Blog Diferente Para Ser Diferente

Seja Uma Pessoa Melhor, Diferente Você já é ! - Junte-se ao Grupo de Amigos do Seja Hoje Diferente - Bem Vindo (a).

Introdução:

O reinado de Manassés é um dos mais perniciosos de todos os reis de Israel. Ele assumiu o trono quando tinha 12 anos, e daí para a frente seu coração se afastou de Deus e de seus propósitos.

a.     Ele se curvou diante dos deuses da terra que Deus havia expulsado de Canaã, ele ressuscitou velhos hábitos religiosos condenados por Deus (1 Cr 33.2).

b.     Ele reconstruiu altares que o seu piedoso pai, Ezequias, havia derribado (1 Cr 33.3).

c.      Ele se tornou sincrético na sua religiosidade, abarcando vários deuses.

d.     Ele se tornou sacrílego, contaminando o Sagrado templo de Salomão, lugar da habitação de Deus (1 Cr 33.4,11).

e.     Ele sacrificou filhos a Moloque (1 Cr 33.2). Um culto pavoroso, no qual os filhos primogênitos eram atirados vivos a uma fogueira acesa como oferendas a este deus pagão (2 Cr 33.6).

f.      Era místico e esotérico: adivinha pelas nuvens, praticava feitiçarias, consultava com médiuns e necromantes (2 Rs 21.6).

Manassés era espiritualizado. Atraído a todas as formas de cultos pagãos, mas nunca se inclinava ao deus verdadeiro. Comportamento semelhante aos artistas e músicos brasileiros, que se inclinam diante de deuses da umbanda, são dados a cultos da terra, tomam chás alucinógenos em cerimonias religiosas pagãs, mas não se curvam diante do Deus verdadeiro.

Sua influencia trouxe graves problemas para a nação. Sua influencia politica induziu muitos à prática de religiosidade que se distanciava de Deus. Ele se recusou a ouvir o Senhor quando este lhes enviou os profetas (1 Cr 33.10). sua rebelião se tornou oposição a Deus, posteriormente apostasia, trazendo por isto o juízo de Deus.

O julgamento veio de forma severa. (1 Cr 33.11).

A péssima sugestão que Satanás sempre fez à raça humana de que “pode pecar que não há juízo de Deus” (Ml 3.13,14), mas uma vez é desmascarada. O juízo de Deus sobre Manassés trouxe humilhação pública, decadência social e muito sofrimento para o povo. Manassés foi levado para a Babilônia, com ganchos e cadeias. No primeiro caso, o nariz era perfurado, e as pessoas eram levadas como animais, no segundo, eram acorrentados e além do seu peso precisavam carregar as pesadas correntes no severo calor do deserto.

Manassés, convertido?

Na cadeia, o arrogante e místico rei, que desprezou a Deus e recusou ouvir sua voz, passa por uma reviravolta existencial, e tem um encontro com Deus. Manassés se converteu.

O texto narra sua mudança: “Ele, angustiado, suplicou deveras ao Senhor seu Deus, e muito se humilhou perante o Deus de seus pais” (2 Cr 33.12).

Observe os termos descritos aqui:

“Angustiado”. Sabe o que é angústia. É um sentimento profundo de dor, que atinge o peito, consome o ser, e quando o médico pergunta ao paciente o que ele está sentindo ele diz: “Tá doendo, aqui!” e passa a mão no peito. Ele não sabe o que sente, mas o que ele sente é visceral.

“Suplicou”- em geral pensamos que suplica é uma oração. E de fato é. Só que tal oração, é aquela que vem acompanhada de choro e lágrimas profundas. O texto diz que ele “muito se humilhou”. Sua oração veio de dentro da alma. Já oraram assim? Já tiveram uma situação semelhante na qual suas orações não se organizam, mas você está ali orando a Deus, quebrantado e moído? Esta foi a experiência  de Manassés.

“...Muito se humilhou perante o Deus de seus pais”. É muito importante esta menção, porque na verdade ele retorna ao Deus de Israel. Ele não dirige suas preces a Moloque, nem aos deuses de Canaã. “...então, reconheceu Manassés que o Senhor era Deus”.

Certo vez ouvi uma afirmação de que conversão tem muitas fases: a primeira é a conversão dos deuses falsos para o Deus verdadeiro; segundo, do meu egoísmo e vida auto centrada, à obediência e submissão à Palavra de Deus; e terceiro, do bolso, que é o último a se converter e o primeiro a esfriar.

Manassés se converte ao Deus de Israel. Ele percebe a natureza do Deus de seu povo. Ele reconhece que só o Senhor é Deus, e que não há Deus além deste Deus. Yahweh.

Encontrando Deus na Babilônia

A espiritualidade no Antigo testamento é marcada pela centralidade do culto em Jerusalém e no templo. O judeu acreditava (e acredita), que Deus deve ser encontrado em Jerusalém, na terra santa. Alguns cristãos sionistas modernos, lamentavelmente possuem esta visão distorcida da adoração e do tamanho do Deus das Escrituras Sagradas.

Manassés se encontra com Deus na Babilônia.
Ele encontra Deus nos lugares improváveis da vida.

Já leram o livro de Philipe Yancey: “Encontrando Deus nos lugares inesperados”. É onde não se espera que Deus é percebido. Durante anos, Manassés esteve no templo, mas rejeitou a Deus frontalmente e não o discerniu. Agora numa prisão, em terra distante, Deus se revela ao seu coração de forma sobrenatural. “Deus se tornou favorável para com ele” (2 Cr 33.13).

“Deus não frequenta igrejas, apenas corações” (Pe Antonio Vieira).

