Blog Diferente Para Ser Diferente
Seja Uma Pessoa Melhor, Diferente Você já é ! - Junte-se ao Grupo de Amigos do Seja Hoje Diferente - Bem Vindo (a).

Comunidade Libeirinha Foto Divulgação Reprodução Internet

Saudações Amados do Seja Hoje Diferente.

As populações ribeirinhas, são povos que vivem nas beiras dos rios e geralmente são extremamente pobres e sofrem com as poluições dos rios (esgoto) e com os assoreamentos e a erosão. 

A comunidade ribeirinha da Amazônia vivem em casas de palafitas. 

As atividades desempenhadas são o artesanato e a agricultura, sabendo que a maioria das culturas e criações de animais são complementares à alimentação como caça, pesca e algum extrativismo vegetal.

A sobrevivência da população ribeirinha na várzea amazônica é sempre um atode heroísmo e de aventura. Diante das imprevisões do nível de elevação das águas, que em certos anos provocam as “grandes cheias” e as “grandes secas”, os ribeirinhos permanecem atentos e sob grande expectativa durante os meses da enchente.

Tomam providências para enfrentar os perigos e dificuldades na medida em que eles vão se apresentando, e conforme as condições que dispõem, no momento, para este enfrentamento. 

Para estas famílias de pequenos produtores, carentes de recursos tecnológicos e financeiros é ainda, difícil e impossível planejar, e mesmo sabendo que a cheia vem todos os anos....."estamos sempre apanhando”....”sempre passando aperreado na seca e na cheia”.

A cheia de 1999 foi uma “grande cheia”

A segunda maior do século segundo asestatísticas registradas. 

Na área da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá,na região do Médio Solimões, os níveis da água elevaram-se, em média, a 15mts,excedendo em dois metros a última grande cheia, ocorrida em 1994. 

Como esta população ribeirinha enfrentou esta grande cheia?

Para quem mora numa cidade grande como São Paulo, é um pouco difícil entender – ou aceitar – como a população ribeirinha vive. 

Durante seis meses cultivam mandioca e até criam gado às margens dos rios, mas passam toda a outra metade do ano em suas casas de palafita ou no único meio de transporte local – o barco – sem realmente “pisarem no chão”. 

Seus poucos bois e vacas ficam vivendo em pequenos cercados suspensos.

Hoje tive a oportunidade de ver essa realidade mais de perto. 

Num pequeno bote do Greenpeace percorremos o rio Juruá e, pela primeira vez desde que comecei a acompanhar a expedição, literalmente pisei na floresta amazônica – o que não acontece com freqüência com a tripulação, já que o navio normalmente é ancorado perto de cidades ou povoados. 

Difícil foi encontrar um local razoavelmente seco onde o bote pudesse parar para os jornalistas caminharem e fazerem suas reportagens – nessa época do ano 90% da região de mata fica inundada.

Permanecemos na floresta por quase uma hora. No local gravei uma entrevista em vídeo com um representante do Ibama e, quando fui revê-la, curiosamente o áudio estava muito baixo. 

A imponência da floresta fez com que, sem percebermos, começássemos a quase sussurrar, como se não tivéssemos o direito de perturbar a vida num local que não nos pertence.

Brasil... País de muitos povos entre eles há um povo desconhecido: Os ribeirinhos.

Vivem na região norte,clima tropical(quente e úmido),povo simples e humilde, com uma cultura própria, dormem em redes, lavam roupa no rio, se alimentam: farinha (principal alimentação), café, peixe, muito peixe, carne de caça, em algumas regiões:açaí ,tapioquinha, frutas típicas(Ingá)poucas verduras (apenas para tempero)

Trabalham com:macaxeira, retiro(casa de farinha), tucupi, caça, pesca, venda de camarão, marcenaria, artesanato, roça.

Afirmam ser católicos, mas estão presos em seus ritos e lendas: pajelanção, martinta pereira, boto, mãe d´água . Também presos em muitos vícios:fumo, bebidas, festas, promiscuidade.

Há muitas necessidades!

Vivem sem energia elétrica, e pouca tecnologia.

Em fonte de População Ribeirinha




RIBEIRINHOS DA AMAZÔNIA: 

MODO DE VIDA E RELAÇÃO COM A NATUREZA

A Amazônia vem passando desde a década 1960 por intensas mudanças em sua base econômica e política, onde a “modernização” chegou com a abertura das estradas, ai
começa o que muitos chamam da integração nacional, pautada nas atividades urbano industrial, porém ainda existem lugares com o modo de vida ainda visto como
“atrasados” ou “tradicionais”. 

O texto irá tratará do modo de vida das populações
ribeirinhas na comunidade Tabatinga no município de Abaetetuba, no estado do Pará, o objetivo desse artigo é expor e analisar a sua reprodução social no território. 

Foi realizadas leituras sobre a temática ribeirinha na Amazônia entrevistas e ida a campo no local do estudo.

PALAVRAS CHAVES:

Populações ribeirinhas, Amazônia, modo de vida, Tabatinga.

Leitura em PDF Clique Aqui

Sucesso, Saúde, Proteção e Paz!
Postagem Anterior Próxima Postagem

Veja abaixo mais um artigo do Seja Hoje Diferente!