Ao menos oito carros e cinco ônibus foram incendiados nesta segunda-feira, 12, na capital do país

Um dia depois da sede da Polícia Federal (PF) em Brasília ser alvo de ataques de manifestantes, que também incendiaram ao menos oito carros e cinco ônibus e depredaram janelas de um hotel da região, deputados, senadores e autoridades aliadas do presidente Jair Bolsonaro (PL) usaram as redes sociais para rebater as acusações de que os atos de vandalismo teriam sido cometidos por bolsonaristas.

Nesta terça-feira, 13, o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, afirmou que os ataques foram feitos por black blocs que “que não existiram durante todo o governo Bolsonaro”. “Eles tem cara de Black Blocs, jeito de Black Blocs, fúria de Black Blocs, cheiro de Black Blocs e violência dos Black Blocs”, escreveu o ministro em sua conta no Twitter. Assim como ele, o ex-ministro do Turismo, Gilson Machado, falou em “táticas de guerrilhas” já antes vistas e questionou: 

“A quem interessa esse tumulto?”. “Fogo em lixeiras e veículos. Já vimos esse filme antes. Não fazem parte dos movimentos conservadores”, afirmou, também compartilhando um vídeo em que os supostos infiltrados pedem a saída do presidente da República.

Ex-membro do Movimento Brasil Livre (MBL), o vereador de São Paulo, Fernando Holiday, também questionou a autoria dos ataques ao afirmar que membros da direita – aliados a Jair Bolsonaro – se manifestam desde 2015, mas de forma “absolutamente pacífica”. “Ontem, logo ontem, surgem manifestantes com táticas black blocs? É evidente que tem infiltração. 

É evidente que tem método”, afirmou Holiday nas redes sociais. O ex-ministro das Comunicações, Fábio Wajngarten, falou em fatos lamentáveis em Brasília, pediu uma investigação imediata, mas reconheceu que há muitos ruídos e versões diferentes. 

“Infiltrados serão imediatamente desmascarados”, escreveu. Em nota encaminhada ao site da Jovem Pan, o deputado federal Bibo Nunes (PL/RS) também defendeu a existência de infiltrados nos movimentos bolsonaristas na capital do Brasil. De acordo com ele, a “guerrilha” ocorrida em Brasília foi provocada pela esquerda radical. “Manifestações de quem veste verde e amarelo não são frequentadas por vândalos, mas, sim, por quem acredita na democracia e respeita a Constituição. Bolsonaristas não têm esse perfil de apoiar a desordem, a violência. […] Nossa força é o patriotismo.

 A maneira que nos manifestamos é vestindo verde e amarelo, levando a bandeira do país a tiracolo e expondo nossa opinião política na companhia das nossas famílias”, exaltou no comunicado, falando em acusações sem fundamentos.

Informações Jovem Pan News

Postagem Anterior Próxima Postagem
Seja Parceiro Anuncie no Seja Hoje Diferente!


Seja Parceiro Anuncie no Seja Hoje Diferente!

Compartilhe nas redes sociais: Apoie ou retribua.

Todos os nossos artigos são exclusivos. A reprodução total ou parcial é proibida.

Apoie ou retribua.