Fórum Econômico Mundial

A relação entre a economia e a meio ambiente foi um dos principais assuntos discutidos no evento global

Os ministros da Fazenda e do Meio Ambiente, Fernando Haddad e Marina Silva, respectivamente, marcaram presença no Fórum Econômico Mundial, encerrado na última sexta-feira (20), em Davos, na Suíça. Entre os pontos importantes que eles trouxeram para os debates, está o compromisso com a economia e o meio ambiente, no Brasil, nos próximos anos. Ou seja, realizar o desenvolvimento econômico de forma sustentável e com fiscalizações.

Nos últimos anos, o país vem registrando alta em emissões de poluentes no ar. Segundo dados do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG), do Observatório do Clima, em 2021, foram 2,42 bilhões de toneladas brutas de CO2 emitidas, o maior volume em 16 anos. Por setores econômicos, houve um crescimento de taxa de 3,8% na agropecuária, de 8,2% nos processos industriais e 12,2% no de energia. Apenas a poluição causada pelo desmatamento e a agropecuária juntos somam mais de 70% das poluentes, por exemplo. Além disso, ainda em 2021, a Amazônia registrou o maior desmatamento em 15 anos.

Outro ponto importante é a produção de lixo no país. De acordo com dados do Plano Nacional de Resíduos Sólidos, divulgados em 2022, ela corresponde a mais de 82 milhões de toneladas por ano e apenas 2% dela é reciclada. Sendo que a decomposição do lixo aumenta a emissão de carbono, conforme estudo do Departamento de Economia do Sindicato Nacional das Empresas de Limpeza Urbana (Selurb) são 6 milhões de toneladas de dióxido de carbono que vão para a atmosfera com a gestão incorreta dos resíduos.

Considerando o contexto econômico brasileiro, principalmente com várias indústrias, de grande porte e impacto ambiental, como é possível acelerar a economia de forma sustentável, em todo o país? Considerando que esse processo será essencial para minimizar a crise climática? Um ecossistema ESG é um dos caminhos para essa transformação. Um exemplo, na prática, é a startup 4H:

Assim como o Uber e o iFood concentraram os diferentes elos de suas cadeias produtivas em uma plataforma, a 4H está reunindo todos os agentes determinantes para tratar o lixo de forma sustentável. Todos ganham dinheiro: desde uma grande empresa que precisa ter controle na destinação de seus resíduos até os moradores da região que reciclam os materiais. Todos ganham valor: a meta é zerar a destinação de todos os tipos de resíduos para aterros sanitários até 2030. Neste momento, são 40 hubs em formação no país, 4 deles já implantados em uma das principais indústrias de bebidas do país. 

“Somos um ecossistema que conecta aqueles que querem transformar o lixo em ouro. Os Centros de Distribuição de grandes empresas já estão instalados em locais estratégicos. Cada um, ao se juntar à 4H, dá o pontapé para iniciarmos a construção de um hub local, onde integramos todos os agentes necessários para o descarte e venda dos recicláveis. Fazemos uma gestão de ponta a ponta de forma inclusiva e com métricas reais. São práticas verdadeiras de ESG, alinhadas aos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU)”, afirma a CEO da 4H, a arquiteta e urbanista Ana Arsky. 

4H (4 Hábitos para Mudar o Mundo) foi criada em 2019, no Distrito Federal. É a primeira empresa do DF certificada pelo Sistema B - uma comunidade global de líderes que usam os seus negócios para a construção de um sistema econômico mais inclusivo, equitativo e regenerativo para as pessoas e para o planeta. “O pensar, o sentir e o agir estão alinhados para colocarmos em prática as intenções das empresas de serem melhores para o planeta. E isso começa com 4 hábitos: separar, reduzir, recuperar e multiplicar”, diz Ana.

Além do Sistema B, a 4H é membro do Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICCB) e da Humanizadas. Está presente no CUBO Itaú, o maior hub de startups da América Latina. É ainda membro cofundador do ∞labs, uma catalisadora de ecossistemas voltados para a economia infinita, uma nova onda de modelos de negócios que chega após o boom das startups. Já passou por programas de aceleração de instituições como Sebrae, Bossanova, Deloitte Brasil e UK,  B2Mamy, Distrito, Seed MG, FiNEP, FAP DF, Planeta Startup da Microsoft e RedeTV!, Amcham e Inovativa de Impacto da Certi.

