14.4.22

Aposentadoria rural: saiba como funciona para boia-fria


A aposentadoria é prevista aos trabalhadores contribuintes brasileiros que exerceram atividades laborais. Ela pode ser entendida pela ótica de trabalho no meio urbano – como destinada a um trabalhador que se dedicou às atividades em uma empresa de rolamentos – e, por outro lado, no meio rural.

No caso da aposentadoria rural, ela é destinada àqueles que se envolveram com atividades no campo. Levando em conta as diferenças das atividades e condições de trabalho exercidas no campo, os trabalhadores rurais, sob a perspectiva da seguridade social, são divididos em 4 categorias: 

  • Segurado empregado;
  • Contribuinte individual;
  • Segurado trabalhador avulso;
  • Segurado especial.

Abaixo iremos estender a discussão de como funciona esse tipo de aposentadoria e, em especial, para os trabalhadores bóias-frias. Continue a leitura e confira!

Boia-Fria: entenda mais do que se trata

O trabalhador rural popularmente pode ser chamado de boia-fria. Este é um termo guarda-chuva e pode se referir tanto para o trabalhador rural informal, quanto para uma diarista rural e um safrista que trabalha com armazenagem de cargas, por exemplo.

A sua origem está nas refeições levadas por esses trabalhadores. Pelo fato de acordar muito cedo para trabalhar, suas marmitas já não estariam mais quentes quando fossem fazer alguma refeição.

Em via de regra, esses trabalhadores são assalariados, isto é, não possuem vínculo de emprego. Eles podem ser contratados para períodos de trabalho regulares ou temporários, em especial no período de safra.

Pela falta de controle de suas condições de trabalho, estima-se que eles trabalhem muito mais do que um trabalhador na formalidade – em termos de longos períodos e esforços demandantes.

Nesse sentido, há uma empresa de medicina do trabalho que voluntariamente oferece assistência a esses trabalhadores quando necessitam de qualquer assessoria. 

Por esse motivo, é necessário que haja uma cobertura e garantia de direitos trabalhistas para eles. Em geral, esse grupo de pessoas não tem uma educação formal e, por isso, é tão necessário que tomem conhecimento de seus direitos de trabalho e previdência social.

Como funciona a aposentadoria rural para bóias-frias?

Em linhas gerais, sob a perspectiva da seguridade social, o boia-fria pode ser considerado um:

  • Trabalhador avulso;
  • Contribuinte individual;
  • Segurado especial.

O trabalhador avulso não tem uma relação de emprego e tem a flexibilidade de vender seus serviços para uma ou mais entidades com a obrigatoriedade do intermédio de sindicatos ou entidades gestoras de mão de obra.

Veja o exemplo de um trabalhador rural que presta serviços a uma empresa que faz cabo de solda. Essa entidade, por sua vez, é responsável pelas contribuições previdenciárias para esse segurado.

Apesar da possibilidade de um boia-fria se encontrar nessa categoria, eles dificilmente se enquadram nas condições acima.

O contribuinte individual também está sem uma relação com vínculo empregatício. Ele presta serviços para diversas empresas ao mesmo tempo e, por conta disso, a responsabilidade pelos recolhimentos de guias sociais recai sobre as empresas.

Isso quer dizer que não há necessidade de exames periódicos ou exame de retorno ao trabalho para esses trabalhadores, pois eles não se enquadram na classificação de vínculo de trabalho.

Em conjunto com sua família ou apenas individualmente, o boia-fria, para se enquadrar nessa categoria, deve morar em um imóvel rural e explorar atividades relacionadas à agropecuária, extração vegetal ou de borracha (seringueiro).

Além disso, ele precisa cumprir mais um requisito: deve utilizar essas atividades como principal meio de vida. Nesse sentido, como não há vínculo de emprego e não há um intermediador, não há diretamente o recolhimento das guias de previdência social.

Ainda assim, eles têm direito a aposentadoria. Por ser consideravelmente difícil comprovar vínculos de emprego ou calcular o tempo de contribuição, a aposentadoria rural é uma alternativa a eles. 

Aposentadoria rural para contribuintes individuais e avulsos

Nessa classificação, os trabalhadores podem optar pelas duas opções: aposentadoria rural por idade ou aposentadoria rural por tempo de contribuição.

Aposentadoria rural por idade

A idade do contribuinte é levada em consideração, bem como o sexo para classificar a idade mínima para se aposentar.

Para homens, é necessário ter no mínimo 60 anos de idade e também 180 meses de carência. Para mulheres, por sua vez, é necessário ter no mínimo 55 anos de idade e 180 meses de carência. 

No caso da carência, ela se refere ao tempo em que o boia-fria não contribuiu à previdência.

Aposentadoria rural por tempo de contribuição

Nessa categoria, os trabalhadores rurais do sexo masculino devem cumprir obrigatoriamente 35 anos de contribuição e 180 meses de carência. Já as trabalhadoras rurais mulheres, devem cumprir obrigatoriamente 30 anos de contribuição e 180 meses de carência. 

