5.10.22

Aposentadoria por idade: Entenda como funciona e como solicitar


Conforme o tempo passou, foi possível observar muitos mitos sobre a aposentadoria por idade. 


Quando você tem pouco tempo de contribuição, a saída costuma ser a aposentadoria por idade. No geral, o artigo servirá para que você entenda os mitos que rondam a aposentadoria. Como:


  • Salário-mínimo;

  • Reforma;

  • Regra do descarte;

  • Tempo de contribuição;

  • Melhora no valor da aposentadoria. 


Contudo, a grande maioria dos segurados que se enquadram na condição de se aposentar por idade, tem a impressão de que é algo ruim. O fato é que, a aposentadoria por idade carrega consigo uma má fama. 


As chances de você ter um amigo ou familiar que trabalhou em uma consultoria tributária ou qualquer outro segmento, durante um breve tempo na vida, e somou pouco tempo de contribuição, é bastante grande. 


Até a data da Reforma da Previdência (21/11/2019), a aposentadoria por idade não era, de fato, das melhores. 


A maneira em que o cálculo era feito, e o divisor mínimo, faziam com que muitas aposentadorias ficassem no patamar de um salário-mínimo. Entretanto, a Reforma da Previdência mudou todo este cenário. 


Embora exista um novo divisor mínimo e tenha ocorrido alterações na regra de cálculo, ainda assim a aposentadoria por idade não é uma péssima regra.


Tornando-se a melhor opção para pessoas que trabalhavam com assessoria contábil para abertura de empresa e outros segmentos que possuíam salários altos. 


Na realidade, tudo vai depender de caso para caso. Advogados, por exemplo, se depararam com situações em que, se aposentar por idade seria a melhor opção. 


Por esse motivo, você precisa saber que existe uma regra absoluta que é aplicável para todos os segurados, já que cada um possui uma história diferente do outro. 


Considerando que cada indivíduo possui uma carreira diferente do outro, vale a pena consultar uma assistência técnica perícia trabalhista para ter um norte sobre seus direitos que, em algum momento, podem estar sendo prejudicados pela empresa. 


No mais, a aposentadoria por idade será o reflexo da sua história. Por esse motivo, vamos levantar neste artigo, 5 mitos que foram criados sobre esse tipo de aposentadoria. Confira:

1. Aposentadoria é só com salário-mínimo

Muitas pessoas têm em mente que a aposentadoria é sempre com salário-mínimo. Disseminar uma informação dessas, inclusive, é um grande erro. 


Por esse motivo, antes mesmo de você entrar em contato com uma empresa de gestão de documentos, vale a pena se informar sobre o assunto. 


Há chances de que a aposentadoria de um certo indivíduo seja de um salário-mínimo. Por exemplo, você contribuiu por um salário-mínimo a vida inteira. Independentemente da regra com a qual você for se aposentar, o que irá predominar será a sua média integral. 


Inicialmente, é necessário entender que o primeiro passo será verificar qual foi a média dos seus salários de contribuição. Entenda que, todo esse processo é necessário, da mesma forma que uma empresa precisa de um sistema de emissão de nota fiscal, por exemplo. 


Devido ao fato de ocorrer algumas alterações após a Reforma, vamos te explicar ambos os momentos da aposentadoria por idade (antes e depois da Reforma). Para se aposentar por idade antes da Reforma, era necessário seguir ter:


  • Homens: 65 anos de idade;

  • Mulher: 60 anos de idade;

  • Carência: 180 meses de carência (15 anos) para homens e mulheres. 


Um dia antes da Reforma entrar em vigor, em 12 de setembro de 2019, era feita a média das 80% maiores contribuições do segurado, desde julho de 1994. Agora, a aposentadoria por idade após a Reforma ficou dependendo de duas possibilidades, são elas:


  • A regra de transição da aposentadoria por idade;

  • A regra definitiva (aposentadoria programada). 


Cada regra citada acima, possui requisitos diferentes, mas possuem a mesma regra de cálculo. 


A regra de transição da aposentadoria por idade, por exemplo, é para segurados que começaram antes de 13/09/19, mas não preencheram os requisitos para aposentadoria até essa data. 


