Blog Diferente Para Ser Diferente
Seja Uma Pessoa Melhor, Diferente Você já é ! - Junte-se ao Grupo de Amigos do Seja Hoje Diferente - Bem Vindo (a).

A maneira certa de usar álcool em gel
Uso adequado impede a contaminação por agentes infecciosos, como o novo coronavírus

Após a pandemia do novo coronavírus, muitos dos nossos hábitos tiveram que ser alterados, principalmente, para garantir uma proteção diária. A higiene, que sempre foi necessária para evitar infecções e doenças, mais que nunca, deve ser priorizada, e é aí que entra o papel do álcool em gel.

Em algumas situações do cotidiano, como quando estamos fora de casa, as pessoas não têm condições de lavar as mãos com água e sabão, uma maneira supereficaz de eliminar o vírus da nossa pele. Assim, o álcool em gel acaba sendo mais prático e tão eficiente quanto.

O que muita gente não sabe é que existe uma maneira certa de usar o álcool em gel. Mais que isso, há um tipo certo dessa substância para eliminar o novo coronavírus e outros agentes infecciosos.


Álcool 70º
Tanto autoridades nacionais, como o Ministério da Saúde, quanto internacionais, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), consideram o álcool um antisséptico eficaz no combate ao novo coronavírus. Existem estudos que comprovam que o tipo mais eficiente é a solução acima de 70º. 

De acordo com a dermatologista Lais Leonor, o álcool 70º tem atuação direta na parede celular do agente infeccioso, no caso, o coronavírus, de modo a desestruturar as proteínas que o revestem, fazendo com que ele desintegre.

“O 70% do rótulo refere-se à existência de 70 partes de álcool para 100 do produto final. Ou seja, em cada 100 ml de formulação em gel, 70 ml é puro álcool”, explica. Esse álcool é o mais indicado para desinfecção do novo coronavírus. 

Entretanto, para cada lugar, é recomendado um tipo específico. O líquido é indicado para a limpeza de superfícies, como mesas, bancadas e objetos, mas não deve ser usado nas mãos, já que tem um grande potencial de ressecamento da pele.

O gel é indicado especificamente para higienização das mãos. Segundo a infectologista responsável pelo controle de infecção hospitalar da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Anna Sara Levin, “o álcool em gel foi feito para as mãos, para proteger e não ressecar a pele”.

Leonor ainda ressalta outro aspecto do gel. “A combinação [entre os 70 ml de álcool, 30% de água e espessante] confere a consistência de gel, o que reduz o potencial incendiário do álcool e prolonga seu tempo de ação nas superfícies. Outro veículo ou produtos mais concentrados são agressivos para pele”, conclui.

Isso significa que o álcool em gel acaba sendo mais eficaz no combate aos agentes infecciosos, bem como gera mais proteção, o que não pode ser negligenciado, de forma alguma, principalmente, quando for mexer com fogo.

Modo de uso
Assim como para lavar as mãos, também existe uma maneira certa de usar o álcool em gel. A quantidade deve servir para cobrir toda a superfície das mãos, desde o dorso até a ponta dos dedos, passando pelas unhas, entre os dedos e as palmas. Passar o produto em toda a superfície garante maior proteção.

Nunca seque as mãos com papel-toalha após passar o gel. Deixe que elas sequem naturalmente, sem friccionar a pele para acelerar o processo. Caso use anéis, pulseiras e relógios, é indicado removê-los ao usar o álcool e, antes de colocá-los novamente, desinfecte-os também.

Outro ponto é não passar várias vezes o produto sem que a pele esteja completamente seca. Caso perceba alguma sujeita, é preferível lavar as mãos, se isso for possível.

Certificado de garantia
Por conta da maior procura, o álcool em gel acabou virando um item mais caro, fazendo com que muita gente tenha optado por fazer as chamadas “receitas caseiras”. O problema é que elas não lhe dão nenhuma garantia de eficácia, gerando riscos, até mesmo, à sua saúde.

O mais recomendável é comprar produtos que tenham registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O selo da Anvisa garante a qualidade e a eficiência do produto. Não se esqueça de conferir a data de validade, para não comprar um item vencido.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Veja abaixo mais um artigo do Seja Hoje Diferente!