Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta Netflix. Classificar por data Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta Netflix. Classificar por data Mostrar todas as postagens

23.8.18

Agenda Netflix: Estréias de Filmes e Séries da semana


@MinhaSerie #filmeseséries #sejahojediferente  

Quer saber as novidades de estréia da semana de filmes e séries no sistema de streaming Netflix?  

De modo fácil e rápido? 

Com informações objetivas, rápidas e seguras dos filmes e séries que irão ter estréia no catálogo Netflix atualizado semanalmente? 

O Blog SHD vai lhe indicar este local.

Saudações Amados  (as).

O Blog SHD poderá até trazer eventualmente algum artigo de filmes ou séries que estão ou irão estar presentes no catalogo do sistema de streaming Netflix. 

Claro que todos nós queremos saber as novidades de estréia tanto de filmes como em séries e muitas vezes procuramos essas informações no querido Google e, muitas vezes encontramos até sites ou blogs legais que tragam tais informações e na maioria das vezes não encontramos as informações com qualidade que merecemos e com a importância de estarem publicadas em locais seguros para navegação.

Como o Blog SHD não trará essas informações de estréia de filmes e séries da semana, irei indicar para quem não conhece um local de qualidade tanto em informações como em navegação que é atualizado semanalmente com o registro de estréia de séries e filmes.

O Blog SHD também convida a todos a participarem do Grupo no Facebook :  Netflix e Filmes Online, caso queira participar ou conhecer o grupo no Facebook clique aqui.

Antes de indicar o local da agenda de estréia semanal de filmes e séries no Netflix, vamos considerar que adotamos esse site para esta finalidade de informação.


Sem mais delongas acesse a agenda de estréia de Filmes e Séries Netflix clicando aqui.


Veja também:
Originais Netflix no catálogo clique aqui
  
Um forte abraço!

Sucesso, Saúde, Proteção e Paz!

2.12.19

Apple e Disney desafiam modelo de negócios da Netflix

Reprodução Divulgação

A Netflix, pioneira no cenário de streaming, hoje já está estabelecida no mercado. Em vez de televisão a cabo, agora os consumidores enfrentam o dilema de escolher conteúdo – e compartilhar senhas – de uma nova safra de criadores: Amazon Prime, Apple TV+, Disney+, Hulu e a futura NBC, além do HBO Max.

Siga o Seja Hoje Diferente no Instagram

Como a Netflix saiu na frente tanto no desenvolvimento da plataforma de streaming quanto na criação de conteúdo original, a empresa tem sido muito influente na imposição das novas regras de um mercado antes desconhecido. A mudança mais relevante na experiência de assistir TV foi o surgimento das maratonas, que acontece quando vários episódios de um programa são assistidos na sequência.

Com esse fenômeno, os espectadores ficam viciados em uma série ou um programa e ficam presos à tela, emendando um episódio no outro. No entanto, a empresa também oferece a possibilidade de testar o serviço por um período gratuito e cancelar a assinatura depois de um fim de semana de maratonas.

A Netflix não parece estar preocupada com a possibilidade de que as pessoas maratonem alguns programas e cancelem o serviço depois, pois conta com uma biblioteca gigantesca e provavelmente os usuários encontrarão outro conteúdo para devorar. Os novos concorrentes, Apple TV+ e Disney+, estão tentando voltar aos modelos tradicionais de TV, com a adoção de estratégias de lançamento semanal, para evitar que os usuários abandonem o serviço depois de maratonar um programa.

A ideia de começar outro episódio automaticamente — ou dois, quatro, ou a temporada inteira(!) — virou assunto de debate entre acadêmicos e defensores da saúde e do bem-estar. Um estudo feito por dois professores da Michigan State University concluiu que o hábito de maratonar programas de TV está ligado a comportamentos prejudiciais à saúde e ao desenvolvimento de vícios.

"O hábito de maratonar programas de TV está associado a comportamentos prejudiciais à saúde, como privação de sono para continuar assistindo aos episódios, alimentação inadequada e comportamento sedentário (ficar sentado por muito tempo, praticar pouco exercício)", segundo a coautora Morgan Ellithorpe.

Ainda assim, apesar dessas correlações já esperadas, maratonar programas de TV é o novo padrão. Bom, pelo menos até as novas plataformas começarem a colocar em prática o modelo de lançamentos semanais.

Compulsão ou interesse?
No geral, os americanos querem devorar séries inteiras de uma só vez. De acordo com um estudo realizado em setembro pela CivicScience, dos 1.300 entrevistados com mais de 13 anos de idade, 51% preferem que todos os episódios de um programa de TV sejam disponibilizados de uma vez.

Embora somente 33% dos americanos com mais de 65 anos prefiram ter todo o conteúdo à disposição de uma vez, esse número sobe para 69% quando falamos dos jovens entre 25 e 29 anos, os millennials. Porém, um ponto curioso do estudo da empresa de pesquisa de mercado é o fato de que os entrevistados da geração Z (entre 13 e 18 anos) são mais propensos a assistir a programas aos poucos, e não devorar tudo de uma vez.

"É claro que os consumidores preferem que todos os episódios sejam disponibilizados juntos para poder planejar como vão assistir. Não é obrigatório assistir a tudo de uma vez", afirma Rich Greenfield, analista de mídia sênior e cofundador da LightShed Partners.

As pessoas têm a opção de assistir a todos os episódios em sequência, mas não quer dizer que elas realmente vão fazer isso. Mesmo assim, é evidente que a discussão geral sobre maratonar conteúdo ainda está em processo de evolução, e esse fenômeno depende bastante do prestígio e do formato do programa.

Há apenas três anos, o chefe de conteúdo da Netflix, Ted Sarandos, disse que não havia razão para voltar ao modelo de programação de TV semanal.

"A taxa de abandono da televisão tradicional com horários fixos é enorme. Então, por que obrigaríamos as pessoas a fazer algo que estão abandonando em grande escala?", afirmou Ted em uma entrevista ao HitFlix.