Nesse caso, não há idade mínima para se aposentar. 

Aposentadoria rural para segurados especiais

Em comparação com as outras categorias para gozar da aposentadoria, os pré-requisitos são mais maleáveis. Há recolhimento diferente das demais contribuições. A maior parte dos boias-frias se encaixa na categoria de segurado especial. 

Além de boias-frias, também se encontram nessa categoria:

  • Indígenas;
  • Pescadores artesanais; 
  • Produtores rurais com licença ambiental;
  • Usufrutuários;
  • Proprietários de terrenos;
  • Entre outros.

Para trabalhadores rurais do sexo masculino, é necessário ter no mínimo 60 anos de idade e 180 meses de carência. Já para as trabalhadoras rurais do sexo feminino, é necessário ter no mínimo 55 anos de idade e 180 meses de carência.

Apesar de os requisitos serem exatamente iguais aos da aposentadoria para contribuintes individuais e avulsos, a diferença está no valor a ser recebido pela aposentadoria. 

Qual o valor da aposentadoria rural para segurados especiais?

Ela sempre será correspondente ao salário mínimo definido pelo governo, podendo variar de ano a ano. Para este ano, 2022, o valor base é igual a BRL 1.212,00.

Existe a possibilidade de ganhar um valor acima do salário mínimo. Será necessário realizar o recolhimento ao INSS sob alíquota de 20% sobre o montante do salário-mínimo e o teto do INSS em questão. Neste ano, 2022, o teto corresponde a BRL 7.088,51.

A partir daí, o tempo de contribuição é que passará a ser parâmetro para o valor a ser “devolvido”. 

O que é necessário para comprovar tempo rural como boia-fria? 

Para receber esse valor de aposentadoria como segurado especial, partimos do princípio de entregar o mínimo de prova material. Nesse caso, será necessário evidenciar que o trabalhador fez atividades durante o período em questão atestando provas materiais.

Com isso, queremos dizer extratos bancários, fotos e vídeos, comprovante de residência rural, declarações de cooperativas, se aplicável, e até mesmo certidão de nascimento que conste o contribuinte na condição de boia fria. 

Note que não há necessariamente obrigatoriedade de apresentar uma prova material para cada ano que você trabalhou, tampouco laudo ergonômico ou psicológico.

Caso haja testemunhas, poderá ser solicitada uma oitiva para a entrevista delas, mas isso não será suficiente para a comprovação. De fato, serão necessárias as provas materiais acima citadas.

Além disso, será necessário também protocolar uma autodeclaração rural, na qual os trabalhadores atestam por si próprios que de fato eles se encontraram nessa condição por um determinado período de tempo.  

Essas informações passarão, ainda, pela perícia da Seguridade Social brasileira (INSS). 

Caso o trabalhador, por diversos motivos, não conseguir coletar as provas materiais ou testemunhais suficientes, para comprovar a atividade rural, isso não garantirá a aposentadoria e o processo comprobatório poderá ser extinto. 

Mas não se preocupe: o trabalhador em busca da seguridade social poderá procurar por outros novos documentos e evidências para abrir uma nova ação no futuro. 

Aposentadoria por idade híbrida e por tempo de contribuição urbana

Em alguns casos, os trabalhadores bóias-frias acabam tendo tempo de contribuição parcial em atividades relacionadas ao meio urbano. Assim, eles não têm tempo de contribuição à seguridade social suficiente para se aposentar pelo método de aposentadoria urbano.

Assim, esses trabalhadores podem solicitar a aposentadoria por idade híbrida ou por tempo de contribuição urbana com período rural. 

Aposentadoria por idade híbrida com tempo rural

Essa categoria segue as mesmas regras para aposentadoria por idade urbana: as mulheres podem se aposentar com no mínima de 62 anos, adicionando 6 meses de contribuição a cada um ano completo. 

Os homens, por outro lado, seguem a mesma regra, com exceção de que a idade mínima é de 65 anos. 


Frente à Reforma da Previdência Social, um segurado que trabalhou, por exemplo, em uma consultoria ambiental contribuindo para o INSS deve receber 60% da média do período contribuído somados a 2% para cada ano contribuído.

Aposentadoria por tempo de contribuição urbana com contagem de tempo rural

Nessa categoria, os trabalhadores devem ter um tempo mínimo de contribuição urbana – nesse caso, 30 anos para mulheres e 35 anos para homens – completos até 12/11/2019.

Destes anos, 15 anos devem ser no mínimo de trabalho urbano, enquanto que a diferença deve corresponder ao trabalho rural. O valor de contribuição, nesse caso, corresponderá ao valor de um salário mínimo.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Veja as 5 melhores criptomoedas para apostar em 2022


As criptomoedas têm ganhado destaque, principalmente por pessoas interessadas em investir. Entretanto, ainda há dúvidas com relação a essa tecnologia, e é preciso saber quando e onde investir para ter um retorno adequado em seu serviço de contabilidade.

