Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta energia solar. Ordenar por data Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta energia solar. Ordenar por data Mostrar todas as postagens

25.7.22

5 indústrias que se beneficiaram com a energia solar


Diante de um cenário onde cada vez mais deve-se preservar o meio ambiente e sempre levar em consideração alguns fatores para essa preservação, a energia solar surge justamente como a solução e uma das saídas para um cenário preocupante para a humanidade.

Para se ter noção desse cenário, só neste primeiro trimestre do ano, já se quebraram recordes negativos em relação ao maior número de desmatamento da Amazônia, sendo de fato algo preocupante e para se levar em consideração.

Com isso, ao pensar em soluções para esse desmatamento e para o momento em que vivemos, a energia solar surge justamente com essa importância e auxílio. Como os raios solares são inesgotáveis, reduziríamos o uso de fontes fósseis que auxiliam para esse cenário apresentado.

Por exemplo, se uma fábrica utiliza energia solar industrial para o funcionamento das máquinas, existe uma redução drástica no consumo de energia de fontes não renováveis, o que, além de ajudar o meio ambiente, serve como economia para a empresa.

Por isso, fica claro que o uso da energia solar é um movimento necessário, visando ações totalmente impactantes ao meio ambiente e principalmente conseguindo colaborar positivamente com o momento em que o mundo está.

Importância da energia solar

A importância desse recurso se dá justamente por causa da sua eficácia, já que o sol é um recurso totalmente renovável e inesgotável, se tem essa prospecção totalmente positiva, sendo caracterizado como uma das melhores alternativas para a energia elétrica.

Além disso, ao optar por esse modo de energia, se tem uma diminuição gradativa em relação às usinas hidrelétricas e nucleares, tendo esse impacto positivo ao pensar no meio ambiente e nessa preservação.

Logo, realizar essa implantação tem esse impacto positivo ao meio ambiente, além de um aumento de carga elétrica devido à eficácia desse recurso, além de um melhor cenário financeiro e afins.

Dessa forma, quando se pensa e leva em consideração o fator financeiro, essa energia mostra resultados primordiais, estabelecendo o retorno do investimento em 5 anos e tendo como perspectiva o uso de no mínimo 25 anos.

Assim, a importância da energia solar vai desde os fatores ambientais até os fatores relacionados à renda e a um investimento concreto e com retornos de certa forma rápido e efetivo.

Com isso, fica clara a importância e o quanto esse recurso tende a agregar em praticamente todos os fatores, indo ao encontro do futuro e estabelecendo cada vez soluções para o momento em que vivemos.

Alta na busca da energia solar

Como foi visto durante o texto, a preocupação com o meio ambiente é algo cada vez mais citado e levado em consideração na sociedade, gerando de fato uma consciência do momento que vivemos e a necessidade dessa ação.

Com isso, a busca pela energia solar tem crescido cada vez mais conforme os anos, gerando um cenário positivo e principalmente demonstrando o quanto recorrer a esse recurso é algo benéfico em todos os sentidos.

Para se ter uma ideia clara dessa alta, a geração de energia solar fotovoltaica teve uma alta absurda ao comparar com os anos anteriores, tendo um aumento de 80% ao comparar com os mesmos meses do ano passado.

Dessa forma, buscar um fornecedor de energia solar confiável tem sido algo cada vez mais frequente, gerando esse aumento na quantidade de usinas solares em nosso país.

Assim, cada vez mais a energia solar tem se estabelecido e tem sido a realidade em relação ao futuro do nosso país e do mundo, estabelecendo desde vantagens ao meio ambiente, ao financeiro e a toda essa prospecção de futuro demonstrada.

Por isso, a instalação de energia solar é algo que deve ser considerado e cada vez mais implantado, favorecendo empresas, casas e diversos locais em nossa sociedade.


Como as empresas têm aderido a energia solar?

A adesão das empresas à energia solar se tornou algo necessário assim como para a sociedade, indo ao encontro dessa tendência e estabelecendo um cenário positivo ao se pensar na crise hidrelétrica em que o país vive e uma diferenciação competitiva no mercado.

Por conta da diminuição de chuvas e um cenário cada vez mais desfavorável para o país, diversas taxas começaram a ser cobradas nas contas de energia, sendo decretada pelo próprio governo do país.

Assim se instaurou de fato uma crise hidrelétrica, onde os valores começaram a subir cada vez mais, tendo esse impacto considerável no bolso de cada um por ser essa a fonte primária de energia elétrica no país.

Além disso, ao visar uma propagação desse recurso, o governo do Brasil instaurou uma lei que incentiva as empresas optarem por energia solar, gerando assim mais motivos e fazendo com que se tenha esse cenário para investir nesse tipo de energia.

Dessa forma, desde uma empresa de topografia de terreno irregular até as mais diversas do mercado, optar por utilizar a energia solar gera vantagens financeiras e faz com que se tenha uma diminuição consecutivamente da energia elétrica e da poluição atmosférica.

Fora que, ao optar por utilizar a energia solar, sua empresa se mostra diante do público e de seus consumidores de uma forma sustentável, demonstrando que a sua empresa se importa com as consequências geradas e tenta amenizá-las.

Assim, conseguindo sempre estabelecer essa preocupação com o meio ambiente e ir ao encontro dos pensamentos do público, gerando esse diferencial e de fato se mostrando de uma forma atual e inovadora.

Por isso, para que se tenha ainda mais consciência desse recurso, acompanhe a seguir as indústrias que mais se beneficiaram com a adesão da energia elétrica, entendendo o quanto essa ação tende a transformar positivamente sua empresa.

Empresas que mais se beneficiaram com a energia solar

A conta elétrica das empresas são um dos fatores determinantes no andamento dos negócios, gerando em alguns casos um desequilíbrio e fazendo com que o controle financeiro se torne ainda mais dificultoso.

Com isso, desde uma empresa de manutenção de transformadores a uma indústria, a energia solar pode ser a melhor alternativa e de fato gerar uma economia e tecnologia única.

Dessa forma, destacamos as empresas que mais se beneficiaram através da energia solar, estabelecendo lucros e uma série de vantagens através do seu andamento. Confira!