No entanto, no mês de setembro, a pioneira em maratonas mudou sua posição quanto ao consumo desenfreado de conteúdo. Os episódios do famoso "Great British Baking Show" foram lançados somente às sextas-feiras. Para manter o elemento surpresa, os episódios de "Ritmo + Flow", primeiro concurso de música original da Netflix, foram disponibilizados nas noites de quarta-feira, seguindo o modelo dos tradicionais "The Voice" e "American Idol". Mesmo assim, a empresa afirma que essas são exceções à regra geral e que a ideia é manter os lançamentos em bloco.

"A Netflix, com seu vasto conteúdo e um verdadeiro tesouro de dados dos usuários ou assinantes, acredita que tem menos a perder quando lança temporadas inteiras, como aconteceu recentemente com 'The Crown'. A empresa tem bons motivos para acreditar que os assinantes vão procurar a próxima série ou filme porque sabem que sua biblioteca de conteúdo é gigante", diz o analista econômico sênior do Bankrate.com, Mark Hamrick.

Testes de lançamento
Enquanto isso, as plataformas mais recentes estão adotando uma estratégia mais cautelosa. Por exemplo, no caso do "The Morning Show", uma série do Apple TV+ muito divulgada e repleta de estrelas, os primeiros três episódios foram disponibilizados imediatamente no dia do lançamento, mas os demais serão lançados a cada semana.

O Disney+ alcançou 10 milhões de assinantes no dia do lançamento, e alguns deles tiveram suas contas invadidas. Isso demonstra que o apetite é grande pela programação do estúdio, que agora também conta com programas da Fox, como "Os Simpsons". A Disney também está lançando conteúdo original, como "O Mandaloriano", um faroeste espacial ambientado no universo de "Star Wars", sempre um episódio por vez.

"Faz sentido disponibilizar um episódio por semana de séries como ‘O Mandaloriano’ para evitar que os assinantes enjoem rápido da plataforma. Dessa forma, provavelmente um grande número de usuários vai explorar ainda mais a programação para encontrar algo para assistir até sair o próximo episódio", diz Hamrick.

"Entre outros aspectos, a Disney tem o diferencial de ser um conglomerado de entretenimento multifacetado, em que a programação da TV aumenta ainda mais o interesse em filmes lançados no cinema e nos parques temáticos, como é o caso de Star Wars, Marvel e Pixar", acrescenta.

O enorme sucesso de "Game of Thrones", da HBO, mostrou que as pessoas estão dispostas a esperar até domingo à noite, e até mesmo a transformar esse momento em uma espécie de ritual, só para curtir histórias de dragões e conversar sobre isso com os colegas no dia seguinte.

Até agora, a HBO se manteve fiel aos episódios semanais, mas, com o lançamento do novo serviço HBO Max no ano que vem, talvez a empresa mude esse modelo para atrair novos clientes.

"Pode ser que, com a predominância dos serviços de streaming, os provedores tenham que pensar em novos incentivos para impedir que os usuários cancelem a assinatura até sair a próxima série do interesse deles. Por isso, a Disney está cobrando uma tarifa anual para evitar cancelamentos", afirma Hamrick.

Afinal, com cada vez mais opções de "programas imperdíveis" chamando a atenção do público, podemos imaginar que os gigantes vão continuar criando estratégias até atingir todos os possíveis assinantes.

Com informações do Yahoo Finanças.

Seja Diferente, Junte-se ao Seja Hoje Diferente. 
#sejahojediferente #sejadiferente #correntedobem #heroisdoslacres #sejavoce #fuscadobem #fusquinhadobem #unidosdobem #ermelinomatarazzo

22.10.19

A Netflix vai controlar o compartilhamento de contas; entenda o que muda

Estima-se que a empresa perde até US$ 155 milhões com contas compartilhadas entre pessoas que não moram na mesma casa

Atualmente, vários usuários que possuem uma conta Netflix compartilham suas assinaturas de alguma maneira. Seja com pessoas da mesma residência ou amigos e familiares distantes. Fato é, se você compartilha a conta com alguém que não mora no mesmo local, pode ter sua assinatura cancelada pela Netflix.

As informações são do Olhar Digital

Reprodução Divulgação

De acordo com Greg Peters, diretor de produtos da empresa, a Netflix está buscando maneiras de lidar com o compartilhamento de senhas sem "mexer em sua base de usuários". Essa declaração foi feita durante uma conferência para debater os ganhos do terceiro trimestre da empresa em 2019.

De acordo com o site The Independent, quando os usuários compartilham suas senhas, eles estão compartilhando uma única conta Netflix, que vai diretamente contra o modelo de negócios da companhia, que aponta que cada família precisa ter sua própria conta.

A única maneira aprovada de compartilhamento de contas é a criação de perfis dentro do serviço. Entretanto, eles estão restritos à moradores da mesma residência, não sendo possível estender para outras pessoas.

De acordo com uma pesquisa feita pelo site Magid, cerca de nove por cento dos clientes compartilham suas senhas com pessoas que não moram com eles. Esse número pode parecer baixo, mas, levando em conta os 158 milhões de usuários, cerca de 15 milhões não pagam por um plano, mesmo que ele seja básico. Isso representa uma perda de U$S 155 milhões para a empresa (cerca de R$ 640 milhões).

Além disso, foi apontado que a Netflix não apenas perde dinheiro, mas os usuários podem abrir possibilidades para atividades fraudulentas.

O Magid relata que o compartilhamento de senhas é um risco à segurança cibernética que pode até resultar em roubo de identidade por meio de outras contas. Isso ocorre porque muitas pessoas usam a mesma senha das contas em outros serviços.

Isso significa que, se alguma pessoa aleatória tiver a senha do usuário, pode ser que ele tenha credenciais para acessar informações sensíveis, como contas em redes sociais e outras informações.