Pensando em te ajudar nessa missão, criamos este artigo. Aqui, vamos abordar mais sobre o conceito de criptomoeda, sua importância, bem como as melhores do mercado. Siga a leitura e confira!

Entenda o conceito de criptomoeda

Em sua origem, uma criptomoeda é uma espécie de dinheiro digital, uma moeda descentralizada que não tem nenhum órgão ou país especificamente cuidando de seu controle ou regulamentação.

Normalmente, uma criptomoeda é criada em uma rede conhecida como blockchain, onde é possível armazenar informações com segurança e garantia de neutralidade, o que inclui tanto as transações financeiras usando as criptomoedas quanto os dados dos participantes.

Um dos grandes trunfos das criptomoedas é a privacidade, elemento que tem sido muito procurado por investidores e outras pessoas interessadas nesse modelo comercial. O valor das criptomoedas é altamente variável.

Esse valor também pode ser trocado por moedas físicas, tornando-se uma moeda de troca para consumir produtos e serviços. Hoje, alguns estabelecimentos já aceitam criptomoedas como forma de pagamento para uma avaliação patrimonial.

Embora a maioria das vantagens seja muito aparente para esse tipo de moeda, o que acaba atraindo muito mais pessoas interessadas no que é possível realizar com ela, ainda existem alguns pontos contra, como a volatilidade.

A descentralização é a maior responsável por isso, fazendo com que os usuários das criptomoedas tenham que tomar cuidado com a alta desvalorização que pode acontecer sem aviso prévio, e rapidamente.

Entretanto, para aqueles que querem investir, a moeda também recebe fortes altas, e costuma ter um valor bastante interessante como forma de investimento, caso você queira se manter atento a esse tipo de mercado.

Existem diversas criptomoedas no mercado atualmente para você investir os ganhos do trabalho como advogado direito do consumidor, e a facilidade de criação delas permite que a cada dia uma nova opção surja no mercado.

Embora algumas pessoas gostem de tentar capturar estas moedas no momento em que são lançadas, isso pode ser bastante arriscado.

Se você deseja investir com qualidade, e ter uma chance de retorno maior, existem algumas moedas já estabelecidas no mercado, que ainda têm um forte potencial de negociação. Escolher uma delas pode ser o melhor caminho.

Não existe uma maneira de prever quais criptomoedas estarão em maior ascensão, podendo gerar o retorno mais satisfatório para você. Entretanto, avaliar o mercado constantemente e estar sempre pronto para alterações nesse mercado é fundamental.

Assim, você consegue identificar maneiras mais efetivas de conseguir resultados em seu investimento, ampliando suas oportunidades de aproveitar melhor as criptomoedas após investir sua renda de controlador de acesso, por exemplo.

Principais criptomoedas para investir

Agora que você entende um pouco melhor sobre o que são criptomoedas, é o momento de identificar como investir com qualidade nesse tipo de tecnologia. Existem diversos modelos para escolher, e é preciso saber onde aplicar.

Vale lembrar que cada moeda tem suas próprias funções, e você deve estar constantemente avaliando a evolução das criptomoedas que decidiu investir. 

Dessa maneira, você consegue uma estrutura de maior qualidade para seu dinheiro conquistado com serviços de informatica, ou com qualquer outro ramo de atuação.

Adaptar esse tipo de investimento a sua realidade é um passo fundamental para você otimizar seus resultados. Avalie o tipo de mudança da moeda, para que você possa acompanhar e não corra o risco de perder dinheiro nessas alterações.

1 - Bitcoin

Uma das mais famosas criptomoedas no mercado, o Bitcoin ainda é o principal modo de investimento entre a maioria das pessoas. Ela é considerada por muitos investidores um dos meios mais sustentáveis.

Ao longo de 2021, a moeda chegou a sessenta e nove mil dólares por moeda, caindo para vinte e nove mil no meio do ano. Entretanto, o bitcoin está em recuperação, e está próximo de atingir seu pico novamente.

O volume de negócios com o bitcoin está reduzido, mas esse é um reflexo esperado para a moeda, que deve ter um novo levante de investimentos em breve. Para isso, os investidores esperam a ação do mercado com relação à moeda.

Especialistas afirmam que, por ser uma estratégia de alto risco, o bitcoin não é recomendado para quem deseja recursos de curto prazo, uma vez que há uma ineficiência do mercado com relação à criptomoeda.

Entretanto, a ótica de quem investe a longo prazo no bitcoin é completamente diferente, uma vez que ela é a moeda mais conhecida do público e pode receber um aumento substancial ao longo dos próximos anos.

Um reflexo dessa mudança é o fato de que grandes players do mercado, como investidores institucionais, estão cada vez mais buscando recursos dentro do bitcoin para validar seus investimentos, criando um destaque da criptomoeda até mesmo em relação ao ouro.

2 - Ethereum

O ethereum é uma outra opção muito procurada por investidores, sendo uma excelente alternativa para quem deseja iniciar o trabalho com criptomoedas. O Ethereum é conhecido como a altcoin mais popular no mercado.

