ou medicamentos. Qualquer um desses itens pode ser considerado um risco. 

Por instinto, cães, especialmente, os filhotes são mais propensos a se envolver nessa situação, pois eles têm o hábito de morder e mastigar tudo e usam o faro e a língua para mapear o ambiente. No caso da ingestão de remédios, há dúvidas frequentes sobre como evitar intoxicação dos bichinhos. A chance de salvar o cachorro — ou de diminuir as sequelas — depende de alguns procedimentos. 


Identificação da emergência e os primeiros socorros

O pet costuma dar sinais de intoxicação que não deixam dúvidas. Vale ficar atento aos seus hábitos e prestar atenção caso haja vômito, diarreia, prostração, baba em excesso ou, em caso mais graves, convulsões. Se um desses sintomas for apresentado, é necessário identificar imediatamente qual medicamento foi ingerido.

Feita a identificação, o próximo passo é separar a embalagem da substância em questão. Ela contém informações que podem ser úteis para o veterinário. Se houver possibilidade, tentar mensurar a quantidade ingerida é válido, basta analisar o recipiente. Na sequência, é importante tentar calcular há quanto tempo, aproximadamente, ocorreu o consumo do produto, de forma que seja possível saber se a substância está no organismo do animal há muitas horas.

Em seguida, é recomendável que o cão seja levado ao hospital veterinário com o máximo de urgência. Em alguns casos, menos graves, é possível tentar induzir o vômito. Para isso, basta injetar na boca do cachorro uma mistura de água oxigenada e água, considerando 10 ml de cada ingrediente para cada 10 kg de peso. O processo pode ser feito até três vezes, com intervalo de 5 minutos entre eles, até que o animal vomite.

Essa opção, porém, deve ser priorizada apenas se não houver possibilidade de levar o cachorro para receber cuidados profissionais e se a ingestão foi recente. Caso tenha passado muito tempo ou haja essa possibilidade, aborte essa escolha. Além disso, a indução ao vômito não deve ser realizada se o pet estiver inconsciente ou se houver ocorrido a ingestão de algum objeto possivelmente cortante.

Outro ponto importante sobre esse procedimento refere-se à identificação do item ingerido — o passo inicial e primordial do processo de primeiros socorros. Se não foi possível identificar o que o animal ingeriu com absoluta certeza, não é recomendada a indução ao vômito. Isso porque alguns produtos podem ser corrosivos e queimar o esôfago e outros órgãos aos serem expelidos. 

Vale reforçar, ainda, que, se não houver nenhum impedimento para a indução ao vômito e esta for realizada com sucesso, a ida ao veterinário segue sendo crucial. Somente o profissional poderá avaliar a situação e ter um diagnóstico preciso sobre como o caso deve ser conduzido após o susto.

Prevenção é o melhor remédio

A ingestão de medicamentos pode causar problemas sérios aos cães, levando a complicações renais, hepáticas, cardíacas e até cerebrais. Por isso, antes de qualquer intervenção ou procedimento, a prevenção é a melhor forma de evitar situações que colocam a vida do pet em risco.

Atitudes simples podem fazer toda a diferença nesses casos. Manter as pílulas em locais altos de difícil acesso ou dentro de gavetas são algumas das sugestões. Esses medicamentos também devem ser armazenados em embalagens específicas, caixas ou porta-comprimidos, que não sejam fáceis de abrir. 

O mesmo vale para outros objetos que sinalizam perigo à saúde dos bichos. Plantas venenosas devem ser alocadas de forma estratégica. Objetos cortantes e perfurantes também precisam ser mantidos em compartimentos seguros. Produtos de limpeza, como água sanitária e desinfetante são motivos de preocupação: nenhum animal de estimação deve ter contato com essas fórmulas de limpeza.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Veja abaixo mais um artigo do Seja Hoje Diferente!