27.3.20

Netflix se junta a outros streamings e vai diminuir qualidade no Brasil

Juntos Somos + Fortes e Unidos Somos Melhores!
Seja Hoje Diferente:

Divulgação Reprodução - Créditos Informações

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Netflix adotou no Brasil, nesta semana, uma medida que já havia anunciado para seus mercados europeus: a empresa vai diminuir a qualidade do streaming durante a pandemia de coronavírus, período no qual o uso de internet está significativamente maior, já que as pessoas estão passando mais tempo em casa.

De acordo com a assessoria da empresa, a mudança deve ser implementada em todo o território nacional em até dois dias.

Na União Europeia, onde a pandemia está em estado mais avançado, autoridades já haviam feito um apelo a plataformas de streaming para que ajudassem a manter a estabilidade das redes de internet do bloco. A Netflix acatou o pedido.

"Imediatamente nós desenvolvemos, testamos e implantamos uma maneira de reduzir o tráfego da Netflix nas redes em 25% -começando pela Itália e Espanha, que estavam experimentando o maior impacto. Dentro de 48 horas, atingimos essa meta, então passamos a implantar este procedimento no resto da Europa e no Reino Unido", informou a vice-presidente de entrega de conteúdo da empresa, Ken Florance, em comunicado.

A medida não significa que os clientes deixarão de ter acesso à alta definição dos filmes e séries de seu catálogo. Na prática, apenas as frequências mais altas de exibição de cada pacote contratado -Ultra Alta Definição, Alta Definição e Definição Padrão- deixarão de ser disponibilizadas.

"Em circunstâncias normais, temos muitos (às vezes dezenas) de pedidos de exibição diferentes para um único título em cada uma das resoluções disponíveis. O que fizemos na Europa, pelos próximos 30 dias, foi simplesmente remover as frequências mais altas de exibição em cada categoria", explica o comunicado. "Se você estiver particularmente sintonizado com uma qualidade de vídeo específica, poderá notar uma ligeira diminuição na qualidade em cada resolução."

No Brasil, a Netflix se junta a outras plataformas que já haviam anunciado medidas para auxiliar na estabilidade das redes de internet do país. A Globoplay adotou política semelhante para o período de quarentena, assim como o serviço de aluguel de filmes e séries Looke. O Facebook foi outro serviço que diminuiu a a qualidade de vídeo na América Latina para combater o congestionamento.

Com informações do Vida e Estilo Yahoo

24.8.21

O que foi Quibi?


Quibi era a Netflix para o seu telefone. Por US $ 5 com anúncios ou US $ 8 sem anúncios por mês, você tem acesso a uma biblioteca de conteúdo de vídeo feito especificamente para ser assistido em dispositivos móveis - principalmente séries de ficção, mas também programas de notícias e resumos chamados de fundamentos diários , bem como reality shows, etc.

Os dois principais argumentos de venda exclusivos do serviço eram que o conteúdo podia ser assistido tanto no modo paisagem quanto no modo retrato e que os episódios eram curtos o suficiente (de 5 a 15 minutos) para serem assistidos em movimento - por exemplo, quando se deslocam de trem , espera na fila, etc. A premissa do serviço de streaming era que as soluções existentes não eram convenientes para assistir no celular em movimento, o que deixava um buraco no mercado.

O nome Quibi deriva de Quick Bites, o nome que o serviço deu a esses episódios curtos de aproximadamente 10 minutos.

Quibi poderia ter tido sucesso?
Quibi tem estado na mira de jornalistas e analistas de tecnologia e viu muita recepção negativa e até mesmo ridículo, então é fácil seguir o fluxo e assumir que ele estava condenado desde o início.

Ainda assim, alguns dos maiores participantes da indústria do entretenimento estavam certos o suficiente no sucesso final do aplicativo para investir quase US $ 2 bilhões nele.

Com dinheiro suficiente no banco e uma equipe com histórico comprovado (e conexões poderosas) no negócio do entretenimento, o fracasso de Quibi não era tão óbvio em seu início como a maioria dos artigos online faria você acreditar.

Fundador e equipe executiva
O fundador da Quibi, Jeffrey Katzenberg, foi o ex-presidente da Disney (1984 a 1994) durante o renascimento da animação - um período em que a Disney criou alguns de seus maiores sucessos como A Pequena Sereia, O Rei Leão, Aladdin e A Bela e a Fera. Mais tarde, ele se tornou o co-fundador e CEO da Dreamworks, que produziu sucessos como Shrek, Madagascar e How to Train Your Dragon, competindo com sucesso com as animações da Disney na tela grande.

Desnecessário dizer que Katzenberg está familiarizado com a produção de conteúdo de entretenimento de sucesso, então ele parecia o cara perfeito para dirigir um novo serviço de conteúdo sob demanda semelhante ao Netflix.

Além disso, a CEO da Quibi, Meg Whitman, costumava ser a CEO do eBay e da Hewlett Packard e é membro do conselho da Dropbox e da Procter & Gamble.

Financiamento
Um dos maiores benefícios que uma equipe fundadora experiente traz para a mesa são conexões poderosas, e Katzenberg conseguiu alavancar seu nome e rede para levantar o incrível $ 1B em 2018, antes do serviço ser lançado, seguido por um adicional de $ 750M. Seus investidores incluíam Disney, 21st Century Fox, NBCUniversal, Sony Pictures, Time Warner, Lionsgate, MGM, Goldman Sachs, JPMorgan Chase e Alibaba Group : sem dúvida, um dos mais impressionantes grupos de investidores que você já encontrou.

Considerando que a Quibi está concorrendo com a Netflix (apesar de afirmar o contrário), que ela tem o mesmo modelo de negócios e que a Netflix é famosa por gastar bilhões anualmente em conteúdo original, ter capital suficiente era um pré-requisito para a Quibi competir com sucesso. Graças ao seu enorme sucesso na arrecadação de fundos, Quibi conseguiu investir cerca de US $ 1 bilhão em conteúdo original com extrema rapidez para construir sua biblioteca.

