Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta telescópio. Ordenar por data Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta telescópio. Ordenar por data Mostrar todas as postagens

22.12.21

Cinco coisas para saber antes do lançamento do telescópio James Webb no sábado


Após vários atrasos na programação, o Telescópio Espacial James Webb da Northrop Grumman ( NOC ) está se preparando para o lançamento no Natal.

A NASA adiou o lançamento de sexta-feira para não antes de sábado, enquanto a agência espacial monitora os ventos de nível superior no local de lançamento. As autoridades se reunirão na quarta-feira para avaliar melhor o clima e a data de lançamento.

Aqui estão cinco coisas que você precisa saber antes do possível lançamento de Natal do telescópio:

O lançamento do telescópio James Webb é um esforço conjunto

O telescópio será lançado em um foguete Ariane 5 da Agência Espacial Européia de sua base na Guiana Francesa. A NASA é o líder do projeto e está trabalhando com a ESA e a Agência Espacial Canadense.

O Telescópio Espacial James Webb, também conhecido como JWST, chegou ao porto espacial europeu em Kourou em outubro após uma viagem marítima de 16 dias de Redondo Beach, Califórnia, que o levou através do Canal do Panamá.

Enquanto fazia sua longa jornada marítima ileso, sofreu um problema com o lançamento de uma braçadeira quando os engenheiros tentaram prender o telescópio à parte superior do foguete.

Atrasos no lançamento do telescópio Webb atormentado

Os problemas de comunicação e grampo são apenas os mais recentes em vários atrasos para o JWST. O desenvolvimento começou no final da década de 1990 com uma data de lançamento original de 2007. Mas enfrentou vários atrasos ao longo dos anos com a pandemia Covid-19 se arrastando ainda mais no tempo.

Com o aumento dos atrasos, também aumentaram os custos. O custo total do ciclo de vida estimado para o novo telescópio é de quase US $ 10 bilhões, que inclui os custos operacionais para os primeiros cinco anos e para dois anos de análise de dados, de acordo com a NASA. Estimativas anteriores apontavam os custos em menos de US $ 5 bilhões.

As ações da Northrop fecharam em alta de 2,3%, a 378,49 na bolsa de valores na terça-feira . O espaço tem sido um segmento em crescimento para a Northrop desde a aquisição da Orbital ATK em 2018. As ações da Northrop estão consolidando com um ponto de compra de 408,13.

As ações da subcontratada Ball Corp. ( BLL ) fecharam na terça-feira e a fornecedora DuPont ( DD ) fechou em alta de 1,7%.

Mais de 300 maneiras pelas quais isso pode dar errado
O foguete Ariane 5 é o maior disponível para a NASA para a missão, o que significa que o Telescópio James Webb precisa ser dobrado várias vezes em um origami complexo para caber no topo do foguete, aumentando a pressão de cada movimento correto.

Mike Menzel, engenheiro de sistemas de missão líder de Webb no Goddard Space Flight Center da NASA, disse a repórteres em novembro que há mais de 344 "pontos únicos de falha" e que a missão era " a mais complexa sequência de implantações já tentada em uma única missão espacial".

O sucessor do Hubble será maior e melhor

Uma vez lançado, o telescópio JWST será o maior e mais poderoso telescópio já implantado no espaço. Será 100 vezes mais sensível que o Telescópio Hubble, graças aos seus 18 espelhos hexagonais, construídos pela Ball Aerospace. Cada espelho tem mais de um metro de largura, formando um espelho principal de 6,5 metros. O espelho principal do Hubble tem quase 2,5 metros de largura.

Ao contrário do Hubble, o JWST pode se consertar. Os astronautas foram obrigados a consertar a visão borrada do Hubble poucos anos após o lançamento em 1990. Mas como o Webb estará a um milhão de milhas da Terra em comparação com o Hubble a apenas 300 milhas de distância, um trabalho de reparo semelhante não será possível.

O JWST possui sete motores em seus espelhos para "mudar a prescrição" das lentes e leva apenas alguns segundos para mover os espelhos e mudar o foco.

Telescópio Webb para desvendar os maiores mistérios do espaço

O telescópio levará seis meses para desenrolar seus escudos solares e espelho principal, calibrar seus instrumentos, esfriar e chegar ao seu destino a cerca de 1 milhão de milhas da Terra. Então, a pesquisa pode começar.