Indústria alimentícia

As indústrias alimentícias em nosso país são as que mais consomem energia, sendo gastos consideráveis no andamento da empresa e em cada processo.

Para se ter ideia, as fábricas que produzem cerveja precisam de energia praticamente o tempo todo ao realizar a fermentação, visando que não haja uma contaminação nesse processo.

Por isso, a energia solar surge como uma solução para essas indústrias, podendo economizar mais de 90% através da sua implantação, tendo esse retorno do investimento de forma muito rápida.

Cozinhas industriais e padarias

As cozinhas e padarias contam com fornos e maquinários que estão funcionando o tempo todo, além dos equipamentos robustos ao se tratar da refrigeração e armazenamento.

Por isso, com essa implementação da energia solar se tem uma economia cada vez maior, direcionando os gastos e conseguindo de fato realizar investimentos em outras áreas da empresa.

Assim, como os terminais elétricos automotivos são versáteis e conectam os dispositivos, ao utilizar da energia solar também se permite uma versatilidade em sua empresa e uma conexão única em relação aos investimentos e a economia.

Agronegócio

O Brasil é um grande produtor de leite, carne e soja, tendo a utilização de grandes maquinários, equipamentos de armazenamento, esterilização, etc.

Assim, ao utilizar da energia solar se tem uma ótima produção praticamente o tempo todo, tendo o máximo de rendimento desde o bombeamento dos painéis elétricos até a coleta de solo para análise.

Com isso, para finalizar acompanhe as vantagens da utilização da energia solar, destacando as questões da economia, da geração de energia e questões ambientais.

Vantagens da utilização da energia solar

Ao estar diante das informações citadas e entender a importância da energia solar através da sua implantação, uma das principais dúvidas que surgem é em relação às vantagens desse recurso.

Pensando nisso, destacamos em tópicos as principais vantagens da energia solar, fazendo com que se entenda ainda mais sobre esse recurso e cada vez mais caminhar rumo a essa evolução. Acompanhe!

  • Não polui, é renovável e sustentável;
  • Sistema de geração de energia mais barato;
  • Não possui necessidade constante de manutenção;
  • Vida útil de no mínimo 25 anos;
  • Barata e prática para manter;
  • Valoriza o imóvel.

Assim, ao ressaltar essas informações, fica claro o quanto a energia solar e suas vantagens vão desde a economia aos fatores ambientais e favoráveis ao meio ambiente.

Com isso, se adequar a essa nova forma de energia não é somente entrar na moda, mas de fato é dar um passo essencial rumo ao futuro, tendo impactos em seu bolso, energia e principalmente no meio ambiente.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

2.8.19

A Energia Solar no Brasil | Energia Solar Fotovoltaica

Imagem Reprodução Internet Divulgação

Saudações Amados do Seja Hoje Diferente.

A radiação solar como fonte primária de energia tem um papel de destaque na transformação de economias baseadas em combustíveis fósseis em economias de baixo carbono, o que é imprescindível para amenizar os efeitos adversos das mudanças climáticas e atender aos compromissos das nações e do Brasil estabelecidos no Acordo de Paris.

Tipos de aproveitamento da energia solar

O aproveitamento da energia solar é obtido por efeito fotovoltaico ou térmico. No efeito fotovoltaico (FV), a obtenção da energia elétrica ocorre pela incidência de fótons da radiação solar sobre um material semicondutor, previamente purificado e dopado. Esse semicondutor é o principal componente das tradicionais células solares, que interligadas constituem o núcleo dos chamados painéis solares. Além de atender a demanda por eletricidade pela indústria, comércio e residências, a energia elétrica obtida pelo efeito fotovoltaico também é utilizada na produção de hidrogênio e hidrocarbonetos sintéticos, por meio da eletrólise. 

O efeito térmico solar gera o calor utilizado para o aquecimento ou resfriamento de água bem como para a geração de vapor no uso industrial ou doméstico.  Pela via térmica também se produz energia elétrica através do processo denominado CSP (concentrated solar power). 

No Brasil, a difusão da geração de energia a partir do sol teve destaque na geração de calor (para aquecimento de água) e na geração de eletricidade fotovoltaica. Nesse caso, a geração de eletricidade ocorre de forma distribuída ou centralizada.

A geração distribuída

Na geração distribuída, os sistemas podem ser isolados ou conectados à rede elétrica. Os principais componentes de um sistema fotovoltaico isolado de geração de energia são os seguintes: painel fotovoltaico, controlador de carga, inversor e banco de baterias. Nos sistemas conectados à rede, deve ser incluído a medição bidirecional de energia. O banco de baterias pode ser mantido quando se opta por um sistema híbrido em localidades com alta instabilidade na rede elétrica.

Quanto às células fotovoltaicas, os principais tipos atualmente disponíveis são: células cristalinas e células de filme fino. No âmbito dessas duas tecnologias existem diversas variações de arquitetura, de processo produtivo e de semicondutores que são utilizadas visando à redução de custos e o aumento da eficiência das células e painéis. Atualmente, as células de silício mono e policristalino são as que detêm a maior participação de mercado. 

Em paralelo, diversos outros tipos de células cristalinas e de filme fino despontam como apostas tecnológicas, como por exemplo as células multijunção e as orgânicas, dentre diversas outras. O gráfico a seguir mostra a composição típica média de preço de um sistema fotovoltaico.


Um marco importante para o incremento da utilização de sistemas solares de geração distribuída foi a Resolução ANEEL 482, de 17 de abril de 2012, pela qual foram instituídos incentivos, como por exemplo, a compensação de energia, com a criação da figura do produtor-consumidor, no âmbito do chamado sistema net meetering. 

A principal característica do net meetering é a possibilidade de se injetar na rede elétrica a energia produzida pelos painéis fotovoltaicos não consumida, convertê-la em créditos para a compensação posterior, quando o consumo supera a produção dos painéis. 

Em 24 de novembro de 2015, a ANEEL aprimorou a Resolução 482/2012, ampliando os incentivos à geração solar distribuída, tais como: 

• elevação do limite da potência instalada de 1MW para 5MW;

• aumento do prazo de validade dos créditos de geração para até 5 anos;

• criação da modalidade de geração compartilhada; e

• possibilidade do autoconsumo remoto, além da simplificação do processo de registro do produtor de energia solar junto a concessionária local. 

