O
spread bancário é um termo que poucas pessoas conhecem, e que gera apreensão na maioria que entra em contato pela primeira vez, por se tratar de um elemento de impacto direto na economia familiar ou de uma empresa de sistema de monitoramento em nuvem.

Por isso, identificar e entender o spread bancário é muito importante, sobretudo para pessoas que buscam um controle financeiro melhor, bem como para aquelas que querem trabalhar efetivamente com esse tipo de atividade.

Para uma compreensão mais simples, é considerado o spread bancário a diferença entre juros que são pagos quando há algum investimento de seu dinheiro, independentemente do método que escolher, por exemplo:

  • Poupança;
  • CDB;
  • Fundos de investimento;
  • LCI.

Este valor também leva em conta os juros que são realizados pela aquisição de empréstimos e financiamentos, tanto no momento da tomada quanto da quitação desse tipo de interação.

Para facilitar, é importante entender esse tipo de interação para também compreender quanto seu dinheiro está realmente aprendendo com o apoio de uma consultoria fiscal.

Pois bem, se você aplica em um fundo de investimento que rende 10% de juros ao ano, mas possui um financiamento imobiliário que cobra 20% de juros, o spread bancário é 10%. Quanto mais operações você fizer que gerem lucro para os bancos, maior será essa taxa.

Por conta desse cálculo, que muitas vezes denota o quanto os bancos estão lucrando em cima de seus clientes, o spread bancário acabou ganhando tons de vilania para muitas pessoas, que têm receio de aplicar ou de trabalhar com o banco como um todo.

Entretanto, esse valor inclui uma série de custos que muitas vezes não são visíveis para o cliente comum, elementos importantes para sustentar toda a estrutura bancária e prestar os serviços necessários para o cliente, como o desenho e Melhoria de Processos.

Por isso, é importante entender o spread antes de rechaçá-lo como um todo, possibilitando que você consiga identificar pontos importantes dentro da estrutura financeira dos bancos e como aplicar isso da melhor forma possível em sua economia.

Conheça os itens relacionados ao spread bancário

Agora que você consegue identificar a grosso modo os elementos responsáveis pelo spread bancário, é importante entender os pontos que formam esse cálculo.

Além dos valores de juros de captação de recursos ou de empréstimos, existem alguns itens importantes para uma assessoria contábil no momento de trabalhar com essa conta, principalmente para evitar possíveis erros.

Estes itens são muitas vezes invisíveis, e estão embutidos no spread bancário para que as instituições consigam continuar prestando os serviços com qualidade, mas que geram um impacto direto no valor final desse tipo de operação.

Pois bem, entre os pontos estão:

Inadimplentes

A inadimplência é um dos maiores problemas que o mercado financeiro possui atualmente, e no Brasil, a taxa de inadimplência é considerada uma das mais altas do mundo. Por conta disso, as instituições financeiras acabam tendo mais dificuldade em oferecer serviços.

Normalmente, quando oferecem empréstimos ou financiamentos, essas empresas precisam de um tipo de margem de segurança que permite mais tranquilidade caso o cliente acabe por ficar inadimplente.

Uma empresa ou instituição financeira precisa da devolução desse dinheiro para conseguir ter sua margem de lucro e continuar operando normalmente, trabalhando com esse tipo de interação de maneira mais adequada.

Por isso, é possível dizer que a maioria desses estabelecimentos acaba embutindo na taxa de juros um valor de segurança para seus serviços, aumentando assim o spread bancário como um todo. 

Inclusive, esse é o principal argumento da maioria das instituições financeiras e contabilidade e consultoria sobre a questão dos altos juros.

Lucratividade

Nenhuma instituição financeira trabalha por caridade ou filantropia. Tratam-se de empresas que buscam efetivamente gerar lucro, além de pagar todas as contas necessárias, desde funcionários até equipamentos necessários para esse tipo de ação.

Mesmo empresas mais modernas e com conceitos diferenciados, como é o caso das fintechs, ainda têm como objetivo final gerar lucro para a empresa e principalmente para seus acionistas, se houverem.

Por isso, lucrar é uma parte importante da composição de juros que gera o spread bancário junto às instituições, garantindo o funcionamento adequado para esse tipo de companhia.

Pagamento de impostos

Alguns impostos, tanto do lado do cliente quanto do lado da instituição costumam ter um impacto direto no spread bancário, uma vez que eles são recolhidos diretamente na fonte, como é o caso dos seguintes:

  • IR (Imposto de Renda);
  • CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido);
  • PIS (Programa de Integração Social).

