1.7.22

Como produzir uma festa inesquecível de casamento: 7 dicas


O casamento com certeza é o dia mais especial na vida do casal, por isso é preciso preparar com muito amor e carinho para sair como eles sempre imaginaram. Hoje em dia existem muitas variações de adereços, decorações, serviços, tudo para que o seu dia seja inesquecível.

Para que saia tudo dentro dos conformes, não tente fazer tudo sozinhas, pois isso não é uma boa ideia, você deve contratar um equipe que vá atrás de tudo que for necessário para fazer o casamento acontecer, mas lembre-se de ficar a par de tudo o que está acontecendo e dê sua opinião em tudo que for necessário para que sai do seu jeito. 


Quanto antes o casamento for planejado melhor, você terá tempo de ver tudo com calma e se por ventura venha acontecer imprevistos você terá tempo de consertar tudo com a ajuda da sua equipe. 


Faça uma lista de tudo que você deseja ter no seu casamento e lembre-se o mais importante, você deve realizar um casamento de acordo com seu orçamento, para que no final de tudo não acabe ficando no vermelho.


Então fique conosco até o final deste artigo que vamos te dar dicas sobre tudo, desde brindes para casamento até ajuda com a lista de convidados.

Tenha um orçamento para seu casamento

A primeira coisa que deve se fazer quando começar a planejar seu casamento, é o orçamento, você deve deixar isso muito bem estipulado. O casal pode começar a poupar um pouco por mês e quanto maior for o planejamento financeiro melhor será seu casamento.


Lembre sempre da boa e velha frase “o barato sai caro”, então opte por empresas de respeito que tenham boas recomendações para você não entrar em nenhuma furada e acabar estragando seu casamento.

Faça o planejamento com antecedência

O tempo ideal é que o casal comece a planejar o casamento com ano e meio a dois anos antes da data escolhida pelos noivos. Com isso, vai ter tempo o suficiente para ir atrás de tudo que é necessário para realizar um casamento inesquecível.

Ter tempo de sobra para pesquisar sobre as equipes que farão o casamento, o ideal é que você tenha pelo menos três orçamentos diferentes, com isso você vai poder fechar com o melhor fornecedor e prestadores de serviço de qualidade. 

Tenha uma reserva para emergências

Por mais que você tenha um orçamento planejado com antecedência, é melhor que você ainda tenha uma reserva de emergência, separe cerca de 10% a 20% do seu orçamento para isso. Pois nunca se sabe o que pode acontecer e eventos como casamentos é cheio de imprevistos.

Saiba escolher o mês do casamento

Você sabia que determinados meses podem fazer com que seu casamento aumente ou diminua de valor. Isso mesmo, existem alguns meses que o orçamento do seu casamento pode ficar mais caro ou até mesmo ter um desfalque de convidados. Veja abaixo uma explicação.


  • Janeiro: é o melhor mês para se ter descontos;
  • Fevereiro: não é um bom mês, chove demais e ainda tem carnaval;
  • Maio: as flores aumentam de valor devido ao dia das mães e o proximidade com o dia do namorados;
  • Dezembro: esse é um mês cheio de problemas, pois a maioria das pessoas gastam demais com as festas de fim de ano e planejando suas férias, com isso alguns convidados podem não ir. 


Tenha uma relação de todos os serviços que precisam ser contratados

Anote todos os seus possíveis gastos, com trajes, bebidas, local da cerimônia, dj, atrações musicais, entre muitos outros detalhes que precisam ser lembrados, anote tudo e passe para sua equipe ter uma noção de tudo que você precisa. 


Ter uma equipe para te ajudar conta muito nessas horas, eles não vão deixar nenhum detalhe passar despercebido e com isso ainda sobra tempo para você ir atrás do dia da noiva e noivo no salão e decidir os trajes, como o vestido e terno.

Cuidado com sua lista de convidados

Esse é um detalhe que precisa ser muito bem conversado, pois ela pode interferir diretamente nos gastos com seu casamento. Normalmente a lista costuma ser extensa, pois são muitos amigos e familiares quanto da parte do noivo como da noiva e por muitas vezes o casal acaba convidando pessoas que não tenham vínculos. Em média uma festa de casamento tem 150 convidados, mas também é possível realizar uma cerimônia com 50 convidados.

