SHD: SEJA HOJE DIFERENTE - Coaching Pessoal, Inteligência Emocional, Crescimento Pessoal, Família, Espiritualidade, Ufologia, Mistério, Nostalgia, Como fazer, O que é, Para que Serve, Desenhos para colorir, Curta-Metragem, Curiosidades, Orações, Pets, Saúde e Bem-Estar, Televisão, Séries, Desenhos, Música, Livros e muito mais.

1.1.19

Busque a inteligência emocional


O que é mais importante: QI ou inteligência emocional ?

Se você acha que o QI é mais importante, você pode se surpreender com o que aprenderá nesta peça - isso não quer dizer que o QI não seja importante, mas pode haver algumas características que são ainda mais influentes em nosso sucesso.

Se você acha que o EQ é mais importante, provavelmente já sabe uma boa parte do que abordaremos neste artigo - mas esperamos que aprenda algo novo também!

Se você não tem certeza do que é EQ, então você veio ao lugar certo. Leia para saber sobre o que é inteligência emocional e por que você deve saber sobre isso.


O que é Inteligência Emocional?


Desenho de várias fontes diferentes, uma definição simples de inteligência emocional (também chamada de Quociente Emocional, ou EQ) descreve uma capacidade de monitorar suas próprias emoções, bem como as emoções dos outros, para distinguir e rotular diferentes emoções corretamente e usar informação emocional para guiar seu pensamento e comportamento e influenciar a dos outros (Goleman, 1995; Mayer & Salovey, 1990).

Inteligência emocional é o que usamos quando temos empatia com nossos colegas de trabalho, temos conversas profundas sobre nosso relacionamento com nosso cônjuge ou outro significativo e tentamos administrar uma criança indisciplinada ou perturbada. Permite-nos conectar-nos com os outros, entender-nos melhor e viver uma vida mais autêntica, saudável e feliz.

Embora existam muitos tipos de inteligência, e eles estão freqüentemente conectados uns aos outros, existem algumas diferenças muito significativas entre eles.


EQ versus QI


EQ é inteligência emocional que, como acabamos de aprender, trata de identificar emoções (em nós e nos outros), relacionar-se com os outros e nos comunicar sobre nossos sentimentos (Cherry, 2018A).

QI, por outro lado, é inteligência cognitiva. Essa é a inteligência com a qual as pessoas geralmente estão mais familiarizadas, já que é o tipo mais frequentemente referido quando a palavra “inteligência” é usada. É também o tipo que é mais frequentemente medido através de testes e estimado através de coisas como a média de notas.


Inteligência Social versus Inteligência Emocional


A inteligência social está mais intimamente relacionada à inteligência emocional do que o QI, pois ambos têm a ver com a navegação em situações sociais ou emocionais. No entanto, esses são dois tipos distintos de inteligência, mesmo que compartilhem alguns recursos semelhantes.

A inteligência emocional está mais relacionada ao presente , na medida em que é usada para identificar e gerenciar emoções no momento.

A inteligência social usa algumas das mesmas habilidades e habilidades, mas muitas vezes é voltada para o futuro - é sobre como entender os sentimentos, personalidades e comportamentos de si mesmo e dos outros para buscar resultados positivos (Chou, 2016).


Inteligência Emocional em Psicologia


A inteligência emocional preencheu uma lacuna na compreensão geral da inteligência, especialmente para os psicólogos. O campo sempre parecia ter uma compreensão geral de que o QI não era tudo, mas as teorias sobre o que, exatamente, os outros componentes importantes variavam muito e não podiam concordar com um único conceito ou ideia.

Quando a ideia de inteligência emocional foi introduzida pela primeira vez, os psicólogos descobriram que essa teoria se encaixava no campo como uma peça de quebra-cabeça que estava faltando.


Uma Breve História da Inteligência Emocional


Para se ter uma ideia do cronograma para a introdução e adoção da IE dentro da psicologia, podemos começar com o trabalho de Peter Salovey.


O trabalho de Peter Salovey


Peter Salovey, junto com seu colega John Mayer, apresentou uma das primeiras teorias formais de inteligência emocional em 1990. Eles cunharam o termo inteligência emocional e o descreveram como “a capacidade de reconhecer, compreender, utilizar e regular as emoções de maneira eficaz no cotidiano. vida ”(Yale Center for Emotional Intelligence, 2013).

É o trabalho deles que provocou tal explosão de interesse, tanto dentro dos campos acadêmicos quanto no público em geral. A julgar pela proliferação de livros, estudos e questões de pesquisa centradas na inteligência emocional, Salovey e Mayer realmente acertaram sua teoria.


Um olhar sobre Daniel Goleman e seu renomado livro


Não muito tempo depois de Salovey e Mayer introduzirem a inteligência emocional no mundo, outros pesquisadores e psicólogos começaram a aprendê-la e a usá-la. Daniel Goleman foi um desses psicólogos; ele publicou o livro best-seller Inteligência Emocional em 1995, que ajudou a introduzi-lo no mainstream.

