Mostrando postagens com marcador Setor Terciário. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Setor Terciário. Mostrar todas as postagens

26.10.21

Quais tipos de liderança existem no mercado? Entenda isso e muito mais!

Quando falamos sobre tipos de liderança no mercado, não estamos tratando de pessoas com mentalidade de chefe, mas da visão holística sobre as empresas. 

De maneira geral, os líderes precisam trabalhar em conjunto, sempre buscando entender o lado do empregado e empregador. O propósito é intermediar essa relação e levar o que é melhor no equilíbrio entre os dois.

Por isso, neste artigo vamos falar sobre os tipos de liderança que existem no mercado, além de outros tópicos importantes sobre o assunto.

Se você ficou interessado, continue aqui e acompanhe!

Por que os líderes são importantes nas empresas?


Não basta aprender sobre os tipos de liderança, sobre o papel desse profissional, entre outros conceitos. É importante reconhecer o valor de um bom líder e como isso pode refletir no trabalho de uma empresa. 

A atuação dos líderes é de tanta extrema valia, porque eles são responsáveis pelo acompanhamento das atividades dentro de uma empresa e orientação dos funcionários. 

Essa orientação, todavia, não é uma aula ou auditoria qualquer. O líder estuda o perfil do colaborador e tenta entender o comportamento dessa pessoa. Com essas informações, ele consegue desenhar uma estratégia de melhorias para a empresa.

Com a presença apenas de chefes tradicionais, a figura de autoridade é a única base que os colaboradores têm. Isso pode ser ruim, pois além de afastá-los da empresa, faz com que muitos se sintam insatisfeitos. 

Qual o papel de um bom líder?

O papel de um bom líder é procurar sobre os tipos de liderança e entender como é o perfil da empresa onde ele trabalha. 

Com a metodologia escolhida, ele consegue ver os problemas que estão acontecendo internamente na empresa e procurar soluções viáveis, que ajudam a resolver essas questões. 

O papel do líder é também amparar as equipes e os funcionários, de forma que eles se sintam protegidos e acolhidos pelo negócio. O ambiente de trabalho é um local em que as pessoas precisam se sentir bem, não com medo de qualquer represália.

Fora isso, o responsável por essa liderança pode desenvolver treinamentos, cursos e até mesmo buscar novos funcionários para a empresa.

Quais os tipos de liderança que existem?


No mercado existem muitos tipos de liderança para seguir. O profissional que cuida dessa área deve pensar em qual modelo se encaixa, como também as melhores metodologias para usar com a empresa que trabalha atualmente.

Separamos quatro opções muito conhecidas, que podem ser a sua escolha:

  1. Líder democrático

O tipo de liderança democrática é aquele em que os colaboradores podem participar a todo momento da tomada de decisões, como também dar sugestões sobre trabalhos e outros contextos. 

O propósito é fazer com que todos participem e deixem um pequeno registro da sua opinião em alguma tarefa realizada. Contudo, é preciso salientar que líderes que investem nessa modalidade podem demorar para tomar qualquer posicionamento.

Como é preciso “digerir” tudo que os colaboradores falaram e assim criar soluções, o profissional precisa de tempo e paciência. É uma metodologia mais lenta, mas que pode valer a pena. 

  1. Líder liberal

O líder liberal é aquele que confia nas equipes e acredita que a autogestão é a solução.

Este líder separa a tarefa necessária para os funcionários e deixa que eles atuem sozinhos, já que são profissionais e sabem o que estão fazendo. Se houver alguma dúvida no meio do caminho, ele está ali para ajudar, mas sem interferir na estratégia combinada pela equipe.

O problema é o mesmo do democrático: a tomada de uma decisão certeira e até mesmo a produtividade podem ser baixas. Esses dois tipos de liderança dão liberdade, porém requer mais paciência para deixar os colaboradores se ajeitarem e acertarem. 

  1. Líder autocrático

O líder autocrático, entretanto, é o mais diferente da lista. Ele é a verdadeira figura de “chefe”, que passa o que deve ser feito para todos e espera os resultados exatos. 

É, sem dúvidas, o processo que anda mais rápido. Como os funcionários já recebem as ordens mastigadas, com tudo que é preciso ser feito, eles não têm muita dificuldade com planejamento e outros pontos.

Contudo, a liderança autocrática pode ser complexa vista de outro lado. Além de afastar os colaboradores de um relacionamento saudável, é arriscado também deixar as equipes desamparadas quando a figura do chefe não estiver por perto para dar ordens.

  1. Líder motivador


O último entre os tipos de liderança é o gestor motivador. Este trabalha com o psicológico dos funcionários, mostrando o propósito de cada atividade e qual a finalidade daquilo tudo. A intenção é comovê-los e deixá-los mais engajados com o serviço. 

Algumas pessoas confundem com o perfil coach, mas é diferente. Os líderes motivadores estão ali apenas para estimular e escutar as dores dos colaboradores. Eles não fazem nenhum tipo de avaliação sobre como está o trabalho de cada um. 

Por um lado, pode ser bom para melhorar o clima da empresa e ajudar a auto estima de cada funcionário. Mas, quando fica repetitivo, os times podem se cansar e achar até mesmo chato. 