Adicionalmente, com a redução progressiva dos custos, o aumento do rendimento dos sistemas solares, e a elevação das tarifas das concessionárias de distribuição de energia, a paridade de custo final da energia produzida pelos sistemas fotovoltaicos e das tarifas das concessionárias já é uma realidade, o que incentiva a autoprodução de energia. Abaixo um gráfico que demonstra a acentuada redução nos custos de implantação dos referidos sistemas. 

A geração centralizada

Na geração centralizada, a energia solar é produzida em localidades distantes do consumo. As instalações centralizadas, também chamadas de fazendas solares, dispõem de diversos painéis solares interconectados, que podem ser equipados com rastreadores a fim de acompanhar o percurso solar durante o dia, e assim propiciar um melhor aproveitamento da radiação solar.

Os leilões de energia promovidos pelo poder concedente a partir de 2014 tem sido o maior incentivo à geração centralizada e à inserção da fonte solar na matriz elétrica brasileira. Pelo lado da demanda, esse incentivo ocorre por meio de contratos de compra e venda de energia de longo prazo, que estimulam empreendedores a desenvolverem projetos. Pelo lado da oferta tecnológica, a contratação centralizada por leilões garante aos fornecedores de equipamentos a previsibilidade de suas encomendas e o atingimento de economias de escala.   

A capacidade instalada de geração solar no Brasil é da ordem de 1,3GWp, dos quais aproximadamente 307 MWp correspondem à geração distribuída. O Plano Decenal de Expansão de Energia da EPE projeta uma capacidade de 12,9 GWp para 2026 dos quais 3,3GWp relativos a sistemas distribuídos. Com essa projeção, a participação aproximada da energia elétrica oriunda da fonte solar passará dos atuais 0,8% para 6% da capacidade total do país.

Informações: BNDES GOV

Sucesso, Saúde, Proteção e Paz!

5.4.19

Você sabe quem ainda está sem acesso à energia elétrica no Brasil?

Imagem Divulgação

O Folheto elaborado para a Feira e Simpósio Energia & Comunidades, em março de 2019, explica como a energia renovável pode ser uma alternativa em locais isolados que ainda não tem acesso adequado à energia elétrica.

O Instituto Energia e Meio Ambiente (IEMA), Instituto Socioambiental (ISA), Associação Terra Indígena Xingu (ATIX) e Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (IEE-USP) debaterão, como a energia renovável pode beneficiar as comunidades indígenas. O evento gratuito acontecerá na Feira e Simpósio Energia & Comunidades, em Manaus (AM). Na ocasião, serão apresentados os resultados de dois estudos: Aprendizados e desafios da inserção de tecnologia solar fotovoltaica no Território Indígena do Xingu e Avaliação de impacto socioambiental da introdução de sistemas fotovoltaicos no Território Indígena do Xingu.


O primeiro é uma análise econômica realizada pelo IEMA sobre o projeto Xingu Solar do ISA, que instalou 70 sistemas fotovoltaicos em 65 aldeias do Território Indígena do Xingu (TIX), com potência total de 33.260 kWp. O segundo, um estudo qualitativo e quantitativo sobre os primeiros efeitos sociais e comportamentais nos locais que receberam o Xingu Solar. Para a realização deles, foram realizadas entrevistas em 15 aldeias com 117 atores envolvidos no projeto: participantes dos cursos de formação, lideranças indígenas, parceiros e equipe do ISA.

Na ocasião, além dos debates, também serão divulgados vídeos, um relatório resumido e os dois documentos completos sobre os estudos. Em seguida, todo material ficará disponível no site do IEMA.


O Xingu Solar é importante porque a oferta de eletricidade no TIX é restrita e, quando disponível, a energia utilizada provém de sistemas a diesel ou a gasolina adquiridos pelos próprios habitantes ou fornecidos pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) do Ministério da Saúde. Desse modo, a população local fica dependente do abastecimento do combustível para ter energia e, com frequência, os geradores precisam de manutenção.

No escuro
Falta no Brasil a universalização do acesso à energia elétrica. Ter uma fonte confiável de energia elétrica é direito de todos. Algumas comunidades remotas, a maior parte delas na Amazônia, está sem energia elétrica. São indígenas, quilombolas, ribeirinhas ou moradores de reservas extrativistas.


Muitas cidades ou vilarejos estão desconectados do Sistema Interligado Nacional, que distribui a energia gerada pelas diversas fontes do país. Eles são atendidos por sistemas próprios, isolados do resto. No Brasil, são 270 sistemas dos quais dependem mais de três milhões de consumidores. Até cidades grandes como Boa Vista, capital de Roraima, dependem desses sistemas. A maior parte dos sistemas é composto por geradores a óleo diesel. Sua operação e manutenção é cara e poluidora. Além disso, o suprimento de combustível os torna menos confiáveis do que o sistema interligado.

O acesso à energia elétrica pode levar benefícios às comunidades como a refrigeração de vacinas, soros antiofídicos, de alimentos, o bombeamento e armazenamento de água potável e possibilitar a ampliação de atividades produtivas, culturais e educacionais. Para garantir que a universalização seja realizada da melhor forma, potencializando todos esses benefícios, é necessário o desenvolvimento de modelos de implementação que incluam as comunidades e que as políticas públicas do setor elétrico se adequem às realidades locais.

Fonte: Instituto de Energia e Meio Ambiente
Sucesso, Saúde, Proteção e Paz!
#sejahojediferente

29.11.19

Que tal: Energia Solar em sua casa?

A cada ano no Brasil, mais pessoas estão optando pelo uso da energia solar domiciliar como alternativa energética. Mas afinal de contas, quais são as vantagensque as famosas placas solares oferecem aos seus proprietários?

Reprodução Divulgação

Em primeiro lugar, é claro, ECONOMIA. Um sistema pode gerar e compensar toda a energia consumida em sua casa. O gasto mensal com a conta de luz passa a ser apenas a taxa mínima pelo uso da rede. A economia é de até 95% na conta de luz e por mais de 25 anos.