Goleman viu a inteligência emocional como um fator vital para o sucesso, especialmente para as crianças. Ele propôs que promover a “aprendizagem social e emocional” em crianças para aumentar sua inteligência emocional não apenas melhoraria suas habilidades de aprendizagem, mas também ajudaria a ter sucesso na escola reduzindo ou eliminando alguns dos problemas comportamentais mais distrativos e prejudiciais (Goleman, nd ).

Sua proposta foi bem recebida pela comunidade de pesquisa e pelo público em geral, e agora é quase certo que a inteligência emocional pode ser tão importante - se não mais importante - para o sucesso individual do que o QI. Escolas, educadores e pesquisadores de educação também acolheram com entusiasmo a idéia de que a inteligência emocional não é apenas um traço genético, do tipo “você tem ou não tem”, mas um conjunto de habilidades que podem ser aprendidas e aprimoradas.


Travis Bradberry e Inteligência Emocional 2.0


Após o livro inovador de Goleman, o autor Travis Bradberry e seu colega Jean Greaves capitalizaram o crescente interesse em inteligência emocional e publicaram seu próprio livro, Emotional Intelligence 2.0, que descreve um programa passo-a-passo para aprimorá-lo. Bradberry e Greaves propõem 66 estratégias apoiadas por evidências para construir a inteligência emocional ensinando autoconsciência, autogestão, consciência social e gerenciamento de relacionamentos.

Este livro, elogiado pelo próprio Dalai Lama, afirma que ele pode ajudá-lo a entender melhor o conceito e as emoções de si mesmo e dos outros, e oferece um pré e um pós-teste para provar isso. 


Pesquisa e Estudos sobre a Teoria do EQ


Existem numerosos estudos sobre inteligência emocional e suas causas, associações e conseqüências, mas há três relativamente recentes que receberam muita atenção (Sarkis, 2011):

A pesquisadora Lynda Jiwen Song e colegas (2010) exploraram como a inteligência emocional e a inteligência cognitiva afetam o desempenho acadêmico e as interações sociais dos estudantes universitários. Eles descobriram que, enquanto o QI é, naturalmente, um forte preditor de sucesso acadêmico, o QE também faz sua própria contribuição. 

Além disso, o QE é um fator significativo na qualidade das interações sociais com os pares, enquanto o QI não parece ter muito papel na vida social de um estudante universitário.

Kimmy S. Kee, Peter Salovey e colegas (2009) fizeram uma pergunta fascinante sobre EQ e doença mental: as pessoas com esquizofrenia têm QE significativamente menor do que aquelas sem doença mental? 

Eles descobriram que aqueles com esquizofrenia realmente tinham QE significativamente menor e tiveram desempenho significativamente pior em três de quatro testes de QE, envolvendo a identificação, o entendimento e o gerenciamento de emoções. Além disso, o baixo desempenho nos testes de QE foi associado a sintomas de esquizofrenia mais pronunciados e menor funcionamento geral.

Finalmente, a pesquisadora Delphine Nelis e colegas (2009) colocaram uma das questões mais importantes de todas relacionadas à EI; o título do artigo capta a essência: “Aumentar a inteligência emocional: (como) é possível?” Eles projetaram um experimento no qual dois grupos foram testados em EQ, uma vez no início do estudo e uma vez no final. 

O grupo de tratamento recebeu um “breve treinamento empírico derivado de EI (quatro sessões de treinamento em grupo de duas horas e meia)”, enquanto o grupo controle não recebeu tal treinamento. 

Ao final do experimento, o grupo tratamento apresentou ganhos significativos no QE, enquanto o grupo controle não apresentou tais alterações.

Esses três estudos responderam a algumas questões importantes e abriram as portas para grande parte do trabalho inovador e importante realizado desde então; os resultados nos mostraram que a inteligência emocional é, de fato, um fator vital para o sucesso, que também é um fator vital na forma como nos relacionamos uns com os outros e na qualidade de nossa saúde mental, e - o melhor de tudo - podemos realmente melhorar nossa inteligencia emocional! 

Não é necessariamente um traço fixo transmitido através dos genes de alguém (embora possa ser onde recebemos um nível básico de EQ), mas algo que podemos construir e impulsionar com a prática.


O Quadro da Inteligência Emocional


Há dois números para lembrar para ajudá-lo a entender o que é a inteligência emocional: 5 e 4.

Existem 5 componentes do modelo de inteligência emocional e 4 “dimensões”.