Conclusão

Os tipos de liderança precisam seguir o padrão ideal para cada empresa. O profissional não precisa necessariamente ter o mesmo perfil o tempo todo, ele pode mesclar as ações democráticas com motivadoras.

O importante é experimentar e analisar o que está ajudando os funcionários. Quanto melhor for o resultado entre eles, mais o líder deve investir nessa metodologia.

Mais do que nunca, o líder precisa ter uma visão holística da empresa, entendendo todos os lados que podem afetar os colaboradores e assim refletir nos resultados.

19.10.21

Como atrair mais clientes para o seu negócio com as melhores estratégias de vendas

Vender é uma arte. Afinal, esse ramo profissional exige conhecimento e jogo de cintura em estratégias de vendas.

Felizmente, hoje em dia existe uma grande amplitude de recursos, ferramentas e plataformas para cuidar disso de forma mais assertiva.

Por outro lado, o ambiente mais democrático da internet faz com que a concorrência entre empresas aumente muito e os clientes se tornem mais exigentes.

Com isso, os gestores precisam ficar atentos ao surgimento de novos empreendimentos e às tendências que nascem e crescem na internet e, para isso, conhecer técnicas de vendas de maneira aprofundada é imprescindível.

Não deixe de conferir este texto para entrar em contato com estratégias sofisticadas e começar a vender mais e melhor.

Dicas para chamar a atenção do público

É impossível falar em vendas feitas pela internet sem falar em estratégias de Marketing Digital.

Esse conjunto de técnicas proporciona ferramentas e plataformas extremamente valiosas para que empresas dos mais variados ramos cresçam junto ao público da web.

As dicas a seguir incluem conceitos relacionados a esse tipo de marketing:

  • Persona;
  • Funil de vendas;
  • Fidelização;
  • Gatilhos mentais.

Continue acompanhando o texto e tenha acesso às principais informações dessas importantes técnicas de vendas.

  1. Estabeleça sua persona

Antes de gastar recursos com campanhas ambiciosas de Instagram Ads, é necessário definir com clareza a parcela do público que você procura alcançar. Para isso, use o conceito de persona para fazer isso da maneira mais aprofundada possível.

Em linhas gerais, a persona é uma evolução da ideia de público-alvo. Em vez de se ater apenas a informações gerais, o conceito também comporta dados mais abstratos.

Tradicionalmente, a identificação da persona de um negócio envolve o estudo dos sonhos, hobbies e interesses das pessoas.

O foco é ter acesso a informações mais aprofundadas do público para poder atendê-los com maior especificidade.

  1. Aposte em gatilhos mentais

Os gatilhos mentais são estratégias certeiras para fazer com que negociações se transformem em vendas efetivas.

Não basta investir em uma ação como anunciar no Google Ads sem trabalhar em maneiras complementares para engajar visitantes.

Saber gerar valor para o cliente é um gatilho mental clássico. O vendedor tem que demonstrar que o produto ou serviço realmente pode sanar o problema que a pessoa busca solucionar.

Criar senso de urgência é um outro exemplo. Afinal, é necessário passar a mensagem de que determinada oferta vai durar por tempo limitado ou que o estoque está no fim.

Demonstrar autoridade e apostar no valor social da marca também são gatilhos pertinentes.

  1. Faça o acompanhamento do funil de vendas

Uma vez que um novo visitante entra no seu site, é necessário acompanhar o progresso dele pelo funil de vendas.

O funil de vendas é formado por etapas que caracterizam o nível de propensão à compra em que cada consumidor se encontra.

Há os estágios de percepção do problema, a consideração das opções para solucioná-lo e, finalmente, a decisão de compra.

Utilize ferramentas personalizadas como Google Analytics para monitorar métricas fundamentais do funil de vendas, como:

  • Origem de tráfego;
  • Tempo de permanência na página;
  • Quantidade de cliques;
  • Tipos de interações no site.

A realização do monitoramento constante do funil garante mais conversões e um atendimento mais personalizado, entre muitos outros benefícios.

  1. Pense na fidelização

A equipe de vendas da empresa definiu a persona, usou gatilhos mentais para aprimorar como funciona o Facebook Ads e acompanhou o funil de vendas de perto.

Finalmente, veio o resultado tão aguardado: uma conversão efetiva. Mas não pense que o trabalho terminou.

A partir de agora, a marca tem que continuar marcando presença, mas de forma equilibrada, sem parecer invasiva.

As estratégias pós-venda são essenciais para garantir o que no marketing digital se chama fidelização.

Um cliente de primeira viagem tem que continuar sendo lembrado da empresa, para que ele volte a fazer compras com ela.

As técnicas mais eficazes de fidelização são fazer a segmentação de ofertas especiais por e-mail, estabelecer programas de fidelidade, oferecer tratamento personalizado e saber ouvir críticas e sugestões.

Considerações finais

O texto que você acabou de ler traz um breve guia das principais estratégias de vendas que são utilizadas no meio digital.

Os e-commerces e demais sites de marcas têm muito a ganhar ao estudar essas novas possibilidades de vender produtos e serviços.

Desse modo, recorrer ao uso de palavras-chave e demais ações de marketing é a forma de marcar presença nos canais de comunicação frequentados por possíveis clientes sem apostar em ações invasivas.