Um dos impostos que tem maior visibilidade nas transações, mesmo aquelas de importação aérea, e é um dos principais argumentos dos bancos para o encarecimento dos custos e o aumento do spread é o IOF, ou Imposto sobre Operação Financeira, que é cobrado diretamente do consumidor.

Depósito compulsório

O depósito compulsório é uma instrumentalização de controle de dinheiro realizada pelo Banco Central. Com ele, é possível determinar os valores exatos que circulam na economia local.

Esse valor é uma determinação legal, e é obrigatório a toda e qualquer instituição financeira, referente a uma série de elementos como as poupanças e outras captações de depósitos, sejam eles à vista ou a prazo.

O FGC (Fundo Garantidor de Crédito), por conta disso, recolhe uma porcentagem de 0,0125% de todos os depósitos de suas instituições, garantindo assim uma proteção maior para os correntistas e investidores dessa instituição.

Isso porque o FGC permite a recuperação de determinados valores, limitados previamente, para o caso de falência ou liquidação da instituição financeira como um todo.

Por conta disso, estes valores acabam sendo incluídos no spread bancário, aumentando ainda mais o cálculo de juros para a instituição do sistema tms ou qualquer outra empresa, independentemente do ramo de atuação.

Custos administrativos

Aqui, incluem-se todos os gastos da operação comum dos bancos, o que envolve todo o trabalho com a agência e seus funcionários, além de lidar com caixas eletrônicos e centros de tecnologia.

Todos os valores de manutenção do negócio são abordados dentro do custo administrativo, o que acaba favorecendo as fintechs e bancos digitais. Isso acontece porque, uma vez que não há uma agência física para o trabalho, os custos acabam sendo reduzidos.

Esse é um dos principais motivos pelos quais o spread bancário de bancos digitais é menor, o que tem aumentando consideravelmente a quantidade de clientes que estas instituições de software gestão de ativos de TI possuem.

Ainda que estejam começando agora e não tenham o mesmo período de consistência no mercado que as agências bancárias tradicionais, o conteúdo digital tem ganhado cada vez mais força por conta de facilidades e pela redução do spread bancário.

Qual o impacto do spread na vida das pessoas?

O spread bancário deve ser compreendido para que você consiga aplicar da melhor maneira seu dinheiro e consiga trabalhar adequadamente seus investimentos. Quanto maior for a taxa de juros, mais resultado você recebe em suas aplicações financeiras.

Entretanto, é preciso ter em mente que taxas altas de juros são um problema para o incentivo ao consumo, reduzindo a produção e diminuindo o impacto das empresas no mercado, fazendo com que essa taxa comece a cair.

A redução no spread bancário é muito importante para gerar uma série de impactos positivos na vida das pessoas, sobretudo aquelas que estão com problemas de endividamento ou que têm dificuldade para conseguir bens materiais.

Por isso, é importante entender o impacto que o spread bancário tem na sociedade e os motivos que o levam a diminuir. Ainda que você perca um pouco em questão de investimentos, existem diversas atividades econômicas que se otimizam com esse tipo de ação.

As taxas no Brasil costumam ser razoavelmente altas, mas têm passado por alguns momentos de baixa recentemente, o que permite que as empresas contratem novos colaboradores, o mercado passe por um aquecimento e toda a estrutura negocial comece a se adaptar.

Para conseguir um spread bancário satisfatório, que permita uma otimização nos investimentos sem causar impacto negativo na sociedade como um todo, é importante a ação governamental através da criação de leis e diretrizes bancárias.

Dessa forma, é possível identificar melhor as leis com relação a liquidação de bens e garantias, bem como possibilitar uma estrutura mais adequada para conseguir oferecer resultados importantes para a população.

O objetivo final de qualquer empresa é seguir em atividade e buscando uma lucratividade maior. No caso das empresas no mercado financeiro, isso significa conhecer e saber aplicar o spread com qualidade.

Considerações finais

O spread bancário é um cálculo fundamental para a economia, então, saber encontrar o equilíbrio dele é um trabalho muito complexo. Por isso, é importante saber suas definições e como ele é formado.

Dessa maneira, você fica consciente dos elementos fundamentais para a estrutura do spread bancário e porque as taxas de juros seguem alguns valores determinados, o que gera esse tipo de impacto financeiro.

Com esse conhecimento, você pode se programar para conseguir suas metas e objetivos, além de entender como e quando investir para obter o melhor resultado possível nesse tipo de ação.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.
Postagem Anterior Próxima Postagem
Seja Parceiro Anuncie no Seja Hoje Diferente!


Seja Parceiro Anuncie no Seja Hoje Diferente!

Compartilhe nas redes sociais: Apoie ou retribua.

Todos os nossos artigos são exclusivos. A reprodução total ou parcial é proibida.

Apoie ou retribua.