Dj e/ou atração musical

Com certeza a hora da festa é a mais esperada pelos convidados, é o momento em que todos vão para a pista de dança celebrar esse dia tão especial na vida dos noivos com muita música boa. Por isso escolha um bom DJ ou atração musical e se tiver dentro do orçamento do casal, contrate os dois, com certeza os convidados vão ficar bem surpresos.

Legislação para e-commerce: como funciona e como administrar os impostos?


Muitas pessoas que querem começar seu próprio negócio colocam como um dos grandes empecilhos para isso o número alto de impostos que precisam ser pagos pelas empresas.

 

Isso é especialmente difícil quando se está no início e você ainda começa a dar os primeiros passos no mundo comercial.

 

Inclusive, esse é o motivo pelo qual as pessoas sempre tentam encontrar as maneiras menos burocráticas de se fazer negócio. Sendo assim, um dos caminhos que muitos procuram é o e-commerce.


Fazer negócios pela internet pode ser muito mais simples do que ter um grande espaço físico, mas claro que isso não significa que você vai estar totalmente livre de impostos. Existem, é claro, aqueles que são obrigatórios de qualquer maneira, e por essa razão, quem vai começar esse tipo de negócio precisa ter atenção.

 

Trabalhar na internet pode até ser mais fácil e mais econômico, mas não isenta você de certas obrigações. É importante que todo comerciante tenha ciência do que precisa pagar para que não acabe tendo nenhum tipo de problema na justiça no futuro.


Estamos aqui justamente para ajudá-lo nesse processo. Sabemos que se informar sobre como a legislação funciona quanto aos impostos cobrados e pagos pelo e-commerce pode ser uma tarefa difícil, e, diante disso, passaremos alguns esclarecimentos sobre o assunto.

 

Regras para o e-commerce

 

O e-commerce tem crescido ano após ano. Só em 2021 foram mais de 1,59 milhões de empresas abertas por meio de sites, e esse número segue em expansão. Então, não é à toa que a legislação já tinha regras próprias para lidar com essa forma de fazer comércio.

 

É claro que por meio dele você vai conseguir economizar em várias coisas, como espaço vazio, salários de alguns funcionários, entre outras. No entanto, quando o assunto é imposto, é extremamente importante que você esteja com tudo em dia.

 

Você deve ter em mente os 3 principais tipos de impostos que uma loja virtual pode precisar pagar. Confira a seguir!

 

Simples Nacional

 

O Simples Nacional é o estilo de imposto mais comum que vemos por aí, principalmente em lojas pequenas. Ele se aplica para aqueles que têm faturamento de até no máximo 4,8 milhões de reais por ano.

 

Para as empresas que se enquadram nesse modelo, o imposto cobrado é uma alíquota de apenas 19% no máximo, com a cobrança feita por meio do Documento de Arrecadação do Simples Nacional - o DAS, responsável pelo pagamento de impostos das médias e pequenas empresas.

 

Lucro Presumido

 

A partir daí começamos a falar sobre as empresas que movimentam mais dinheiro. O Lucro Presumido é cobrado de empresas que têm um faturamento anual de até 48 milhões de reais, e têm seu cálculo feito levando-se em consideração tanto o lucro total da loja virtual quanto o percentual da sua receita.

 

O que também é levado em consideração é a atividade que a empresa exerce, já que existem algumas coisas que um e-commerce faz que têm valores maiores envolvidos e, sendo assim, faz com que ele pague mais impostos também

 

Lucro Real

 

Por último, vamos falar das empresas que realmente tem um faturamento bem alto. O Lucro Real é cobrado apenas daquelas empresas que têm faturamento maior que 78 milhões de reais por ano.

 

Obviamente, esse é o tipo que se vê menos e, além disso, é visto por muitos como o mais complexo também, já contemplando também o lucro líquido em períodos de tempos diferentes.

.

Cuidados que precisam ser tomados

 

Agora que você sabe quais são os tipos de impostos que são cobrados, precisa cuidar para que não exista de forma alguma uma negligência com eles.

 

Por mais que você entenda  desta área e queira fazer a contabilidade da sua empresa, afirmamos que contar com uma consultoria de contabilidade para e-commerce não significa um gasto, mas sim um investimento.

 

Isso porque você vai ter profissionais que vão lidar com questões que você não sabe lidar. Esses profissionais vão apontar erros, poderão evitar que algum imposto seja esquecido e não pago, colocando dessa forma tudo em ordem.