O retorno gerado na conta de luz faz a adoção da tecnologia ser considerada, não uma compra, mas um INVESTIMENTO, com uma média nacional de apenas 5 anos para quitação e, atualmente, com excelentes ofertas de linhas de financiamento, devido ao crescimento acelerado nas vendas dos últimos anos.

Além do rápido retorno de investimento, os equipamentos dos sistemas fotovoltaicos possuem uma vida útil de geração de, pelo menos, 25 anos para os módulos e de 15 ou mais para os inversores.

Muito além do retorno financeiro imediato, a instalação desses sistemas garante a VALORIZAÇÃO do imóvel, que se torna autossustentável.

E quantos às temidas bandeiras amarelas e vermelhas na conta de luz? Esqueça a INFLAÇÃO ENERGÉTICA e as bandeiras tarifárias. Quanto mais inflação houver, maior será o valor economizado emaior o retorno entregue pelo sistema.

Não poderíamos deixar de falar do quesito mais importante em se tratando do retorno ao coletivo: SUSTENTABILIDADE. Por se tratar de uma fonte de energia renovável e mais abundante do planeta, a energia solar é uma alternativa importantíssima à grande dependência do Brasil pelas fontes hídricas, que tanto nos causam problemas devido aos períodos de estiagem.

Além de todos os benefícios já citados, os sistemas fotovoltaicos ainda possuem uma tecnologia de longa vida útil, necessitam de pouca manutenção, resistentes às intempéries, evitando danos ou riscos para o sistema e o imóvel, são de rápida instalação e geração silenciosa.

Mas afinal, qual o custo para instalar um sistema fotovoltaico de geração de energia solar em casa? Isso depende muito do consumo de cada família e cada residência. Para uma média de valores temos:


Agora que você conhece os benefícios de um sistema fotovoltaico, basta se aprofundar no assunto, procurar empresas especializadas e planejar a instalação imediata ou futura na sua residência!

Esta e outras dicas super legais para você no Blog da B.Lux confira.

Seja Diferente, Junte-se ao Seja Hoje Diferente. 

20.11.21

O que são as luminárias solares e porque você precisa de uma?



As luminárias solares são equipamentos que utilizam a energia solar para gerar luz elétrica, contribuindo diretamente para a redução da conta de luz dos estabelecimentos e residências. Este tipo de dispositivo é muito utilizado em jardins, piscinas, garagens e áreas abertas em sítios e condomínios, conferindo charme e iluminando o ambiente.
 
Com um sistema de funcionamento muito parecido com os sistemas de geração de energia solar, as luminárias solares contam com uma pequena placa solar instalada em seu interior. Este dispositivo é responsável por captar a energia do sol e transformá-la em luz elétrica, sendo que muitos modelos acendem automaticamente com o cair da noite. 

Como funciona uma luminária solar?

O funcionamento das luminárias solares é muito semelhante ao dos sistemas instalados nos telhados, em que as placas solares captam a energia do sol e a transformam em eletricidade que é distribuída pela casa. Porém, a luminária funciona de maneira isolada: cada uma delas tem uma placa independente, que capta e reserva a energia para funcionar a noite. 

Para isso, o dispositivo é formado pelos seguintes componentes:

  • Painel solar fotovoltaico, que capta os raios solares e os converte em eletricidade;
  • Controlador de carga, que controla a tensão e corrente para carregar a bateria da luminária sem causar danos elétricos;
  • Bateria, que armazena a energia gerada;
  • Fotoresistor, que detecta o cair da noite e aciona a lâmpada automaticamente;
  • Lâmpada LED. 

Onde as luminárias podem ser utilizadas?

Este é um dispositivo ideal para jardins, áreas com piscina, garagens, sítios, parques, campos esportivos a céu aberto, áreas industriais, estradas, aldeias rurais e muitos outros locais. Em geral, a indicação de uso é para pontos onde não é necessária tanta luz constante, uma vez que suas lâmpadas são pequenas. 

Locais com chão de terra ou grama são ideais, uma vez que a instalação das luminárias solares não exige que sejam quebrados os pisos e paredes para conectar fios elétricos. O próprio sistema do dispositivo garante seu abastecimento.
 
Vantagens de utilizar luminárias solares

A principal vantagens das luminárias solares é sua facilidade de instalação. A maioria dos modelos é do tipo “espeto”, bastando apenas fincar o dispositivo no local que será iluminado. Caso seja necessário trocar a peça de local, é só tirar do lugar e espetar em uma área nova. 

Outro benefício importante está associado ao fato de as luminárias serem independentes da rede elétrica, e seu funcionamento não representa um gasto a mais na conta de luz. Esta é uma característica que também dispensa o uso de fios ligados a tomadas, o que poderia prejudicar a estética e decoração do local. 

A maioria dos modelos conta com função de acionamento automático, o que também representa facilidade no dia a dia, já que não é preciso lembrar de ligar e desligar o dispositivo. Por fim, é importante destacar também que este é um tipo de energia sustentável, que ilumina o ambiente sem emitir nenhum tipo de poluição ou consumir alguma fonte não renovável. 

23.6.19

Ranking de energia: Conheça os países que mais investem em fontes de energia

Imagem ilustrativa divulgação

Entenda um pouco mais sobre as matrizes energéticas do Brasil e do mundo

Nos dias de hoje é difícil imaginar um mundo sem energia elétrica. É por isso que cada vez mais os países têm investido de forma incisiva em geração de energia, sobretudo energia limpa, ou seja, aquelas advindas de fontes renováveis como o sol e os ventos.

Mas você sabe quais são as fontes de energia elétrica mais conhecidas? E, ainda, quais são os países pioneiros nesse quesito? A seguir você descobre as respostas para essas questões e outras curiosidades sobre a geração de energia. 

Qual a importância da energia elétrica


A comodidade com que a maioria das pessoas vive nos dias de hoje faz com que alguns detalhes passem em branco – ao menos quando tudo está indo bem. Abrir a torneira e ver a água corrente, deitar em uma cama fofa e confortável, acender a luz ao anoitecer.

Quando tudo vai bem, esse tipo de atividade acontece quase que no automático. Certamente você não faz ideia de quantas vezes carregou o celular na semana passada, por exemplo.

