Blog Diferente Para Ser Diferente
Seja Uma Pessoa Melhor, Diferente Você já é ! - Junte-se ao Grupo de Amigos do Seja Hoje Diferente - Bem Vindo (a).

Reprodução Divulgação

O quarto hospital de campanha da cidade de São Paulo começa a funcionar nesta quarta-feira (20) na comunidade de Heliópolis, na zona sul da capital. A unidade, adaptada para atender pacientes com o novo coronavírus, funciona no já existente AME (Ambulatório Médico de Especialidades) Doutor Luiz Roberto Barradas Barata.

São 200 leitos, sendo 148 de enfermaria, 28 de estabilização e 24 de UTI (Unidade de Terapia Intensiva). O investimento do governo é de R$ 30 milhões para custeio do hospital, divididos em seis meses, além de R$ 915 mil para adequação do espaço. 

Leia mais: Projetos sociais e doações ajudam Heliópolis (SP) a enfrentar pandemia

Segundo o secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann, “os leitos são completos, sendo assim esta será a quarta unidade de campanha na cidade, com capacidade para atender casos graves de covid-19".

De acordo com o monitoramento da UNAS (União de Núcleos, Associações dos Moradores de Heliópolis e Região), até a primeira semana de abril, não havia casos de infecção por coronavírus na comunidade, mas agora no distrito do Sacomã, que compreende a favela, já são 92 óbitos confirmados ou suspeitos por covid-19, de acordo com o último boletim da prefeitura.

A cidade de São Paulo tinha nesta terça-feira (19) 2.940 mortes por covid-19, outros 3.237 óbitos em investigação e 40.750 casos confirmados de coronavírus.

Nas redes sociais, a UNAS alertou os moradores sobre o agravamento da situação. "Segundo dados do Conselho Municipal de Saúde, o número de mortos em decorrência do novo coronavírus aumentou drasticamente nos últimos dias na região: distrito do Sacomã 92 mortes (aumento de 56%), distrito do Ipiranga 62 óbitos (alta de 63%) e distrito do Cursino 62 mortes (44% a mais)", diz o comunicado.

A entidade destaca ainda, na postagem, que os dados representam apenas os casos comprovados, uma vez que o "número real pode ser maior devido à subnotificação. Isso acontece porque não há testes suficientes para a população".

A operação do AME já ocorre por meio de convênio com o Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo (Seconci-SP). A OSS (Organização Social de Saúde) é parceira da Secretaria da Saúde e administra o hospital de campanha do Ibirapuera, na zona sul, além de outros hospitais e AMEs.

Fonte: Notícia R7
Postagem Anterior Próxima Postagem

Veja abaixo mais um artigo do Seja Hoje Diferente!