16.2.22

Governança de dados: 5 boas práticas no seu uso


A governança de dados é uma ferramenta muito importante para sua companhia, uma vez que ajuda a estruturar todos os dados relacionados à organização produtora. Por isso, é importante saber como otimizar esse processo para extrair o melhor destas informações.

A proteção dos dados é uma questão que sempre permeou as empresas, sobretudo com a inserção no mundo digital. Hoje, com a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) é preciso tomar muito cuidado com as informações coletadas de seus clientes e colaboradores.

Para você trabalhar com mais segurança e evitar o vazamento de dados, a governança é o principal caminho a se seguir, possibilitando um contexto maior para esse tipo de atividade.

Administrar os dados coletados pela empresa é um ponto fundamental para a segurança corporativa e para a continuidade de uma companhia de consultoria fiscal, principalmente quando os riscos de lidar com o vazamento de dados são grandes.

Com a LGPD, as multas para empresas que perderem dados de clientes podem chegar a cinquenta milhões de reais, um valor muito alto para qualquer companhia independente de seu porte.

Os dados são ferramentas muito importantes para a prática do trabalho, sobretudo para o planejamento estratégico de suas ações de marketing digital. 

Entretanto, é preciso trabalhar com regras para todos os processos relacionados a isso, desde a coleta até o armazenamento em um sistema de monitoramento em nuvem.

Para além da lei, uma empresa deve ter responsabilidade social quando lida com informações de terceiros, pois uma empresa que tem dados vazados não só perde credibilidade dos seus consumidores, como ainda oferece informações valiosas para seus concorrentes.

A governança de dados vem como uma maneira de estruturar este tipo de trabalho, identificando as maneiras mais inteligentes de lidar com os dados coletados por uma organização de gestão de condomínios

Para isso, é preciso levar em conta alguns fatores, como:

  • Políticas da empresa;
  • Processos de trabalho;
  • Recursos humanos;
  • Avanços tecnológicos.

Cada uma destas etapas é fundamental para trabalhar adequadamente com a coleta de dados e aumentar a qualidade de uso destas informações, otimizando uma série de etapas da empresa.

Um ponto importante para essa atividade é a criação de um manual de condutas, que deverá ser de livre acesso a todos os colaboradores e cuja leitura e compreensão deve ser incentivada, para garantir que todos os funcionários entendam as regras desse processo.

Assim, você garante o cumprimento destas atividades, garantindo uma estrutura de atendimento mais adequada e promovendo um processo de governança mais efetivo para a companhia.

A governança de dados tornou-se um dos principais elementos da atualidade no mundo corporativo, uma vez que a tomada de decisões com base em informações de seu público acaba sendo muito mais efetiva, garantindo novas oportunidades de assessoria contábil e uma lucratividade maior.

Por que fazer a governança de dados?

Agora que você consegue compreender um pouco mais o que é a governança de dados, é preciso compreender os principais benefícios que ela pode trazer para sua empresa, principalmente com relação à gestão e administração.

O primeiro ponto diz respeito à tomada de decisões. Com a governança de dados, você tem acesso a relatórios e informações muito mais precisas de seus consumidores, em um tempo menor do que o esperado. 

Esse processo ajuda a entender melhor o mercado como um todo. Além disso, os processos da empresa como um todo acabam se tornando mais eficientes. 

Ao identificar as necessidades de seu público, você consegue automatizar processos repetitivos, deixando sua equipe livre para trabalhar em conquistar novas oportunidades dentro da área de assessoria contábil, por exemplo.

O pensamento estratégico é uma das principais vantagens trazidas aos gestores pela governança de dados. 

Quanto mais informações você possui sobre um cliente, maiores são as chances de se comunicar de forma efetiva e garantir muito mais conversões a longo prazo.

Práticas de governança de dados

Para trabalhar adequadamente com a governança de dados, é preciso tomar atenção a algumas boas práticas que tornam esse processo mais transparente e claro para seus colaboradores.

Esse tipo de atividade também ajuda a manter a imagem da empresa em alta com o público, sendo muito benéfico para todos os envolvidos no processo. Você deve ser o mais aberto possível com relação a coleta e armazenamento de dados.