No entanto, tudo isso provou não ser suficiente para a nova plataforma de streaming.

O fim do Quibi
Quibi não tinha um caminho viável para o sucesso e teve que fechar. Em uma carta para funcionários, investidores e outras partes interessadas, Katzenberg e Whitman disseram: “Portanto, é com o coração incrivelmente pesado que hoje anunciamos que estamos encerrando o negócio e procurando vender seu conteúdo e ativos de tecnologia”.

A Quibi devolveu todo o financiamento restante aos investidores, deixou cerca de 250 funcionários em busca de novas oportunidades e atualmente está procurando compradores de sua tecnologia e conteúdo.

19.6.20

Lançamentos da Netflix na semana (19/06/2020)

Enquanto uma parcela da indústria do entretenimento está retomando as atividades no mundo, a Netflix parece nem ter tomado conhecimento dos problemas advindos da pandemia do novo coronavírus. Em nenhum momento a plataforma de streaming deu sinais de que estava perdendo o fôlego e continuou lançando filmes e séries como se não houvesse amanhã. Independentemente do seu gosto, o serviço sempre tinha — e tem — alguma novidade capaz de agradar.

Depois de apostar em produções misteriosas na semana anterior, o foco da plataforma nesta semana é o lançamento de novas temporadas de séries queridas e consagradas pelo público.


Se você não é lá tão fã de séries, não tem problemas. A Netflix também trouxe bons filmes para seus assinantes. O primeiro deles é o drama policial O Apostador, que segue a vida de um professor de literatura viciado em apostas que acaba fazendo uma dívida enorme. Para sair desse buraco e ver seu nome limpo, ele bola um esquema para subornar e ganhar dinheiro de um de seus alunos, um astro do basquete.

Em fim, confira tudo isso e muito mais sobre os Lançamentos da Netflix desta semana clicando aqui.

2.1.20

Netflix revela quais foram as séries e filmes mais assistidos no Brasil em 2019

Seja Diferente, Junte-se ao Seja Hoje Diferente.

Reprodução Divulgação

A Netflix divulgou quais foram os conteúdos originais da plataforma mais assistidos pelos brasileiros em 2019. 

A divulgação foi feita em quatro categorias: uma de conteúdo geral (que agrega todos os originais da Netflix, independente do tipo de obra), uma só de séries, uma só de filmes e uma quarta só de documentários.

Entre o conteúdo original no geral, o maior sucesso do serviço de streaming no país foi a terceira temporada de La Casa de Papel, que ficou à frente de filmes do Adam Sandler e do mais recente do diretor Michael Bay, sendo a obra original de maior sucesso entre os usuários brasileiros. Também é interessante ver duas produções nacionais na lista de mais vistas — a série Sintonia, com direção de KondZilla, e o especial de comédia de Whindersson Nunes — mostrando a força do audiovisual nacional. Mas talvez a principal surpresa seja a presença de The Witcher entre as produções mais vistas de todo o ano, já que a série do bruxo lançou há menos de duas semanas.

Já entre somente as séries, a lista é liderada pela terceira parte de La Casa de Papel (que se destaca por trazer maiores ambições para a trama), a primeira temporada de The Witcher (que é uma das mais fiéis adaptações de uma obra literária) e a série brasileira Sintonia. Espanta que um dos maiores fenômenos recentes da Netflix, Stranger Things, aparece apenas em sexto lugar na lista (atrás de Titãs e Sex Education), ainda que a terceira temporada da série tenha sido uma das melhores até agora. Também espanta o fato da segunda temporada de Você ter ficado em décimo lugar na lista das mais assistidas, já que ela foi lançada há menos de uma semana — mas, pelo jeito, muita gente tem se esforçado nesses dias de fim de ano para sentir um pouco de empatia por um psicopata.

Continue lendo este artigo no Notícias Yahoo clique aqui.

Continue conosco, nosso blog tem muita indicação legal para você!

Confira os novos artigos clicando aqui.

#sejahojediferente #sejadiferente #correntedobem #heroisdoslacres #sejavoce #fuscadobem #fusquinhadobem #unidosdobem #ermelinomatarazzo

22.10.18

(DES)ENCANTO: Série é Renovada pela Netflix por mais duas temporadas.


A Netflix anunciou a renovação da série animada “(Des)encanto” por mais duas temporadas. A série já tinha sido encomendada com duas temporadas iniciais. Assim, ao encomendar 20 novos episódios, a Netflix garante que a atração ficará quatro temporadas no ar.

Chamada em inglês de “Disenchantment”, o desenho é a primeira produção de Matt Groening, criador de “Os Simpsons”, em quase duas décadas – desde o lançamento de “Futurama” em 1999. Mas não foi considerado tão divertido quanto os dois trabalhos anteriores, recebendo 63% de aprovação no site Rotten Tomatoes.

A trama se passa em um lugar mágico chamado Dreamland, descrito como “um reino medieval em ruínas”, e acompanha três protagonistas: a Princesa Bean, o elfo chamado Elfo e o demônio Luci. Eles são dublados em inglês por Abbi Jacobson (série “Broad City”), Nat Faxon (“Friends from College”) e Eric Andre (série “2 Broke Girls”), respectivamente.

“Estamos animados em continuar essa jornada épica com o Netflix. Fiquem ligados para mais suspense, viradas de jogo irritantes e personagens amáveis sendo derrubados”, disse Groening em comunicado.

A estratégia de anunciar com antecipação as novas temporadas se deve ao trabalho necessário para criar os episódios, garantindo que os animadores, roteiristas e dubladores sejam mantidos na equipe.

Os novos episódios serão exibidos em levas de 10 capítulos cada, de 2019 a 2021.