 

Qualquer empresário vai afirmar que não existe nada mais preocupante do que ficar refletindo sobre como lidou com essa tarefa, às vezes ficando até ansioso em procurar saber se fez tudo corretamente ou se por algum descuido algo ficou para trás.

 

As empresas que trabalham com essa área também vão se certificar que você não esteja pagando mais do que o necessário, já que eles sempre terão equipes que vão entender sobre o assunto perfeitamente.

 

Isso significa que, além de não esquecer das suas obrigações financeiras, você ainda terá a garantia de que o dinheiro que está saindo do seu bolso e que poderia estar indo para algum outro setor da empresa, não está deixando de atender nenhum compromisso.

30.6.22

Carro para empresas: como escolher o melhor?


A venda de carros para empresas possui uma nomenclatura diferenciada para esse tipo de venda. Chamada de venda direta, ela é feita para instituições que possuem CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica). 


Microempresários, profissionais autônomos com firma aberta e microempreendedores individuais (MEI) também podem aproveitar a compra facilitada.


Esse tipo de compra facilitada traz alguns benefícios, como descontos, incentivos e formas de pagamentos diferenciados. Dentro desse tipo de compra existem categorias que diferenciam os CNPJs, ou seja, produtores rurais, por exemplo,  possuem alguns benefícios que indústrias não possuem. 


Há uma variedade de modelos no mercado nacional, cada um com suas características próprias. O modelo escolhido para sua frota depende das atividades da empresa e do uso do carro. Definir as necessidades e prioridades da empresa antes de definir o veículo é primordial.


Optar por comprar veículos novos ou zero quilômetro pode ser uma ótima opção. Os modelos novos possuem garantia de fábrica e as concessionárias possuem planos especiais para carros para empresas e frotistas. Vale a pena conferir essa modalidade de compra.


Para modelos seminovos, o ideal é procurar lojas especializadas nesse tipo de veículo. Devido os carros serem de segunda mão, é necessário atenção às condições dos modelos. Optar por lojas especializadas é sem dúvida uma ótima opção. Optar por seminovos na Noxcar, por exemplo, pode ser a garantia de uma compra bem-sucedida ou, caso contrário, poderá ter dores de cabeça com os modelos adquiridos.


Abaixo iremos listar alguns dos tipos e modelos de veículos mais utilizados por empresas. Confira!

Utilitário Furgão

Furgões são ideais para transportar produtos que não podem ser expostos às intempéries. Remédios, perecíveis e produtos sensíveis ao calor são os itens mais comuns nessa lista.


Além de carroceria fechada e capacidade superior a 600kg, esse tipo de carro também pode ser customizado. É aqui que as opções de personalização, como o sistema térmico e até o sistema de refrigeração, podem ser consideradas nesse segmento.


Compactos

Se a necessidade da sua empresa é transitar em ambientes urbanos, sem a necessidade de carregar ou transportar peso, o mais indicado são os compactos. Esse tipo de carro possui uma melhor dirigibilidade, facilidade em manobrar e rapidez no trânsito de grandes centros.


Empresas que realizam visitas aos clientes ou assistência técnica podem fazer essa opção. Possuindo uma ampla gama de uso, os modelos podem ser personalizados, ou seja, com porta escadas, giro-flex, etc.

Sedãs e SUVs

Os sedãs e SUVs são ótimos para a equipe de executivos que necessitam de mais conforto, tecnologia e facilidade para realizar grandes deslocamentos. Modelos com piloto automático, conjunto de conexão wi-fi e sistema de entretenimento são opcionais que fazem total diferença para esse tipo de modelo. Porta-malas espaçosos é um ponto a favor nos sedãs e SUVs. 


Em alguns casos, esse tipo de veículo requer blindagem, assim, para que seja feito o serviço, a empresa deve entrar com pedido de autorização de blindagem de veículos no DETRAN. Somente após a autorização emitida, será permitida a blindagem do modelo.

Carros especiais

Esse tipo de modelo pode ser necessário em várias empresas. Modelos que podem ser personalizados em viaturas, ambulâncias e de deslocamento interno. Os modelos são personalizados individualmente para atender às necessidades específicas de cada empresa.

Qual o veículo ideal para uma empresa?

O carro ideal para as empresas é aquele que supre efetivamente as necessidades do negócio. É importante saber quais as necessidades de cada departamento e então definir o modelo de frota.


