Desde a sua introdução no Brasil até a proibição em meados dos anos 2000, os comerciais de cigarro foram uma poderosa ferramenta de marketing para a indústria tabagista. Nesse período, a publicidade desse produto era uma poderosa influência cultural e social, e uma das estratégias mais eficazes usadas pelas empresas era a associação do consumo de cigarro a estilos de vida glamorosos e aspiracionais, muito influenciados pela cultura hollywoodiana. Além disso, a música desempenhou um papel crucial nessa abordagem publicitária, capturando a essência do glamour de Hollywood e atraindo a atenção do público. Neste artigo, exploraremos o sucesso dos comerciais de cigarro no Brasil, com destaque para as músicas utilizadas durante a era hollywoodiana.

Contexto Histórico

Na era de ouro da publicidade de cigarros no Brasil, que compreendeu as décadas de 1950 a 1980, o cinema de Hollywood exercia um enorme fascínio sobre a sociedade brasileira. Os filmes americanos projetavam uma imagem de sofisticação, luxo e sucesso, que as marcas de cigarro aproveitaram habilmente em suas campanhas publicitárias. Os comerciais, veiculados na televisão e no rádio, buscavam criar uma associação positiva entre o produto e o estilo de vida glamoroso que Hollywood representava.

As Músicas nos Comerciais de Cigarro


A escolha das músicas para os comerciais de cigarro foi fundamental para criar o ambiente de glamour e aspirações que as marcas desejavam transmitir. As trilhas sonoras cuidadosamente selecionadas eram empolgantes, cativantes e facilmente memorizáveis, permitindo que a mensagem da marca permanecesse na mente dos telespectadores mesmo após o término do anúncio.

Jingles Originais: Muitos comerciais de cigarro apresentavam jingles originais, compostos especialmente para a campanha publicitária. Essas músicas cativantes, frequentemente acompanhadas por uma coreografia atraente, se tornaram quase tão populares quanto o produto em si. Alguns exemplos incluem "Vai Fumar Philip Morris" e "Hollywood é Hollywood", que ainda ecoam na memória de muitos brasileiros.

Músicas Icônicas de Hollywood: Além dos jingles originais, várias marcas de cigarro escolheram músicas famosas de filmes de Hollywood para suas campanhas. Canções de filmes clássicos, como "Moon River" de "Bonequinha de Luxo" e "Love is a Many-Splendored Thing" de "Suplício de uma Saudade", foram habilmente incorporadas aos anúncios, elevando ainda mais o apelo de glamour e sofisticação.

Artistas e Celebridades: Algumas campanhas de cigarro também contaram com a participação de artistas e celebridades famosas da época, tanto brasileiras como estrangeiras. O envolvimento dessas personalidades ampliou o alcance da mensagem e a identificação do público com o estilo de vida que a marca procurava associar ao cigarro.

Legado e Proibição

A era hollywoodiana dos comerciais de cigarro deixou um legado controverso. Por um lado, essas campanhas tiveram um enorme impacto no aumento do consumo de cigarros no Brasil e consolidaram a imagem do cigarro como um símbolo de status e sucesso. Por outro lado, à medida que pesquisas científicas revelaram os graves riscos à saúde associados ao tabagismo, a proibição da publicidade de cigarros tornou-se inevitável.

Os comerciais de cigarro na era hollywoodiana foram uma ferramenta de marketing extremamente eficaz, criando uma conexão emocional entre o público brasileiro e o estilo de vida glamoroso de Hollywood. 

A escolha cuidadosa das músicas foi uma das estratégias utilizadas pelas marcas para seduzir os consumidores e tornar o cigarro um símbolo de status e aspiração. Embora proibida atualmente, a memória desses comerciais e suas músicas cativantes ainda ecoam na cultura popular brasileira, servindo como um lembrete dos poderes e responsabilidades da publicidade.
Postagem Anterior Próxima Postagem


Compartilhe nas redes sociais: Apoie ou retribua.

Todos os nossos artigos são exclusivos. A reprodução total ou parcial é proibida.

Apoie ou retribua.