Na fonte de Pipoca Moderna

Sucesso, Saúde, Proteção e Paz!


Inscreva-se no Perfil Oficial do Administrador do SHD no Youtube, Não esqueça de clicar no SININHO para receber notificações de novos vídeos, deixe seu like e junte-se a Nós!

5.10.21

Boneca da série é colocada em frente a shopping e assusta pedestres | Round 6


Logo no primeiro episódio da série Round 6, conhecemos a boneca assustadora da brincadeira "batatinha 1, 2, 3", que eliminou diversos participantes do jogo ainda no começo. E para trazer ainda mais visibilidade à produção, a Netflix das Filipinas resolveu colocar uma réplica da boneca nas ruas e gravou a reação das pessoas.

No vídeo compartilhado no Twitter, a boneca gigante aparece na entrada de um shopping e ao lado de um semáforo, cantando quando o sinal está verde para as pessoas atravessarem. Quando o sinal está fechado e alguém tenta passar, ela parece se descontrolar, mas tudo não passa de uma brincadeira editada, é claro. Veja como foi essa experiência:


A boneca faz parte de apenas uma das brincadeiras mortais de Round 6, que reúne 456 pessoas que precisam urgentemente de dinheiro e que irão competir por uma quantia bilionária. A cada fase, os ganhadores seguem em frente e os perdedores são assassinados brutalmente. A premissa assustadora da série sul-coreana vem chamando a atenção dos assinantes da Netflix e batendo recordes desde seu lançamento — Rounrd 6 já é uma das estreias mais assistidas do serviço de streaming e conquistou o primeiro lugar no top 10 de 90 países, incluindo o Brasil.

Devido ao sucesso, o público vem questionando a possível confirmação para uma segunda temporada, o que foi inicialmente negado pelo criador da série, Hwang Dong-hyuk. Porém, ele deixou a possibilidade em aberto quando disse que, se acontecer, novos roteiristas e diretores serão contratados. Enquanto isso não acontece, Round 6 deve continuar na lista dos títulos mais assistidos por um bom tempo.

17.4.20

Novo reality da Netflix será a atração mais tentadora da quarentena


Relacionamentos são peça-chave da maioria dos reality shows de convivência. Brincando com Fogo, uma das apostas da Netflix para o período da quarentena provocado pelo coronavírus, aposta na mesma fórmula, mas com regras diferentes: os participantes deste novo programa podem até se relacionar com outras pessoas, mas estão proibidos de beijar ou fazer sexo.

O primeiro trailer da tentadora atração, divulgado nesta semana pelo serviço de streaming, mostra como o desafio deverá ser difícil. Um grupo de jovens chamados de "os mais sexy do mundo" são reunidos num retiro paradisíaco do México, onde precisam cumprir ordens de uma robô chamada Lana (uma assistente virtual muito parecida com Alexa, da Amazon).

O objetivo da brincadeira é se manter sem carinhos durante todo o jogo. Caso ninguém descumpra as regras, um prêmio de 100 mil dólares (em torno dos R$ 515 mil, na conversão) será dividido entre todos os participantes. Quando dois participantes (ou mais ao mesmo tempo, nunca se sabe) fraquejam e trocam fluidos, o valor total de premiação é reduzido - ou seja, todos perdem grana.

Participantes de diferentes lugares do mundo foram selecionados para disputar o grande prêmio coletivo. Lembrando sucessos como De Férias com Ex, Are You the One? e Soltos em Floripa, Brincando com Fogo estreia na Netflix em 17 de abril e promete ser uma das distrações mais quentes do streaming durante o período de isolamento social. Confira abaixo o trailer:



Fonte: Yahoo Vida e Estilo

14.2.20

Sobre a série Dark | Netflix

Fortes e Unidos Somos Melhores!
Seja Hoje Diferente:



A série tem fama de ser complexa, mas saber alguns conceitos de antemão pode tornar a produção da Netflix bem mais simples do que parece.

Talvez você já tenha ouvido isso de um amigo que assistiu a Dark: “Eu só consegui entender o que estava acontecendo depois de vários episódios”. Parece pouco convidativo acompanhar 40 minutos e simplesmente não entender o que está se passando na tela. Não à toa, esse é justamente um dos principais motivos para muita gente ter desistido da série.

Apesar disso, a primeira temporada da produção alemã, lançada em 2017, foi um sucesso. Ela se tornou uma das produções não faladas em inglês mais vistas do serviço de streaming. Com uma trama envolvendo desaparecimentos de crianças, relações familiares misteriosas, um acidente nuclear, um buraco de minhoca e várias linhas do tempo, a série conquistou o público que gosta de suspense, mistério e conspiração.



Dark é essencialmente uma série sobre viagem no tempo. A trama se passa na cidade fictícia de Winden, na Alemanha, e acontece de forma não linear, alternando um vai e volta entre 1953, 1986 e 2019. Esse três anos específicos representam dois ciclos de 33 anos. Segundo o personagem Dr. H.G. Tannhaus – que, na série, é autor do livro Viagem Através do Tempo –, esse número se repete de diversas formas na natureza. Por exemplo: o ciclo lunar e o ciclo solar se sincronizam a cada 33 anos.

Como a primeira temporada de Dark é de 2017, no início da série parecia que 2019 era o futuro mais distante dentro daquele universo. O responsável por esses saltos no tempo (e, consequentemente, por todos os desaparecimentos) é nada menos que um buraco de minhoca, teoria que os físicos Albert Einstein e Nathan Rosen criaram em 1935, sobre uma hipotética forma de se viajar pelo espaço-tempo. De forma absurdamente resumida, o buraco de minhocas é um “túnel” que serve de atalho entre dois lugares e tempos distantes.

Na 2019 de Dark, existe um buraco de minhocas em uma caverna, na pacata cidade de Winden. É ele o responsável pelo sumiço de diversas crianças – entre elas, Erik Obendorf, visto pela última vez no dia 22 de outubro, e Mikkel Nielsen, desaparecido em 4 de novembro.