5.10.21

Empresas buscam pessoas que não param de aprender


A aquisição de conhecimento é hoje a ferramenta mais poderosa no mundo corporativo. E a capacidade de adquirir mais conhecimento e, principalmente, aplicá-lo para soluções é o grande diferencial dos candidatos que têm sido contratados por empresas de alta performance. Empresas e mercados precisam de pessoas que não se contentam com respostas prontas.

As atuais gerações que estão ingressando no mercado de trabalho já chegam com um comportamento diferenciado em relação a aquisição de conhecimentos, pois o acesso à informação tem sido cada vez mais facilitado por meio da tecnologia e da internet, e essa geração sabe fazer isso desde bebê. Para quem não é dessa geração, o aprendizado que se pode obter diante desse novo comportamento é o fato de que é necessário aprender sempre, e cada vez mais.

Ninguém mais precisa ter medo de perguntar ou vergonha de parecer ignorante. Basta consultar sites de pesquisa e em poucos segundos um mundo de possibilidades se abre por meio do acesso à informação em forma de significado, literatura, imagem, vídeo e o que mais houver à disposição sobre o tema. Selecionei algumas dicas que podem mudar seu estado de espírito e ajudar a adquirir mais conhecimento.

Como adquirir mais conhecimento?

1. Mude o hábito aos poucos

Se você não gosta de ler, para romper a barreira do hábito, separe leituras curtas e de assuntos que atraiam a sua atenção. Gradativamente o hábito de ler se tornará um prazer.

2. Mergulhe em sua área

Busque conhecimentos prioritariamente em sua área de atuação, de forma a aumentar conhecimentos específicos ou, pelo menos, manter-se atualizado diante das mudanças que teimam em chegar cada vez mais rápido.

3. Leia em outro idioma

Ler em outro idioma permite que você acumule conhecimentos em duas frentes ao mesmo tempo. Faça suas leituras técnicas em inglês, por exemplo. A ideia é escolher fontes dos países que são relevantes para sua área de atuação.

4. Procure cursos online

Algumas universidades públicas e particulares oferecem cursos de especialização a distância, gratuitos inclusive, de excelente qualidade e que podem ser de grande valia em tempos de redução de despesas.

5. Tenha um mentor

Se está com tempo livre, aproveite para conversar com pessoas que podem lhe acrescentar visões ou dicas de aperfeiçoamento na sua área e aprenda com a vivência e os bons exemplos das pessoas que você respeita.

6. Faça perguntas

Pergunte, sim, tudo o que quer saber, para tudo e para todos que possam trazer luz à sua dúvida. Ao contrário do que imaginou-se durante muito tempo, ignorante não é o que expõe sua situação de desconhecimento fazendo perguntas, mas aquele que se contenta em continuar ignorando assuntos, apenas por furtar-se a perguntar do que se trata.

Por fim, aprenda sempre!

4.10.21

Vender marmitex dá dinheiro?


Será que vender marmitex dá dinheiro? Essa é uma dúvida de quem está planejando começar na área e aqui eu vou lhe explicar se é um negócio lucrativo ou não!

Tem crescido bastante o número de pessoas se dedicando a produção de marmitex para vender, ou quentinhas como também são chamadas. Por conta disso, esse segmento se tornou um dos mais procurados pelos novos empreendedores que estão surgindo.

Naturalmente, trabalhar com a venda de produtos alimentícios costuma ser um bom negócio e dá lucro na maioria dos casos.

Mas será mesmo que vender marmitex dá dinheiro a ponto de viver apenas disso? Continue lendo que eu vou fazer um cálculo básico para que você tenha noção de aproximadamente quanto dá para lucrar vendendo marmitex!

Vender marmitex dá dinheiro?

Sim, você pode ganhar um bom dinheiro todo mês apenas fazendo e vendendo marmitex em sua cidade. Hoje esse pequeno negócio se tornou uma das melhores fontes de renda para quem deseja começar um pequeno negócio.

Se você focar na qualidade das suas marmitas e fidelizar sua clientela, com certeza os lucros virão. Tanto que existem pessoas lucrando de R$ 2 a R$ 10 mil Reais por mês produzindo marmitex para vender. Muitos começaram a partir de casa, utilizando a própria cozinha e os próprios utensílios básicos.

Então é sim um bom negócio e pode ser a oportunidade que você estava procurando. Afinal a venda de marmitex já tirou muitas pessoas da crise e mostrou novas oportunidades para quem não conseguia um emprego fixo.

Qual o lucro na venda de marmitex?

A questão do lucro é um dos detalhes mais importantes para quem vai trabalhar com marmitex, pois no final das contas, o lucro é o que importa. Porém, ele não é tão simples de saber, pois varia de negócio para negócio e vai depender dos custos que você tem na sua produção.

Porém, na maioria dos casos a margem de lucro da marmitex costuma ficar entre 15% e 25%. Em alguns casos é possível conseguir uma lucratividade melhor, mas a tendência é que você fique nessa faixa de lucro.

Então vamos fazer uma simulação para você ter uma noção de quantas marmitex precisará vender para ter um lucro interessante:

O preço da marmitex costuma variar de acordo a quantidade de comida, mas ela é vendida a partir de R$ 10 Reais. Vamos supor que a sua média de preços seja de R$ 12 Reais por marmitex (colocando uma pela outra).