Altcoin é o nome dado ao conjunto de moedas similares ao bitcoin, que surgiram como resposta à primeira criptomoeda. No caso do ethereum, ele vem passando por um longo período de popularização e seu valor pode crescer muito nos próximos anos.

Embora ele seja uma moeda extremamente volátil, tem apresentado resultados satisfatórios, principalmente com relação ao uso de novas ferramentas e aplicativos que tem ganhado mais espaço entre os investidores.

O ethereum tem uma aplicação muito comum em entretenimento, como:

  • Músicas;
  • Jogos;
  • Imagens e fotografias;
  • Conteúdo audiovisual.

Estes elementos acabam tornando-a uma das criptomoedas mais populares do mundo, conseguindo resultados expressivos na hora de negociar. A descentralização da moeda também é um ponto que faz muitos investidores procurarem o ethereum.

Equipes de tecnologia da criptomoeda estão tentando buscar alternativas menos custosas para o ambiente, que utilizem menos energia em sua produção. Esse é um dos elementos que mais chama a atenção de pessoas interessadas em soluções ambientais.

Se atingir este patamar, o ethereum tem grandes chances de tomar a dianteira do mercado, tornando-se uma moeda atraente e disponível para uso generalizado em diversas frentes de atuação.

3 - Cosmos

A rede conhecida como Cosmos é formada de diversas blockchains paralelas e independentes entre si, que levam o nome de zonas. Elas são alimentadas por protocolos de consenso conhecidos como BFT, interoperando com outras zonas diferentes.

Um dos grandes diferenciais dessa criptomoeda é a capacidade de trabalhar em conjunto com outras moedas e outras aplicações, o que muitas vezes não é possível com uma blockchain fechada.

Por conta disso, o Cosmos tem sido pensado para o pagamento de taxas e uma ferramenta com segurança econômica muito maior para empresas de sistemas, o que tem atraído a atenção do mercado e tornado a ferramenta muito mais interessante para investidores.

Além disso, a moeda é um excelente mecanismo de prevenção a spam, sendo ideal para uma série de propostas mais convencionais de utilização, e ganhando recompensas de bloco que permitem uma dificuldade maior para cibercriminosos invadirem este espaço.

4 - Aurory

Criado como um jogo de computador, esta é uma opção diferenciada e interessante, que demanda atenção e cuidado, mas que pode ser uma maneira divertida de investir.

O Aurory usa uma mecânica conhecida como play-to-earn, no qual suas ações dentro do jogo geram benefícios em formato de tokens e NFTs, que podem ser convertidos na criptomoeda que ele utiliza, o Aury.

Depois de conseguir seus benefícios no jogo, você pode ir até o mercado oficial da plataforma, onde oferece os itens conquistados para venda e comercialização de customizáveis dentro do software.

Este tipo de ação gera o mercado de criptomoedas, que está em constante crescimento e oferece uma liquidação rápida para você conseguir dinheiro em outras moedas.

5 - Arweave

Mais uma boa aposta para investimento em criptomoedas, a arweave possui uma arquitetura diferenciada conhecida como blockweave, que é exclusiva do projeto e cria uma camada completamente diferente na rede.

A abordagem da arweave é baseada na concorrência, e oferece diversas opções de rede de armazenamento quando você está fazendo algum tipo de transação de serviço de calibração usando a ferramenta, o que a torna destacada das demais.

Entre as ações que usam o Arweave estão os NFTs, tokens de imagens que têm ganhado muito destaque na internet, principalmente depois da adoção da ferramenta por uma série de artistas e celebridades.

Considerações finais

Trabalhar com criptomoedas pode ser um trabalho complexo, mas os benefícios podem ser enormes se você souber usar a ferramenta com qualidade e conseguir conquistar um espaço adequado para sua carteira.

Além disso, é preciso manter uma certa vigilância sobre esse tipo de ferramenta. Uma vez que as criptomoedas são muito voláteis, você deve sempre que possível estar de olho na movimentação do mercado, para saber se é hora de vender ou comprar uma criptomoeda.

Dessa maneira, sua cartela de investimentos acaba ficando muito mais diversa e com grandes chances de retorno satisfatório.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

25.3.22

Comprei um ar-condicionado e agora? Confira 5 cuidados que você precisa ter com o aparelho


Um condicionador de ar instalado indevidamente ou com mau funcionamento pode ter a sua durabilidade comprometida, além de pesar no bolso

Não é apenas impressão sua: a temperatura está cada vez mais quente. De acordo com relatório coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), o número de dias de calor intenso no Brasil aumentou cerca de 30% nos últimos 40 anos. Além disso, os padrões regionais de chuva sofreram alterações neste período.

Em todas as regiões do País, houve aumento de aproximadamente 0,5ºC em cada década, chegando a 1ºC em determinadas áreas no inverno e na primavera. O calor, portanto, é um fator climático com o qual a grande maioria dos brasileiros precisa conviver.