O fato de essa fenda temporal estar exatamente ali não é por acaso: sua existência está vinculada a uma usina nuclear que acabou gerando uma explosão de graves proporções – o acidente de Chernobyl aconteceu justamente em 1986, então acredita-se que a escolha do ano não foi uma mera coincidência. Com isso, de alguma forma que a série ainda não esclareceu, o buraco de minhoca na caverna foi aberto, possibilitando a volta ou a ida no tempo.

Se você esta começando ver Dark agora no Netflix, sugerimos parar a leitura por aqui e não desistir desta série que é muito boa!

Agora se você não se importa com Spolier e queira continuar a leitura por favor clique aqui!

Um forte abraço!

10.2.20

Séries e filmes que abordam o mundo da gastronomia

Fortes e Unidos Somos Melhores!
Seja Hoje Diferente:


Divulgação Reprodução

O encontro entre o mundo do entretenimento e o da culinária é a febre do momento

Cada vez mais, o mundo gastronômico tem ganhado o mundo do entretenimento no Brasil e no mundo. Nos últimos anos, diversos foram os programas de televisão lançados no estilo reality show que focavam em apresentar os talentos na cozinha que chefs, profissionais ou não, detinham.

Além de ser divertido e educativo, programas com o foco gastronômico são inspiradores. Quem nunca tentou preparar a receita que seu chef favorito em algum programa preparou? Às vezes, antes mesmo de terminar o programa, já estamos com o celular na mão procurando a receita de um prato inspirador que vimos na televisão.

Para inspirar você ainda mais, separamos filmes, séries e documentários que também nos convidam a mergulhar no mundo da culinária. Estoure a pipoca, ligue a televisão e se inspire ainda mais! 

Ratatouille (2007)


Esse é para a família toda assistir junta! O filme é uma animação, se passa em Paris, na França, e conta história de Remy, um ratinho simpático que sonha em ser um famoso chef de cozinha. Remy, na busca desse sonho, conta com a ajuda de Linguini, um curioso e desastrado rapaz que trabalha num restaurante na cidade.

Juntos, Remy e Linguini se divertem e cozinham várias delícias! O título do filme, na verdade, é uma referência tanto ao ratinho quanto ao famoso prato francês de mesmo nome, o ratatouille de legumes. Que tal ir à cozinha para preparar esse prato que dá nome à produção?

Julie & Julia (2009)



Dirigido pela saudosa diretora norte-americana Nora Ephron, o filme intercala as biografias de Julia Child, uma famosa apresentadora de programa de culinária, e Julie, dona de casa que decide replicar mais de 500 receitas de um livro de culinária francesa escrito pela própria Julia.

Ah, quem interpreta Julia é a grandiosa Meryl Streep! Mais uma motivo para ir correndo assistir esse filme maravilhoso.

Chef’s Table (2015 - atualmente)

Num formato de série documental, Chef’s Table foca, em cada episódio, a história de um chef de cozinha celebrado mundialmente. É inspirador! A produção recorta tudo da rotina de trabalho dos profissionais, desde suas inspirações até os bastidores de suas cozinhas.

A dica especial é assistir o episódio do celebrado chef brasileiro Alex Atala, presente na segunda temporada. Chef’s Table é produzida pela Netflix e está disponível na plataforma.

Um ano em Champagne (2015)

Um talento gastronômico é saber harmonizar o prato com a bebida. Champagne é a província francesa que dá nome à bebida famosa. Nesse documentário, Martine Saunier, uma conhecida negociante local de vinhos — juntamente de sua equipe — acompanha a rotina da região durante um ano.

Disponível no Netflix, a produção audiovisual entrevistou, durante os 12 meses, especialistas, viticultores e empresários para entender as dinâmicas, a economia e a aura por trás da bebida exclusiva da região. 

Feed the Beast (2016)

Dois amigos de infância, Dion e Tommy, sonham em ter seu próprio restaurante de alta gastronomia no Bronx, na cidade de Nova Iorque. A série mescla os dramas da região nova-iorquina, com os desafios de se ter um negócio ali. A cereja do bolo são os dramas pessoais dos personagens principais.

Dion acaba de sair da cadeia e tem contas a prestar com a máfia local. Já Tommy é um sommelier e pai divorciado com uma difícil relação com álcool. A série tem apenas uma temporada de dez episódios e vale cada minuto assistido. Também está disponível no Netflix.

Mesa Para Todos (2019)

Produção brasileiríssima, Mesa Para Todos é um documentário que orbita em torno do projeto Refettorio Gastromotiva, um restaurante escola. Os pratos foram elaborados pelos melhores chefs do mundo durante as Olimpíadas no Rio de Janeiro, em 2016, utilizando alimentos que seriam jogados fora.

Os envolvidos no projeto partilham de um mesmo sonho: levar comida de qualidade a todos que passam fome. A produção, além de inspiradora, é emocionante!

30.10.19

Netflix vai investir em produções brasileiras 2020

Em palestra na Futurecom, Greg Peters anunciou que pretende ampliar a produção local e mudar a maneira de produzir entretenimento no Brasil

Divulgação Reprodução

A Netflix anunciou, na manhã desta terça-feira (29), que pretende investir R$ 350 milhões em produções originais brasileiras em 2020. O anúncio foi feito por Greg Peters, diretor global de produto da empresa, em palestra na Futurecom, em São Paulo.

Os recursos serão investidos em novas séries e temporadas de títulos atuais do catálogo, bem como filmes e documentários, em um total de 30 produções entre 2019 e 2020. A criação de conteúdos da Netflix no Brasil já gerou cerca de 40 mil empregos no país desde 2016. A empresa busca mudar a maneira de produzir entretenimento brasileiro, indo além do negócio doméstico.