Os 5 componentes / elementos / domínios do modelo EQ
Segundo Daniel Goleman, existem cinco componentes ou elementos da inteligência emocional:
  • Auto-conhecimento
  • Auto-regulação
  • Motivação
  • Empatia
  • Habilidades sociais
A autoconsciência pode ser definida como “a capacidade de reconhecer e compreender suas próprias emoções” (Cherry, 2018B). É o alicerce fundamental da inteligência emocional, pois regular-nos, ter empatia pelos outros e assim por diante depende de identificar e compreender emoções em nós mesmos.

A autorregulamentação é um passo à frente: para ter um QE alto, devemos não apenas ser capazes de reconhecer nossas próprias emoções, mas também ser capazes de expressá-las, regulá-las e gerenciá-las adequadamente.

As pessoas que são altas em EQ geralmente também são altas em motivação intrínseca; em outras palavras, pessoas com QE alto são motivadas por razões internas, em vez de ganhar riqueza, respeito, fama ou outras recompensas externas. Aqueles com alto QE são motivados por suas próprias razões pessoais e trabalham em prol de seus próprios objetivos.

A empatia pode ser definida como a capacidade de entender como as outras pessoas estão sentindo e reconhecer, em um nível íntimo, como você se sentiria no lugar delas. Isso não significa que você simpatize, valide ou aceite seu comportamento, apenas que você pode ver as coisas de sua perspectiva e “sentir” o que elas sentem.

Finalmente, as habilidades sociais são a última peça do quebra-cabeça do EQ; Essas habilidades permitem que as pessoas interajam socialmente umas com as outras e naveguem com êxito em situações sociais. Aqueles com QE alto geralmente têm habilidades sociais acima da média e são capazes de efetivamente perseguir seus objetivos e obter os resultados que desejam ao interagir com os outros (Cherry, 2018B).

Essa estrutura foi adaptada e moldada para se adequar aos contextos comercial e organizacional. Neste contexto organizacional, existem algumas sub-habilidades e habilidades em cada componente que contribuem para maior inteligência emocional e maior sucesso como funcionário, membro do grupo e membro da organização:


Auto-conhecimento 


- Sensibilização emocional: reconhecer as emoções e os seus efeitos. 

- Auto-avaliação precisa: conhecer os pontos fortes e limites da pessoa. 

- Autoconfiança : certeza sobre a auto-estima e capacidades.


Auto-regulação 


- Autocontrole: gerenciamento de emoções e impulsos disruptivos. 

- Confiança: manter padrões de honestidade e integridade. 

- Consciência: assumir a responsabilidade pelo desempenho pessoal. 

- Adaptabilidade: flexibilidade na manipulação de mudanças. 

- Inovação: estar confortável e aberto a novas idéias e novas informações


Auto-motivação 


- Unidade de conquista: esforçando-se para melhorar ou atender a um padrão de excelência. 

- Compromisso: alinhamento com os objetivos do grupo ou organização. 

- Iniciativa: disponibilidade para atuar em oportunidades. 

- Otimismo: persistência na busca de objetivos apesar dos obstáculos e retrocessos.


Empatia / Consciência Social 


- Empatia: sentindo os sentimentos e perspectivas dos outros, e tendo um interesse ativo em suas preocupações. 

- Orientação para o serviço: antecipando, reconhecendo e atendendo às necessidades dos clientes. 

- Desenvolver os outros: sentindo o que os outros precisam para se desenvolver e reforçando suas habilidades. 

- Alavancando a diversidade: cultivando oportunidades através de diversas pessoas. 

- Consciência política: lendo as correntes emocionais de um grupo e as relações de poder.


Habilidades sociais 


- Influência: empunhando táticas eficazes de persuasão. 

- Comunicação: envio de mensagens claras e convincentes.

- Liderança: inspirando e orientando grupos e pessoas. 

- Altere o catalisador: iniciando ou gerenciando a mudança. 

- Gestão de conflitos: negociação e resolução de desacordos.

- Criar laços: nutrir relacionamentos instrumentais. 

- Colaboração e cooperação: trabalhando com os outros em direção a objetivos compartilhados. 

- Capacidades de equipe: criando sinergia de grupo na busca de objetivos coletivos (Goleman, 1998).


As 4 Dimensões da Inteligência Emocional


De acordo com os “pais fundadores”, Salovey e Mayer, existem quatro dimensões distintas ou “ramos” da inteligência emocional que formam uma hierarquia de habilidades e habilidades emocionais:


  • Percebendo emoção
  • Usando emoções para facilitar o pensamento
  • Entendendo as emoções
  • Gerenciando emoções

A primeira dimensão, percebendo a emoção, refere-se a estar ciente e reconhecer os “estados” de outras pessoas (estados físicos e psicológicos, como estar com dor física ou sentir-se esgotado), identificando emoções em outras pessoas, expressando com precisão as próprias emoções e necessidades. apropriadamente, e distinguir entre sentimentos precisos e honestos e sentimentos imprecisos e desonestos.