Tempo de mudanças

A história de Manassés nos revela que nunca é tarde para mudanças.

Revela-nos ainda que não importa o nível de sua decadência moral e falência espiritual, Deus tem poder para mudar sua história.

Se olharmos para o currículo espiritual deste homem, veremos que ele foi rebelde, idolatra, prepotente, arrogante, desobediente, mas ainda assim sua história foi transformada.

É muito importante considerarmos uma história como esta. Muitas vezes achamos que para nós não há mais esperança, que nada pode acontecer por causa dos desvios praticados, mas a história de Manassés vem nos falar do triunfo da graça de Deus sobre o pecador. É sempre possível recomeçar.

É possível que o homem vá para longe demais de Deus, escrevendo uma trajetória de decadência, mas sempre é possível mudar. Nunca é tarde para que a obra de Deus triunfo no coração do pecador.

Comece reconhecendo seu pecado, se humilhando diante de Deus.

Reconheça que ele é realmente Deus...

Não se trata de delação premiada. Um artificio jurídico usado para favorecer o criminoso, que mesmo não tendo arrependimento, resolve contar um pouco dos seus imbróglios e se delatar. Arrependimento não é isto. Trata-se de voltar, de fato, para Deus.

Assim, de forma surpreendente, Manassés é restaurado. E Deus lhe dá uma segunda chance. Miraculosamente, o rei decide enviar-lhe de volta para Jerusalém e reassumir seu reinado. Isto não é um comportamento comum entre imperadores e dominadores. Manasses volta, mas ele é um novo homem. Sua conversão não foi circunstancial e oportunista. Ele decide agora buscar a glória de Deus.

Ao retornar, eis algumas de suas atitudes.

i.                Ele restaura Jerusalém que havia sido destruída pela guerra (2 Cr 33.14). ele restaura tanto os muros quanto o exército.

ii.              Ele restaura o templo. Ele que tanto havia profanado o lugar de Deus, agora decide trazer Deus de volta para o centro de Israel (2 Cr 33.15).

iii.             Ele destrói o que construiu. Nos tempos do seu paganismo, havia construído muitos altares a ídolos e outros deuses, mas agora ele manda destruir. O que ele fez, manda desfazer.

iv.             Ele restaura o culto (2 Cr 33.16). Não apenas o “local do culto”, mas o culto mesmo. Numa linguagem moderna diríamos: “Ele voltou à comunhão do Senhor”.

v.              Ele reconhece que apenas o Senhor era Deus. Até então, ele dividia seu coração a outros deuses e cultos, mas agora ele se quebranta diante do único Deus verdadeiro.

Manassés tem o seu coração mudado.

Deus muda sua condição.

“Se o meu povo, que por mim se chama, com fé se humilhar e orar.
Eu ouvirei as suas preces e sararei sua terra”.

Antes do filho pródigo ser restaurado à condição de vida digna, ele precisa passar pelo momento de dor... “então, caindo em si...

A alma precisa ser tocada para que mudanças surjam. Muitas vezes queremos bençãos de Deus com infidelidade, queremos mudança sem transformação no coração, queremos graça sem arrependimento, perdão sem confissão, misericórdia sem quebrantamento. 

Quando o coração muda, a situação também é tangenciada. E se Deus não mudar a situação, mas se tivermos o coração mudado, teremos condições de enfrentar a calamidade com outros olhos. “Se diante de mim, não se abrir o mar; Deus vai me fazer andar por sobre as águas”.

Pe Antonio Vieira afirma que “arrependimento não é pedir perdão, é se voltar para Deus”. A alma precisa mudar a história ser transformada.

Queremos mudar a situação?
Deus quer mudar o coração.

Mude seu jeito de pensar, de agir, de se comportar. Transforme sua rebeldia em obediência, sua rebelião em submissão, e você vai experimentar uma história com desdobramentos absolutamente diferentes.

Manassés, na cadeia, não tinha mais nada a perder, mas agora tem a Deus.

Conclusão

Com Jesus é sempre fazer o caminho de volta. Deus permite retorno. Há sempre a possibilidade de restauração e mudanças. Ele pode tirar o pecador de sua condenação e dar-lhe absolvição. Foi isto que Jesus fez na cruz. Ele nos resgatou das trevas para sua luz, tirou-nos do tremedal de lama e colocou nossos pés sobre uma rocha.

Tenho encontrado pessoas que parecem ter ido longe demais no seu cinismo, indiferença, chafurdada em pecado, opondo-se a Deus. Temos a tendência de olhar para elas com certo descredito. Haverá ainda esperança? Muitas destas pessoas, por sua vez, desacreditam de si próprias, dominadas pela escravidão do pecado, dos vícios. Aquilo que faziam por prazer agora se tornam seu pesar. Vem a angustia, o vazio da alma, a solidão, a escravidão de um estilo de vida de mentira e engano, de malandragem, esperteza, os laços da iniquidade amarram. Nem ela mesma acredita que ago possa ser feito. O desespero, a dor, a solidão, o descredito.


Deus pode mudar?

Is 1.18 afirma: “Vinde pois e arrazoemos, porque ainda que vossos pecados estejam vermelhos com a escarlate, eles se tornarão brancos como a neve”. Arrazoar é discutir, argumentar. Deus é quem está convidando seu povo para experimentar liberdade e cura, para ser restaurado. Deus convida o seu povo para experimentar a graça da restauração.

Portanto, duas lições profundas podem ser tiradas da vida de Manassés:

Primeiro, independentemente da capacidade de Deus nos amar de forma incondicional, o pecado traz sérias consequências;

Segundo, independentemente da gravidade do pecado, é sempre possível retornar.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Veja abaixo mais um artigo do Seja Hoje Diferente!