Algumas empresas prestadoras de serviços podem ter uma frota de vários carros diferentes, como compactos para realizar serviços ou visitar clientes e picapes que podem transportar materiais.


Se o medicamento, por exemplo, precisa ser entregue em perfeitas condições, o veículo precisará de algumas especificações como uma van com ar-condicionado que pode atender perfeitamente às necessidades.


À medida que a empresa cresce e as necessidades internas mudam, os veículos também precisam ser atualizados, renovados e trocados. 


Algumas empresas possuem como política, a realização da troca de todas as unidades da frota anualmente ou a cada dois anos. Essa política deve ser definida com setor responsável, e é só assim que se torna possível manter uma frota nova, atualizada e em boas condições de uso.

Analisar custos

Antes de escolher qualquer que seja o modelo, o correto é fazer um levantamento detalhado de custos. Assim, a empresa pode optar por uma escolha mais assertiva e poder usufruir dos carros da melhor forma possível.


Abaixo, listamos alguns dos pontos importantes durante essas análises: 


  • manutenção do veículo;
  • consumo de combustíveis e lubrificantes;
  • contratação ou não de motoristas;
  • seguro automotivo;
  • custo de aquisição do veículo, impostos e documentação.


Cabe ao gestor ou à equipe responsável analisar tais tópicos, verificar qual se encaixa melhor e assim decidir pelo tipo de carro que deverá comprar para sua empresa. Escolher o carro ou os modelos certos para sua empresa é uma tarefa difícil e requer muita atenção, porém, realizando-a da maneira correta, o sucesso na compra é garantido.

Principais dificuldades das indústrias no Brasil em 2022


Abrir um negócio no Brasil não é nada fácil, e todo mundo que já tentou em algum momento sabe muito bem de toda a dor de cabeça que pode estar envolvida nisso. Tudo fica ainda mais complexo se o negócio que você quer abrir é do setor das indústrias, e essa complicação a mais tem vários motivos.


Primeiro, pelo fato de as indústrias serem negócios complexos, que precisam de mão de obra especializada, maquinário pesado, demandam muito investimento, tempo, espaço e não têm uma clientela comum como as empresas tradicionais. Não é como se alguém fosse passar na frente da sua indústria e fazer uma compra, da mesma forma que ocorre com muitas lojas.

 

O resultado dessa complicação toda é que muitas pessoas abandonaram o barco e desistiram de seus negócios, com mais de 30 mil indústrias fechando no país de 2013 para cá.

 

Isso só mostra o quanto esse negócio pode ser complexo, e não é para qualquer um. Apesar de ser uma parte fundamental da economia do nosso país e de fornecer emprego a milhões de brasileiros, ter uma indústria não é trabalho fácil. Por esse motivo hoje vamos ajudar você que está pensando em começar nessa área.

 

Apresentaremos aqui as maiores dificuldades que as indústrias vão ter que passar no Brasil no ano de 2022, já adiantando toda a dor de cabeça que você vai ter na hora de seguir nesse setor. 

 

O investimento inicial


Vamos falar especialmente com você, que vai abrir a sua indústria neste ano. Se você quiser dar o seu primeiro passo, o timing certamente não é o melhor. Não estamos dizendo para você abortar a sua missão, mas já adiantamos que você vai sofrer mais do que as pessoas sofreram antes da pandemia, por exemplo.

 

Estamos passando por um dos piores momentos econômicos do nosso país, com inflação extremamente alta, e com algumas coisas especificamente muito caras, coisas essas que podem influenciar diretamente no valor que você vai ter que investir.

 

Se você abrir uma indústria que trabalha com transportes, por exemplo, o preço de um veículo e da gasolina já vai automaticamente inflacionar muito o seu investimento. Isso faz com que as pessoas pensem duas vezes antes de dar esse primeiro passo, e deixa muito claro que o desafio de quem vai começar agora em comparação com quem começou há 5 anos, vai ser bem maior.

 

Vale lembrar ainda que existem os gastos com segurança que toda indústria é obrigada a ter, desde cuidados com os equipamentos que requer manutenção, emissão de certificado de calibração e tudo mais, até a segurança do trabalho típico que cuida do bem-estar do funcionário.


Esse também é um investimento inicial que deve ser levado em consideração e que vai gerar gastos logo de cara.