Usar emoções para facilitar o pensamento envolve redirecionar e priorizar seu pensamento com base nos sentimentos associados a esses pensamentos, gerando emoções que facilitarão melhor julgamento e memória, aproveitando as mudanças de humor para que você possa apreciar múltiplos pontos de vista e usando estados emocionais para melhorar sua habilidades de resolução de problemas e criatividade.

Compreender as emoções é a dimensão do QE que inclui compreender as relações entre as várias emoções, perceber as causas e consequências das emoções, compreender sentimentos complexos e estados contraditórios e compreender as transições entre emoções.

A dimensão final, administrando as emoções, refere-se a estar aberta a sentimentos agradáveis ​​e desagradáveis; monitorar e refletir sobre suas emoções; envolver, prolongar ou desanexar de um estado emocional; e administrar as emoções tanto dentro de você como nos outros (Emmerling, Shanwal, & Mandal, 2008; Mayer & Salovey, 1997).


Inteligência Emocional do Traço Explicada


Para uma rápida atualização sobre características vs. estados, veja as descrições abaixo.

Estado: padrões de pensamento / sentimentos / comportamentos temporários que são circunstanciais e altamente dependentes do ambiente, bem como da personalidade do indivíduo.

Traço: padrões de pensamento / sentimentos / comportamentos permanentes ou semipermanentes que são características consistentes, duradouras e relativamente estáveis, muito mais dependentes da personalidade do que do meio ambiente.

Com base nessas descrições, podemos ver que a inteligência emocional geralmente recai sobre o lado traço do continuum estado-traço, embora nossa inteligência emocional e nossas habilidades e habilidades relacionadas a QE possam certamente variar com base em nossas circunstâncias; por exemplo, pode-se ser mais emocionalmente inteligente em relacionamentos pessoais do que em situações de trabalho, ou vice-versa.

No entanto, a inteligência emocional é mais comumente considerada uma característica. Continuando com a conceituação de traços, vamos mergulhar um pouco mais fundo no que faz alguém com alto nível de equalização.


Características da Inteligência Emocional: 


Exemplos e de Inteligência Emocional Alta e Baixa

Há muitas características que podem ser usadas para descrever pessoas de alta e baixa inteligência emocional.

De acordo com a Rhett Power (2017) da Success.com, estas são as 7 qualidades que melhor descrevem funcionários e líderes com um alto QE:

Eles não têm medo de mudanças; eles entendem que é um fato da vida, e eles são rápidos para se adaptar.

Eles são autoconscientes - sabem em que são bons, em que podem trabalhar e que tipos de ambientes são mais adequados para eles.

Eles são empáticos. Eles podem facilmente se relacionar com os outros e entender o que estão passando.

Eles estão comprometidos com a qualidade, mas entendem que a perfeição é um padrão impossível.

Eles são equilibrados e capazes de ter uma vida profissional e pessoal saudável.

Eles são curiosos e de mente aberta, e adoram explorar as possibilidades.

Eles são graciosos, gratos e felizes.

Outros exemplos do site do Zenful Spirit incluem:

Eles têm um equilíbrio saudável entre vida e trabalho porque sabem quando trabalhar e quando brincar.

Eles têm um foco de laser e não se distraem facilmente.

Eles são fáceis de lidar e "seguem o fluxo".

Eles são de mente aberta e receptivos a novas idéias.

Eles são um pouco cautelosos, porque sabem quando abrir e quando manter seus limites.

Eles abraçam seus pontos fortes e compreendem suas fraquezas e alavancam o primeiro para compensar o último.

Eles têm um verdadeiro senso de empatia que lhes permite se relacionar com os outros e mostrar compaixão.

Eles são curiosos, curiosos e interessados ​​em pessoas.

Eles estão sempre olhando para frente e se concentrando em como avançar.

Eles perdoam os outros facilmente e não insistem ou guardam rancor (Health Personal Growth, 2017).

Por outro lado, também há bons sinais de baixa inteligência emocional; Além de simplesmente inverter as características acima, elas incluem:

Eles são incapazes de controlar suas emoções.

Eles são ignorantes sobre os sentimentos dos outros, mesmo aqueles próximos a eles.

Eles não podem manter bons relacionamentos, sejam profissionais ou pessoais.

Eles sempre têm uma “cara de pôquer”, o que significa que outros têm dificuldade em lê-los.

Eles são muitas vezes emocionalmente inadequados para a situação.

Eles têm problemas para lidar com a tristeza.

Eles são emocionalmente "surdos" e têm dificuldade em ler as emoções do tom de voz.

Eles têm dificuldade em ser simpático com os outros.

Eles não têm “controle de volume” sobre suas emoções; eles especialmente têm problemas com reações emocionais “muito altas”.

Eles são completamente indiferentes a cenas emocionais em filmes, TV ou livros - não importa o gênero.

Eles trivializam a importância das emoções em geral e elevam a importância da “lógica calma e fresca”.