De inicio você poderá conseguir vender 50 marmitex por dia tranquilamente. Isso dará um faturamento diário de R$ 600 Reais e um faturamento de R$ 14400,00 Reais trabalhando 24 dias no mês. Se você conseguir uma margem de lucro de 25%, que é totalmente possível, você estará lucrando R$ 3600,00 Reais por mês.

Esse é apenas um cálculo básico, porque existem pessoas que vendem mais de 200 marmitex por dia e dá para atingir também um lucro melhor. Mas de qualquer forma, deu para você ter uma noção de quanto dá para ganhar vendendo marmitex.

Basta fazer esse tipo de cálculo levando em conta o preço médio da marmita em sua cidade e quanto você consegue ter de margem de lucro. Assim dá para chegar mais ou menos a um valor de lucro que você poderá ter no mês.

Local para vender marmitex

Tem muita gente que começa na própria casa e essa pode ser uma opção para você, principalmente se tem pouco dinheiro para investir. Porém se você for produzir em casa, é importante ter alguma estratégia para conseguir chegar até o seu público.

Caso você queira trabalhar em um local com melhor visibilidade e onde lhe proporcione uma maior facilidade para conseguir clientes, a minha dica é alugar um espaço. De preferência que seja em uma rua de fácil acesso e com boa circulação de pessoas.

Locais próximos a escolas, rua com bom movimento, próximo a estação de metrô ou ônibus, por exemplo, são bons locais para vender marmitex.

O espaço não precisa ser muito grande se você for trabalhar apenas com a venda. Para isso, cerca de 40m² é mais que suficiente. Porém se você quiser colocar mesas e cadeiras para alguns clientes comer no próprio local, precisará avaliar melhor o espaço e procurar um local um pouco mais amplo.

Como fazer marmitex para vender? 

Agora que você já sabe que vender marmitex dá dinheiro, precisará começar colocar sua ideia em prática. Se você já cozinha bem, está com meio caminho andado para o sucesso. Porém mesmo assim é importante buscar mais conhecimento para se preparar.

Nesse inicio, você precisará treinar bastante para conseguir produzir alimentos de boa qualidade e ir aperfeiçoando aos poucos. Depois disso, o recomendado é você criar um cardápio semanal para marmitex, com os alimentos que serão servidos em cada dia da semana.

Em seguida, é só se preparar e se organizar para o trabalho. Afinal, a produção das marmitas deve começar cedo para conseguir iniciar a entrega a partir das 11 horas da manhã, por exemplo.

Quanto preciso investir para vender marmitex?

O investimento inicial irá variar bastante, pois depende do tipo de negócio que você pretende montar, da localização e de vários outros fatores. Tanto que em alguns casos o custo é extremamente baixo, pois as pessoas iniciam a partir de casa.

Se você for montar um negócio de marmitex em um local mais estratégico em sua cidade, é estimado que o investimento inicial fique na faixa dos R$ 3 a R$ 12 mil Reais.

A maior parte desse investimento será destinado a organização do espaço. Além disso, deverá comprar um fogão industrial, utensílios de cozinha, uma máquina de fechar marmitex, ingredientes para produzir as marmitas, embalagens para marmitex e outros itens diversos.

Como vender marmitex?

Desde o inicio é importante você pensar nos seus clientes. Afinal, para quem você vai vender suas marmitas? O lado bom é que você poderá vender para os mais diversos tipos de pessoas, pois a procura está sempre crescendo.

Então os seus principais clientes serão os estudantes, pessoas que trabalham em empresas ali por perto, famílias que compram comida fora e outros mais. Além disso, se você conseguir pareceria para fornecer marmitex para empresas, a tendência é que seu faturamento aumente bastante.

Conseguindo parceria para fornecer para obras, você poderá se destacar ainda mais no mercado e conseguir um faturamento legal todo mês. Então pense nisso como uma possibilidade de crescimento seu novo negócio.

Dicas para ganhar mais dinheiro com marmitex

Vender marmitex dá dinheiro e tudo depende do seu próprio empenho para conseguir ganhar uma boa grana todo mês com esse negócio.

A seguir eu vou listar algumas dicas extras para você colocar em prática e quem sabe até mesmo dobrar o seu faturamento vendendo marmitex. São detalhes simples, mas que podem fazer total diferença para o crescimento do seu negócio:

1. Escolha um bom local para vender marmitex
Dificilmente você conseguirá vender marmitex e ter sucesso com isso trabalhando em um local de difícil acesso, onde não circula muitas pessoas.

Por isso é sempre importante planejar muito bem o seu local de trabalho antes de começar vender marmitex.

2. Tome cuidado com a higiene
Por se tratar de um produtos alimentício, vale sempre lembrar que os cuidados com a higiene do local e dos produtos é algo importantíssimo. Quanto mais qualidade for oferecida, mas resultados positivos serão obtidos.

3. Faça divulgação das suas marmitas
A divulgação do seu novo negócio é algo imprescindível para que os clientes comecem a chegar. Logo quando estiver com tudo pronto, é recomendável que divulgue para o maior número de pessoas possível.

Hoje em dia as redes sociais é uma ótima ferramenta para divulgar suas marmitex e também interagir rapidamente com seus clientes. Através delas é possível receber encomendas e fazer com que seu negócio seja visto por novas pessoas.

