Quando pensamos em um cenário de guerra, é comum que exista um pensamento voltado a um confronto bélico, envolvendo armas e tanques, com tal imaginário sendo muito mantido pelo cinema e outras artes, quando na verdade pode envolver até o terrorismo energético.

Da mesma maneira em que a sociedade vem se atualizando, utilizando de novas ferramentas, tecnologias e comportamentos, o mesmo acaba acontecendo em uma situação de guerra, no qual esses mesmos elementos passam a fazer parte dos confrontos.

Muito está ligado também sobre quais são os recursos a serem considerados como algo importante dentro da atualidade, sendo possível destacar o papel da internet, uma ferramenta que permite uma melhor comunicação dentro dos mais diversos cenários.

Chega a ser curioso o papel dos artifícios digitais nos confrontos modernos, afinal, a própria criação do computador está conectado ao cenário de guerra, tratando-se de um equipamento desenvolvido pelas forças aliadas para quebrar o código usado pelos nazistas.

Ou seja, se atualmente é possível ver empresas de arquitetura e engenharia usando de tal tecnologia no desenvolvimento dos seus projetos, tudo isso pode ter tido origem durante o período de guerras, sendo o cenário responsável pela criação de tal equipamento.

Apesar de todos os avanços que foram possíveis graças a essa tecnologia, existe também o perigo de se usar desse tipo de ferramenta para fins de conflito, espalhando mensagens que possam ameaçar ou até mesmo desestabilizar o exército inimigo.

Muitas formas de ataque tiveram origem em elementos variados, com isso partindo desde a invenção dos aviões até mesmo a criação de uma reação química específica que serviu como o pontapé para a criação da bomba atômica e o seu grande poder destrutivo.

A partir desses exemplos é possível afirmar que um cenário de guerra é capaz de envolver os mais diversos tipos de ferramentas, permitindo estremecer o campo oponente a partir do uso de diferentes forças, tudo de acordo com aquilo que estiver disponível em seu tempo.

Questões que fazem com que a construção de casas seja uma atividade necessária dentro do campo derrotado, em uma tentativa de reconstruir o local após tantos ataques sofridos, seja do lado vencedor ou perdedor dentro de uma guerra.

E é vindo disso que se torna importante ter atenção para diferentes forças que podem ser usadas dentro do campo de batalha, tal como ocorre com os ataques sofridos pela Ucrânia, onde a Rússia vem sendo acusada de realizar o que é chamado de um ataque energético.

Do que se trata o terrorismo energético?

Ao abrir o jornal é possível visualizar os mais diferentes tipos de ataques que vêm sendo realizados dentro de um confronto entre nações. E assim como os meios de comunicação evoluem, o mesmo pode ser dito sobre os métodos adotados em um conflito.

Uma forma de ataque vem recebendo uma maior atenção recentemente é o terrorismo energéstico, que se resume a um golpe a ser realizado contra as fontes de energia do povo oponente, afetando assim a população, retirando seu acesso à eletricidade.

Apesar de se tratar de um tipo de terrorismo cuja atenção acabou se tornando maior durante a guerra da Ucrânia, por meio dos ataques da Rússia, estamos falando de uma forma de combate que já é vista sendo colocada em prática há bastante tempo.

Desde os anos 1970 existem registros daquilo que é chamado de terrorismo energético, uma prática que pode ser vista como uma evolução de outras forma de ataque que foram desenvolvidas pensando em desestabilizar a nação inimiga por meio dos seus recursos.

De certa forma, trata-se do mesmo tipo de ação que envolve a prática de lançar chamas sobre os alimentos do povo oponente, afetando assim os recursos dessa população, algo que é considerado como um ataque baixo, por não se tratar de um conflito direto.

Atualmente esse tipo de ataque pode ser realizado em instalações elétricas, afetando assim todo o abastecimento energético de um país, o que impede a população de ter acesso não apenas à luz, mas também a outros recursos que utilizam dessa fonte.

Ou seja, toda uma comunidade é impedida de se comunicar por meio dos canais eletrônicos, além de questões mais graves, como a dificuldade até mesmo de armazenar alimentos em casa, ao ver a sua geladeira sem contar com funcionamento nenhum.

Esse tipo de prática já vinha sendo utilizada em diversos outros países, sendo uma estratégia de guerra adotada tanto no conflito entre diferentes países como também em confrontos iniciados dentro de um próprio território para desestabilizar um governo.