Os cientistas esperam obter informações sobre o nascimento de estrelas e galáxias após o Big Bang, há mais de 13 bilhões de anos. Olhar profundamente no espaço é como olhar para trás no tempo. A luz das estrelas formadas há bilhões de anos está apenas agora chegando ao nosso canto do universo. O JWST possui uma nova tecnologia de infravermelho que permite coletar dados sobre estrelas distantes muito fracas.

Os pesquisadores também esperam que o telescópio James Webb ajude a responder se estamos sozinhos no universo. Uma das primeiras missões será dar uma olhada em três planetas no sistema TRAPPIST-1. O sistema foi descoberto em 2016 e poderia ter as condições certas para suportar a vida.

5.9.18

Para que serve o telescopio?


O instrumento utilizado para ver objetos que se encontram a uma distância muito grande da Terra é chamado de telescópio. Ele tem a capacidade de ampliar e formar uma imagem virtual próxima à lente ocular, fazendo com que a imagem nos pareça maior do que a observada a olho nu. Não somente os astrônomos, mas também qualquer pessoa que tenha um telescópio pode fazer observações de outros planetas, estrelas e galáxias.

Para a construção de um telescópio, o físico Galileu utilizou uma lente do tipo convergente e uma lente do tipo divergente. Em seu telescópio, a primeira lente, denominada objetiva, formava uma imagem real do objeto em questão. Já a segunda lente, denominada ocular, permitia fazer observação da imagem real bem detalhadamente, ampliando-a como se fosse uma lupa.

A lente ocular forma uma imagem virtual, portanto quanto maior for a imagem formada pela lente objetiva, e quanto maior for a ampliação da lente ocular, maior será a imagem observada pelo olho. Com o objetivo de formar uma imagem real grande, tem que ser utilizada uma lente com distância focal também grande. Já para se obter uma ampliação maior por parte da lente ocular, é necessário que esta tenha uma distância focal pequena, para que funcione como uma lupa.

O telescópio sofreu diversas modificações, sendo uma delas a substituição da lente objetiva por um espelho côncavo. Isso permitiu construir objetivas muito maiores do que as lentes, sem problemas de sustentação mecânica. Os espelhos devem ser segurados por baixo, enquanto as lentes precisam ser seguradas pelas bordas.

Outra vantagem conseguida com a utilização dos espelhos foi a ausência da aberração cromática, pelo fato de não mais existir dispersão da luz. O diâmetro da lente objetiva determina a quantidade de luz que será captada pelo telescópio. Por esse motivo é que os astrônomos fazem uso de telescópios com espelhos de diversos tamanhos de diâmetro para observar astros de baixa luminosidade.

Um fato que devemos levar em consideração é que a observação dos corpos celestes é prejudicada pela atmosfera. Isso acontece porque nossa atmosfera não é homogênea, ou seja, ela apresenta flutuações de densidade. Essa flutuação da densidade faz com que as imagens observadas pelos telescópios sofram distorções. A solução encontrada para solucionar tal fato foi a de colocar um telescópio fora da atmosfera, em órbita ao redor da Terra.

Vídeo Sugerido: Gigantes da Engenharia - Telescópios



Fonte da Imagem: Bhaz

Fonte de Pesquisa: Mundo Educação

1.12.20

NASA diz existir 300 milhões de planetas habitáveis ​​na Via Láctea

Eles também afirmam que um desses planetas habitáveis ​​na Via Láctea está a 20 anos-luz de distância, e este seria o mais próximo de nós.

Encontrar planetas habitáveis como uma segunda opção sempre foi uma das obsessões da NASA. Além de encontrar uma alternativa para a Terra, a agência espacial também busca entender a formação dos planetas.

Graças ao telescópio Kepler, a agência encontrou uma informação extremamente reveladora. Existem pelo menos 300 milhões de corpos celestes habitáveis!

Só pra constar, este telescópio atualmente se encontra desativado.

Segundo os cientistas, nenhum desses planetas está em nosso sistema solar. Na verdade, eles estão dentro de nossa galáxia, a Via Láctea.

