Blog Diferente Para Ser Diferente
Seja Uma Pessoa Melhor, Diferente Você já é ! - Junte-se ao Grupo de Amigos do Seja Hoje Diferente - Bem Vindo (a).


É fato conhecido que todo investimento tem seus riscos; aplicações extremamente seguras, como o Tesouro Direto, mesmo assim, possuem certo risco. Isso porque, diferente do que possa parecer, existem variadas possíveis “ameaças” à rentabilidade das aplicações — e quanto maiores esses perigos, maiores também as taxas de retorno.

Não é difícil perceber que existe uma relação bastante lógica entre o risco e o rendimento: à medida que um aumenta, o outro também cresce. Então parece, à primeira vista, que sempre vale a pena aplicar em ativos mais arriscados, não é? Nem sempre. É preciso analisar, entre as opções disponíveis, aquela que combina mais com o perfil de investidor e os objetivos de vida.

Outro ponto que deve ser avaliado é qual o risco característico do investimento em questão. Para isso, é preciso, primeiramente, compreender qual o real significado de risco nas aplicações e quais os cuidados que devem ser tomados, tanto para evitar prejuízos quanto para traçar uma estratégia visando bons retornos por meio da volatilidade natural de algumas classe de ativos.


O que, então, é risco de investimento?


De maneira generalizada, o risco em investimento é a probabilidade de que o rendimento real esteja aquém do esperado. Na prática, significa que algum evento futuro tenha influência negativa na performance de uma aplicação — existem algumas que sofrem mais com acontecimento externos, são mais variáveis, e outras que possuem características que as protegem, como seguro.

Tais acontecimentos podem ou não estar relacionados com a própria organização que emite um investimento; afinal, há também a possibilidade de influírem decisões políticas, estratégias da própria instituição e até performance de outros ativos. Algumas ações, por exemplo, estão atreladas entre si, ou seja, a queda de uma ocasiona uma variação no rendimento de outra.

É bastante comum, inclusive, relacionar o risco de um investimento apenas com o mercado de ações. Mas toda e qualquer aplicação possui certo risco ligado a ela, que vai depender justamente da origem do fator que influencia a variação dos preços — pode ser o próprio mercado, a reputação da instituição, ou mesmo a política internacional.


Quais são os principais tipos de riscos de investimentos?


Conhecer os tipos de risco é essencial para poder trabalhar melhor diante de quaisquer surpresas e acontecimentos durante a aplicação. Assim, é possível não apenas contornar esses eventos a fim de evitar prejuízos, mas, também, aproveitar-se deles para aumentar a rentabilidade do ativo. Há duas classe essenciais de risco: sistêmicos e não-sistêmicos.

O primeiro caso, é preciso compreender que depende de todo um sistema, ou seja, acontece por causa de um colapso generalizado, como a decadência de um setor. É bastante abrangente e atinge até quem não possui aplicações, ou quem não está envolvido diretamente com a origem desse colapso.

Um exemplo excelente é a crise mundial de 2008, causada, inicialmente, pela falência do Lehman Brothers, um dos maiores bancos dos Estados Unidos na época. Os desdobramentos desse evento podem ser percebidos até hoje, pois a instabilidade das bolsas de valores pelo mundo trouxe um clima de insegurança não só para investidores — ligados ou não ao banco —, mas também a governos de diversos países.

O segundo caso, trata-se de um risco com consequências mais localizadas, isto é, interfere apenas pessoas ligadas diretamente à origem do evento, sem gerar efeitos de propagação. Dentro do risco sistêmico, existem ainda outras categorias, classificadas de acordo com a origem do acontecimento.


Risco de mercado


Um dos mais conhecidos pelos investidores, o risco de mercado se origina pela variação do preço da aplicação financeira. Ocorre, basicamente, pela lei da Oferta e da Demanda, isto é, o preço do investimento tende a subir ou descer, dependendo da procura por determinado ativo no mercado. O risco, então, está na desvalorização de um investimento e, por consequência, no prejuízo para o investidor,


Risco de liquidez


Liquidez é a velocidade com que um ativo se transforma em dinheiro em conta, seja pelo resgate ou pelo mercado secundário; isto é, um investimento é líquido quando pode ser facilmente resgatado e menos líquido quando existe um período de carência. O risco, então, está na impossibilidade de venda no mercado secundário e, por consequência, no prejuízo para o investidor.


Risco de crédito


Outro risco bastante temido pelos investidores é o risco de a instituição não cumprir com seus deveres financeiros devido à calote ou à falência. Isso porque as aplicações podem ser vistas como um empréstimo: o investidor adquire um título e, ao fim do prazo, recebe este valor acrescido de juros. O risco, então, está em não receber o valor investido, parcial ou totalmente, trazendo prejuízo.


Risco operacional


Menos comum, mas ainda assim possível, o risco operacional envolve a falência de uma instituição por causa de falhas na operação, de origem interna ou externa - pode ocorrer na gestão, em recursos materiais ou humanos. O risco, então, está tanto na queda dos preços de ativos ligados à instituição ou no calote, em caso de falência.


Risco legal


Ainda que existam órgãos que ajudam a regulamentar o mercado financeiro, é possível existir falhas nas cláusulas de determinada aplicação, desfavorecendo o investidor; afinal, ele tem direitos que as instituições devem cumprir. O risco, então, está em um mercado não regulamentado, que pode trazer prejuízo ao investidor em contratos confusos e com brechas.

Para contornar esses riscos, existe a possibilidade de estar avesso a eles, como fazem os perfis mais conservadores. Assim, é possível investir em ativos menos arriscados, como na renda fixa, mas com a ciência de menor rentabilidade também.

Outra possibilidade é, na verdade, explorar o risco a seu favor, mas é preciso identificá-los, analisá-los e dar prioridade para aqueles que afetem menos a rentabilidade. Uma boa dica é sempre diversificar a carteira de ativos, unindo aplicações mais arriscadas com outras mais seguras, para trazer equilíbrio e, claro, melhores resultados.
Postagem Anterior Próxima Postagem

Veja abaixo mais um artigo do Seja Hoje Diferente!