 

A falta de insumos

 

Agora vamos falar de um mal que todas as indústrias estão sofrendo. Você já deve ter ouvido falar disso em algum momento, já que esse tipo de notícia está praticamente tomando os noticiários sempre que uma empresa ameaça fechar as portas.


A falta de insumos tem sido a maior dor de cabeça dos últimos anos para quem trabalha no ramo da indústria. E para quem não sabe, insumos são todos os itens fundamentais para a produção de alguma coisa, praticamente a sua matéria-prima.

 

Muitas vezes, esses insumos são importados, e isso por si só já cria uma dor de cabeça bem grande, principalmente porque estamos vivendo momentos de conflitos internacionais e até de sentimento de parceiros, e tudo acaba pesando no preço e também na burocracia de se importar insumos. 

 

Infelizmente esse é um problema que não está dando muitos sinais de que está prestes a melhorar, com altos conflitos internacionais seguindo. Tudo indica que pelo resto do ano a falta de insumos vai continuar assombrando boa parte da indústria brasileira, e vamos ter que continuar nos virando da forma que for possível.

 

A produtividade


Um problema que nasce diretamente da falta de insumos, é o da produtividade. É claro que tudo o que vivemos durante a pandemia da Covid 19 também teve sua responsabilidade, mas agora, com isso e o problema anterior somados, o que temos é uma bola de neve.


Não existem insumos suficientes para uma alta produtividade. Ao mesmo tempo, não se sabe se existe uma demanda grande por essa produtividade por conta da retomada financeira em meio a uma crise.


Isso compromete diretamente a produtividade das indústrias, e se as indústrias produzem menos, a economia gira menos. Algumas podem acabar fechando pela falta de produtividade, o que vai gerar desemprego e uma bola de neve de coisas ruins para nossa economia.


Isso mostra que 2022 vai ser um ano complexo para as indústrias, e que elas vão ter que lutar para poder passar por esse momento sem que alguma acabe se comprometendo seriamente.

29.6.22

8 Coisas para saber antes de viajar para Orlando


Muitas pessoas possuem o sonho de conhecer Orlando, cidade que fica localizada na Flórida, um dos estados com clima tropical do norte da américa. 


Além de ser um local receptivo e aconchegante, as pessoas sonham em conhecer esse local, pois ele hospeda o casal do Mickey Mouse, e lá você pode conhecer inúmeros parques de diversão, como a própria Universal e o Magic Kingdom e a casa da Disney.


Em suma, não é à toa que esses parques levam a fama que têm e possuem peso suficiente para transformar uma cidade em um dos pontos turísticos mais desejados de se visitar do mundo. 

Entretanto, mesmo com a quantidade de roteiros disponíveis na internet para que você possa conhecer o melhor da cidade e dos parques, ainda sim, existem pessoas que conhecem o lugar e deixam passar muitas experiências, tornando a viagem para Disney

de certa forma, incompleta. 


Confira a seguir tudo o que você precisa saber sobre esse lugar mágico para que você possa planejar a sua viagem de forma completa e possa aproveitar todos os locais possíveis, assim como ter uma experiência completa. 

Qual época visitar?

Em primeiro lugar, antes de qualquer coisa, é necessário saber a época em que você vai viajar. Isso porque, ao escolher uma data, é preciso levar em consideração muito mais do que apenas marcar um período de férias possível no seu trabalho. 


Isso porque, assim como em todos os lugares turísticos do mundo, ao fazer uma viagem Disney, é necessário saber quais as altas e baixas temporadas da cidade, tanto para que você não pegue todas as atrações muito cheias, quanto para poder pagar mais barato.


Desse modo, é importante saber que uma das melhores épocas para visitar a cidade, tanto em termos de clima quanto em questão de atrações bacanas, é justamente em meados de setembro até o início de novembro.


Vai ser durante esse período que as temperaturas na cidade não estarão tão altas quanto no verão em que a cidade pode apresentar 32 ºC. 


Vale lembrar que o calor excessivo pode aumentar o cansaço, por exemplo, fazendo com que você não aproveite tão bem as atrações. 


Além disso, é justamente nessa época em que os diversos parques que existem na cidade se enfeitam para o Halloween, feriado extremamente importante para a cultura norte-americana, muito mais do que o dia das bruxas no brasil. 


Nessa época, é possível contar com festas temáticas exclusivas, além de shows especiais e até mesmo concursos de melhores fantasias em alguns parques, por exemplo. 