Eles não estão cientes dos estados emocionais dos cães - mesmo dos estados emocionais de seus próprios cães - e mesmo quando os sinais são claros (Riggio, 2015).

Por que o desenvolvimento de habilidades de inteligência emocional é importante?

Por que devemos nos preocupar com o desenvolvimento de nossas habilidades EI?

Porque ser capaz de entender suas emoções é fundamental para entender o que é que vai fazer você funcionar mais alto e levá-lo a florescer . Como seres humanos, tendemos a ser criaturas altamente emocionais e sociais. 

Ser emocionalmente inteligente ajudará você a se conectar com os outros, melhorar seu desempenho no trabalho, melhorar suas habilidades de comunicação, ajudá-lo a se tornar mais resiliente e muito mais. 

Acontece que ter um alto nível de inteligência emocional fará com que você tenha sucesso em quase todos os aspectos da sua vida!


Inteligência Emocional para o Praticante de Psicologia Positiva


Se você é um praticante de psicologia positiva de alguma forma - como treinador, terapeuta ou conselheiro, educador ou qualquer outro papel relacionado à psicologia positiva - então provavelmente já conhece os benefícios da alta inteligência emocional. Ser capaz de compreender, reconhecer e efetivamente gerenciar tanto as emoções positivas quanto as negativas ajudará o psicólogo positivo em suas interações com os clientes, aumentando seu desempenho e taxa de sucesso com seus clientes.

Profissionais que não usam inteligência emocional com seus clientes podem achar suas próprias intervenções ineficazes; Se as pessoas com as quais você está trabalhando não puderem “ler” você e não obter um bom exemplo real de inteligência emocional, elas terão um tempo difícil para melhorar sua própria EI.


Autogestão e Gerenciamento de Relacionamento


Autogestão e gerenciamento de relacionamento são duas habilidades vitais para se ter na vida; eles não apenas nos ajudam a levar vidas mais felizes e saudáveis, mas também nos ajudam a simplesmente passar o dia - especialmente os difíceis.

O autogerenciamento é o primeiro passo, pois precisamos aprender a nos administrar antes de podermos administrar relacionamentos saudáveis ​​e apropriados com os outros. Aprender o autogerenciamento permite controlar suas próprias emoções (até certo ponto) e motivar-se em todas as situações. 

Melhorar suas habilidades de gerenciamento de relacionamentos permite que você construa relacionamentos saudáveis ​​e se comunique de forma eficaz em todas as situações, incluindo ser aberto com os outros, expor seus argumentos e persuadir os outros, e ser honesto sem alienar ou ofender os outros.

Construindo sua inteligência emocional pode ajudá-lo com essas duas habilidades importantes, bem como muitos outros! Por exemplo, a inteligência emocional pode ajudá-lo no local de trabalho - seja você funcionário, gerente ou proprietário de uma empresa.


Inteligência Emocional no Local de Trabalho


Somente em uma organização na qual os membros são altamente emocionalmente inteligentes, eles podem trabalhar juntos para obter a máxima eficácia. Isso só pode aumentar o sucesso da organização, no entanto, esse sucesso é medido. A linha inferior é que a inteligência emocional é essencial para a excelência nos negócios.

A inteligência emocional pode fazer maravilhas para o seu negócio porque usá-lo no trabalho fará com que você entenda como as pessoas e os relacionamentos funcionam. 

Os colegas emocionalmente inteligentes serão consistentemente melhores em liderança, trabalho em equipe, parceria e visão, porque terão uma visão clara de seu relacionamento entre a equipe, organizações, diretores, clientes, concorrentes, contatos de rede e assim por diante.

Uma organização que é emocionalmente inteligente emprega funcionários que são mais motivados, produtivos, eficientes, eficazes, recompensados ​​e agradáveis, e seus objetivos estarão mais alinhados com a agenda da organização. Isso ocorre porque a inteligência emocional é aplicável a todas as interações humanas nos negócios; ter um EQ médio alto na organização ajudará no atendimento ao cliente, idéias de brainstorming, apresentações de empresas e uma miríade de outras atividades.

A inteligência emocional no local de trabalho ajudará você a avaliar melhor as pessoas, entender como os relacionamentos se desenvolvem, entender como nossas crenças geram nossas experiências e aprender a evitar conflitos de poder, julgamento negativo, resistência e assim por diante para aumentar a visão e o sucesso.


Como a tomada de decisões dos efeitos da inteligência emocional


Relacionado ao ponto anterior, a alta inteligência emocional também melhorará as habilidades de tomada de decisão. Aqueles que têm uma boa compreensão de si mesmos e daqueles que os rodeiam são mais propensos a pesar todas as opções, manter uma mente aberta e remover todas as emoções irrelevantes e não relacionadas do processo de tomada de decisão (Huffington Post, 2013).

Aqueles que são ricos em EQ não eliminam TODAS as emoções de suas decisões, apenas aquelas que podem interferir (como ansiedade ). Isso os ajuda a permanecer mais objetivos, ao mesmo tempo que permite que eles confiem em seus sentimentos de maneira saudável.


