Embora lidere regionalmente, o Brasil representa apenas 2% das pesquisas clínicas no cenário mundial

De acordo com o Conselho Federal de Medicina (CFM), o valor per capita que o governo utiliza em seus três níveis de gestão (federal, estadual e municipal) para cobrir as despesas com saúde dos mais de 210 milhões de brasileiros é de R$3,83 ao dia. Em 2019, o gasto por habitante com saúde em todo o país foi de R$ 1.398,53.

Para garantir a segurança e eficácia dos medicamentos utilizados pelos brasileiros, foi necessário que eles passassem por uma etapa fundamental antes de serem disponibilizados para o público: a pesquisa clínica.

Fundamental no desenvolvimento de um medicamento ou vacina, a pesquisa clínica observa, registra e atesta as reações de uma droga ou fármaco no corpo humano, de modo a garantir que seu uso seja tanto eficaz quanto seguro.

Apesar da importância das pesquisas clínicas para a evolução da saúde mundial por meio de descobertas de novas opções de tratamentos para diversas doenças, o Brasil ainda carece de investimentos no setor. Mesmo sendo o 6º maior mercado farmacêutico do mundo, segundo a empresa IQVIA, o país que possui muitas características para se tornar referência no setor ainda fica atrás quando o assunto é investimento em pesquisas clínicas.

Aproximadamente 8.805 estudos de pesquisa clínica são feitos no Brasil, o que representa 42% do total na América Latina. Embora lidere regionalmente, o Brasil representa apenas 2% das pesquisas clínicas no cenário mundial. “Uma característica de países desenvolvidos que investem regularmente em pesquisas clínicas e possuem medicamentos de ponta, é a qualidade de vida e longevidade de sua população”, afirma Fernando de Rezende Francisco, gerente executivo da Associação Brasileira de Organizações Representativas de Pesquisa Clínica (Abracro).

Com uma população multiétnica que ultrapassa o número de 200 milhões de habitantes, e com diferentes tipos de clima, o Brasil é um país com enorme potencial para conseguir se tornar referência em pesquisas clínicas. “A farmacogenética, por exemplo, que tem como objetivo estudar tratamentos personalizados de acordo com as características genéticas de cada pessoa, necessita de estudos com populações multiétnicas, ou seja, o Brasil é um local bastante favorável para esse tipo de estudo”, pontua Francisco.

Para que o país consiga se destacar nesse setor, é necessário que ocorra uma desburocratização da parte regulatória nos próximos anos e que os investidores consigam ter a percepção de que o Brasil é um local conhecido por conta da sua diversidade populacional. “O país só tem a ganhar com as pesquisas clínicas, pois além de proporcionar qualidade de vida e opções de tratamentos, será uma fonte de geração de empregos e irá colocar o Brasil em destaque no cenário mundial”, finaliza Francisco.

Sobre a ABRACRO

Associação Brasileira de Organizações Representativas de Pesquisa Clínica é responsável pela grande mudança na reputação dessa área tão importante para a saúde no Brasil. Há 17 anos, ela representa as ORPCs (Organizações Representativas de Pesquisa Clínica) e contribui para a melhoria dos processos e atividades do setor. Hoje, são fonte para os órgãos reguladores do setor que, pela rigidez dos processos e questões éticas, muitas vezes a consulta antes da publicação de uma nova norma. A ABRACRO também realiza eventos e workshops para aproximar o paciente e o público leigo dos profissionais da área.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Compartilhe nas redes sociais e apoie ou retribua

Todos os nossos artigos são exclusivos é proibida a reprodução total ou parcial dos mesmos sem a indicação da fonte SHD: Sejahojediferente.com