Quando comparamos a regra de transição da aposentadoria por idade, com a regra antiga, não houve alterações para os homens que já eram contribuintes do INSS. No caso dos homens, as exigências são:


  • Ter 65 anos de idade;

  • 15 anos de carência;

  • 15 anos de contribuição. 


Contudo, para as mulheres, o requisito de idade que antes era de 60 anos, passou a ter um aumento. Entenda: a idade passa a ser de 61 anos e 6 meses de idade. 


Vale a pena pontuar que, desde a Reforma, o aumento da idade da mulher passou a ser de 6 meses a cada ano. Em 2023, por exemplo, o requisito da idade aumentará em 6 meses. 


Outro ponto importante que precisa ser mencionado, é que a idade mínima para as mulheres na Regra de Transição, irá parar em 62 anos. 

2. Aposentadoria por idade era melhor antes da Reforma

Muitas pessoas acreditam que a aposentadoria por idade era melhor. Entretanto, antes da Reforma, o divisor mínimo era péssimo. 


Basta ter um acompanhamento de perto, da mesma forma que um monitoramento ambiental desenvolve seu trabalho, que já é possível perceber que as condições atuais melhoraram.


Antes da Reforma, um homem com 20 anos de contribuição teria um coeficiente de 90%. Agora ele terá um coeficiente de 60%. 


Entretanto, se antes da Reforma boa parte do tempo de contribuição dele fosse anterior a julho de 1994, esse segurado teria um divisor mínimo e o seu benefício cairia. Atualmente, existe um divisor mínimo de 108 meses (9 anos). 


Não vamos esquecer de outra regra existente para a conquista da aposentadoria, trata-se do descarte de salários, uma alternativa para quem já atuou com manutenção de equipamentos de medição e outras funções, pudesse ter uma média maior de salário. 


Após a Reforma, o segurado terá a liberdade de jogar fora alguns meses de salário em que teve remunerações baixas. Dessa forma, o indivíduo poderá fazer com que a sua média aumente. 


Para ficar mais fácil de entender, imagine o seguinte exemplo: existe um grupo de 10 salários com vários picos, onde houve momentos em que a remuneração era alta, e que em outros, era baixas. Ao calcular a média, o resultado encontrado será de um valor mediano. 


Você irá se deparar com pontos para cima, de remunerações altas, e pontos para baixos, com remunerações baixas, o que é comum ver em folha de pagamento de funcionários em empresas grandes de corte e dobra, e outros negócios no geral. 


Neste caso, em específico, a média de todos os 10 salários será de um valor intermediário. Portanto, a pergunta que fica é: qual a utilidade do descarte de salários? É simples, os pontos baixos podem ser descartados. 


Em seguida, você terá uma média feita com pontos mais altos, e dessa forma, a sua média passa a ser maior. 

3. A regra do descarte não é mais possível

Esse terceiro mito, por sua vez, é bem recente. Muitas pessoas perguntam: “a carência da aposentadoria por idade foi reduzida para 108 meses?” sendo bem direto, não. Não houve essa redução.  


Acontece que, com a Lei 14.331/2022, de 5 de maio de 2022, trouxe o divisor mínimo de novo. Quando o cálculo da sua média for feito, e você possuir um número inferior a 108 meses depois de julho de 1994, a soma dos seus salários terá que ser dividida por 108. 

4. Quanto maior for a contribuição, maior o valor da aposentadoria

É muito comum que as pessoas fiquem assustadas com esse quarto mito, mas na verdade, não há motivo para tanto espanto. Como? Existe uma maneira para você calcular e se planejar para conseguir ficar com o melhor valor possível do benefício. 


Atualmente, a regra de cálculo que existe é bem diferente da regra que era usada anos atrás. Voltando alguns longos anos atrás, a média para a aposentadoria considerava os 3 últimos anos de contribuição. 


Quando faltava 3 ou 2 anos para o segurado se aposentar, ele aumentava o valor de contribuição, já que o cálculo considerava apenas os últimos 36 meses (3 anos de contribuição). 


Com a Reforma, a base de cálculo da aposentadoria passou a levar em consideração todos os salários de contribuição, incluindo os mais baixos. 


Se você imaginar um histórico de salários ao longo da sua vida contributiva, poderá haver momentos baixos e altos durante a sua carreira. 