Agora veja o que acontece quando alguém aperta o botão do controle remoto e a TV não dá sinal de vida. Ou, ainda, falando do setor industrial, consegue imaginar o prejuízo gerado quando uma linha inteira de produção, composta por 50 funcionários, não funciona por falta de energia elétrica?  

Somente quando a energia falta é que muitos percebem o quanto ela é essencial. Por isso, muitas empresas, além de pagarem pela energia da empresa concessionária, optam por alugar gerador para contar com sua própria fonte particular de energia. Dessa forma, é possível evitar os prejuízos causados pelas interrupções. 

Qual a principal fonte de energia elétrica no Brasil


Ainda hoje, a principal fonte de energia elétrica do Brasil é a aquela gerada em usinas hidrelétricas. De forma prática, essa é a energia gerada a partir da água por isso o prefixo Hidre. Apesar de parecer ser uma fonte de energia limpa, afinal a água é um recurso natural, certo?! Esse sistema não é tão sustentável assim e a seguir você entende o porquê.

Para que a água seja transformada em energia é necessário que haja um sistema hidrelétrico. Assim como um carro precisa que o combustível entre em combustão para funcionar, o sistema hidrelétrico precisa da agitação da água, provocado por um conjunto de pás. Essas pás tem o papel de estimular o gerador, que gera energia e depois tudo é distribuído. E onde isso acontece? Dentro de usinas.

As usinas hidrelétricas são grandes e robustas construções. Quem já visitou uma usina deve ter reparado na magnitude de seu tamanho e imponência. E é aí que mora boa parte dos problemas. A instalação dessas estruturas provoca grande impacto na natureza.

Como funciona a construção de uma usina hidrelétrica


No mundo todo existem grandes usinas de hidrelétrica. A Usina Hidrelétrica de Itaipu, em Foz do Iguaçu - Paraná, por exemplo, é uma das maiores do mundo e sua capacidade é igualmente grandiosa. Para se ter ideia, Itaipu fornece aproximadamente 15% da energia consumida no Brasil e 90% do consumo paraguaio. É muita coisa.

Até aí tudo bem, afinal, sua capacidade de produção é excelente. O problema real começa em seu tamanho: são 1.350 km² de área. Ou seja, antes de virar uma usina, essa área era ocupada por animais, vegetação e às vezes até pessoas. E viabilizar uma obra desse porte é algo que contraria milhares de ambientalistas.

Para que a construção de uma usina hidrelétrica seja possível, é necessário desmatar áreas e extinguir animais. As consequências disso a longo prazo? Alterações irreversíveis na natureza.

Prejuízos à fauna e a flora;
Inundação de áreas verdes;
Madeiras de lei derrubadas ou submersas, o que favorece a proliferação de mosquitos causadores de doenças;
Morte de animais silvestres;
Produção de óxido de enxofre, que em contato com oxigênio forma o ácido sulfuroso. Esse ácido, após a oxidação, resulta no ácido sulfúrico, principal responsável pela chuva ácida.

É por isso que apesar da água ser uma fonte, em tese, limpa, o enorme impacto gerado pelas usinas hidrelétricas faz com que essa fonte energética não seja tão sustentável assim.

Quais as fontes de energia mais utilizados no mundo


Apesar das usinas hidrelétricas serem a principal fonte de energia do Brasil, em nível mundial o cenário é completamente diferente. Veja abaixo, em ordem decrescente, as fontes de energia mais utilizadas no mundo:

1º Petróleo
2º Carvão mineral
3º Gás natural
4º Energias renováveis 
5º Energia nuclear
6º Hidráulica 
7º Outros

O petróleo e o carvão representam, juntos, mais da metade de toda a energia gerada no planeta. Atualmente, os 3 países com maiores reservas de petróleo são, respectivamente, Venezuela, Arábia Saudita e Canadá. Quanto ao carvão, as maiores reservas do mundo estão na Rússia (50%) e nos EUA (30%), mas os maiores produtores são a China e os EUA. 

Quais os 5 países que mais investem em fontes de energia


Agora que você já sabe a importância da energia elétrica, também conhece informações sobre a geração de energia no Brasil e no mundo, veja abaixo um ranking que enumera os países que mais investem em novas fontes de energia, segundo levantamento da Ernst & Young:

1º China – metade de todo o investimento em energia eólica vem do país asiático;

2º Estados Unidos – o país tem investido tanto em energia eólica como energia solar;

3º Alemanha – o país tem como objetivo aumentar a participação das renováveis na matriz energética para 80% até 2050. Atualmente esse número está no 20% aproximadamente;

4º Índia – a terceira maior fonte de gases do efeito estufa está comprometida com a meta de instalar 175 gigawatts de capacidade de energia renovável até 2022;

5º Reino Unido – o país tem o compromisso de até 2020, alcançar a meta de ter 15% de toda a sua energia gerada por fontes renováveis.

A busca por alternativas com maior eficiência energética já é uma realidade. Afinal, em um mundo cada vez mais dependente de energia elétrica, torna-se cada vez mais necessário alugar gerador e "beber de várias fontes".

Sucesso, Saúde, Proteção e Paz!
#sejahojediferente

28.9.21

Energia solar fotovoltaica cresce no Brasil quase 50%


Instalação de painéis solares aumentou 50% no primeiro semestre de 2021.

No Brasil, tem-se assistido a um grande aumento da procura por painéis solares, sendo que os Estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul, lideram a lista com maior potência instalada para geração de energia solar.

Crescimento da energia solar fotovoltaica

Esta procura por painéis solares deve-se ao aumento dos preços da eletricidade, assim, muitos procuram por energia limpa e barata, sendo que a instalação de painéis solares cresceu quase 50% durante o primeiro semestre do ano.

Muitos dos brasileiros viram as contas de eletricidade baixar após terem instalado painéis solares fotovoltaicos nos seus telhados… assim, famílias que estavam a pagar cerca de 500 reais (80 euros), pagam agora 82 reais (13 euros).