Outra coisa importante de salientar antes de agendar a sua viagem Orlando, é saber quais as altas e baixas temporadas para poder economizar o seu dinheiro e evitar filas, por exemplo. 


Dessa maneira, saiba que Orlando fica lotada de turistas durante 2 períodos do ano.


Como a Flórida está entre um dos destinos com maior demanda para os trajetos e com tantos benefícios disponíveis para famílias, os 2 momentos de alta temporada coincidem com as férias escolares nos Estados Unidos, entre os meses de março e abril e de junho a setembro.


Dessa forma, os demais períodos do ano acabam sendo mais vazios, e assim como toda cidade turística do mundo, os preços acabam caindo justamente para que nas épocas com menor movimento, a cidade consiga atrair mais turistas e visitantes. 

Quais são os parques existentes atualmente em Orlando e quais parques visitar?

Orlando pode ser conhecido como a cidade dos parques temáticos, e assim, fica um pouco difícil conhecer todos os 30 parques que existem na cidade. 


Desse jeito, além de pesquisar sobre Disney hotels Orlando, é importante decidir qual dos parques você quer visitar e comprar os ingressos com antecedência. 


Isso porque, muitos deles depois da pandemia passaram a exigir agendamento para a visita e reserva. Ou seja, é muito importante não deixar para decidir esse roteiro de última hora e não perder o melhor que a cidade tem a oferecer. 


Confira uma lista com os principais parques: 


  • Parque Disney’s Magic Kingdom
  • Parque Disney Epcot em Orlando
  • Parque Universal Studios em Orlando
  • Parque Islands Of Adventure em Orlando
  • Parque Busch Gardens
  • Parque Seaworld
  • Parque da NASA em Orlando
  • Parque Legoland em Orlando


Veja agora o motivo desses parques serem considerados imperdíveis, para que você não deixe de ir.

  1. Parque Disney’s Magic Kingdom

O primeiro parque que definitivamente é a cara do cartão postal de Orlando que você não pode deixar de conhecer de jeito nenhum é o Magic Kingdom. Nele é possível visitar o famoso castelo da Cinderela.


Lá é possível conhecer diversos brinquedos, atrações e tirar a famosa foto com o Mickey. Além disso, ele conta com um show mágico de encerramento, considerado um dos espetáculos mais bonitos do parque. 


Vale lembrar que além do parque, o lugar possui diversos restaurantes temáticos, lojas e até mesmo o Disney resorts Orlando, onde você pode ficar hospedado durante sua passagem pela cidade.

  1. Parque Disney Epcot em Orlando

Outra atração da Disney é o Parque Disney Epcot Orlando que se encontra dentro do complexo Walt Disney World e é considerado um espaço de diversões futurista. 


Isso porque, ele é focado em brinquedos e atrações que possuem tecnologias de última geração. 


Ele é um lugar muito interessante para quem curte locais mais futuristas, sendo um espaço imperdível para curiosidades científicas sobre o assunto.


Além disso, o Epcot também possui uma área temática que é uma réplica dos países, fazendo você se sentir como se estivesse dando uma volta ao mundo. São 11 países no total, como México, China, Alemanha, Estados Unidos, França, Itália, Marrocos e outros. 

  1. Parque Universal Studios em Orlando

Outro parque que é bem famoso e não tem como ir pra Orlando e deixar de conhecer é o da Universal. É justamente lá que você poderá imergir na realidade dos filmes de um dos maiores estúdios do mundo. 


Recomendado para jovens e adultos, no parque da Universal você poderá contar com atrações mais radicais como diversas montanhas-russas e simuladores de última geração, e todos sobre os principais filmes de Hollywood.


Desse modo, pesquise agora mesmo sobre pacote Disney baixa temporada e comece a planejar a sua viagem para Orlando. 

  1. Parque Islands Of Adventure em Orlando

O Islands of Adventure Orlando é um parque que faz parte do complexo da Universal, tanto que, você consegue ir de um para o outro através de um trem, uma vez que, eles são muito próximos.


As atrações desse parque também são voltadas a temáticas de filmes, como por exemplo o Harry Potter. É justamente lá que você poderá conhecer o castelo de Hogwarts e tomar a famosa cerveja amanteigada da realidade do mundo dos bruxos. 