As altas temperaturas têm intensificado as vendas de ar-condicionado e ventilador no Brasil. Segundo levantamento da Neotrust ao jornal O Globo, varejistas de diferentes perfis registraram no verão um aumento de 60% a 110% nas vendas desses produtos, e o e-commerce em geral apresentou aumento de 10% no faturamento desses itens.

Entretanto, não basta apenas comprar o aparelho. É preciso instalá-lo corretamente e  fazer a manutenção adequada. Veja abaixo algumas dicas para você que acabou de adquirir um ar-condicionado e que não ter imprevistos em casa.

1.     Instalação profissional

Segundo a Frigelar, empresa especializada em refrigeração, é fundamental fazer a instalação profissional e manutenção técnica do ar-condicionado para ter direito à garantia, além de segurança, desempenho e vida útil do equipamento, bem como mais economia. 

Buscar profissionais especializados para a instalação do aparelho tende a prevenir uma série de problemas que vão desde o comprometimento do uso do produto até a possibilidade de curto circuito. A instalação profissional é indispensável ainda para ter direito à garantia.

O mau funcionamento, além de ser prejudicial para a economia da casa – pois o equipamento pode gastar mais energia para funcionar –, pode também comprometer a sua vida útil.

Outras questões que a instalação indevida pode causar são: sobrecarga elétrica, sobrecarga estrutural, vazamento do fluido refrigerante e até cenários mais graves, como incêndios na rede elétrica e danos estruturais no imóvel.

É de igual modo importante não se orientar somente pelo preço na hora de contratar alguém para a instalação. Procure informações a respeito dos profissionais, avaliações dos clientes e a reputação das empresas na internet para garantir um serviço de qualidade.

2.     Escolha o local certo

O espaço adequado para a instalação de um ar-condicionado não compromete as instalações elétricas ou a tubulação de água do imóvel. A saída de ar não deve desembocar em aparelhos elétricos, pois o vapor da água pode danificá-los ou até causar curto circuito.

Locais que pegam muito sol também devem ser evitados, porque o calor tende a sobrecarregar o aparelho, piorando o seu desempenho e diminuindo a sua vida útil. Verifique ainda a disposição de prateleiras, cortinas e demais objetos que possam impedir a circulação do ar.

3.     Higienização

Periodicamente, você mesmo pode realizar a limpeza preventiva das grelhas, gabinetes e da área ao redor do equipamento, pois a sujeira é outro fator que pode reduzir a sua capacidade de funcionamento. Para isso, utilize uma flanela ou um pano umedecido com sabão neutro ou água morna, e nunca use produtos como álcool ou solventes.

Limpar o filtro também é crucial. O ideal é que a limpeza seja realizada de mês em mês e que o filtro seja trocado de 3 a 6 meses. Desligue o aparelho da tomada, retire o painel frontal, passe um pano úmido com água, retire o filtro, lave-o em água morna com detergente neutro e deixe secar à sombra.

Já as serpentinas devem ser limpas uma vez ao ano. Se a serpentina e suas aletas estiverem bastante sujas, é válido usar um jato de ar comprimido ou mesmo um jato de água com baixa pressão. Não se esqueça de tomar cuidado para não amassar as aletas.

4.     Verifique conexões e peças

Qualquer problema em flanges e demais fixações do aparelho pode resultar em vazamentos, ruídos e vibrações indesejáveis. Assim, é importante inspecionar se as conexões estão bem apertadas, para que ocorra corretamente a troca e o escoamento da água, bem como verificar as condições de tubulações e peças metálicas.

5.     Evite deixar portas e janelas abertas

Utilizar o ar-condicionado em um ambiente aberto faz o aparelho precisar de mais esforço para atingir a temperatura ideal e pode ser bastante danoso ao produto com o passar do tempo. Sempre que ligar o condicionador de ar, tenha em mente que é necessário deixar o cômodo o mais fechado possível para atingir a climatização desejada.

Adquirir um ar-condicionado não é um investimento qualquer e, para garantir durabilidade, bom funcionamento e principalmente economia, é necessário fazer a instalação e cuidar do equipamento de maneira adequada. 

Caso você não esteja seguro para fazer a manutenção sozinho – ou em situações mais complexas, como quando os aparelhos são mais antigos – a indicação é sempre procurar um profissional especializado.

Como a rinoplastia pode contribuir para a harmonização facial?

Harmonização facial: veja como a plástica no nariz pode contribuir para alcançá-la

De acordo com as informações levantadas pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), a plástica do nariz é uma das cirurgias estéticas mais procuradas em todo o país, sendo realizadas milhares de vezes anualmente.

Essa demanda é facilmente justificada, considerando-se que o nariz é uma das partes que mais se destaca no rosto, ocupando a posição central.

Os formatos, conforme os variados ângulos de vista, podem equilibrar ou comprometer por completo o formato do rosto, interferindo negativamente na autoestima das pessoas.