No entanto, isso não significa que estes tais planetas habitáveis estejam próximos. Ainda assim alguns estão a uma distância muito menor do que se pensava anteriormente.

Pelo que parece, quatro destes mundos habitáveis estão a menos de 30 anos-luz de distância. E um deles está a 20 anos-luz de distância.


Os pesquisadores acreditam que cerca de 7% das estrelas semelhantes ao Sol têm planetas habitáveis em sua volta. No entanto, esse número pode subir para 75%. Ou seja, ao invés de 300 milhões de planetas habitáveis, teríamos 3 bilhões.

As condições desses planetas habitáveis na Via Láctea
Por enquanto, a existência de água é tudo o que se sabe sobre esses planetas habitáveis. Este é o primeiro sinal para um planeta ser habitável, para que ele registre a vida como a conhecemos.

“Kepler já nos disse antes que haviam bilhões de planetas, mas agora sabemos que uma boa parte desses planetas pode ser rochosa e habitável“, disse Steve Bryson. Astrônomo do Centro de Pesquisa Ames da NASA na Califórnia. Informação de Daily Mail.

Ele acrescentou que é preciso muito mais do que água para um corpo celeste seja considerado habitável. Por enquanto nossa Terra é o único planeta habitável. Mas ainda assim, é interessante saber que esses dados tenham sido calculados por cientistas da NASA!

Achou interessante este post? Se aqui na Terra temos animais bizarros, imagine nestes planetas!

11.5.19

Fatos de 11 de maio


1949 — Sião oficialmente muda seu nome para Tailândia pela segunda vez. O nome estava em uso desde 1939, mas foi revertido em 1945.

1960 — Em Buenos Aires, na Argentina, quatro agentes israelenses do Mossad capturam o fugitivo nazista Adolf Eichmann.

1984 — Ocorre um trânsito da Terra através do Sol visto de Marte.

1997 — Deep Blue, um supercomputador de xadrez, derrota Garry Kasparov no último jogo da revanche, tornando-se o primeiro computador a vencer um campeão mundial de xadrez em um formato de jogo clássico.

2007 — Canonização do 1º santo brasileiro, Frei Galvão, em São Paulo, pelo Papa Bento XVI.

2009 — Ônibus espacial Atlantis é lançado como um serviço de manutenção ao telescópio espacial Hubble. A missão STS-125 foi a quinta e última missão de serviço ao telescópio.

2011 — Sismo de magnitude 5,1 graus na escala Richter atinge Lorca, causa 9 mortes e grandes danos no Sul da Espanha.

Veja também: 

Há 20 anos, o PC já derrotava o ser humano no xadrez

Sucesso, Saúde, Proteção e Paz!
#sejahojediferente

7.12.20

Dezembro terá fenômeno astronômico que não ocorre desde a Idade Média

É a proximidade entre Júpiter e Saturno, parecendo um planeta duplo

Um fenômeno astronômico que não acontece desde a Idade Média poderá ser observado no dia 21 de dezembro, logo após o pôr do Sol: a proximidade entre Júpiter e Saturno fará com que esses dois corpos celestes pareçam um planeta duplo.


A proximidade entre os dois planetas já está ocorrendo e, entre os dias 16 e 25 de dezembro, a percepção será de que eles estarão separados por menos do que um diâmetro de lua cheia. “Na noite de maior aproximação, em 21 de dezembro, eles se parecerão com um planeta duplo, separados por apenas um quinto do diâmetro da lua cheia”, explica o astrônomo da Rice University, Patrick Hartigan.

Embora as melhores condições de visualização sejam próximas ao Equador, o fenômeno poderá ser observado em qualquer lugar da Terra, se o clima permitir. Hartigan explica que a dupla planetária aparecerá baixo no céu ocidental por cerca de uma hora após o pôr do sol todas as noites. “Para a maioria dos observadores do telescópio, cada planeta e várias de suas maiores luas estarão visíveis no mesmo campo de naquela noite”, acrescentou.

Segundo o astrônomo, alinhamentos entre esses dois planetas são bastante raros. “No entanto, esta conjunção é excepcionalmente rara por causa da maior proximidade entre eles. Você teria que voltar até um pouco antes do amanhecer de 4 de março de 1226 para observar um alinhamento mais próximo entre esses objetos visíveis no céu noturno”, complementou.