Além disso, ele também possui muitas atrações fantásticas para quem gosta de super-heróis, como a famosa montanha-russa do Hulk e super heróis da Marvel e um simulador para que se sinta dentro da cidade do homem-aranha. 

  1. Parque Busch Gardens

O Busch Gardens é um parque para quem gosta de montanha-russa. Isso porque, ele coleciona as maiores do mundo. 


Porém, ele é um dos mais distantes, ficando a cerca de 90 quilômetros do centro de Orlando, distância que chega a aproximadamente 1 hora e 20 minutos de carro. 

  1. Parque Seaworld

O Sea World em Orlando também é muito famoso por ter a temática do fundo do mar. Lá é possível contar com atrações voltadas para esse tema, além de poder conferir shows das baleias e golfinhos, que é uma das atrações mais famosas do parque. 


Em resumo, o parque também possui experiências imersivas e algumas montanhas-russas e é considerado um lugar para a diversão certa.


Dessa maneira, pesquise sobre hotéis Disney e comece agora a planejar sua viagem.

  1. Parque da NASA em Orlando

O Kennedy Space Center em Orlando é o centro espacial oficial da NASA e é aberto aos turistas como um parque de diversões. 


Esse Centro Espacial da NASA é conhecido mundialmente como “parque da NASA” e é o local de onde ônibus espaciais, foguetes e satélites são lançados. Lá você pode contar com diversos museus e exposições especiais. 


  1. Parque Legoland em Orlando

Por último, mas não menos importante, você não pode deixar de conhecer o universo do Lego no parque Legoland. Isso porque, ele é um parque inteiro da Lego, da estrutura às atrações. 


Dessa forma,  o Legoland Flórida configura-se como um verdadeiro paraíso para qualquer criança e qualquer adulto que já passou a infância brincando de Lego. Vale muito a pena visitá-lo.


No geral, o visitante pode contar com mais de 50 milhões de pecinhas de Lego que formam esculturas, personagens, miniaturas de cidades e de grandes pontos turísticos do mundo todo.


Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Markplan, site voltado 

para a veiculação de conteúdos relevantes sobre estratégias de negócios, pensados para abranger informações e novidades relacionadas aos maiores segmentos empresariais.

Saiba tudo sobre e-commerce


Você deseja potencializar o número de visitas que recebe em seu e-commerce e, assim, ter mais clientes? Este é o momento ideal para aproveitar o crescimento do mercado digital.

De acordo com um estudo realizado pela consultoria e empresa de dados Kantar, o consumo de mídia aumentou consideravelmente.

Segundo relatório divulgado pela Ebit Nielsen, no primeiro trimestre de 2021, o mercado superou o recorde do ano anterior com receita de 53,4 bilhões de reais.

Por isso, caso você queira estar entre esses percentuais positivos, continue lendo!

O que é e-commerce e para que serve?

E-commerce é a abreviação de comércio eletrônico, ou seja, toda transação comercial (compra e venda) realizada na Internet.

Hoje, quase quaisquer tipos de produtos, como alimentos, carros e imóveis, podem ser vendidos pela Internet. Com isso, muitas empresas tradicionais do varejo físico estão investindo em seu próprio e-commerce para fortalecer sua presença digital.

Caso você já tenha uma loja ou empresa física, é possível criar um e-commerce para potencializar os resultados.

Por exemplo, se você possui uma papelaria e deseja ter mais vendas em itens que estudantes de cursos ead gestão financeira utilizam — como pastas organizadoras e calculadoras — é possível abrir um e-commerce e vender para todo o país.

Tipos de comércio eletrônico

Agora que você já entendeu o que é e-commerce, é hora de conhecer mais sobre os principais modelos de e-commerce utilizados pelos varejistas. Eles são:

  • Empresa para Empresa;
  • Empresa para Consumidor;
  • Consumidor para Consumidor;
  • Direto ao Consumidor.

Preparamos os  tópicos detalhados para você ter um melhor compreendimento.

  1. B2B (Business to Business)

O B2B é um tipo de e-commerce relacionado ao comércio entre empresas. Na prática, essas marcas têm outras companhias como outros clientes ao invés de falar diretamente com o consumidor final.

Esse modelo geralmente inclui produtos como matérias-primas, autopeças e máquinas, mas também pode abranger outros tipos de mercadorias, desde que sejam para outras empresas.

As relações comerciais B2B possuem certas peculiaridades, como público-alvo limitado, maior volume de transações, processo de compra mais complexo e burocrático.