Dessa forma, a plástica no nariz é uma possibilidade viável para ajudar na harmonização de seu rosto. Confira a seguir.

Um pouco sobre a plástica no nariz

A plástica no nariz é uma cirurgia não somente estética, que visa alterar o formato e as proporções indesejadas do órgão, como também reparadora de alguns tipos de defeitos congênitos e minimizadora de problemas respiratórios.

Os pacientes afirmam que após realizá-la, tanto a autoestima tem uma incrível melhora, quanto a qualidade de vida, tendo em vista a melhora na respiração.

Entre as cirurgias estéticas disponíveis atualmente, esta, sem dúvidas, é a mais complexa de ser realizada com excelência, por se tratar de um trabalho praticamente artesanal.

Como ela modela e harmoniza o rosto?

O cirurgião plástico especialista, a princípio, faz uma avaliação individual do paciente, a fim de averiguar quais os alcances e os limites do procedimento. Entre os exames feitos em clínica, incluem-se:

· Inspeção do interior do nariz, com e sem aplicação de spray descongestionante, com um endoscópio, checando as condições do septo, a parte que separa as narinas, e dos cornetos, aquela mucosa por onde o ar passa;

· Afastamento das narinas, para averiguar se a válvula nasal está causando algum tipo de obstrução;

· Aferição das medidas antropométricas faciais, tanto no plano horizontal, como também vertical e transversal, utilizando um paquímetro ou um projetômetro;

· Tiragem de fotos de vários ângulos e planos, para visualização dos problemas e alinhamento com o paciente sobre as expectativas plausíveis.

Dentro dessa análise inicial, pode-se determinar quais serão as técnicas utilizadas em conjunto e quais serão os aspectos do nariz que poderão ser mudados. No geral, a cirurgia proporciona:

· Mudança de tamanho do nariz, correção de assimetrias e afinamento da ponta nasal bulbosa, popularmente conhecida como “nariz de batata”;

Correção da giba, ou seja, aquele osso preponderante no dorso nasal, bem como a largura do dorso;

· Reconstrução de áreas que sofreram algum trauma;

· Correção de desvios funcionais, como o desvio de septo e a hipertrofia dos cornetos, visando uma melhor respiração;

· Desobstrução dos seios da fase e restabelecimento da função do aparelho mucociliar, que influenciam na rinossinusite crônica;

· Correção de defeitos congênitos, como é o caso da fenda labial, que atinge não só o nariz, mas também o lábio;

· Remoção de pólipos nasais, que são um tipo de tumor benigno.

Após alinhar com o paciente as possibilidades que se enquadram dentro das suas condições pessoais, o cirurgião deve esclarecer que não se pode criar expectativas quanto a ter um nariz igual ao de outra pessoa.

A plástica, na verdade, busca aprimorar os traços hereditários e étnicos de cada um, a fim de garantir uma harmonização facial, que não ocorre simplesmente copiando as características dos outros.

A título de exemplo, em narizes caucasianos, a plástica aperfeiçoa o dorso, deixando-o o mais reto possível e melhorando o bulbo, ou seja, a ponta, além de diminuir a largura das cartilagens e reforçando as estruturas nasais, se for esta a necessidade.

Em narizes orientais, a intenção é aumentar a projeção nasal, estreitando a base do nariz e corrigindo possíveis asas mais abertas.

Já em narizes negroides, a cirurgia visa definir o dorso e o bulbo, realizando enxertos. Também podem ser feitas incisões nas asas do nariz, para diminuir o tamanho e a base nasal.

Como o procedimento é feito?

A cirurgia, como regra, é feita a partir da aplicação de anestesia geral. Porém, dependendo do caso, pode ser feita somente com anestesia local.

Após as substâncias anestésicas surtirem efeito, o procedimento em si pode ser realizado. Ele pode ser realizado através de duas técnicas: aberta ou fechada.

Na técnica aberta, é feita uma incisão através da columela, que é aquela faixa de tecido que separa as duas narinas e, por ela, a pele que cobre todos os ossos do nariz e as cartilagens é elevada, possibilitando o acesso a todo a estrutura do órgão.

Já no procedimento fechado, não se eleva a pele e todas as incisões são feitas internamente, escondidas dentro do nariz.

Nos casos em que o nariz tem um tamanho muito grande, pode ser feita a correção redutora através de uma remoção do osso ou da cartilagem. Há, ainda, hipóteses de ser necessário adicionar enxertos de cartilagem.

Independentemente de qual for o tipo, a cirurgia tem duração média que varia entre uma hora e meia e duas horas.

Como é a recuperação?

Para que os resultados sejam alcançados, é essencial se atentar quanto ao pós-operatório e segui-lo à risca.

Assim que terminada a cirurgia, são colocados tampões de gaze interna e externamente, que devem permanecer por até três dias.

Pode ser colocada, ainda, uma tala por fora do nariz, que serve de apoio e proteção a nova estrutura, durante a fase inicial do processo de cicatrização.