A partir do momento em que a média dos seus salários for calculada, o Teto não adiantará em nada. Em seguida, quando o coeficiente for aplicado haverá uma redução, o Teto também não poderá fazer diferença. 


Portanto, pagar uma contribuição alta para te proporcionar uma aposentadoria alta, é na verdade, um mito. 

5. Não é possível melhorar o valor da aposentadoria

Por fim, temos o mito mais famoso da lista, onde não é possível melhorar o valor da aposentadoria. 


Para ser mais direto, é possível melhorar o valor tanto para quem ainda não se aposentou, quanto para as pessoas que já estão curtindo o benefício. No entanto, a forma de melhoria é distinta para esses dois grupos. 


Inclusive, para as pessoas que ainda não se aposentaram, esse processo é mais fácil, porque esse segurado terá mais vantagens. Como melhorar isso? Basta mexer no valor de contribuição, e planejar a data correta para a aposentadoria. 

Conclusão

Mais precisamente, desde 2019 muitos mitos sobre a aposentadoria por idade começaram a circular entre as pessoas. Felizmente, existe a internet para tirar a limpo algumas dúvidas que, em alguns casos, acabam impedindo as pessoas de conquistar tal benefício. 


Através deste artigo, você pôde se informar sobre os principais mitos desse universo. Considere repassar estas informações, você estará contribuindo para o conhecimento de outras que pretendem, ou já estão aposentados. 


Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.


Aqui indico ao meu network de amigos diversos produtos interessantes em conteúdo referente ao gosto de meus seguidores.

4.10.22

Aparelho de contenção: qual sua finalidade

Uma das maiores ansiedades de quem realiza algum tratamento ortodôntico, é chegar em seu final. Porém, o uso do aparelho de contenção é muitas vezes esquecido por alguns indivíduos.


Já que no final do tratamento, é comum realizar o uso da contenção. Então, é importante saber um pouco mais sobre ele.


Antes de tudo, é sempre bom ressaltar que hoje, as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a questão estética da cavidade oral.


Entretanto, ainda falta um cuidado maior em realizar visitas ao consultório dentário, já que é lá que ele cuidará de sua saúde bucal, além de realizar os tratamentos, caso seja necessário.


Dessa maneira, é fundamental conhecer um pouco mais sobre algumas das formas mais comuns de tratamento, que é justamente o aparelho de contenção, entendendo sua finalidade e a razão dele ser utilizado ao final de qualquer procedimento ortodôntico.


Desse modo, se ainda sim, surgir algum outro problema pontual, é relevante consultar um dentista de urgência.


O que é o aparelho de contenção


Muitas pessoas acham que o tratamento ortodôntico consiste apenas no uso daquele aparelho metálico mais comum, que conta com braquetes e borrachinhas.


Porém, isso não necessariamente acontece em todo caso, já que é muito comum utilizar um aparelho de contenção no final da manutenção de aparelho ortodôntico.


Pode ser definido como a última etapa do tratamento, o aparelho de contenção tem uma finalidade diferente do ortodôntico, já que ele não faz com que seus dentes realizem qualquer movimento.


Entretanto, na realidade, ele impede que os seus dentes façam movimentos que possam prejudicar a sua arcada dentária.


O aparelho de contenção tem diversas vantagens quando utilizado no tratamento, e ainda pode evitar o uso de lente de contato para os dentes, por exemplo, já que possibilita a manutenção da sua saúde bucal, além de alguns outros benefícios, como:


     Mantêm os dentes no lugar;

     Impede que o tratamento seja perdido;

     Facilita na hora da escovação;

     Não causa dores.


Vale ressaltar a importância de salientar acerca dos tipos existentes de aparelhos de contenção. Eles costumam ser utilizados, dependendo da necessidade do paciente, sendo então divididos majoritariamente em dois mais comuns, os fixos e os móveis.


No primeiro tipo, ele pode ser aplicado tanto na parte superior da arcada dentária, quanto na inferior. Porém, costuma ser mais comum no segundo caso, e como o próprio nome sugere, ele não pode ser removido pelo paciente.