  1. B2C (Empresa para Consumidor)

O modelo B2C é o mais tradicional e corresponde a uma transação entre uma empresa e o consumidor final.

Portanto, os varejistas mais tradicionais adotam uma estratégia B2C que não exige intermediários para atender os clientes.

Algumas das características do B2C são, por exemplo, um público-alvo mais amplo, mais consumidores e preços médios de ingressos geralmente mais baixos. Esse modelo também permite que os varejistas lidem com várias categorias e vendam vários produtos.

  1. C2C (Consumidor para Consumidor)

Por sua vez, o comércio C2C é entre consumidores finais, que comercializam produtos entre eles. Esta é uma relação mais informal do que antes, pois pode acontecer por meio de redes sociais e fóruns de discussão.

Uma prática comum desse modelo é vender itens usados ​​na página para venda e troca de produtos, funcionando como um “brechó online”. Esse tipo de negócio tende a atingir um público amplo e tem um preço médio de ingresso mais baixo.

  1. D2C (Direto ao Consumidor)

O comércio atacadista é uma boa representação do modelo D2C entre fabricantes e consumidores finais. Por meio dele, os clientes podem comprar diretamente dos fornecedores e pagar um preço mais acessível.

As empresas de vendas podem ser outras companhias que não fabricantes, indústrias, franqueados, distribuidores.

Algumas das categorias que trabalham com esse tipo de relacionamento comercial são vestuário e calçados, têxteis, eletrodomésticos e automóveis.

Estratégias para ajudar a aumentar o seu negócio

Como você pode ver, investir no comércio digital não é mais uma opção que agrega vantagem competitiva ao seu negócio, mas cada vez mais é uma questão de sobrevivência da empresa.

Então, se você quer aproveitar as vendas digitais, fique atento:

  1. Pesquisa de mercado

A realização de uma boa pesquisa de mercado permite que os empreendedores identifiquem as maiores oportunidades e ameaças em seu nicho, observando os negócios concorrentes.

Para a pesquisa de mercado, as habilidades adquiridas na faculdade de vendas e marketing são extremamente valiosas.

Essas informações são fundamentais para ajudar você a entender seu público ideal e otimizar ações internas para aumentar as conversões de novos leads ou atrair potenciais compradores.

  1. Monitore o ciclo de compra

O ciclo de compra, também conhecido como jornada do cliente, é uma ferramenta poderosa para melhorar a experiência do consumidor.

Isso porque permite identificar todos os processos realizados por todos os interessados ​​em sua marca ou produto. Desde o primeiro contato com a empresa, até a finalização da compra.

Essa é uma ótima maneira de determinar o melhor momento para uma agência entrar em contato com clientes em potencial. 

  1. Melhore a experiência de compra

As compras online são tão atrativas para os consumidores devido aos inúmeros benefícios que este método de consumo oferece.

Por isso, investir na otimização para tornar a conexão com sua loja virtual mais agradável, fácil e intuitiva é fundamental para atrair clientes e melhorar suas finanças – tema que pode ser aprendido ao pesquisar por gestão financeira melhores faculdades.

Isso inclui a implementação de uma série de estratégias que visam aprimorar a apresentação do produto e da marca, oferecendo uma aparência mais agradável, maior acessibilidade e atendimento mais personalizado.

  1. Use as redes sociais

No Brasil, as pessoas passam em média 5 horas por dia navegando nas redes sociais. Essas plataformas rapidamente se tornaram um dos principais canais de entrega de informações para todos os cantos do país.

Dessa forma, utilizar esses meios de comunicação para divulgar seus produtos e marcas pode ser uma forma ideal de atingir um grupo de pessoas mais alinhadas e interessadas no que seu negócio oferece.

  1. Marketing de Conteúdo

A produção de conteúdo digital em blogs ou perfis de empresas nas redes sociais é uma medida que pode ser estudada até mesmo em um curso de gestão de pessoas online.

Ao produzir textos, infográficos, e-books, vídeos ou podcasts, as empresas conseguem construir um senso de autoridade no mercado, educar potenciais compradores sobre produtos e levá-los a investir em seus serviços.

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog It Business Fórum, site voltado para a veiculação de conteúdos relevantes sobre negócios, startups e estratégias para pequenas, médias e grandes empresas.

GeraLinks - Agregador de links