É crucial o repouso absoluto durante a primeira semana. Após esse período, as atividades cotidianas leves podem ser retomadas. Por outro lado, os exercícios físicos só podem voltar depois de passadas três semanas.

Entretanto, é necessário esclarecer que este período pode ser revisto e aumentado pelo cirurgião responsável pelo procedimento, de acordo com cada caso específico.

O inchaço começa a diminuir durante algumas semanas, mas só sai por completo após alguns meses. Os resultados começam a ser visualizados gradualmente, mas a aparência definitiva só é visualizada com o final do inchaço.

Muitos têm procurado a rinoplastia durante o período de pandemia, devido o trabalho remoto, propício para a recuperação, aliado a outros fatores, como por exemplo o desconforto causado por vídeo chamadas de reuniões.

Esteja ciente de quais são suas motivações e procure um cirurgião plástico renomado para realizar a cirurgia de seus sonhos, garantindo bons resultados.

22.3.22

Saiba como está a realidade dos refugiados no Brasil


Entender como é a realidade dos milhões de refugiados no Brasil é uma questão humanitária. Estas pessoas deixaram seu país fugir de perseguições dos mais variados tipos e conflitos políticos, até mesmo guerra, tornando essa condição uma necessidade.

De acordo com dados das Nações Unidas, o número de refugiados no mundo passa de 65 milhões. Esse número é justificado por uma série de conflitos brutais em diversos países, como:

  • Nigéria;
  • Sudão;
  • Iêmen;
  • Síria.

Neste último, inclusive, uma guerra civil está há muitos anos sendo um grave problema para a população, aumentando os riscos de ficar no local e gerando ainda mais refugiados.

Assim, é preciso que busquem um local pacífico para poderem estruturar suas vidas e encontrar emprego em uma empresa de tratamento de efluentes.

Para tornar esse processo ainda pior, muitos países ricos associam estes perfis com o terrorismo e com locais de alta criminalidade, dificultando a vida destes refugiados, que muitas vezes estão em uma situação complicada e só querem um local para recomeçar.

A crise humanitária é muito grave, e a preocupação de diversos países sobre as consequências de aceitar estes refugiados, tanto em questões de assistencialismo quanto em questões econômicas, como a quantidade de empregos, torna esse processo mais complexo.

Leis e emendas são criadas constantemente para impedir o acolhimento de refugiados, tornando esse processo mais duro e punitivo para aqueles que tentam buscar um ambiente de proteção do horror em que vivem.

Alguns países, entretanto, optam por tomar um posicionamento diferente com relação a esse tipo de interação. 

É o caso do Brasil, que, apesar de muitos problemas na área, busca melhorar as condições de refugiados e otimizar esse processo com apoio de empresas e de clinica de medicina do trabalho.

Órgãos governamentais e ONGs trabalham em conjunto para fazer esse processo acontecer de forma rápida e precisa, diminuindo o impacto da dura realidade que os refugiados sentem quando estão em processo migratório.

Além disso, as leis brasileiras são muito mais respeitosas com estas pessoas, e buscam medidas para regularizar a concessão de asilo para refugiados e tornar esse processo ainda mais simples, permitindo que estas pessoas tenham dignidade em sua nova casa.

Esse processo não é livre de obstáculos, entretanto, devem ser avaliados e existem diversas pessoas trabalhando para tentar otimizar estas ações, buscando uma situação mais adequada para aqueles que desejam se refugiar no país.

 Por conta dessa facilidade de acesso, o número de refugiados no país cresceu consideravelmente, vindos de diversas regiões do mundo que passam atualmente por conflitos políticos ou problemas sociais, sendo necessário uma administradora predial para lidar com a moradia destas pessoas.

Ainda que existam mecanismos para lidar com a imigração, os refugiados ainda devem passar por uma série de problemas, principalmente relacionados ao choque cultural de estar em um ambiente completamente diferente de suas origens e de seus resultados.

A xenofobia e o racismo também são problemas recorrentes da sociedade, ainda que existam várias maneiras de proibir esse tipo de comportamento e de desestimulá-lo na sociedade. Estas questões acabam sendo culturais, e geram problemas para essas pessoas.

Recentemente, por conta da crise financeira na Venezuela, milhares de pessoas tornaram-se refugiadas no país, o que gerou um impacto imediato na forma como o Brasil lida com os imigrantes desse tipo de situação com a engenharia de avaliações.

Para lidar com isso, o governo implantou uma série de residências temporárias, cujo objetivo era facilitar a entrada e adaptação dos refugiados no país.

Entretanto, o custo de aproximadamente trezentos reais para que os refugiados pudessem regularizar sua estadia tornou-se um problema. Muitos imigrantes estavam na linha da miséria em seu país de origem e acabavam não tendo condições de bancar esse valor.

Com o aumento cada vez maior de imigrantes ilegais, o país se viu obrigado a repensar a forma como esse tipo de ação seria funcional, criando assim a nova Lei de Migração, número 13.445 de maio de 2017. Nessa lei, os refugiados incapazes de pagar a taxa recebiam isenção.