É uma estrutura simples, em que é composta apenas por uma pequena extensão reta metálica, que fica retida na parte interna do dente e então, se torna um aparelho mais discreto, ficando quase invisível, além de acumular menos bactérias. 


Caso tenha alguns problemas dentários, consulte uma clínica especializada em periodontia.


Em contrapartida, o aparelho de contenção móvel pode ser retirado pelo próprio usuário, como o próprio nome também sugere. Ele é modelado para cada pessoa, sendo composto tanto por materiais metálicos quanto plásticos.

Além disso, costuma ser utilizado mais na arcada superior dentária. Embora seja mais discreto que o aparelho ortodôntico comum, é menos discreto que um fixo.


Pois, o fio metálico aparece na parte frontal dos dentes, mas também é apenas um filete de metal, o que é muitas vezes ignorado.


O uso de ambos é muito importante após o tratamento, pois realmente está lá para garantir que o tratamento seja finalizado com êxito.


Dessa forma, evitam que os dentes se movimentam desnecessariamente e prejudicam o tratamento que já é muito extenso e isso não é nada favorável ao usuário.


Cuidados e higienização com o aparelho de contenção


Agora que ficou mais fácil de entender do que se trata esse tipo de aparelho, assim como o seu uso ao final do tratamento, é importante saber como cuidar da saúde bucal e do próprio aparelho para evitar que esses problemas ocorram.


O primeiro ponto que deve ser ressaltado é que no caso do aparelho móvel, a limpeza é mais fácil de ser feita.


Isso acontece porque, pelo fato dele ser móvel, é mais comum que não se acumulem tantos resíduos, como no caso de um aparelho fixo. Por isso, a limpeza deve ser mantida de maneira constante e eficaz.


Além disso, a escovação dentária deve ser uma prática que sempre deve estar em foco, já que é muito fácil dos aparelhos reterem comida, e isso pode resultar em sérios danos na cavidade bucal, além do surgimento de problemas, como a cárie, por exemplo.


No geral, sempre realize consultas ao dentista, pois ele quem irá fazer a manutenção do aparelho, além de indicar os melhores tratamentos, caso seja necessário.


Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Qualivida Online, site no qual é possível encontrar diversas informações e conteúdos sobre os cuidados com a saúde física e mental.


Aqui indico ao meu network de amigos diversos produtos interessantes em conteúdo referente ao gosto de meus seguidores.

3.10.22

Qual a recente mudança promovida pela Ethereum e como beneficiará a criptomoeda?


Você sabe o que é Ethereum e como essa tecnologia funciona no mercado de criptomoedas? De fato é uma revolução que visa mudar para sempre o mercado financeiro.

Para entender melhor como essa mudança ocorrerá pela Ethereum, vamos explicar melhor o que são as criptomoedas e como elas funcionam.

Basicamente, as criptomoedas referem-se a qualquer forma de moeda que existe digitalmente e é negociada usando criptografia. Ou seja, as criptomoedas não possuem um emissor oficial central como os bancos.

Em vez disso, essas moedas usam um sistema como o de controle biometrico de acesso descentralizado para registrar transações e emitir novas unidades.

Ou seja, não uma regulamentação que proteja de fato o valor investido em criptomoedas, no entanto não deixa de ser uma moeda de fato segura, apesar desse detalhe.

Além disso, elas são moedas que podem ser usadas ​​por qualquer pessoa física ou jurídica que queira aumentar os lucros e diversificar seu capital, como uma empresa de cabeamento estruturado de fibra óptica.

Mas há riscos? Ou podem depreciar? E como a Ethereum irá promover benefícios a essa modalidade de moedas digitais? Confira este artigo para mais detalhes!

O que é Ethereum?

Para de fato entender as mudanças que ocorreram no Ethereum, é preciso primeiro saber o que ele é e como ele funciona.

A Ethereum é uma plataforma altamente tecnológica que permite a programação de aplicativos descentralizados, contratos inteligentes e a troca de criptomoedas e vários tokens por pessoas físicas ou uma empresa de antecipação de recebíveis, por exemplo.

Tudo isso é baseado na tecnologia blockchain que veio junto com o Bitcoin. Por causa disso, muitos veem o Ethereum como uma evolução do conceito de tecnologia blockchain.

