Brasileiro consumiu 16 quilos de carne suína em 2021 (ABPA); Alegra registrou aumento de 20% de faturamento no mesmo ano

O consumo de carne suína no primeiro semestre de 2022 bateu um recorde histórico no Brasil. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população do país consumiu, em média, 18 quilos (kg) da proteína animal entre janeiro e junho deste ano. A título de comparação, o registro foi de 16,9 kg para igual período em 2021.

Essa alta no consumo tem ocorrido de forma gradual nos últimos anos - de 14 kg por habitante em 2010 para 16 kg em 2021, segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) - e sido importante para as indústrias do setor. A Alegra, indústria de derivados de carne suína integrante da Unium, que atua na região dos Campos Gerais, no Paraná, tem acompanhado o movimento e em 2021 registrou o faturamento de R$ 1 bilhão, 20% a mais que ano anterior, com 97 mil toneladas de carne suína processada.

“Existe um aumento no consumo [de carne suína] muito por conta da situação econômica do país. Hoje, a carne suína tem a melhor relação custo-benefício, comparando com aves e bovinos. A introdução da proteína suína nos lares brasileiros está na casa dos 90% e há bastante espaço para crescer”, analisa Luiz Otavio Morelli, gerente comercial da Alegra.

O consumo mais elevado desse tipo de proteína pode ser notado no aumento no número de abate de suínos no Brasil. O IBGE apontou que desde 1997 o Brasil não registrava 14 milhões de cabeças abatidas num único trimestre, como foi contabilizado nos meses de abril, maio e junho de 2022. O número é 7,2% superior ao mesmo período de 2021.

A alta nos abates também tem crescido de forma gradual desde o início da última década. A ABPA aponta que em 2010 foram abatidas 3,237 milhões de toneladas de suínos no país, número que saltou para 4,701 milhões de toneladas em 2021.

“Nos últimos anos, a indústria vem mudando sua relação com o mercado interno. O suíno deixou de ser apenas matéria-prima ou pauta de exportação e começou a agregar valor e buscar atender às necessidades do mercado. Temos, atualmente, um produto mais adequado àquilo que o consumidor espera”, completa Morelli.

Expectativas do setor para fechar 2022 são positivas

Historicamente, os últimos meses do ano são positivos para o mercado da carne suína no Brasil, impulsionados pelas festas de fim de ano. Em 2022, contudo, esses eventos vão ganhar a companhia de outra data que deve movimentar ainda mais o setor: a Copa do Mundo do Catar, realizada pela primeira vez entre novembro e dezembro, um pouco antes do início do verão no hemisfério sul.

56% dos entrevistados para estudo conduzido pela consultoria Meta afirmaram que devem realizar ou participar de churrascos durante os jogos, fator que tem tudo para impactar o mercado de proteína animal no Brasil no período.

“Nesse cenário, a carne suína figura como uma opção competitiva e saborosa para as reuniões familiares e com amigos, com opções como linguiça, costelinha, pernil e picanha, entre outros itens que são alternativas excelentes para o consumidor”, finaliza Morelli.

Sobre a Alegra Foods 

Com um olhar apurado para as demandas do amanhã, nasce a Unium: uma intercooperação entre três grandes Cooperativas holandesas sediadas no Paraná: Frísia, Castrolanda e Capal. Em seu portfólio, a Unium conta com as operações de lácteos: Naturalle, Colônia Holandesa e Colaso,  e  farinha de trigo: Herança Holandesa e de carne suína: Alegra.

A Alegra abate e desossa  mais 3500 mil suínos ao dia e industrializa mais 2 mil toneladas de carne por mês. Atualmente, a empresa conta com uma estrutura de 49mil m² construídos, na cidade de Castro (PR), emprega mais de 1.600 colaboradores diretos e contribui para o fomento do agronegócio e desenvolvimento da região dos Campos Gerais com o envolvimento de mais de 5 mil famílias cooperadas. Hoje, os alimentos que integram o portfólio da marca Alegra são encontrados em território nacional e exportados para mais de 32 países ao redor do mundo.

Em 2022 a Alegra, se tornou a primeira empresa brasileira do ramo de alimentos a obter as Declarações Ambientais de Produto (ou EPD, do inglês, Environmental Product Declaration), oferecida pela EPD Brasil, parceira do programa internacional EPD System. A certificação é válida para dois produtos in natura, a sobrepaleta e o carré, e para outros quatro industrializados: salame, bacon em fatias, linguiça frescal para churrasco e presunto defumado. Somada às certificações de Bem-Estar Animal QIMA/WQS e IFS Global Market Food comprovam que fazer bem feito é a receita para um produto bom.

Apoie o meu trabalho

Se gosta do meu conteúdo, você pode demonstrar o seu apoio com uma contribuição e me ajudar produzir ainda mais.

Me paga um café via pix 11 98363-7919



Quem gosta comenta!

O você achou desta publicação? Qual sua opinião a respeito?
Gostaria de acrescentar algo? Use o campo abaixo e registre sua participação nesta publicação.
Sugerimos Usar a Opção Nome + URL = Escreva seu nome e no campo url coloque o link de seu blog, site, rede social ou deixe em branco.
Estamos aguardo sua participação.

Postagem Anterior Próxima Postagem
 *Todos os textos do Seja Hoje Diferente é uma produção independente e todo conteúdo produzido é de total responsabilidade de seus idealizadores e editores, apresentados em "Informações" e ou Links de origem.

*O artigo acima não reflete, necessariamente, a opinião do Seja Hoje Diferente publicado em carater divulgativo. 


GeraLinks - Agregador de links