Inteligência Emocional e Comunicação


Para expandir um pouco na seção anterior, a inteligência emocional está intimamente relacionada às habilidades de comunicação; aqueles que possuem alto QE também tendem a ser proficientes em suas habilidades de comunicação.

Aqueles que são ricos em inteligência emocional:


Considere os sentimentos de outras pessoas.

Considere seus próprios sentimentos.

Pratique empatia pelos outros e relacione-se com eles na conversa.

Opere com confiança, o que significa que eles criam confiança por meio de pistas verbais e não verbais e se comunicam honestamente.

Reconhecer, identificar e esclarecer qualquer mal-entendido (Schmitz, 2016).

Desta lista, fica claro como a inteligência emocional afeta a comunicação; alto QE leva a alta competência em conversas, e a competência na conversação é um requisito para uma vida pessoal saudável e uma vida profissional saudável.

A importância da inteligência emocional nos relacionamentos
EI e EQ nos relacionamentos E falando de uma vida pessoal saudável, a comunicação leva diretamente à próxima razão pela qual a inteligência emocional é importante para se desenvolver: construir e manter relacionamentos saudáveis.

É fácil ver como ter um EQ alto pode se traduzir em melhores relacionamentos. Pessoas com alto poder de equalização podem:

Leia as emoções de outras pessoas e de forma adequada, reaja efetivamente a elas.

Entenda e regule suas próprias emoções, para que elas não engarrafem as coisas ou deixem que as emoções negativas explodam delas.

Entenda que seus pensamentos criam suas emoções e que regular nossos pensamentos nos permite regular indiretamente nossas emoções.

Conecte suas próprias ações às reações emocionais de outras pessoas; eles sabem que tipos de consequências suas ações terão sobre os outros e como os outros podem se sentir e se comportar em resposta (Hall, 2018).

Não é de admirar que as pessoas altamente inteligentes do ponto de vista emocional tenham relacionamentos mais estáveis, satisfatórios e de alta qualidade do que as pessoas com pouca inteligência emocional; eles percebem como os outros estão se sentindo, reagem apropriadamente aos outros, regulam suas próprias emoções para interagir mais efetivamente com os outros, e observam seu próprio comportamento para garantir que não ofendem ou incomodam os outros desnecessariamente. 

Esses são os ingredientes para um relacionamento saudável e respeitoso, seja essa relação entre amantes, amigos, familiares ou colegas de trabalho.


Inteligência Emocional em Enfermagem e Saúde


Inteligência emocional tornou-se um grande tópico no campo da enfermagem e por boas razões. Enfermeiros com alto nível de inteligência emocional não apenas superam seus colegas, eles também são mais propensos a permanecer em suas posições atuais, menos propensos a experimentar burnout, e mais propensos a manter uma boa saúde, tanto física quanto mentalmente.

Enfermeiros e outros profissionais de saúde prosperam em suas carreiras quando são capazes de identificar corretamente as emoções em si mesmos, em seus pacientes, em seus familiares e em seus colegas de trabalho e colegas. Além disso, um EQ alto permite que os profissionais de saúde raciocinem de maneira mais eficaz; os que têm grande QE sentem-se confortáveis ​​“confiando em seu intestino”, mas também são capazes de casar efetivamente o raciocínio mais objetivo com suas emoções subjetivas (Codier, 2012).

Todas essas habilidades somam um profissional de saúde muito eficaz!


Construindo Resiliência com Inteligência Emocional


Finalmente, outro motivo importante para prestar atenção à inteligência emocional é o seu efeito sobre nossa resiliência. As pessoas que possuem alto nível de inteligência emocional também são geralmente excelentes para se recuperarem quando caem.

De fato, a inteligência emocional é considerada por alguns como uma fonte direta de resiliência; Os pesquisadores Magnano, Craparo e Paolillo (2016) descobriram que a inteligência emocional está diretamente relacionada à resiliência e, por meio da resiliência, indiretamente relacionada à motivação de realização e realização.

Em outras palavras, aqueles que possuem alto nível de inteligência emocional são mais propensos a lutar pelo sucesso e perseguir seus objetivos, mais propensos a enfrentá-los quando o fazem, e mais capazes de se levantar e voltar aos trilhos após o fracasso ou a decepção. Parece que a inteligência emocional é uma causa muito importante ou fonte de quase todo sucesso!


Podemos testar e medir a inteligência emocional?


Inteligência emocional tem sido uma característica popular para medir desde a sua criação, e muitas escalas existem para medi-lo.

Escalas de Inteligência Emocional e Outros Testes, Questionários e Avaliações para Medir Níveis de EQ
De acordo com o Consórcio de Pesquisa sobre Inteligência Emocional nas Organizações, existem 9 medidas de inteligência emocional com evidências para respaldá-las.