Mudanças da Ethereum

A segunda maior blockchain por capitalização de mercado está prestes a passar por uma grande transformação que a comunidade de criptomoedas apelidou de “The Merge”, ou “A Fusão” em uma tradução para o português.

Mas apesar de tantas informações e espera, ainda há muito mal-entendido sobre o que realmente aconteceu durante a fusão.

O que é Ethereum Fusion?

Esta atualização do Ethereum ou a chamada "fusão" altera a maneira como as novas transações de criptomoeda acontecem na blockchain.

Anteriormente, a blockchain Ethereum, como a blockchain Bitcoin, funcionava em um modelo de prova de trabalho, que envolve computadores que fazem parte de uma grande rede competindo entre si para resolver problemas matemáticos complexos.

A atualização converte o Ethereum em um modelo de prova de participação, que é um sistema mais eficiente em termos energéticos e ecológicos. Significa selecionar por meio de um algoritmo que prioriza os nós que possuem mais moeda na rede.

Em outras palavras, sua "participação" na rede obtém o poder dos computadores recompensados ​​em um sistema de prova de trabalho.

A fusão melhorará quase todas as métricas da blockchain Ethereum, abrindo caminho para futuras inovações de aplicativos e experimentação, assim como acontece no mercado de serviços eletricos industriais, por exemplo.

Os recursos de contrato inteligente da Ethereum foram usados ​​para criar milhares de DApps (aplicativos descentralizados da blockchain) que atraíram milhões de usuários e geraram bilhões de dólares para investidores e usuários.

Devido às capacidades do Ethereum, houve a criação de muitos projetos significativos, incluindo:

  • Organizações autônomas descentralizadas (DAO);

  • Finanças Descentralizadas (DeFi);

  • Ofertas iniciais de moedas (ICO);

  • Ofertas de token de segurança (STO);

  • Tokens não-fungíveis (NFT);

  • Stablecoins.

Esses são alguns exemplos de apps que de fato contribuem para o grande avanço dessa tecnologia. Veja outras principais mudanças estabelecidas por esse processo de mudança. 

Recalibração da sustentabilidade

Uma das mudanças que trata das criptomoedas é a tão aguardada recalibração da sustentabilidade. É uma atualização há muito esperada em todo o sistema que, segundo especialistas, reduzirá o consumo de energia da blockchain em cerca de 99%.

Além disso, significará uma grande melhoria no sistema de mineração, bem como a eficiência e a segurança do sistema. O impacto ambiental das criptomoedas tem sido um ponto importante para essas novas medidas reguladoras.

Por exemplo, com base em detectores de tensão, uma única transação de Ethereum consome quase tanta energia quanto o suficiente para abastecer uma casa por um dia inteiro.

Ou seja, de acordo com a pesquisa inicial da Cointelegraph Research sobre as blockchains mais eficientes em termos de energia para tokens não-fungíveis (NFTs), a rede Ethereum atualmente usa mais energia do que a Costa Rica por um ano inteiro.

Essa é parte da razão pela qual o fundador mais conhecido da Ethereum, Vitalik Buterin, está preparando as bases para a fusão desde 2014.

A atualização, que deveria acontecer em 2016, continuou a ser adiada pela Ethereum Foundation, uma organização sem fins lucrativos que ajuda a manter a blockchain Ethereum. Parece que finalmente vai acontecer no início deste verão, e então foi adiado.

Ou seja, a fusão finalmente aconteceu em 15 de setembro, e os testes agora estão completos.

Prova de participação

Após a fusão, o Ethereum usará um sistema de "prova de participação", em vez de usar uma loteria algorítmica para determinar quem verificou as transações de um grupo de "jogadores" (e são recompensados ​​com tokens).

O impacto ambiental das criptomoedas tem sido um ponto importante para essas novas medidas reguladoras, mas apesar de tantas informações e espera, ainda há muito mal-entendido sobre o que realmente aconteceu durante a fusão.

Como o mercado de criptomoedas ficou sob pressão nos últimos meses, uma atualização de software muito aguardada para uma das plataformas de criptomoedas mais populares, a Ethereum, foi lançada na semana passada.