4. Ofereça entrega em domicílio
Muitas famílias podem se interessar em receber suas marmitas em casa ou até mesmo as pessoas que trabalham em empresas. Dessa forma, vale a pena implementar o disk marmitex em seu negócio para facilitar a vida dessas pessoas.

Vale a pena vender marmitex?

Com certeza vale muito a pena sim trabalhar com a venda de marmitex hoje em dia. Essa é uma excelente oportunidade para quem deseja começar trabalhar por conta própria, mas tem pouco dinheiro para investir.

Além disso, os produtos alimentícios costumam ter uma aceitação muito grande no mercado e se tiver qualidade, vai vender com certeza. Sem falar que da para atingir um bom lucro se você tiver um volume interessante de vendas todos os dias.

Então agora só depende de você para colocar isso em prática e começar lucrar. Você já viu que vender marmitex dá dinheiro e que existem pessoas lucrando muito com isso, portanto acredite na sua ideia e coloque em prática.

Eu espero que esse conteúdo tenha lhe ajudado de alguma forma e que você possa ter muito sucesso nessa nova empreitada.

Recomendo que veja também o artigo sobre frases para vender marmitex que postamos aqui. Porque vai lhe ajudar a divulgar ainda mais seu negócio!

30.9.21

Após quase embarcar numa falência, Onfly também vai viajar pelas estradas


Quando a pandemia chegou ao Brasil, em março de 2020, a mineira Onfly, uma plataforma onde empresas podem comprar passagens aéreas e outros serviços de viagens para seus funcionários, foi uma das várias companhias – principalmente de turismo – que flertaram com a falência.

Com o País parado e os aeroportos vazios, a startup viu o volume de transações cair de R$ 1,7 milhão em fevereiro para apenas R$ 14 mil no mês seguinte. Sem receita, teve de demitir 18 dos 22 profissionais. Por pouco, não fechou as portas. “Pensei nisso pelo menos umas dez vezes”, lembra o CEO e cofundador da Onfly, Marcelo Linhares, em entrevista ao NeoFeed.

De julho em diante, a situação começou a melhorar aos poucos, à medida que o número de casos da primeira onda foi diminuindo e alguns setores foram voltando a viajar. Naquele mês, as transações subiram para R$ 100 mil e, em fevereiro de 2021, já estavam em R$ 1 milhão.

“Empresas de setores como agronegócio, engenharia e saúde contribuíram para a retomada”, afirma o executivo. Antes da pandemia, 90% dos clientes eram de tecnologia. “Se não fosse pelos setores tradicionais, teríamos morrido.”

Ainda que a pandemia não tenha acabado, a Onfly já está até melhor do que antes da crise. As transações, que devem fechar o ano em R$ 40 milhões, são três vezes maiores e a equipe já tem o dobro de pessoas, com 46 funcionários e perspectiva de contratar mais 14.

De pé novamente, a Onfly agora mira outras estradas. Além das passagens aéreas, hospedagem e locação de veículos, a startup se prepara para incluir viagens de ônibus em sua plataforma, para atender à demanda de empresas que precisam mandar funcionários para cidades distantes de aeroportos.

“Era um pedido que vinha principalmente de clientes da área de engenharia civil e construção, que às vezes têm de mandar pessoas para visitar obras em lugares mais afastados”, conta o executivo.

O serviço deve entrar na plataforma em até duas semanas. A expectativa da Onfly é gerar R$ 500 mil em transações por mês com ônibus até o fim do ano. Com isso, o negócio chegaria a representar de 3% a 4% do volume feito pela startup.

A oferta será viabilizada por meio de uma parceria com a Quero Passagem, um site de venda de passagens de ônibus que estará plugado à plataforma da Onfly. “Isso reforça a nossa estratégia de ser ‘one stop shopping’, para que o cliente faça tudo em nossa plataforma”, diz o CEO. “Antes, o cliente fazia passagens aéreas, hotel e aluguel de carro conosco e o ônibus por fora. Agora, teremos um ambiente onde ele não sai”.

A Onfly se apresenta como uma espécie de “Decolar.com” das viagens corporativas. A ideia de Linhares é “roubar” a demanda das empresas que usam a plataforma da Decolar.com e de similares. “A Decolar.com faz de R$ 7 bilhões a R$ 9 bilhões por ano (dados de 2018) em transações, sendo que boa parte é corporativo. É essa fatia que queremos capturar”, diz o executivo, que pretende chegar a 2025 com R$ 1 bilhão em transações.

Segundo ele, para atrair esse cliente, a Onfly pretende oferecer um ambiente preparado para atender empresas, uma vez que sites como Decolar.com, Submarino Viagens, 123Milhas e MaxMilhas são focadas em viagens de lazer. “Eles não conseguem ter uma plataforma que convida o colaborador da empresa a participar e nem operar de acordo com políticas de viagens específicas das companhias”, compara.

No seu modelo de negócio, a startup cobra uma mensalidade das empresas que contratam os serviços, que varia de R$ 149 a R$ 999. Ao todo, há 185 clientes. Entre eles, estão a Autoglass, de vidros automotivos, a Direcional Engenharia, e a Armac, de locação de máquinas.