Essas medidas são:

Baron Inventário de Quociente Emocional (EQ-i 2.0) 
uma. Autor (es): Reuven Bar-On 

b. População pretendida: 18 anos ou mais 

c. Subescala (s), se houver: Autopercepção, Interpessoal, Tomada de Decisão, Auto-Expressão e Gerenciamento de Estresse. 

Inventário de Competências Emocionais e Sociais (ESCI) 
uma. Autor (es): Daniel Goleman, Richard Boyatzis e Hay Group 

b. População pretendida: Adultos, mas particularmente estudantes universitários e de pós-graduação 

c. Subescala (s), se houver: Autoconsciência emocional, Autocontrole emocional, Adaptabilidade, Orientação para realização, Perspectiva positiva, Empatia, Consciência organizacional, Coach e Mentor, Liderança inspiradora, Influência, Gestão de conflitos e trabalho em equipe 

Inventário de Inteligência Emocional Genos (Genos EI) 
uma. Autor (es): Genos International 

b. População pretendida: Adolescentes e adultos 17 a 75 

c. Subescala (s), se houver: Auto-conhecimento, Consciência dos outros, Autenticidade, Raciocínio Emocional, Autogestão e Influência Positiva 

Inventário de Competências Emocionais do Grupo (GEC) 
uma. Autor (es): Vanessa Druskat e Steven Wolff 

b. População pretendida: adultos 

c. Subescala (s), se houver: Compreensão Interpessoal, 

Confrontando Membros que Quebram Normas, 

Comportamento de Carinho, Autoavaliação de Equipe, 

Criando Recursos para Trabalhar com Emoção, Criando um 

Ambiente Afirmativo, Resolução Proativa de Problemas, 

Entendimento Organizacional e Construindo 

Teste de Inteligência Emocional Mayer-Salovey-Caruso (MSCEIT) 
uma. Autor (es): John D. Mayer, Peter Salovey e David Caruso 

b. População pretendida: Adultos com 17 e mais anos 
c. Subescala (s), se houver: Quatro Ramos: Percebendo Emoções, Facilitando o Pensamento, Entendendo Emoções e Gerenciando Emoções 

Schutte Self Report Teste de Inteligência Emocional (SSEIT) 
uma. Autor (es): Nicola Schutte e colegas 

b. População pretendida: adultos 

c. Subescala (s), se houver: Apreciação e Expressão da Emoção, Regulação da Emoção e Utilização da Emoção 

Questionário de Inteligência Emocional de Traço (TEIQue) 
uma. Autor (es): VK Petrides 

b. População pretendida: Adultos (versão infantil disponível) 

c. Subescala (s), se houver: Fator de Bem-Estar, Fator de Autocontrole, Fator de Emocionalidade, Fator de Sociabilidade, Facetas Independentes (Adaptabilidade e Auto-Motivação) 


Perfil de Inteligência Emocional do Grupo de Trabalho (WEIP) 
uma. Autor (es): Peter Jordan, Neal Ashkanasy, Charmine Härtel e Gregory Hooper 

b. População pretendida: adultos 

c. Subescala (s), se houver: Capacidade de lidar com emoções próprias (incluindo capacidade de reconhecer emoções próprias, capacidade de discutir emoções próprias e capacidade de gerenciar emoções próprias) e capacidade de lidar com as emoções de outros (capacidade de reconhecer as emoções de outras pessoas) and Ability to Manage Others' Emotions) 

Escala de Inteligência Emocional de Wong (WEIS) 
uma. Autor (es): Chi-Sum Wong, Kenneth S. Law e Ping-Man Wong 

b. População pretendida: adultos chineses 

c. Subescala (s), se houver: Apreciação e Expressão de Emoção no Ser, Apreciação e Reconhecimento da Emoção em Outros, Regulação da Emoção no Ser e Uso da Emoção para Facilitar o Desempenho. 

Examine cada link cuidadosamente e leia as escalas antes de escolher, e você certamente encontrará uma que atenda às suas necessidades.


O EQ pode ser ensinado e aprendido?


Sim!Como mencionado anteriormente, a inteligência emocional não é todo o caminho para o lado “traço” do continuum de traços de estado. Embora seja relativamente estável e não mude muito por conta própria, absolutamente pode ser melhorado com a prática.

Com um esforço concertado, pode ser ensinado por pais, professores, treinadores e outros educadores ou profissionais, e pode ser aprendido por praticamente qualquer pessoa.


Como podemos melhorar a inteligência emocional?Como melhorar EI e EQ


Então, a verdadeira questão é "Como ensinamos / aprendemos EI?" Felizmente, a pesquisa nos deu algumas respostas para essa pergunta!


