Imagem Divulgação Reprodução Internet

Indiscutivelmente uma das invenções mais importantes da história do entretenimento doméstico; o toca-discos trouxe música para casa por mais de um século.

Por muitos anos pensou-se em uma tecnologia longa e morta. Tornou-se obsoleto por CDs e downloads digitais posteriores. No entanto, essa relíquia que estava condenada ao destino de coletar poeira em um porão ou sótão subiu das cinzas para se tornar rei novamente.

Esta tecnologia tem bastante história histórica. Os toca-discos evoluíram em inúmeras iterações, começando com o antigo fonoaudógrafo, transformando-se no toca-discos e alcançando a versão moderna em vinil.

Houve um interesse renovado em gravadoras, já que a música de vinil cresceu em popularidade na última década. Muitos cobiçam música analógica, uma vez que gera áudio não comprimido de alta qualidade. Outros usam seus toca-discos, já que isso lhes dá uma sensação de nostalgia.

Vamos dar uma olhada na história do recordista para ajudar os leitores a entender melhor as raízes dessa interessante tecnologia musical.

O início do recordista
A primeira versão do toca-discos foi criada por Edouard-Leon Scott de Martinville. Ele criou o fonoaudógrafo na França em 1857. No entanto, este dispositivo não podia reproduzir o som. Em vez disso, inscreveu ruído aéreo no papel para estudo visual. O fonoautógrafo foi usado principalmente em ambientes de laboratório.

A ascensão do fonógrafo
Thomas Edison inventou o fonógrafo em 1877 e, portanto, era conhecido por quem inventou o toca-discos. Este dispositivo gravou som e também reproduziu som. Ele inscreveu áudio em papel alumínio enrolado ao longo de um cilindro de papelão para posterior reprodução. Alexander Graham Bell acrescentou cera ao design do fonógrafo de Edison para gravar ondas sonoras. O resultado foi referido como o grafofone.

Berliner's Breakthrough
Emile Berliner levou os recordistas para o próximo nível. Ele apelidou sua criação de “gramofone” e garantiu uma patente para o dispositivo em 1887. O gramofone era feito de borracha dura e shelac antes de ser construído com vinil. O gramofone é a base do toca-discos contemporâneo. Interpretou sulcos em discos planos em vez de um cilindro. Este é o ponto no tempo em que os registros se tornaram necessários.

O toca-discos é comercializado

O primeiro toca-discos lançado para as massas em 1895. Este toca-discos de gramofone era bastante popular até a ascensão do rádio. Embora o rádio não tenha matado o toca-discos, ele certamente roubou os holofotes por um tempo. Os recordistas venderam bem nos anos 30 e 40, mas não atingiram um ponto de inflexão mainstream até algumas décadas depois.

A idade de ouro
Os toca-discos tornaram-se extremamente populares nos anos 60 e 70, quando a Dual lançou os primeiros toca-discos para oferecer reprodução estéreo. A reprodução sonora de alta fidelidade atingiu a cena e motivou inúmeras pessoas a adicionar um toca-discos à sua casa. O toca-discos automático de alta fidelidade foi um sucesso imediato no início dos anos 60. Esta foi a era de ouro dos recordistas. Foi durante essa época que a Electrohome lançou seu famoso Apollo Record Player, com sua idade espacial, ao lado de seus clássicos consoles de estéreo de madeira.

Um novo uso para o toca-discos

Os DJs de hip-hop usaram toca-discos de toca-discos de uma maneira nova e criativa durante os anos 80, 90 e além. Eles conectaram os mixers de áudio aos gravadores, guiaram suas mãos pelos registros, arranharam a agulha e produziram um novo tipo de instrumento rítmico. Embora algumas pessoas ainda usem gravadores para tocar música, muitos dos modernos artistas de hip-hop usam gravadores em uníssono com mixers para adicionar um elemento rítmico à sua música.

O retorno do vinil

Depois de anos da indústria de vinil sendo sustentada por entusiastas do hardcore e audiências de música de nicho, o vinil voltou ao mainstream. Agora sendo vendido em grandes lojas de departamento, mercearias e até mesmo dando origem ao nascimento de novas lojas de discos independentes. A maioria dos grandes artistas está lançando seus últimos álbuns como LPs, permitindo que gerações jovens e velhas experimentem essa tecnologia de 100 anos em suas casas hoje.

Este aumento do interesse em vinil resultou em uma necessidade de gravadores modernos. Muitos entusiastas da música ou ouvintes de música casuais querem experimentar música em vinil, ao mesmo tempo que querem alguns recursos mais modernos, como gravação USB, ou conectam seus smartphones e tablets a sistemas de música para que possam desfrutar de toda a sua coleção musical.

Está claro que os gravadores estão aqui para ficar.

Sucesso, Saúde, Proteção e Paz!
#sejahojediferente
Acredite nos seus sonhos. A fé aliada à ação servem de ponte para a concretização deles.
Postagem Anterior Próxima Postagem

GeraLinks - Agregador de links