A atualização, apelidada de "fusão", sofreu vários atrasos desde que foi anunciada pela primeira vez em 2014, levando muitos a questionar se surgirá uma estratégia de consenso da indústria alternativa e eficiente em termos de energia.

Ou seja, para muitas empresas de consultoria tributária, ainda pode haver dúvidas acerca de como foram essas mudanças.

Maior participação

Essa mudança otimiza não apenas a proposta de valor que as criptomoedas e os aplicativos blockchain apresentam aos usuários de criptomoedas, mas também aos inovadores climáticos da Web3, uma nova geração de defensores do meio ambiente.

Afinal, agora sim eles poderão investir nessas criptomoedas, já que antes não investem devido ao uso intenso de energia.

Essa migração moverá o Ethereum, com milhares de projetos Web3 e 71 milhões de carteiras criptográficas baseadas em Ethereum de seu atual sistema de prova de trabalho (PoW) para um sistema de prova de participação (PoS).

De acordo com a Ethereum Foundation, a mudança reduzirá o uso de energia da rede em 99,95% e preparará o terreno para melhorias adicionais em sua infraestrutura principal.

Em um nível mais alto, uma fusão do Ethereum poderia mudar a narrativa de toda a indústria sobre os potenciais benefícios climáticos.

Considerações finais

Como mencionado acima, após vários atrasos, a fusão finalmente ocorreu nas primeiras horas de 15 de setembro de acordo com um tweet do cofundador da Ethereum, Vitalik Buterin.

Os proponentes dizem que a transição reduz o consumo de energia da rede Ethereum em cerca de 99%. O modelo de prova de trabalho usado pela rede Bitcoin requer mais poder do que o modelo de prova de participação.

O impacto negativo da negociação de criptomoedas tem sido uma grande preocupação para muitos comentaristas e defensores de criptomoedas, e a mudança do Ethereum para a prova de participação com uso intensivo de energia é vista como um grande avanço.

Também estabelecerá as bases para outros aspectos do roteiro da rede, como melhorar a eficiência das transações.

Mesmo com todas essas mudanças que foram esclarecidas acima, é incerto como a blockchain Ethereum se comporta em termos de velocidade e custos de transação e configuração de servidor após a fusão.

Um grande problema com o Ethereum no passado era que as transações eram muito caras, às vezes chegando a milhares de dólares no pico de 2021.

Os desenvolvedores da Ethereum Foundation não esperam que a fusão tenha um impacto significativo nessas mudanças. Talvez mais importante pode ocorrer na mudança da jornada do Ethereum para o “Ethereum 2.0”, o sharding, que deve acontecer em 2023.

Também teremos que esperar e ver se de fato essas mudanças citadas serão bem estabelecidas. Erros de sincronização e atualização de suporte técnico informática podem afastar os investidores por medo da instabilidade.

Mas, no geral, embora a fusão não seja um milagre, pode ajudar a impulsionar o perfil da criptomoeda e atrair investidores institucionais e de varejo.

Em um momento em que o investimento sustentável é cada vez mais uma prioridade, a fusão do Ether e seus retornos atraentes têm o potencial de colocá-lo nos principais investimentos de criptomoedas.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.


Aqui indico ao meu network de amigos diversos produtos interessantes em conteúdo referente ao gosto de meus seguidores.

30.9.22

Saúde bucal: entenda a importância dela para o funcionamento corpo


Cuidar da saúde do corpo, não se resume em apenas fazer atividades físicas, é preciso ter cuidado com a
saúde bucal também.

A boca faz parte de todo o organismo e as doenças bucais poderão repercutir no corpo em geral.

Muitos fatores relacionados às doenças bucais, levam às doenças físicas, por exemplo:

     Cáries;

     Abscessos;

     Gengivite;

     Doenças periodontais.

Essas doenças podem fazer com que as bactérias atinjam o coração, o cérebro e, em muitos casos, até levar a óbito.

Essas questões ocorrem devido ao acúmulo de placa bacteriana, que causa a gengivite, uma inflamação que atinge cerca de 80% da população, é uma porta aberta para a entrada de bactérias.

Ao cair na corrente sanguínea, as bactérias podem atingir qualquer órgão do corpo, e se as condições forem favoráveis, ela se instala e multiplica causando uma infecção que atrapalha o bom funcionamento do órgão.