Uma vez assinante da plataforma, a empresa tem acesso a um sistema de gerenciamento das viagens, com o controle de todos os gastos que foram feitos, de forma centralizada. Uma das vantagens é poder incluir as políticas de viagens das empresas na plataforma, para que as compras respeitem as regras. Por exemplo, se um determinado funcionário só pode comprar passagens com 15 dias de antecedências, isso estará ativado.

Além disso, se o cliente tem um acordo com uma determinada rede hoteleira, a plataforma consegue mostrar se há opções de diárias mais baratas em outros locais. Segundo Linhares, só com hotéis, uma grande empresa pode economizar de 6% a 7% por mês. Para uma companhia menor, a economia pode ser de 18% a 20%. Para os serviços como um todo, a economia prometida é de até 30%.

A Onfly também fatura na outra ponta, ao receber, daqueles que ofertam os serviços, uma taxa em cima de cada venda. No caso da parceria com a Quero Passagem, por exemplo, a Onfly terá 8% de cada operação.

Fundada em 2018, a startup se inspira em empresas como a americana TripActions e a europeia TravelPerk. No Brasil, a PayTrack também atua nesse mercado. Há, ainda, a tradicional Flytour, uma das maiores no setor corporativo e que está sendo negociada no mercado por conta da crise gerada pela pandemia.

Além da expansão para o mercado de ônibus, a Onfly também está prestes a lançar um cartão corporativo, para facilitar o reembolso para os funcionários. Hoje, a plataforma já viabiliza a devolução do dinheiro de forma digital, mas vai oferecer cartões às empresas para tornar a experiência mais fluida.

Os cartões serão físicos ou virtuais, emitidos pela Visa, e serão entregues aos clientes sem ter o nome de um titular, para que fiquem à disposição e possam ser reutilizados. O saldo, se sobrar depois de uma viagem feita por um funcionário, poderá ser reaproveitado em outra ocasião ou devolvido para o caixa do cliente.

Segundo Linhares, já há 30 clientes na fila de espera para usar a solução beta. Para se ter uma ideia do potencial, só no ano passado, a plataforma da Onfly registrou R$ 12 milhões em reembolsos. “Queremos eliminar o reembolso e tirar essa ineficiência”, diz. A solução deve estar disponível para as empresas em outubro.

Com os novos produtos, a Onfly espera chegar ao ano que vem com um volume de transações quatro vezes maior, em torno de R$ 160 milhões. É também em 2022 que a startup espera voltar a conversar com fundos de investimentos. Até o momento, o único aporte recebido foi de R$ 2 milhões, anunciado em janeiro e feito pela Cedro Capital, uma gestora de Brasília.

25.9.21

Microempreendedores têm menos de uma semana para regularizar dívidas


Termina na próxima quinta-feira (30) o prazo para os microempreendedores individuais (MEIs) regularizarem o pagamento dos impostos devidos desde 2016 ou há mais tempo. Caso não quitem os tributos e as obrigações em atraso ou não parcelados, os MEIs serão incluídos na Dívida Ativa da União. A inscrição acarreta cobrança judicial dos débitos e perda de benefícios tributários.

De acordo com a Receita Federal, os MEIs que tiverem apenas dívidas recentes, em razão das dificuldades causadas pela pandemia de covid-19, não serão afetados. Também não serão inscritas as dívidas de quem realizou parcelamento neste ano, mesmo que haja alguma parcela em atraso ou que o parcelamento tenha sido rescindido.

Os débitos sob cobrança podem ser consultados no Programa Gerador do DAS para o MEI. Por meio de certificado digital ou do código de acesso, basta clicar na opção "Consulta Extrato/Pendências" e, em seguida, em "Consulta Pendências no Simei". O Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) para quitar as pendências pode ser gerado tanto pelo site quanto por meio do Aplicativo MEI, disponível para celulares Android ou iOS.

Ainda é possível fazer o pagamento ou parcelamento das dívidas acessando o Portal e-CAC. O passo a passo sobre o parcelamento também está disponível no Portal Gov.br.

De acordo com a Receita, existem 4,3 milhões de microempreendedores inadimplentes, que devem R$ 5,5 bilhões ao governo. Isso equivale a quase um terço dos 12,4 milhões de MEIs registrados no país. No entanto, a inscrição na dívida ativa só vale para dívidas não quitadas superiores a R$ 1 mil, somando o valor principal, multa, juros e demais encargos. Atualmente, o Brasil tem 1,8 milhão de microempreendedores nessa situação, que devem R$ 4,5 bilhões.

Para ajudar na regularização, a Receita Federal disponibiliza os núcleos de Apoio Contábil e Fiscal (NAF), uma parceria com instituições de ensino superior que oferece serviços contábeis e fiscais a pessoas físicas de baixa renda, MEIs e organizações da sociedade civil.

Durante a pandemia, também há núcleos operando de forma remota. Os locais de atendimento e os respectivos contatos estão disponíveis na página da Receita Federal.

Dívida ativa
Com um regime simplificado de tributação, os MEIs recolhem apenas a contribuição para a Previdência Social e pagam, dependendo do ramo de atuação, o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ou o Imposto sobre Serviços (ISS). O ICMS é recolhido aos estados e o ISS, às prefeituras.