Em sua fala, Peters relembra os impactos positivos da criação de conteúdo local, como ocorreu com KondZilla e sua série "Sintonia", que atualmente é o segundo programa brasileiro mais popular no streaming. "Isso não é algo que se faz com criadores separados em uma sala, em um escritório em uma cidade distante, mas sim com a vida local", afirmou.

Vale lembrar que tramita no Senado o Projeto de Lei 57/2018 que regula a comunicação audiovisual sob demanda. A proposta obriga os provedores de serviços a destinarem anualmente um percentual de sua receita à produção ou aquisição de direitos de obras brasileiras.

Via Olhar Digital

14.10.19

Conheça produções assustadoras da Netflix baseadas em casos reais

Nem só de demônios e espíritos se faz um filme, série ou documentário assustador. Muitas vezes, histórias reais sobre crimes bárbaros, pessoas que pareciam indivíduos comuns e que, de repente, se pegam em uma situação de pura crueldade dão aquele calafrio. Quando se trata de uma história baseada em fato real, então, pior ainda.

Imagem Reprodução Divulgação

Se você adora assistir a um bom filme, série ou documentário para se assustar, ou apenas para conhecer a simulação de histórias que fizeram o mundo se amedrontar, a Netflix é uma plataforma carregada com esse conteúdo.

E como o Dia das Bruxas, o famoso Halloween, está batendo à porta, preparamos uma lista com os filmes e séries mais assustadores baseados em casos reais para você maratonar até lá.

Fique perto do interruptor, tranque todas as portas de casa, pegue um crucifixo, um copo de água e confira no link abaixo:

10 produções assustadoras da Netflix baseadas em casos reais

Eu, Alessandro Turci recomendo ver primeiro "Eu Vi", são poucos episódios em duas temporadas, os demais da lista ainda estou para ver alguns e outros já vi e recomendo também após o "Eu Vi".

Um forte abraço

10.10.19

Mestres do Universo: remake de He-Man pode estrear na Netflix

Frente à possibilidade de um fracasso de bilheteria, a Sony Pictures está negociando com a Netflix para vender seu remake de He-Man, Mestres do Universo, estrelado por Noah Centineo (Para Todos os Garotos que Já Amei). Segundo o The Hollywood Reporter, o presidente do estúdio, Tom Rothman, está explorando a perspectiva de obter dinheiro sem risco para o projeto caro, levando-o à plataforma de streaming. As negociações são preliminares, mas esse acordo tornaria a Sony o próximo estúdio depois da Paramount a começar a fazer filmes pertencentes exclusivamente à plataforma.

As informações são do Canal Tech Confira

A princípio, foi anunciado que esse filme chegaria aos cinemas em dezembro de 2017, mas a Sony acabou segurando o projeto. Embora o estúdio possa fazer parceria com alguém para dividir o custo do projeto e dividir os lucros das bilheterias, não há como dizer quão lucrativo seria o remake do famoso herói.

Segundo o The Hollywood Reporter, a Sony quer reforçar seus resultados, em parte após um fracasso significativo no MIB: Homens de Preto Internacional. Josh Greenstein, co-presidente do grupo, levantou preocupações de que o estúdio gastou muito em marketing, especialmente em títulos que pareciam enfrentar ventos contrários que antecederam o lançamento. 

As negociações da Sony acontecem apenas um mês depois que a empresa vendeu Harbinger, uma adaptação de um quadrinho da Valiant Entertainment. Embora os termos do acordo não sejam conhecidos, o filme em questão deve entrar em produção ainda neste ano.

Imagem Divulgação Reprodução

A Netflix já conta com um remake de She-Ra em seu catálogo, que é a série animada She-Ra e as Princesas do Poder, que atualmente conta com três temporadas. A primeira temporada foi inserida na plataforma de serviços streaming em 13 de novembro de 2018.

Neste ano, a Sony teve um grande sucesso nos cinemas com o Homem-Aranha: Longe de Casa (co-produzido pelos estúdios Marvel da Disney), que faturou US$ 1,3 bilhão (R$ 5,4 bilhões) em todo o mundo.

6.9.18

Email: Sua conta está suspensa - Netflix


A Nodes Tecnologia, distribuidora das soluções antivírus Avira no Brasil, identificou nova onda de ataques dos criminosos cibernéticos contra os usuários da Netflix. 


Por meio de uma mensagem falsa, os criminosos pedem para que o cliente do aplicativo atualize a sua forma de pagamento do serviço, oferecendo um link para uma página também falsa para coletar os dados bancários e de cartões de crédito da vítima.

Na mensagem os criminosos alegam que “houve um problema com a autorização do pagamento” e por isso o serviço foi “interrompido”. Além disso, é solicitado que o cliente “entre em contato com a emissora do cartão de crédito” caso “os problemas persistirem”.


Na verdade, segundo Eduardo Lopes Freire, diretor da Nodes Tecnologia, a mensagem apenas usa um discurso habitual deste tipo de ataque. “Os criminosos apostam na desatenção do usuário e na possibilidade dele realmente enfrentar algum tipo de interrupção do serviço por qualquer motivo, técnico ou financeiro. Este método de ataque é conhecido como Engenharia Social, no qual os atacantes maliciosos abusam da ingenuidade ou confiança do usuário para obter informações que podem ser utilizadas para ter acesso não autorizado a computadores e informações. Neste caso os dados bancários e de cartões de crédito do cliente NETFLIX são o objetivo”, explica o especialista.


O especialista também orienta a nunca acreditar neste tipo de mensagem e que o cliente acesse diretamente a sua conta para apurar o saldo de crédito do serviço. “Também é necessário manter todos os programas de computador sempre atualizados, assim como o software antivírus, que deve ser abrangente e com recursos avançados de proteção contra as ameaças novas ainda desconhecidas”, acrescenta Lopes Freire. “Nas empresas é importante promover o treinamento dos funcionários para que as equipes possam conhecer os tipos de ameaças usadas pelos criminosos e, assim, possam atuar de maneira pró ativa na proteção da rede corporativa”, destaca o especialista.