Vale lembrar que todas essas doenças além de serem prejudiciais ao organismo, causam um amarelamento na parte branca do dente, e nessas situações, é importante que o paciente busque sobre clareamento dental preço.

Além dessas doenças prejudicarem o funcionamento do corpo, é importante lembrar, que para que o paciente tenha saúde, ele precisa estar com boa relação e com qualidade em todos os seus âmbitos, principalmente quando se trata do sono.

Existem pacientes que sofrem com algumas disfunções bucais, como o bruxismo, e infelizmente se ele não for tratado pode ser um grande influenciador durante o momento de sono.

Como o bruxismo pode afetar a noite de sono?

O bruxismo pode ser definido como uma atividade involuntária que inclui o apartamento ou ranger dos dentes, que pode acometer pessoas de todas as idades.

Esse contato entre os dentes pode ser silencioso ou produzir som, principalmente durante o sono.

Com esse ranger dos dentes, pode-se fazer com que os dentes fiquem desgastados, tornamos todos do mesmo tamanho.

Esse desgaste também poderá ocasionar uma alteração na pigmentação danificando a sua parte branca é importante que o paciente procure sobre o preço clareamento dental.

Além disso, pelo fato de ocorrer principalmente durante a noite, pode fazer com que o sono do indivíduo seja prejudicado, e em alguns casos pode até ocorrer a interrupção durante o sono ao decorrer da noite, fazendo com que não seja de qualidade o descanso.

Quando você atinge a qualidade de sono, faz com que influencie na saúde geral do paciente também, porque o sono é muito importante, principalmente para repor as energias e regular o metabolismo que serve para manter o corpo e a mente saudável.

É fundamental que procure um especialista para que possa tratar do bruxismo, mas vale ressaltar que além dele, é extremamente importante cuidar da saúde bucal, principalmente da higiene.

Como se prevenir dos impactos da má higiene bucal no seu corpo?

A prevenção é a melhor opção em casa, é importante fazer a escovação dos dentes pelo menos três vezes ao dia, com a escova macia e força controlada.

É importante não esquecer do fio dental e de escovar a sua língua. É importante fazer uma visita ao dentista com regularidade.

O tratamento ortodôntico também pode ser o principal aliado para essa prevenção, por quanto, pessoas que possuem dentes tortos, por vezes possuem muita dificuldade de fazer a higienização correta, sendo necessário iniciar o tratamento com o aparelho dental de porcelana.

Isso acontece porque quando os dentes estão desalinhados, pode se tornar dificultoso para que a escova ou o fio dental alcance as extremidades, não sendo possível fazer uma higienização completa principalmente entre os dentes.

Quando o tratamento ortodôntico é feito e os dentes estão de forma correta, a higiene fica mais fácil podendo fazer a prevenção.

Esses cuidados devem ser seguidos ainda mais arriscados por pessoas que são diabéticas e que possuem doenças cardíacas, os sangramentos a gente faz aumenta muito a chance de desenvolver diabetes.

É importante se atentar, porque algumas mortes de doenças cardíacas têm origem em doenças bucais.

Então, a saúde bucal tem uma relação extremamente forte com o funcionamento de todo o corpo e se ela não for tratada poderá trazer grandes impactos, como foi dito principalmente doenças cardíacas.

Além dessas doenças no organismo, a própria saúde bucal pode ser prejudicada, podendo acontecer a perda do dente e alteração na pigmentação, sendo necessário que o paciente possa optar por um clareamento dental.

Além do mais, doenças bucais como o bruxismo também podem ser influências para uma saúde geral, principalmente afetando a qualidade do sono.

Mas ele também pode ser resolvido por meio de placas que o paciente coloca durante o momento de sono, que servem para fazer relaxamento dos músculos da face, fazendo com que esse ranger involuntário seja cessado e o músculo relaxado.

Ainda assim, a prevenção para esses impactos pode ser feita por meio de uma boa higiene bucal e a busca sobre o aparelho de porcelana preço. Lembre-se que é muito importante a ida periódica ao dentista.

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Qualivida Online, site no qual é possível encontrar diversas informações e conteúdos sobre os cuidados com a saúde física e mental.


GeraLinks - Agregador de links