A próxima vez que esse vento ocorrerá será no dia 15 de março de 2080. Depois, só depois do ano 2400.

* Com informações da Rice University

5.6.21

Caçadora de asteroides: conheça a brasileira que fez quatro descobertas

Saudações Amados do Seja Hoje Diferente!

Tudo bem com você? 

Espero que sim e que Seja Cada Dia Melhor afinal que Seja Hoje Diferente em tudo de Bom para nossas Vidas!

Amados olha só que maravilha:


A brasileira Lorrane Olivlet se inscreveu no projeto de caça a asteroides da Nasa e fez quatro descobertas após analisar as imagens captadas pelo telescópio Pan-STARRS. 

7.1.20

Nasa anuncia descoberta de planeta do tamanho da Terra

Seja Diferente, Junte-se ao Seja Hoje Diferente.

Divulgação Reprodução

A Nasa, agência espacial norte-americana, anunciou nessa segunda-feira (6) a descoberta de um planeta do tamanho da Terra, a orbitar uma estrela a uma distância que torna possível a existência de água, em área identificada como habitável.

As informações são da Agência Brasil.

O planeta é chamado de "TOI 700 d" e está relativamente próximo da Terra, a 100 anos-luz de distância, informou a agência.

A descoberta foi feita pelo satélite Tess, "projetado e lançado especificamente para encontrar planetas do tamanho da Terra e a orbitar estrelas próximas", explicou o diretor da Divisão de Astrofísica da Nasa, Paul Hertz.

Outros planetas semelhantes foram descobertos antes, principalmente pelo antigo telescópio espacial Kepler, mas este é o primeiro do Tess, lançado em 2018.

O Tess descobriu três planetas a orbitarem a estrela, denominados "TOI 700 b", "c" e "d". Somente o "d" está na chamada área habitável. É quase do tamanho da Terra (20% a mais), circula a estrela em 37 dias e recebe o correspondente a 86% da energia fornecida pelo Sol à Terra.

Os pesquisadores geraram modelos baseados no tamanho e tipo da estrela, a fim de prever a composição da atmosfera e a temperatura da superfície.

Uma das simulações, segundo a Nasa, indica um planeta coberto por oceanos, com "uma atmosfera densa dominada por dióxido de carbono, semelhante à aparência de Marte quando jovem, de acordo com as suposições dos cientistas".

Uma face deste planeta está sempre voltada para a sua estrela, como é o caso da Lua com a Terra, um fenômeno chamado de rotação síncrona. Essa face estaria constantemente coberta de nuvens, de acordo com este modelo.

Outra simulação prevê uma versão da Terra sem oceanos, onde os ventos soprariam do lado oculto em direção à face iluminada.

Vários astrônomos estão agora oservando o planeta com outros instrumentos, tentando obter novos dados que possam corresponder a um dos modelos previstos pela Nasa.

#sejahojediferente #sejadiferente #correntedobem #heroisdoslacres #sejavoce #fuscadobem #fusquinhadobem #unidosdobem #ermelinomatarazzo

4.9.18

Como fazer um telescopio?


Os telescópios fazem com que os objetos distantes pareçam mais próximos usando uma combinação de lentes e espelhos. 

Se você não tiver um telescópio ou um binóculo em casa, pode fazer os seus.


Você precisará de um pedaço de papelão ondulado com cerca de 60 cm de comprimento. 

Esse material é fácil de encontrar em papelarias e lojas de embalagem. 

Também terá de usar duas lupas de tamanhos diferentes. 

Pegue ainda uma cola forte, uma tesoura e um lápis.

Você deve cortar no sentido da largura, não do comprimento. 

O papelão deve ter cerca de 60 cm de comprimento de um lado. 

Corte uma fenda no tubo de papelão perto da abertura frontal, a cerca de 2,5 cm dela. 

Não corte até o final do tubo. 

A fenda precisará segurar a lupa maior.

As imagens estarão de cabeça para baixo, já que os astrônomos não se preocupam com a orientação no espaço (não há "cima" ou "baixo" no espaço, de qualquer maneira).

Para entender bem a base de informação do texto acima clique aqui.


Vídeo Sugerido: Como fazer um telescopio




GeraLinks - Agregador de links