Informação Original encontrada no Portal N10 clique aqui.


Sucesso, Saúde, Proteção e Paz!



4.9.18

O que é Netflix ?


Netflix é uma provedora global de filmes e séries de televisão via streaming, atualmente com mais de 100 milhões de assinantes. Fundada em 1997 nos Estados Unidos, a empresa surgiu como um serviço de entrega de DVDs pelo correio.

A expansão do streaming, disponível nos Estados Unidos a partir de 2007, começou pelo Canadá em 2010. Hoje, mais de 190 países têm acesso à plataforma. Sua primeira websérie original de sucesso foi House of Cards, lançada em 2013.

Hoje em dia, a empresa produz centenas de horas de programação original em diferentes países do mundo, querendo aprimorar-se nas aplicações e em novas programações. Os planos foram apresentados no Mobile World Congress em Barcelona, Espanha.

Em setembro de 2016 a empresa anunciou que planeja ter 50% do catálogo composto de produções originais.

Sugestão de vídeo: Netflix | O que é? | Como funciona? | Vale a pena?


16.8.18

DESencanto de Matt Groening estréia na Netflix


(Des)encanto, nova série da Netflix criada por Matt Groening acaba de ganhar um trailer oficial durante a SDCC 2018 que mostra mais de cada um dos personagens malucos da aventura e mostra que aquela ideia de que você pode fazer qualquer coisa se acreditar em si mesmo nem sempre é verdade.

A série acompanha as insanas aventuras de Bean, uma princesa bêbada; um elfo chamado Elfo; e um demônio cujo nome é Luci. 

Os três vivem situações caóticas na terra fantástica de Dreamland.



Ano passado, a Netflix encomendou 20 episódios da série '(Des)Encanto', uma animação adulta de comédia e fantasia criada por Matt Groening.

Na série, os telespectadores serão levados para o reino medieval de Dreamland, onde eles seguirão as desventuras da jovem princesa Bean, seu companheiro Elfo e seu demônio Luci. 

Ao longo do caminho, o trio excêntrico encontrará ogros, sprites, harpias, imps, trolls, morsas e muitos tolos humanos.

A primeira temporada será lançada amanhã 17 de agosto.

Agradecimentos:

Jovem Nerd

Cine POP

10.10.21

Paulo Guedes quer tributar Bitcoin, cashback e até milhas aéreas


O Secretário da Receita Federal, afirmou nesta semana que a nova CPMF ainda está nos planos do governo e ela pode afetar até mesmo o Bitcoin, cashback e milhas aéreas.

A temida volta da CPMF pode aumentar a tributação de serviços online como Netflix, Disney Plus, assinaturas do Google e todo tipo de compra virtual, mas a taxação de transações com Bitcoin será uma tarefa difícil. 

A temida volta da CPMF e a taxação do bitcoin por Paulo Guedes
A fala do secretário especial da Receita Federal, José Tostes Neto, foi uma resposta a questionamentos de empresários, que falaram com o chefe do Fisco em almoço da Frente Parlamentar do Empreendedorismo.

Ele então disse nesta terça-feira (05) que um eventual retorno da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) teria de incidir sobre operações financeiras como compras com bitcoin, cashback e programas de milhagem.

“Hoje em dia não existe mais comércio somente na forma tradicional. Eu uso a moeda digital, uso o cashback, uso programa de milhagem para comprar um monte de coisa. Eu não compro com dinheiro tradicional. Então isso não pode deixar de ser considerado se nós estamos discutindo como uma nova tributação possa incidir”, disse.

A nova CPMF vai aumentar a tributação de serviços online como Netflix, Disney Plus, assinaturas do Google e todo tipo de compra virtual. Contudo, a tributação sobre transações de bitcoin, apesar de vislumbrada por burocratas, não é facilmente implementável. 

O Bitcoin não tem um órgão centralizador e o governo brasileiro não tem poder algum sobre os mineradores de bitcoin ao redor do mundo, tornando a medida completamente ineficiente. A não ser que o imposto seja aplicado nas exchanges de criptomoedas, o que dificultaria a competitividade das corretoras nacionais, levando a perda de milhares de empregos. 

Em 2020, Paulo Guedes chegou a propor a ideia de um novo imposto como forma de ajudar na retomada da economia depois da pandemia. Na época, a proposta foi batizada de “micro imposto digital de 0,2%”.

Em outubro de 2020, porém, depois de pressão política de deputados e senadores, que não viam clima para discutir novos impostos em meio à pandemia, o ministro disse que desistiu. 

1.9.21

Netflix vai lançar nova versão de O Massacre da Serra Elétrica


Um dos maiores clássicos de terror irá ganhar uma nova versão pela plataforma de streaming, ainda sem data confirmada.

A era dos reboots e novas produções acaba de ganhar mais um importante componente. A Netflix vai lançar o novo filme da franquia de terror O Massacre da Serra Elétrica. A informação é do THR, que ainda revelou que a plataforma de streaming comprou os direitos de distribuição após negociações com o estúdio Legendary. Ainda não temos uma data oficial para o lançamento da produção, mas algumas informações já foram confirmadas.

O Massacre da Serra Elétrica será uma continuação direta do clássico de 1974, dirigido por Tobe Hooper. Todas as produções lançadas depois disso serão deixadas de lado na história principal, tanto as sequências quanto os remakes. O cenário será ambientado alguns anos depois dos eventos do filme original, mostrando como o assassino Leatherface reaparece após a fuga de Sally.

O elenco inclui Elsie Fisher, Sarah Yarkin, Jacob Latimore e Moe Dunford. A direção será assumida por David Blue Garcia, enquantoo roteiro é de Chris Thomas Devlin.

Ainda não há uma data oficial para O Massacre da Serra Elétrica. 


GeraLinks - Agregador de links