Dessas 50% de novas instalações, cerca de 80% são de clientes residenciais. Assim, no total, foram instalados entre janeiro e junho de 2021 cerca de 1,5 milhões de quilowatts, que permitem fornecer eletricidade a mais de 180 mil imóveis por mês!

Jonas Becker da Absolar, Ceará, constata isso mesmo “Dentro de uma empresa, a energia elétrica é o terceiro maior custo. Dentro de uma residência também. Então, você ter uma geração própria de energia tem como principal incentivo redução de custo”.

Estados brasileiros com maior investimento em painéis solares



Os estados brasileiros que maior investimento teve, por parte das famílias, foram os estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande Sul, enquanto o Ceará lidera na região do Nordeste.

E isso refletiu-se nas vendas das empresas de energias renováveis. Por exemplo, uma empresa de Fortaleza que vendiam cerca de 500 painéis solares por mês, no ano passado, agora vende cerca de 2000 painéis solares por mês.

“A nossa expectativa é que esse mercado continue crescendo da forma franca como ele está crescendo por mais cinco ou dez anos. A capacidade que a gente tem instalada, ainda em relação a toda a matriz energética, ainda é muito pequena.

Então, 75% do mercado hoje não são grandes empresas, não são grandes indústrias, são sistemas residenciais”, referiu o comercial Mário Viana.

30.8.21

Brasil desenvolve painel solar orgânico mais leve e transparente


O desenvolvimento de um novo painel solar orgânico não é novo, está em desenvolvimento há 10 anos através do Instituto CSEM Brasil. Será um painel solar mais leve e transparente que os modelos tradicionais e está a ser desenvolvido em Belo Horizonte, Minas Gerais.

A empresa tem o objetivo de ter energia verde em todo o lado, e por isso, assim que se der início à produção em massa, este painel irá ser 30 vezes mais barata que os atuais painéis fotovoltaicos de silício.

O desenvolvimento do painel solar fotovoltaico orgânico já se encontra na fase de testes, tendo mesmo sido já finalizadas a construção e adaptação de certas máquinas para o processo de impressão.

Novo painel solar orgânico
Simplicidade do painel solar orgânico

A construção deste painel é simples, é constituído por um filme plástico, onde tintas à base de carbono são impressas e assim transformam a luz solar em energia elétrica.

Foram 10 anos de desenvolvimento e aprimoramento da tecnologia, mas a sua produção é simples… é como as prensas de um jornal, imprimindo as cinco camadas de tina no filme de plástico.

Há duas camadas intermédias que são responsáveis pela produção de eletrões, a camada superior tem a função de conduzir cargas positivas enquanto a inferior transporta a cargas negativas. A última camada impressa no filme de plástico é a do terminal metálico, que fecha o circuito.

Para a produção do painel é necessário que a mesma ocorra num ambiente “amarelo”, com luzes especiais amarelas, devido à sensibilidade do material.

Foram alguns anos de estudos para desenvolver este painel solar orgânico, e durante esse tempo os cientistas descobriram que a radiação da luz azul interfere diretamente na qualidade final do material impresso e por isso as luzes “amarelas” são essenciais para o processo.

Principais benefícios do painel solar orgânico

Este painel fotovoltaico será leve, flexível, relativamente transparente e fácil de ser aplicado em qualquer superfície.

E um dos seus pontos fortes é o facto de ser produzido com materiais orgânicos, sendo assim uma opção mais sustentável quando comparado com os atuais painéis de silício.

9.11.21

Painéis solares integrados em carros elétricos permite maior autonomia


A tecnologia de energia solar fotovoltaica flexível foi desenvolvida pelos fabricantes de painéis solares OPES Solutions, e Fraunhofer Center for Silicon Photovoltaics CSP, sendo um painel fotovoltaico tradicional, mas flexível, possível de integrar nos carros elétricos e que lhes proporciona mais 30% de energia.

Painéis solares integrados SOLFLEX

O SolFlex tem por base células solares cristalinas e garante mais 30% de potência por metro quadrado do que os painéis flexíveis existentes na atualidade que utilizam tecnologia de camadas finas.

Com um raio de curvatura de cerca de 15 graus, é possível de ser aplicado a qualquer superfície do veículo elétrico, tendo apenas 2,9mm de espessura é assim 70% mais fino que os painéis solares convencionais e com uma eficiência energética de 22% (comprovado em condições extremas numa câmara climática no Fraunhofer CSP).

O fundador e diretor da OPES Solutions, Robert Handel, garante que a integração da energia fotovoltaica flexível tem um grande potencial no setor dos transportes, incluindo os autocarros elétricos.

É que este tipo de transporte (camiões, autocarros, veículos pesados) são responsáveis por aproximadamente 29% das emissões de gases para a atmosfera de todo o setor dos transportes.

Possíveis aplicações dos painéis solares integrados



Um veículo ligeiro de mercadorias, combinado com painéis de energia fotovoltaica flexível pode reduzir as suas emissões de CO2 para a atmosfera para 890kg, bem como minimizar os custos de operação ao garantir eletricidade para os sistemas de arrefecimento (em vez de consumir combustível fóssil).

Quanto aos autocarros, como têm grandes superfícies de tejadilho, os painéis fotovoltaicos integrados podem garantir até 100% das necessidades energéticas do sistema HVAC, o que seria extremamente útil quando o motor do mesmo está desligado.

O consumo de energia dos passageiros em portas USB, tomadas de corrente e ligações Wi-Fi, também podem ser fornecidas por esta fonte de energia renovável. Um pouco por todo o mundo tem vindo a ser investido dinheiro no desenvolvimento de autocarros elétricos.

Em 2020, foram investidos mais de 28000 milhões de dólares em autocarros elétricos e espera-se que na Europa o crescimento anual neste tipo de investimento seja de 20%.

Outra aplicação deste tipo de painel fotovoltaico flexível é nas bicicletas elétricas, que devido ao seu baixo consumo de energia, podem ter uma autonomia adicional de cerca de 50km por dia, sendo que no verão serão autossuficientes na produção de eletricidade.

Handel disse ainda que o que foi uma prática comum noutras áreas da energia fotovoltaica durante muito tempo, está agora a ser direcionada para os veículos elétricos, dando a conhecer o veículo elétrico com energia fotovoltaica flexível integrada (VIPV), que se irá tornar uma solução comum e extremamente económica.