Inteligência Emocional e Atenção Plena


A atenção plena é uma dessas respostas; podemos usar a atenção plena para construir e manter nossa IE através de uma maior autoconsciência e auto-regulação. Demonstrou-se que a meditação da atenção plena faz maravilhas para reduzir ou eliminar sua angústia diante de situações tensas.

Ferramentas de Autoavaliação


Se você estiver interessado em melhorar sua inteligência emocional, é uma boa ideia começar com uma avaliação. 

Como o blog da Harvard Extension School aponta, existem quatro ferramentas úteis para obter uma avaliação precisa:

Psychology Today Avaliação de 146 perguntas

Mind Tools 15-question assessment

Instituto de Saúde e Potencial Humano 17 perguntas avaliação

Talent Smart 28 perguntas avaliação

Depois de avaliar seu nível atual de inteligência emocional, é hora de começar a aumentar seu EQ.

Ficar fluente na “linguagem das emoções”, ou aprender a identificar, diferenciar e discutir emoções diferentes, mas relacionadas.

Nomeando suas emoções (isso significa não apenas identificá-las ou reconhecê-las, mas, literalmente, nomeá-las ou rotulá-las).

Usando a terceira pessoa para nos distanciar de nossas emoções - mas sem tentar negá-las ou afastá-las.

Observando nossas próprias emoções sem tentar consertá-las; nenhuma emoção é ruim, e é importante reconhecer isso e abraçar nossas emoções.

Sinta suas emoções em seu corpo físico - seja palmas suadas, músculos tensos, batimentos cardíacos, etc. É vital sentir nossas emoções para melhor compreendê-las e regulá-las.

Abata o mito das emoções "ruins"; não há emoções ruins e não devemos reprimir ou lutar contra nenhuma delas.

Percebendo o acúmulo de emoções antes de sermos “acionados”. Isso significa que devemos prestar atenção aos contribuintes incrementais para as nossas grandes emoções antes que elas se tornem grandes emoções.

Reconhecendo padrões recorrentes; isso pode ocorrer da seguinte forma: “Quando [o estímulo acontece], eu [minha reação típica].” Por exemplo, você pode dizer: “Quando fico com raiva, engulo-a”.

Anote seus sentimentos ao longo do dia. Manter um diário é uma ótima ideia por várias razões, e essa é uma delas.
Lembre-se de que as emoções são dados. Isso significa que as emoções são, na verdade, informações valiosas que podem ajudá-lo a enxergar a partir de uma nova perspectiva, encontrar a verdade e tomar melhores decisões (Freedman, 2018).

Como você pode ver, muitas dessas dicas e estratégias resumem-se a algumas idéias simples (mas nem sempre fáceis): preste atenção aos seus próprios sentimentos, tente permanecer objetivo e aceitá-los e pense em como suas ações afetam os outros. 


Críticas à Inteligência Emocional


Embora o EI tenha sido adotado tanto pelo mainstream quanto pelo campo da psicologia, nem todos concordam que esse é um conceito inovador e importante.

Jordan Peterson, psicólogo e profissional em controvérsia na Universidade de Toronto, tem isto a dizer:

“Não existe Quociente de Inteligência Emocional ... O QE não é um conceito psicometricamente válido. Na medida em que é qualquer coisa (o que não é), é a adequação do Big Five traço, embora isso depende, como não deveria, em que medida EQ está sendo usado (todos devem medir a mesma coisa) ”(Peterson, 2016).

O que Peterson está dizendo é que a inteligência emocional é simplesmente uma velha teoria embrulhada para parecer uma nova teoria, e que os testes e escalas destinados a medi-la não fazem um bom trabalho. É claro que essa é apenas a opinião de um psicólogo, mas é importante notar que o QE às vezes é altamente correlacionado com a afabilidade. Isso é porque é um fator relacionado, ou porque é o mesmo fator? Só o tempo e mais pesquisas dirão!

Outra crítica não vem de um lugar de preocupação com a validade, mas de uma preocupação com a ética. O renomado pesquisador e professor Adam Grant está preocupado sobre como a EI pode ser usada por razões menos bondosas. Nas próprias palavras de Grant:

“Novas evidências mostram que quando as pessoas aprimoram suas habilidades emocionais, elas se tornam melhores em manipular os outros. Quando você é bom em controlar suas próprias emoções, pode disfarçar seus verdadeiros sentimentos. Quando você sabe o que os outros estão sentindo, você pode puxar as cordas do coração e motivá-los a agir contra os seus próprios interesses ”(Grant, 2014).

Sucesso, Saúde, Proteção e Paz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário


SHD: SEJA HOJE DIFERENTE - Coaching Pessoal, Inteligência Emocional, Crescimento Pessoal, Família, Espiritualidade, Ufologia, Mistério, Nostalgia, Como fazer, O que é, Para que Serve, Desenhos para colorir, Curta-Metragem, Curiosidades, Orações, Pets, Saúde e Bem-Estar, Televisão, Séries, Desenhos, Música, Livros e muito mais.