Em caso de não pagamento, o registro da dívida previdenciária será encaminhado à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), para cobrança na Justiça, com acréscimo de 20% a título de encargos com o processo. Nesse caso, os débitos poderão ser pagos ou parcelados pelo portal de serviços da PGFN, o Regularize.

A dívida relativa ao ISS e/ou ao ICMS será transferida ao município ou ao estado, conforme o caso, para inscrição em Dívida Ativa municipal e/ou estadual. O MEI terá de pagar multas adicionais sobre o valor devido, de acordo com a legislação de cada ente da Federação.

Com a inscrição em dívida ativa, o microempreendedor deixa de ser segurado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e perde benefícios como auxílio-doença e aposentadoria; tem o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) cancelado; é excluído do Simples Nacional pela Receita Federal, estados e municípios, que têm alíquotas mais baixas de imposto; e pode ter dificuldades para conseguir financiamentos e empréstimos.

23.9.21

Como fazer biscoito de polvilho para vender


Que tal aprender como fazer biscoito de polvilho para vender hoje e ainda aproveitar essa receita para ganhar um dinheiro extra no final do mês? Aqui nesse artigo eu vou te ajudar com isso!

O biscoito de polvilho é uma das receitas mais apreciadas por brasileiros de todas as regiões. Pode ser consumido no café da manhã, no café da tarde ou no lanche das crianças.

Se você aprender a receita e dominá-la, pode começar a pensar em maneiras para começar a sua venda e ganhar dinheiro. Tudo depende da forma como você aproveita as oportunidades.

Quem sabe esse não é o primeiro passo para um negócio ainda maior que te dará mais possibilidades de ganhar dinheiro e mudar de vida? Tudo é possível, a questão é: Você está pronto para trabalhar por isso?

Se estiver eu fico muito feliz! Tenho certeza que se você levar à sério, assim que aprender como fazer biscoito de polvilho para vender as coisas poderão mudar.

Como fazer biscoito de polvilho: 2 receitas para você começar

Que tal aprender como fazer biscoito de polvilho para vender hoje e ainda aproveitar essa receita para ganhar um dinheiro extra no final do mês? Aqui nesse artigo eu vou te ajudar com isso!

O biscoito de polvilho é uma das receitas mais apreciadas por brasileiros de todas as regiões. Pode ser consumido no café da manhã, no café da tarde ou no lanche das crianças.

Se você aprender a receita e dominá-la, pode começar a pensar em maneiras para começar a sua venda e ganhar dinheiro. Tudo depende da forma como você aproveita as oportunidades.

Quem sabe esse não é o primeiro passo para um negócio ainda maior que te dará mais possibilidades de ganhar dinheiro e mudar de vida? Tudo é possível, a questão é: Você está pronto para trabalhar por isso?

Se estiver eu fico muito feliz! Tenho certeza que se você levar à sério, assim que aprender como fazer biscoito de polvilho para vender as coisas poderão mudar.

2 receitas para você começar como fazer biscoito de polvilho

Agora que você aprendeu um pouco sobre a história do polvilho e suas principais características, vamos te ensinar como fazer biscoito de polvilho nas versões doce e salgado.

Nas duas receitas, os ingredientes básicos são água, óleo, leite e polvilho azedo. Fácil de fazer, não é? O bacana é que com o tempo você pode ir incrementando e colocando ingredientes do seu gosto.

O importante é inovar!

Vamos às receitas de biscoito de polvilho:

1. Biscoito de polvilho salgado
Essa receita, sem dúvida, é a mais comum e a que você encontra em supermercados. Veja como é fácil preparar o biscoito de polvilho salgado e arrase no café da manhã ou no lanche da tarde.

O biscoito de polvilho é assado e não frito, como muitos podem pensar. Seu preparo leva menos de uma hora e você irá precisar de:

1 Kg de polvilho azedo;
2 copos de leite;
1 colher (sopa) de sal;
1 copo de óleo;
2 ovos;

Você também pode utilizar orégano ou alho a gosto.
Primeiramente, você deve sovar bem o polvilho juntamente com 1 copo de leite e o sal. O outro copo de leite deve ser fervido com o copo de óleo. Em seguida, escalde a massa sovada.

Assim que a massa esfriar, adicione os ovos. Amasse a mistura e vá juntando uma quantidade de água até atingir o ponto desejado, mais mole que o ponto do pão caseiro.

Utilize um saco de confeitar com bico de metal para formar os biscoitos. Caso você não possua esse item, improvise com um pano de saco com um furo pequeno na ponta.

Depois de dar forma aos biscoitos, é hora de colocá-los numa forma untada com óleo. Leve-os ao forno bem quente e, quando notar que eles já cresceram, abaixe um pouco o fogo até que os biscoitos sequem bem.

2. Biscoito de polvilho doce

Já essa receita de biscoito de polvilho doce se assemelha àqueles sequilhos comprados em padarias e supermercados. Confira como o preparo do biscoito doce também é simples.

Você irá precisar de:

1/2 xícara de margarina;
500 gramas de polvilho doce;
1 xícara e meia de açúcar;
3 ovos;
Farinha de trigo para polvilhar a assadeira.
Junte todos os ingredientes em uma tigela e amasse-os até obter uma massa homogênea. Em seguida, faça bolinhas do tamanho de sua preferencia e coloque-as em uma assadeira untada e polvilhada com farinha de trigo.