Até agora, a aplicação da energia fotovoltaica na construção de veículos tem vindo a falhar devido ao seu elevado custo, peso e requisitos específicos de resiliência, design ou forma de instalar.

Os painéis SolFlex são resistentes às vibrações, foram desenhados para aguentar temperaturas elevadas, bem como uma superfície com excelente resistência a riscos.

Com a ajuda da produção em séria e sinergias na fábrica de Changzhou pertencente à OPES Solutions, estes painéis fotovoltaicos flexíveis passaram a ser produzidos de forma mais económica do que eram até agora.

29.12.19

Brasileiro elabora projeto que zera conta de luz

Seja Diferente, Junte-se ao Seja Hoje Diferente.

Reprodução Divulgação

Já é possível reduzir a zero a conta de luz, sem fazer “gato” e ainda guardar o excedente.

Um eletrotécnico brasileiro “elaborou um projeto adaptado de um sistema de captação, geração e armazenagem de energia solar”, como disse em entrevista ao SóNotíciaBoa.

A energia gerada durante o dia é inserida na rede a energia, através de placas fotovoltaicas e o excedente gera um bônus, que o consumidor tem até três anos para consumir.

É o que se chama de geração de energia elétrica totalmente limpa, já que é gerada a partir do sol, fonte inesgotável e abundante de energia no Brasil.

Instalação

O projeto do eletrotécnico Alírio Macedo, de Chapadão do Sul, ganhou a chave de ouro na última sexta-feira, quando a equipe da Energisa, de Paranaíba (MS), fez a ligação da energia.

A companhia ligou o padrão do primeiro consumidor de Chapadão do Sul com inversor fotovotaico On-Gride.

No caso da casa de Alírio, o seu consumo médio mensal é de 104 Kwh e o seu On-Gride vai gerar 150 Kwh/mês.

Com esse excedente de 50Mwh/mês, Alírio disse que pretende melhorar a sua qualidade de vida e ainda gerar bônus para alguma eventualidade. Assim ele terá a sua conta de energia zerada.

Passado o período de três anos do bônus, ele é zerado e um novo acúmulo é iniciado.

O gerador de energia também pode usar o bônus, do mesmo ponto gerador, para outros imóveis cadastrados na concessionária de energia local, ou até de outros estados, em seu CPF.

A vida útil do sistema é de 25 a 30 anos e ele cobre os custos do projeto e implantação em 7 ou 8 anos, em média,  disse o Eletrotécnico Alírio Macedo.

Última geração

Alírio conta que o seu aparelho conversor é de última geração.

Nele existe uma saída USB para computador, que quando conectado, passa todas as informações sobre a geração e consumo da energia. Ele ainda é capaz de passar os dados através do Wi-Fi próprio.

Para a cidade de Chapadão do Sul o sistema é novidade, mas no campo, várias fazendas já implantaram o sistema e usam o bônus gerado.

Alírio lembra que há linhas de créditos nos bancos para a fazer, conduzir e instalar o On-Gride.

Com informações do Só Notícia Boa.

#sejahojediferente #sejadiferente #correntedobem #heroisdoslacres #sejavoce #fuscadobem #fusquinhadobem #unidosdobem #ermelinomatarazzo

21.10.21

Primavera: Conheça a data de início e as principais características

A primavera é considerada a estação mais bonita do ano e indica renascimento e vida, pelo desabrochar de flores após o inverno, que possui uma paleta de cores mais fria e cinza, pelos aspectos do clima.

Neste artigo você vai compreender quais as principais características da primavera, quais os fatores que fazem a primavera acontecer, curiosidades sobre e o impacto do aquecimento global. Acompanhe!

Características da primavera

Essa estação é considerada de transição entre inverno e verão, que fornece as duas temperaturas (quentes e frias) mais extremas do ano. Sendo assim, a primavera traz consigo mais temperaturas amenas.

Quanto à vegetação, no Brasil, tem-se um renascimento da vegetação que foi grandemente afetada pelo inverno. Após o inverno seco, a primavera traz chuvas amenas que indicam a transição para o verão.

O período de chuvas pode ocorrer mais ao fim da tarde e início de noite, mas não com tanta intensidade. À medida que se aproxima do verão, as chuvas ocorrem com mais frequência e mais intensidade quanto ao volume, mas sendo passageiras.

Aos agricultores que têm como fonte de renda as plantações, pode ser interessante a contratação de empresa de consultoria ambiental para orientar quanto à proteção das plantas para suporte durante o inverno e transição na primavera.

Quando começa e termina?

No Brasil, essa estação tem início em meados de setembro, entre os dias 22 a 23 e tem seu fim em meados de dezembro, também entre os dias 22 e 23.

Já no hemisfério norte, enquanto ocorre a primavera no hemisfério sul, passa pelo outono, o que inverte as datas. Lá a primavera acontece entre março, dias 20 e 21, e junho, entre os dias 22 e 23.

Mas afinal, o que é a primavera?

Assim como as demais estações, a primavera é resultado de um posicionamento do planeta Terra e variações de seu eixo em relação ao sol.

A terra faz o movimento de translação, que é o giro de si ao redor do sol, e de rotação, que seria o giro em seu próprio eixo. A translação e rotação são os movimentos que afetarão o posicionamento da terra em relação ao sol e determinarão a estação.

Neste sentido é importante a calibração de termometro após a transição entre as estações, para que a mensuração seja a mais assertiva possível sobre a real temperatura dos ambientes.

Contudo, a primavera é mais notável em regiões distantes à linha do Equador, isso porque a incidência de luz solar nessa região se mantém estável durante o ano todo, mesmo com a alteração da inclinação da terra.

Sendo assim, em território nacional, a região Sul é a única que experimenta realmente a primavera em todos os seus aspectos. Isso porque está localizada abaixo do Trópico de Capricórnio, tendo um clima tradicionalmente.

Equinócios e suas implicações no clima

Dentro da geografia, tem-se 2 tipos de disposição da terra, equinócio e solstício. Os solstícios, que dizem respeito às estações de verão e inverno, são resultado da maior incidência de luz solar em um dos hemisférios pela inclinação da terra.