Essa também é uma maneira de controlar a entrada e permanência de imigrantes, tornando o ambiente mais seguro tanto para os locais quanto para os refugiados que estão buscando um local para reconstruir suas vidas e trabalhar com setores como telefonia IP.

Os refugiados no Brasil

A situação dos refugiados no Brasil ainda é muito bem controlada, sobretudo por conta do espaço de terra que o país possui, o que facilita a residência de novos imigrantes de diversos lugares do mundo.

Existem muitos refugiados temporários, que estão no Brasil apenas por um período antes de seguir sua migração para um outro país, e estes acabam deixando o espaço aberto para pessoas que desejam ingressar oficialmente no país.

Por sua extensão territorial e população, o número de imigrantes no Brasil ainda é relativamente baixo, correspondendo a aproximadamente 1% da população total do país. Entretanto, alguns pontos estão sobrecarregados de imigrantes.

É o caso de Roraima, que faz fronteira direta com a Venezuela. Para lidar com esta questão, o governo brasileiro busca constantemente estudar maneiras de espalhar os imigrantes de forma efetiva e que possam se estruturar adequadamente.

Uma das maiores barreiras para essa imigração, entretanto, é a linguística. O fato de os refugiados não serem capazes de falar português gera uma série de problemas para conseguir um novo emprego com recuperação de concreto.

Mesmo a validação de diplomas pode ser problemática, fazendo com que muitos refugiados não possam trabalhar em sua área de atuação, e sendo forçado a prestar serviços de pouco valor, ou “bicos”.

A exploração sexual e exposição também são problemas decorrentes desse tipo de ação, o que torna importante para o governo identificar maneiras de aprimorar esse tipo de contato. 

Quanto mais é investido na formalização destes refugiados, melhor será o impacto econômico.

Estas pessoas poderão trabalhar nas áreas que desejam, e não serem forçados a lidar com subempregos que colocam em risco suas vidas e não dão uma qualidade adequada de vida para lidar a longo prazo, conseguindo trabalhar com vestimenta de segurança.

Muitos refugiados são jovens e com boa escolaridade, o que aumenta consideravelmente a produtividade do país se eles forem adaptados e inseridos corretamente no mercado, principalmente enquanto o Brasil lida com a situação do envelhecimento da população.

Muitos refugiados recorrem também ao empreendedorismo para conseguir trabalhar, criando negócios relacionados a seu país de origem como restaurantes e lojas de artesanato.

Eles acabam gerando ainda mais vagas de emprego, permitindo um desenvolvimento cultural ainda maior e ajudando outros refugiados em situação inicial a lidar com todo este processo mesmo em caso de necessidades especiais, como a sinalização em braille.

As leis de proteção brasileiras

 O Brasil sempre foi um país aliado de refugiados, e é um grande signatário de tratados internacionais com referência aos direitos humanos. Em 1951, fez parte da convenção das Nações Unidas e sempre esteve aliado a questões de proteção.

Ainda em 1997, o Brasil criou a Lei de Refúgio, que estabelecia uma série de mecanismos e ferramentas para que os refugiados tivessem mais liberdade e passassem por um processo menos danoso ao entrar em um país.

Esta lei também ampliou as possibilidades de pessoas que têm direito ao asilo, considerando pessoas que vêm de países que violam direitos humanos como um todo. Com uma coligação de ministérios, foi criado o Conare.

A sigla, que significa Comitê Nacional para Refugiados, é responsável por avaliar os pedidos de asilo, refúgio e garantir os direitos civis dessas figuras migratórias, permitindo sua estadia temporária ou fixa no país e fornecendo identidade e carteira de trabalho.

O Brasil também mudou as leis para incluir pessoas que tiveram que se deslocar por conta de desastres naturais e pela ação do crime organizado, incluindo-os como refugiados e abraçando uma boa parte dos haitianos que tiveram que fugir por conta de um terremoto em 2010.

A mais recente movimentação foi a de conceder residência temporária para países fronteiriços que não se encaixem no acordo do Mercosul, permitindo que uma série de cidadãos em situação irregular pudessem iniciar o processo de solicitação de asilo.

Estas pessoas podem solicitar tanto a permanência temporária, caso estejam apenas de passagem pelo país, como a permanência fixa, para aqueles que esperam recomeçar e criar uma nova realidade dentro do país.

Considerações finais

Embora ainda exista um longo caminho para que a situação seja mais satisfatória, o Brasil é um dos países que melhor lida com a situação de refugiados, e procura sempre otimizar estes processos para que as pessoas resolvam essa questão de forma rápida.

Um refugiado pode vir de diversos locais, ter uma série de realidades e justificativas para suas ações, mas no fim trata-se de um ser humano tentando uma vida melhor para si e para aqueles que ama.

Por conta disso, o ato de acolher os refugiados e respeitá-los é uma ação humanitária, que deveria ser seguida no mundo todo.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

GeraLinks - Agregador de links