Tal tipo de terrorismo é bastante criticado, pois ele afeta não a força de combate de um país, mas sim a própria polução, que acaba se tornando mais uma vítima colateral de um confronto iniciado por essas diferentes nações, sofrendo antes até de um confronto direto.

Essa forma de ataque pode trazer danos estruturais para uma região, sendo necessário muitas vezes recorrer a todo um serviço de engenharia para reconstruir usinas entre outras fontes de energia que eram usadas no local, o que envolve tempo e dinheiro.

Diante disso é possível dizer que esse tipo de terrorismo é capaz de impactar a vida de uma região por bastante tempo, mesmo após o fim de um anunciado conflito, principalmente se levarmos em conta a necessidade que a população tem hoje acerca da eletricidade.

No geral, trata-se de um problema que vem recebendo uma atenção maior graças à Guerra da Ucrânia, onde tal tipo de ataque vem sendo alertado como uma forma de ataque que vem sendo adotada pela Rússia dentro desse conflito.

Os impactos desse terrorismo ao povo ucraniano

No dia 4 de novembro de 2021, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, alertou o mundo sobre um ataque específico que o seu país vinha sofrendo da Rússia, com as tropas inimigas focando suas atividades nas fontes de energia do país, afetando sua população.

A partir desse tipo de ação, identificada como um ato de terrorismo energético, cerca de 450 mil residências foram afetadas em Kiev, a capital da Ucrânia, com qualquer inspeção predial identificando que a falta de energia elétrica parte dos ataques feitos pela Rússia.

Além da capital ucraniana, esse tipo de ataque afetou também muitas outras regiões do país, sendo possível citar:

  • Cherkasy;

  • Kirovohrad;

  • Kharkiv;

  • Zaporizhzhia.

A partir desse tipo de golpe, cerca de 4,5 milhões de habitantes passaram a ficar sem acesso à eletricidade, com muitos vendo como única solução sair de suas casas, já que se manter nesses locais não se mostra mais possível diante do ataque à sua fonte de energia.

Tal tipo de ação vem sendo tema de discussão pelo mundo inteiro, pois ela se trata de um ataque não à Ucrânia, mas sim a população do país, o que levanta altas críticas pela população mundial, onde até mesmo em um conflito parece existir uma certa ética.

Hospitais, escolas e residências são diretamente afetadas por esse tipo de ataque, ficando até mesmo sem acesso a água e outros recursos, tudo por causa do uso da energia elétrica para tornar possível o transporte e produção desse tipo de artifício necessário para a vida.

Junto de tudo isso ainda existe um possível risco nuclear. Isso porque muitos desses ataques vêm sendo alertados por afetarem as redes de energia usadas para manter essas usinas em segurança, o que atinge diretamente um projeto elétrico entrada de energia.

Esses são apenas um dos diversos riscos que são sentidos diante um ataque terrorista de foco energético. Para evitar esse tipo de ataque, a Ucrânia e sua população vêm adotando diversas atitudes como uma maneira de tentar remediar esses graves efeitos.

Estratégias para lidar com o terrorismo energético

Por se tratar de um tipo específico de ataque, fugindo do conflito armado direto, é necessário adotar algumas ações para tentar reduzir os impactos causados por esse tipo de golpe, capaz de afetar diretamente a população de um país, como ocorre com a Ucrânia.

Uma forma, mesmo que a curto prazo, de lidar com esse corte no abastecimento de energia é recorrer ao aluguel de geradores de energia, usando até mesmo de um auxílio estrangeiro para manter o acesso a tal fonte energética para manter tudo funcionando.

Outra ação que vem sendo adotada pela Ucrânia é o apelo à população para reunir mantimentos, para o caso desses locais serem atingidos por essa falta de energia. Ações de evacuação também são adotadas e previstas, como resposta a tal tipo de ataque.

Alertar sobre esse tipo de ataque terrorista é também uma forma de garantir o apoio da comunidade internacional, alertando sobre os ataques que vêm sendo sofridos pela população como um todo, sendo um dano colateral dessa guerra.

Para evitar isso, se informar sobre energia solar preço é vista também como uma maneira de prevenção contra ataques à sua fonte de energia, sendo assim uma maneira de se buscar viver da melhor forma dentro de um conflito onde qualquer ajuda é necessária.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.
Postagem Anterior Próxima Postagem

Compartilhe nas redes sociais e apoie ou retribua

Todos os nossos artigos são exclusivos é proibida a reprodução total ou parcial dos mesmos sem a indicação da fonte SHD: Sejahojediferente.com