Isso não é apenas um requisito da lei de proteção de dados, mas uma forma de mostrar ao consumidor que ele pode confiar em sua empresa de exportação e que terá tranquilidade ao trabalhar com suas opções disponíveis.

  1. Saiba segmentar o trabalho

A governança de dados é um processo bastante complexo. Por isso, é importante que, depois de fazer um planejamento geral, avaliando todo o quadro da empresa, você consiga segmentar a aplicação.

Dessa maneira, você consegue executar essa estratégia com muito mais habilidade, sabendo trabalhar em alguns pontos importantes para otimizar seus resultados, sobretudo ao lidar com três elementos básicos: pessoas, tecnologia e processos.

Essas ações são complementares, então é preciso saber trabalhar com um sistema tms para conseguir um bom resultado na implantação de uma boa governança de dados.

Ao escolher as pessoas certas para o trabalho, você conseguirá encontrar uma tecnologia adequada e a otimização de processos para esse tipo de atividade.

  1. Monte um caso de negócio

Embora planejar seja muito importante, e você não deva pular nenhuma parte desse processo, a montagem de um caso concreto para a aplicação em sua empresa é o que realmente vai fazer a governança de dados funcionar.

É preciso identificar os verdadeiros benefícios e as oportunidades conquistadas com esse tipo de trabalho para garantir uma boa organização e incentivar seus colaboradores a tomarem parte desse processo.

Até mesmo a experiência do consumidor é otimizada quando você trabalha com um caso concreto em mente. A gestão de dados é um passo importante, principalmente ao avaliar as falhas nesse tipo de processo.

Entretanto, identificar dificuldades e não tomar atitudes acaba não sendo vantajoso ou útil. Você deve aproveitar essas informações para criar uma base efetiva de trabalho em sua estrutura de negócios de software gestão de ativos de TI (Tecnologia da Informação).

Dessa maneira, você consegue alavancar as mudanças necessárias para que sua empresa consiga utilizar a governança de dados da melhor maneira possível, ampliando suas oportunidades dentro do mercado.

  1. Trabalhando com métricas

Qualquer mudança no seu perfil profissional deve ser acompanhada. Isso não é diferente com a governança de dados, sobretudo por conta da importância desse tipo de trabalho para a organização da empresa.

Estipular métricas de avaliação permite que você consiga trabalhar com uma compreensão maior do que está sendo efetuado pela empresa, e dos resultados que provém destas mudanças.

Assim, se algo estiver gerando um impacto negativo, você consegue identificar ainda em um primeiro momento, conseguindo reverter o quadro e garantindo que a governança de dados seja um processo benéfico para a empresa no fim de sua aplicação.

  1. O processo de comunicação

A comunicação é um dos pontos mais importantes para qualquer implementação em sua empresa. Seus colaboradores devem entender o porquê das mudanças que estão acontecendo e ter um canal aberto para tirarem dúvidas e questionamentos.

Quanto mais você se comunicar com a equipe, mais fácil será aplicar este novo conceito e adequá-lo à realidade da empresa. Uma boa comunicação é fundamental para apresentar o impacto desse tipo de programa.

Além disso, com a comunicação sendo um dos focos de ação, você pode trabalhar de maneira muito mais transparente, sem medo de perder informações no meio do caminho.

  1. Práticas consistentes

Muitas empresas acabam adotando a governança de dados como um projeto especial, que depois de um determinado tempo acaba sendo deixado de lado. Esse processo, entretanto, acaba sendo prejudicial para as empresas.

A governança de dados deve ser vista como uma prática dentro da companhia, um elemento constante, que não tem prazo para acabar e que deve ser inserida na essência da companhia todos os dias.

Essa prática de TI estará constantemente ligada à equipe de gestão, e por isso você não deve lidar com ela como algo finito, que deixará de ter valor depois de certo tempo.

Considerações finais

A governança de dados é mais do que um processo para organizar a forma como você coleta as informações necessárias para a execução do trabalho, é uma maneira de ter mais responsabilidade e se adequar às regras do mercado para esse tipo de ação.

Quanto mais você se antecipa e organiza sua companhia para esse tipo de processo, maiores são as chances de gerar um forte impacto no mercado, uma vez que esse tipo de ação garante uma transparência e responsabilidade social muito maior para as empresas.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.



GeraLinks - Agregador de links