Sendo assim, enquanto um hemisfério recebe mais sol (verão) o oposto que está mais afastado da incidência solar (inverno) tem dias mais frios. Nesses momentos, o transmissor de temperatura, que mede a temperatura de ambientes, pode indicar extremos.

Todavia, existe uma posição que a terra assume duas vezes por ano em que a incidência de luz solar é distribuída de modo igual, praticamente, entre os dois hemisférios, que se chama equinócio.

Nessas ocasiões os raios solares incidem diretamente sobre a linha do Equador, que divide o planeta em hemisfério norte e sul, e distribuem igualmente a luz solar, aquecendo de modo semelhante.

A Terra possui um centro magnético e sua inclinação pode ser detectada por meio do uso de sensor indutivo.

O equinócio que ocorre em março, entre os dias 20 e 21, marca o início da primavera no hemisfério norte, e do outono no sul. Por sua vez, o equinócio de setembro marca o inverso e ocorre entre os dias 22 e 23 de setembro.

Durante o solstício de inverno, especialmente na região do hemisfério norte, tem-se um escurecimento precoce diário, o que faz as empresas necessitarem de acionamento mais cedo das luminárias industriais.

Na primavera, tal condição não é visualizada e os dias são mais longos, com grande claridade. No verão a exposição de luz solar aumenta ainda mais, estendendo os dias.

7 curiosidades sobre a primavera

Agora que você já sabe quais as principais características, vamos te apresentar as 7 principais curiosidades sobre essa estação tão bonita. Quer saber mais? Então siga com a sua leitura!

1. Flor de cerejeira

Para os japoneses, a abertura da flor de cerejeira, flor nacional do Japão, em março ou abril sinaliza o início da primavera. É assim que eles ditam as datas da primavera no país.

2. Primeiras flores a surgirem

As primeiras flores da primavera são tipicamente íris, lírios, tulipas, narcisos e dentes-de-leão.

3. Ano novo chinês

Na China, a chegada da primavera no hemisfério norte coincide com as comemorações do Ano Novo Chinês. O feriado cai no primeiro dia do primeiro mês lunar, em janeiro ou fevereiro. 

4. Febre da primavera

Algumas pessoas desenvolvem sintomas psicológicos e fisiológicos associados à chegada da primavera, incluindo inquietação, devaneios e aumento do apetite sexual, o que é chamado de febre da primavera, pelos cientistas.

5. Pássaros aprendem a cantar

Os passarinhos aprendem a cantar durante a primavera. Apesar de nascerem com a habilidade de cantar, eles devem aprender canções específicas de sua espécie, o que ocorre dentro de dois meses após o nascimento. 

6. Horário de verão

O horário de verão é adotado em alguns países durante a primavera, como forma de economizar energia. Ele consiste no adiantamento dos relógios em uma hora para maior aproveitamento da luz solar que é mais extensa nessa estação e no verão.

7. Época de procriação

Para a maioria dos animais que vivem em regiões com média latitude, a primavera é a época em que seus recém-nascidos têm a melhor chance de sobrevivência devido ao clima ameno e à abundância de alimentos. Por isso, os animais procriam no período.

Aquecimento global e modificações nas características da primavera

Com o maior uso de veículos e aumento da produção industrial, o meio ambiente é afetado e pode implicar em consequências, inclusive na primavera, como resultado de um acontecimento chamado de aquecimento global.

O aquecimento global consiste no aumento da temperatura média da terra em alguns graus Celsius em decorrência da maior emissão de gases do efeito estufa.

O efeito estufa, por sua vez, é um mecanismo da terra para manter alguns raios solares refletindo mais próximo à superfície do planeta, a fim de manter o aquecimento médio que permite a existência de vida.

Basicamente, o efeito estufa funciona como elementos de fixação que prendem o calor do sol na terra em quantidades suficientes para manutenção da vida.

Os gases do efeito estufa contribuem para manter ainda maior número de raios solares na superfície, gerando um desequilíbrio entre o que é necessário e o que é excesso de calor. São considerados gases do efeito estufa:

  • Dióxido de carbono;
  • Metano;
  • Óxido nitroso;
  • Hexafluoreto de enxofre;
  • CFC (clorofluorcarboneto) – nos sprays;
  • PFC (perfluorcarbonetos) – nos sprays.

Esse excesso é o que faz aumentar a temperatura média da terra e impacta diretamente nas estações e ecossistemas, prejudicando o meio ambiente de modo geral. O desmatamento das florestas também contribui para essa condição, agravando ainda mais o quadro.

A emissão de gases poluentes pode ocorrer por 5 principais meios:

  • Acionamento de termoelétricas;
  • Caldeiras de indústrias;
  • Queima de combustíveis fósseis;
  • Pecuária (criação de gado que emite metano).

Segundo o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) a tendência é que a terra tenha um aumento de 1,5ºC na temperatura global dentro dos próximos 20 anos. Isso já tem impactado na redução da primavera, de 124 para 115 dias.

O aquecimento global já está trazendo consequências no ambiente, inclusive na primavera. Andorinhas da América do Norte adiaram a postura de seus ovos em nove dias, pelo calor.

Espécies de borboletas e invertebrados tem migrado mais ao norte, nos Estados Unidos (EUA), para fugir do calor. O término da hibernação das marmotas, no Colorado (EUA), acaba 3 semanas antes ao que acontecia em 1970, também pelo calor.

O aumento da temperatura tem afetado a absorção de carbono pelas plantas, para executar o processo de fotossíntese, que é o mecanismo pelo qual a planta se alimenta. O carbono funciona como um transporte dedicado para que a planta tenha energia.

Essa falta de absorção tem impactado no desabrochar das flores e na vivacidade das plantas. Desta forma, as primaveras tendem a ser cada vez menores e menos coloridas pelo agravamento da temperatura. Assim, a estação pode se tornar menos colorida.

Toda essa situação gera uma condição de análise de risco para a sociedade, impactando nos mais diversos setores. O meio ambiente é o berço da vida e com o aquecimento pesando nesta conta, pode trazer sérias consequências a longo prazo.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

GeraLinks - Agregador de links