Unidade Ipiranga da Rede de Hospitais São Camilo ACS Hospital São Camilo

Vacinas são responsáveis pelo controle de diversas doenças como tétano, poliomielite e sarampo

A vacinação é algo cada vez mais importante para a sociedade, seja a BCG, a vacina contra pólio, Covid-19 ou HPV, o imunizante tem por objetivo prevenir algumas doenças infecciosas ou a sua forma grave, diminuindo os riscos de internação, disseminação da doença e óbitos, podendo levar até a erradicação da doença. Especialmente após a pandemia da Covid-19, os imunizantes se tornaram assunto ainda mais presente nas conversas do dia a dia da população.

A cobertura vacinal vem apresentando uma queda importante. Segundo o Ministério da Saúde, a cobertura vacinal do país em 2022 ficou em cerca de 67,94%, sendo que o recomendado é acima de 95%. Segundo relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) de abril de 2023, no Brasil, cerca de 26% da população infantil não recebeu nenhuma dose de vacina em 2021. Nesse cenário, entender como as vacinas são feitas pode ser uma resposta para a desinformação. 

De acordo com a infectologista pediátrica na Rede de Hospitais São Camilo, Claudia Maekawa Maruyama, as vacinas foram responsáveis por erradicar somente a varíola.“Doenças como a paralisia infantil, sarampo, rubéola, coqueluche, tétano,  entre outras, não estão erradicadas, mas são efetivamente controladas pela vacinação”, comenta. Alguns mitos sempre são levantados quando o tema é vacinação e Maruyama esclarece quatro deles.

Mito: Vacinas podem causar doenças.

As vacinas não tem o potencial de fazer com que a pessoa desenvolva a doença, mesmo quando feitas do “próprio” vírus. O que acontece é que o antígeno – molécula que fará com que os anticorpos reajam – do qual a vacina é produzida pode ser feito por meio de formas genéticas mais fracas ou inativadas de uma determinada doença. Isso é feito para que o sistema imunológico possa reconhecer aquele organismo e aprender a combatê-lo, mas a dose da vacina não tem nenhuma capacidade de causar doenças.

Mito: Tomar mais de uma vacina pode causar efeitos colaterais perigosos.

As vacinas podem possuir efeitos colaterais leves como febre ou dores no local da aplicação, porém, não são capazes de causar autismo, por exemplo. “Podem acontecer casos raros de reações adversas incomuns, porém é mais provável que uma pessoa fique gravemente adoecida ao ser acometida por uma condição que pode ser prevenida, do que por tomar a vacina”, explica a infectologista. No entanto, tomar mais de 1 vacina em um mesmo dia, não acumula ou intensifica as reações. 

Depende: Apenas uma dose da vacina é suficiente para a prevenção.

Cada vacina possui seu esquema vacinal, algumas vacinas demandam somente uma dose, no entanto, a vacina da Hepatite B e HPV, necessitam de outras doses. Já outras necessitam de reforço como, por exemplo, anti-tetânica a cada 10 anos. Para aquelas que necessitam de mais de 1 dose ou  reforço, receber  somente  a primeira dose não é o suficiente para prevenir a doença. 

Verdade: Não é todo mundo que pode tomar vacinas.

Para determinadas vacinas, pode existir contra indicação, como, alergias graves (anafilaxia) a algum componente da vacina ou condições de saúde, como imunossupressão grave, que podem contraindicar o seu recebimento. “Ressalto a importância da imunização coletiva para que essa parcela também esteja protegida contra as doenças”, esclarece a infectologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo. É importante ressaltar que todos os imunizantes no Brasil são regulamentados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que possam ser disponibilizados nas redes de saúde. 

Sobre a Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo

A Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo conta com 3 Unidades de hospital geral (Pompeia, Santana e Ipiranga) que prestam atendimentos em mais de 60 especialidades, cirurgias de alta complexidade, como Oncologia e Transplantes de Medula Óssea. Conta também com 1 Unidade especializada em Reabilitação e Cuidados Paliativos na Granja Viana.

Os hospitais gerais com atendimentos privados da Rede subsidiam as atividades de cerca de 40 unidades administradas pela São Camilo e que atendem pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) em 15 Estados brasileiros. No Brasil desde 1922, a São Camilo, que pertence à Ordem dos Ministros dos Enfermos, foi fundada por Camilo de Lellis e conta, ainda, com 25 centros de educação, dois colégios e dois centros universitários.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Compartilhe nas redes sociais: Apoie ou retribua.

Todos os nossos artigos são exclusivos. A reprodução total ou parcial é proibida.

Apoie ou retribua.