Antes de levar ao forno, utilize um garfo para achatar as bolinhas. Asse em forno pré-aquecido a 200ºC por 10 minutos ou até que a base dos biscoitos esteja dourada. Retire do forno, deixe esfriar e, em seguida, utilize uma espátula para remover os biscoitos da assadeira.

Você pode guardar os biscoitos doces em um recipiente fechado e consumi-los sempre que preferir.

Pronto! Agora você já sabe como fazer biscoito de polvilho em duas versões!

Como fazer biscoito de polvilho especial: Dicas para você!

Além das receitas tradicionais, você também pode inventar outros tipos de biscoitos, sejam doces ou salgados. Principalmente se o seu objetivo é ganhar dinheiro, isso é muito importante.

Desse jeito os clientes vão identificar o seu produto mesmo que esteja em meio a outros. Você terá a sua marca registrada e com certeza chamará mais atenção.

Para te inspirar, separamos algumas dicas sobre biscoitos de polvilho diferentes e simples de fazer:

Você pode temperar o biscoito de polvilho com ingredientes de sua preferência. Pode ser curry, pimenta e qualquer outro que você ache que dará um sabor especial. A principal dica aqui é experimentar sabores e brincar com as receitas;

Se você gosta de queijo, acompanhe mais essas dicas. Você pode salpicar queijo parmesão na massa ou adicionar mussarela e orégano à mistura antes de levar ao forno. Se preferir, use também o queijo branco, que deixará a massa um pouco mais pesada, mas ainda assim saborosa;

Caso você queira fazer biscoitos sem lactose, também é possível. Basta substituir o leite por água. E se você quer um petisco mais saudável, utilize óleo de coco ou de soja em vez do óleo de cozinha;

Se você também quer inovar nos biscoitos doces, pode apostar na adição de coco ralado à massa do polvilho. Outra dica é acrescentar fubá à mistura, o que deixará o biscoito de polvilho com uma textura mais crocante e que derrete na boca, além do leve gosto de milho;

E se você quer um biscoito ainda mais doce, pode preparar a massa com polvilho doce, leite condensado, gema de ovo, óleo de coco e manteiga. A receita deve ir ao forno por aproximadamente 20 minutos.

Vender biscoito de polvilho dá lucro sim! Se você começar vendendo para as pessoas próximas, conseguirá faturar no mês até R$ 1000 Reais. Algumas pessoas vivem exclusivamente da venda de biscoitos e essa é uma oportunidade muito boa.

Outra opção é abrir uma fábrica de biscoitos e fornecer para todo o mercado. Assim é possível faturar mais de R$ 30 mil por mês.

Agora que você já aprendeu como fazer biscoito de polvilho, o que vai fazer com essa informação? Você pode sim aproveitar esse conhecimento para levantar uma grana a mais todo mês, depende do seu esforço.

Veja também: 

Pratique, pratique e pratique

Seja qual for a receita, tenha certeza que o biscoito de polvilho irá fazer um grande sucesso.

Aposte nessa ideia para os lanches e, quem sabe, até para vender. Sem dúvida, é um investimento que vale a pena, já que o petisco é tão saboroso e tão famoso em todo o Brasil.

17.9.21

A primeira rede de publicidade cripto do mercado

A A-ADS oferece três modelos de pagamento: CPM (custo por moinho), CPA (custo por ação) e CPD (custo por dia).

Costumávamos permitir misturar todos eles em uma única campanha, mas por uma questão de simplicidade e melhor gestão de campanhas, decidimos nos afastar dessa abordagem.

Agora, cada campanha tem apenas um modelo de pagamento, que define seu tipo: CPM, CPA ou CPD. Você pode vê-lo no painel do usuário.

Como escolher o tipo de campanha?

Você escolhe o modelo de pagamento após a criação da campanha.

3 modelos de publicidade: CPD, CPA e CPM

Respeitamos a privacidade dos usuários da rede

Pagamentos usando várias criptomoedas

Custo por dia

Nosso modelo de pagamento padrão é CPD (custo por dia): anunciantes pagam pela parte do tráfego das unidades de anúncios direcionadas.

Recomendamos este modelo de pagamento porque ele tem várias vantagens:

  • Suas despesas e ritmo de campanha são previsíveis e uniformes;
  • você controla quais unidades de anúncios exibem seus anúncios (e você pode verificar);
  • você não paga pelo tráfego falso: os editores não podem esgotar seus orçamentos fingindo impressões e seus concorrentes - clicando em seus anúncios.
  • A principal desvantagem desse modelo de pagamento são os recursos limitados de segmentação, por isso é mais adequado para campanhas publicitárias globais. 

Custo por moinho

CPM (custo por moinho) é provavelmente o modelo de pagamento mais antigo no campo da publicidade online. É bastante simples: os anunciantes definem o preço e a quantidade de impressões que querem comprar.

Recomendamos usar este modelo somente se você realmente precisar de geo-targeting e selecionar cuidadosamente as unidades de anúncios para sua campanha, pois não podemos garantir a qualidade das impressões de anúncios.

Observe que o tráfego para campanhas de CPM é contado menos estritamente do que para campanhas de CPD: medimos sua singularidade no âmbito de uma campanha (não toda a rede). 


GeraLinks - Agregador de links