“O próprio lixo financia o tratamento dele: é auto sustentável", destaca Ana Arsky

Como funciona - O lixo é autodeclaratório no mundo inteiro e fabricantes de quaisquer produtos, ou até mesmo serviços, descartam resíduos que sobram de seus processos. A 4 Hábitos para Mudar o Mundo, ou apenas 4H, avalia e metrifica o que as companhias têm feito com seu lixo, sendo capaz de colocar em prática um novo processo envolvendo colaboradores, gestores e equipes parceiras. Desta forma, ao final da execução de seu trabalho de alinhamento das ações necessárias, faz com que o volume de recicláveis aumente consideravelmente

Para isso, a 4H age em uma jornada dividida em seis etapas. Durante a avaliação (1) é feito, em apenas dois dias, um diagnóstico do potencial de resíduos do estabelecimento. Com o diagnóstico (2) em mãos, tem-se o resultado comparativo com cruzamento de dados dos últimos três meses. Em seguida, é a vez de configurar (3), quando é feita a implantação do suporte, equipamentos e estratégia para descarte correto. Durante o treinamento (4) é realizada a estruturação a partir da comunicação e capacitação presencial dos operadores e educação para os colaboradores. A seguir, na etapa de logística (5), é feita a trilha de coleta de resíduos com rastreabilidade e, então, na plataforma (6), é construído o painel de controle digital e estoque de documentação. 

“Durante cada fase, setores diversos da empresa, como inovação, logística, RH e financeiro, são envolvidos no processo, tornando-o linear, consistente e eficaz”, conta Ana Arsky, fundadora e diretora executiva da empresa. 

A 4H faz toda a gestão, de ponta a ponta, gerindo os fluxos de  materiais e financeiros, tendo catadores treinados atuando no controle de qualidade. Com isso, ela auxilia a empresa a fortalecer verdadeiramente sua cultura de sustentabilidade. “Esses profissionais possuem habilidades únicas, em qualidade e agilidade. Devidamente remunerados nesse trabalho, o círculo virtuoso se completa e todos saem ganhando”, afirma Ana.

Essas mudanças não impactam apenas quem está diretamente envolvido no processo daquela empresa, mas também ajuda a reverter as mudanças climáticas“Hoje, a grande maioria das empresas pagam para o serviço de coleta levar para o aterro seu lixo e gerar mais poluição, enquanto é possível, por meio do trabalho da 4H, que elas recebam pagamento pelo seu lixo reciclável possibilitando, ainda, melhorias expressivas na qualidade de vida dos catadores e de suas famílias que têm suas rendas ampliadas a partir do serviço de controle, além do reflexo positivo nas comunidades moradoras das periferias que circundam os aterros sanitários”, explica Ana.

Sobre a 4H – A cleantech 4H foi fundada em 2019, no Distrito Federal. Em 2022, evoluiu para um ecossistema que quer zerar a destinação de todos os tipos de resíduos para aterros sanitários até 2030, ajudando a reduzir as mudanças climáticas. Em sua plataforma, os agentes do processo de descarte e reaproveitamento de resíduos são conectados e todos ganham. Além de eliminar os gastos das empresas no tratamento do lixo de forma sustentável, o lixo se transforma em dinheiro para as associações de recicladores e outros agentes do processo. Diante de seu potencial de crescimento, a empresa já foi aprovada em programas de instituições como Sebrae, Bossanova, Deloitte Brasil e UK, B2Mamy, Distrito, Seed MG, FiNEP, FAP DF, Planeta Startup da Microsoft e RedeTV!, Amcham, Inovativa de Impacto da Certi e Cubo Itaú, além de conquistar os selos do Sistema B e do Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICBB). É ainda membro da Ellen MacArthur Foundation e cofundadora do ∞labs. Em 2022, foi eleita a 6ª melhor startup do país pelo Ranking 100 Open, na categoria Water e Sanitation. 

Saiba mais em www.4habitos.com.br/.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Compartilhe nas redes sociais: Apoie ou retribua.

Todos os nossos artigos são exclusivos. A reprodução total ou parcial é proibida.

Apoie ou retribua.