Relógio do Juízo Final chegou a apenas 90 segundos da meia-noite

O Bulletin of the Atomic Scientists é uma revista e organização fundada em 1945 por cientistas que trabalharam no Projeto Manhattan, o programa do governo dos Estados Unidos para desenvolver as primeiras armas nucleares durante a Segunda Guerra Mundial.

A organização é conhecida por seu "Relógio do Juízo Final", uma representação simbólica da probabilidade de uma catástrofe global, como uma guerra nuclear ou um evento apocalíptico causado pela mudança climática.

O relógio, anteriormente ajustado para 100 segundos para a meia-noite, agora está com apenas 90 segundos para a meia-noite, o que é a catástrofe.

Abaixo está a tradução do comunicado do Bulletin of the Atomic Scientists, Um tempo de perigo sem precedentes: Faltam 90 segundos para a meia-noite :

Este ano, o Conselho de Ciência e Segurança do Boletim de Cientistas Atômicos está avançando o Relógio do Juízo Final, em grande parte (embora não exclusivamente) devido aos crescentes perigos da guerra na Ucrânia. O relógio está agora a 90 segundos da meia-noite, o mais próximo que já chegou de uma catástrofe global.

A guerra na Ucrânia pode estar entrando em seu segundo ano, com ambos os lados convencidos de que podem vencer. O que está em jogo é a soberania da Ucrânia e os acordos de segurança europeus mais amplos que se mantiveram desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Além disso, a guerra da Rússia contra a Ucrânia levantou questões profundas sobre como os Estados interagem, corroendo as normas de conduta internacional que sustentam respostas eficazes a uma variedade de riscos globais.

E pior ainda, as ameaças veladas da Rússia de usar armas nucleares são um lembrete para o mundo de que a escalada do conflito – por acidente, projeto ou erro de cálculo – é um risco terrível. A possibilidade de que o conflito saia do controle de alguém permanece alta.

As ações recentes da Rússia violam décadas de compromissos de Moscou. Em 1994, a Rússia juntou-se aos Estados Unidos e ao Reino Unido em Budapeste, Hungria, declarando solenemente que iria "respeitar a independência e soberania e as fronteiras existentes da Ucrânia" e "abster-se de ameaçar ou usar da força contra a integridade territorial ou independência política da Ucrânia..." Essas garantias foram feitas explicitamente com o entendimento de que a Ucrânia renunciaria às armas nucleares em seu território e assinaria o Tratado de Não-Proliferação Nuclear, ambas as coisas que a Ucrânia fez.

A Rússia também levou sua guerra aos locais dos reatores nucleares de Chernobyl e Zaporizhzhia, violando protocolos internacionais e arriscando a liberação generalizada de materiais radioativos. Os esforços da Agência Internacional de Energia Atômica para garantir essas instalações foram rejeitados até agora.

Enquanto a guerra da Rússia contra a Ucrânia continua, o último tratado de armas nucleares entre a Rússia e os Estados Unidos, o Novo START, está em perigo. A menos que os dois lados retomem as negociações e encontrem uma base para novas reduções, o tratado expirará em fevereiro de 2026. Isso eliminaria as inspeções mútuas, aprofundaria a desconfiança, estimularia uma corrida armamentista nuclear e aumentaria a possibilidade de conflito nuclear.

Como alertou o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, em agosto, o mundo entrou “em um momento de perigo nuclear não visto desde o auge da Guerra Fria”.

Os efeitos da guerra não se limitam a um aumento do perigo nuclear, eles também minam os esforços globais para combater as mudanças climáticas. Os países dependentes do petróleo e gás russos têm buscado diversificar os suprimentos e fornecedores, levando a mais investimentos em gás natural, exatamente quando esses investimentos deveriam estar diminuindo.

No contexto de uma guerra em curso e no cenário de ameaças nucleares, as falsas acusações da Rússia de que a Ucrânia planeja usar dispositivos de dispersão radiológica, armas químicas e armas biológicas também assumem um novo significado. O fluxo contínuo de desinformação sobre laboratórios de armas biológicas na Ucrânia levanta preocupações de que a própria Rússia possa estar considerando a implantação de tais armas, que muitos especialistas acreditam que continua a desenvolver.

A invasão russa da Ucrânia aumentou o risco de uso de armas nucleares, levantou o espectro do uso de armas biológicas e químicas, dificultou a resposta mundial à mudança climática e dificultou os esforços internacionais para abordar outras preocupações globais. A invasão e anexação do território ucraniano também violou as normas internacionais de maneiras que podem encorajar outros a tomar medidas que desafiem os entendimentos anteriores e ameacem a estabilidade.

Não há um caminho claro para criar uma paz justa que desencoraje futuras agressões sob a sombra de armas nucleares. Mas, pelo menos, os Estados Unidos devem manter a porta aberta para um compromisso de princípios com Moscou que reduzirá o perigoso aumento do risco nuclear que a guerra promoveu. Um elemento de redução de risco poderia envolver contatos militares contínuos de alto nível dos EUA com a Rússia para reduzir a probabilidade de erros de julgamento. 

O governo dos EUA, seus aliados da OTAN e a Ucrânia têm uma infinidade de canais de diálogo – todos devem ser explorados. Encontrar um caminho para negociações de paz sérias pode ajudar muito a reduzir o risco de uma escalada. Nesta época de perigo global sem precedentes.

Postagem Anterior Próxima Postagem
Seja Parceiro Anuncie no Seja Hoje Diferente!


Seja Parceiro Anuncie no Seja Hoje Diferente!

Compartilhe nas redes sociais: Apoie ou retribua.

Todos os nossos artigos são exclusivos. A reprodução total ou parcial é proibida.

Apoie ou retribua.