Somente a cidade de São Paulo já contará 2.600 unidades em 2024; Minas Gerais tem caráter estratégico numa potencial produção de células para baterias dos veículos, de acordo com Edgar Barassa, um dos maiores especialistas do setor no país  

 O Brasil potencialmente chegará em 2024 com a maior frota de ônibus elétricos do continente. Algumas leis que já foram implementadas em cidades brasileiras direcionando o uso desses veículos fazem acreditar que o Brasil viverá uma grande alavancagem nos próximos dois anos, podendo chegar a aproximadamente 3 mil unidades e se tornando um dos protagonistas regionais na diminuição das emissões de gás carbônico no transporte público. A previsão é de Edgar Barassa, especialista e pesquisador nas áreas de eletromobilidade, energias renováveis e tecnologias emergentes de baixo carbono, que abordará o tema num dos painéis da segunda edição do “Ampère – Ecossistema de Mobilidade Elétrica no Brasil”, um dos maiores eventos de mobilidade elétrica e de energias renováveis do país, que será realizado de 22 a 25 de novembro, no Mineirão, em Belo Horizonte.

Atualmente o país conta com apenas 68 ônibus elétricos a bateria em uso no transporte público, muito aquém da Colômbia, que já tem 1.589 ônibus elétricos, e do Chile que soma 849, com base na plataforma e-bus Radar. “Tendo em vista que somos um país de dimensão continental, esses números nos mostram que estamos alguns passos atrás, mas temos uma perspectiva de que vamos superar esses números latino-americanos devido ao volume de frota total que o Brasil tem hoje no transporte público e pelos compromissos já estabelecidos”, salienta Barassa. Somente a cidade de São Paulo, ressalta, já contará 2.600 unidades em 2024. A capital paulista criou a Lei de Mudanças Climáticas (Lei nº 16.802), que tornou obrigatória a transição energética dos transportes via decarbonização para todo ônibus novo que entrar em circulação. Barassa aponta que a proibição de novos ônibus a diesel poderá evitar emissões acumuladas da ordem de 1.924.662 toneladas de CO2 entre 2022 e 2028, tendo em vista à introdução de 2.602 ônibus de emissão zero até o final de 2024 e 6.602 em 2028, de acordo com estudo publicado pelo ICCT (2022).

Minas Gerais como potencial protagonista na produção de células para bateria

A previsão é que a aceleração desse processo de eletrificação deve impulsionar a economia mineira, gerando uma demanda significativa na produção de baterias para abastecer esses veículos elétricos. “As matérias-primas que compõem as baterias, como lítio e seus derivados, são encontradas em abundância em solos mineiros, fazendo com que o estado tenha uma participação estratégica no crescimento e abastecimento desse mercado”, observa. Contudo, o especialista ressalta que para se tornar um player nesse segmento, abastecendo esse cluster produtivo, Minas precisa desenvolver competências em Pesquisa e Desenvolvimento e Manufatura em seu setor produtivo em prol das baterias de alta tensão e investir em especialização de sua mão-de-obra local. “Temos profissionais especializados no mercado para montar os módulos e pacotes de baterias; fazer a programação e o sistema de gestão da bateria, mas para o principal ativo, que são as células, ainda estamos carentes de competências direcionadas. Lá fora o mundo já está se capacitando, mas no Brasil ainda não existem essas competências adequadamente formadas”.

Eletrificação do transporte público vai gerar renda, empregos e melhoria da saúde pública

Barassa destaca que o Brasil é um dos maiores produtores de ônibus urbanos do mundo, atrás apenas de China e Índia . Mas ressalta que é preciso, antes de qualquer coisa, fazer um trabalho de transição para que o país tenha vantagens econômicas com a eletrificação do transporte público. “Se trouxermos o ônibus elétrico importado, perdemos o efeito multiplicador de criação de renda interna, abrindo mão de capturar valor e de gerar emprego e conhecimento”, registra. De acordo com estudo feito para a Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), que teve Barassa como um dos autores, a cada R$ 1 milhão em vendas relacionadas a ônibus elétricos, promove-se a geração de 15 empregos na economia. Em termos de impactos para o PIB, o cenário ideal apresenta um incremento na ordem de 0,04% (cerca de R$ 3, 1 bilhões) por ano. Em termos de geração de impostos, a arrecadação acumulada poderia chegar a R$ 44,3 bilhões em 2050.

Para além do aspecto econômico, com a eletrificação do setor haverá uma grande melhoria da saúde pública. Uma das principais causas de morte no mundo está relacionada a problemas pulmonares provocados pela poluição atmosférica. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), 7 milhões de mortes prematuras são provocadas todos os anos pela poluição do ar, sobretudo nos países de baixo e de médio rendimentos. E o setor de transportes terrestres pesados responde por grande parte dessas emissões. De acordo com os dados do Instituto Saúde e Sustentabilidade, 33.751 (27%) das mortes e 19.638 (28%) das internações públicas as regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Vitória, Porto Alegre e Curitiba se devem exclusivamente às emissões de diesel dos ônibus do transporte público destas regiões. O custo estimado para o SUS é de R$13,6 bilhões e R$37,2 milhões, para o período de 2018 a 2025.

Maior evento sobre mobilidade elétrica e energias renováveis do país

Ampère: Ecossistema de Mobilidade Elétrica do Brasil terá a segunda edição entre os dias 22 e 25 de novembro, no Mineirão, em Belo Horizonte e apresentará soluções de mobilidade elétrica e energia limpa para o grave problema de emissão de CO2 no país e no mundo, além de promover uma imersão no Congresso Internacional Ampère (AIC), com palestras e seminários, test drive de veículos elétricos; inauguração da rota turística e sustentável na Estrada Real com pontos de carregamento para veículos elétricos entre Aeroporto Internacional de Belo Horizonte e Conceição do Mato dentro; e a premiação nacional para projetos em mobilidade elétrica. O evento é uma iniciativa da Sama Produções e Eventos, Evbras Mobility e conta com o patrocínio, dentre outros, da Prefeitura de Belo Horizonte, Belotur, Aeroporto Internacional de Belo Horizonte e apoio Institucional da Fundep. PNME, Rádio e TV 98, Band Minas e a curadoria do congresso realizada pela Barassa & Cruz Consulting.

2ª Edição do maior evento sobre o Ecossistema de Mobilidade Elétrica do Brasil!

Ampère: Ecossistema de Mobilidade Elétrica do Brasil

22 a 25 de novembro de 2022, no Mineirão

Inscrições gratuitas para primeiro lote de ingressos: 

www.eventoampere.com.br

Acompanhe a programação completa no link: 

https://eventoampere.com.br/wp-content/uploads/2022/10/cronograma_ampere.pdf

Café de Apoio ao Blog SHD: 
Precisamos de sua ajuda para manter esse blog vivo.
De pouco em pouco chegamos ao muito!
Nos ajude com um café através do pix 11 98363-7919
Postagem Anterior Próxima Postagem
Seja Parceiro Anuncie no Seja Hoje Diferente!


Seja Parceiro Anuncie no Seja Hoje Diferente!

Compartilhe nas redes sociais: Apoie ou retribua.

Todos os nossos artigos são exclusivos. A reprodução total ou parcial é proibida.

Apoie ou retribua.