8.8.18

O bom e velho disco de vinil


Saudações Amados (as).

Hoje vou falar um pouquinho sobre o bom e velho disco de vinil.


Aos amados que me conhecem pessoalmente e aos que frequentam o meu humilde lar, sabe o quanto gosto e aprecio o velho bolachão.

Neste artigo usarei dois pequenos vídeos mostrando um pouco da minha replica de vitrola vintage e meu aparelho de som três em um da marca CCE, um vintage da década de 70, mais preciso do ano em que nasci (1976).

Antes de continuar vamos conhecer um pouco sobre a história e algumas curiosidades sobre o disco de vinil.

Em 1948, a empresa alemã Dóitx Gramofôn (Deutche Grammophon) lançava o primeiro disco em vinil que substituiu os discos de goma-laca de 78 rotações por minutos.

Foi uma inovação histórica. Os discos de goma-laca permitiam a gravação de apenas uma música em cada face, enquanto que os de vinil, também chamados de Long Play ou LP, eram mais leves e resistentes e reproduziam um número maior de canções com mais qualidade sonora.

No Brasil, o disco de vinil foi lançado comercialmente em 1951, mas só começou a suplantar o disco de 78 rotações em 1964, e dominou o mercado até 1996.

A queda nas vendas dos chamados LPs começou de forma crescente, com o lançamento do Compact Disc, o CD, em 1984. Para se ter uma ideia, em 1991 foram vendidos 28 milhões de discos de vinil, cinco anos depois esse número caiu para 1,6 milhão e quase zero no ano seguinte.

As grandes gravadoras produziram discos de vinil até 1997, restando a partir daí apenas uma gravadora independente, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, que faliu no ano 2000. Os LPs perderam o valor e passaram e ser comercializados nos chamados sebos, a preços muito baixos.

Nos Estados Unidos, os discos de vinil nunca saíram do mercado. Em 2013, foram vendidos cerca de 5 milhões de cópias e, no ano seguinte, foi registrado um aumento de 53% nas vendas, o que representou cerca de 6% do mercado de música daquele país.

Com a recuperação das vendas de LPs nos Estados Unidos e na Europa, empresários brasileiros recuperaram, em 2009, as máquinas da gravadora de Belford Roxo e voltaram a produzir discos de vinil no país.

Com capacidade de produzir 28 mil LPs por mês, continua como a única empresa da América Latina. Mas, nos últimos anos, o preço do disco de vinil subiu.

Um pouco mais sobre os discos de vinil:

Em 1877, o inventor norte-americano Thomas Edison, compreendendo que o som é a vibração de partículas que se propaga através de um meio – como em ondas pelo ar – desenvolveu uma técnica para que essas ondas pudessem ser gravadas. Assim surgiu o fonógrafo, o primeiro aparelho a utilizar uma agulha e um amplificador para reproduzir o som. O disco de vinil nasceu anos depois, na década de 1940, utilizando quase a mesma técnica do seu antecessor.





Para reproduzir um vinil, é necessário um toca discos, aparelho conhecido aqui no Brasil como vitrola. Esse equipamento possui uma base onde fica o prato circular e um pino no centro para segurar o vinil. O prato gira com a ajuda de uma correia propulsora e um motor elétrico que faz o disco rodar em sentido horário.

A agulha – feita de um material muito resistente, como safira ou diamante – tem um formato de cone e é responsável por ler as ranhuras. O disco pode girar em duas velocidades (33 ou 45 rotações por minuto), o que pode ser ajustado na vitrola. Conforme ele gira, a ponta da agulha delicadamente percorre os sulcos gravados no vinil, vibrando de acordo com o microscópico relevo.

Na hora da reprodução num alto-falante, o que acontece é o processo inverso: o sinal elétrico passa pela bobina em corrente alternada, gerando um campo magnético que é atraído e repelido pelo ímã muitas vezes por segundo. Esse movimento faz vibrar o diafragma, a estrutura côncava feita de plástico ou papel, o que faz vibrar o ar, criando ondas de som.

Falando mais um pouco sobre o bom e velho disco de vinil:

Até o momento nesse ano de 2018, Graças a Deus tenho passado algumas provações e mudanças que infelizmente este ano meus discos estão praticamente ganhando pó, ainda bem que estão organizados e arrumados caso contrário acredito que a Solange (Esposa) já tinha jogado fora bem, confesso que esta mais ou menos organizado.

Mas o meu anti-stress esta no quarto, quando melhorar as coisas ou ter um tempo dar uma limpada provavelmente logo estarão rodando na vitrolinha ou aparelho de som.





Disco de vinil talvez seja realmente só para quem cresceu ouvindo ou para muitos jovens de hoje que estão começando a reconhecer a diferença, a nostalgia e o prazer que é pegar um LP e coloca-lo para tocar.

É obvio que também tem os gêneros musicais, nem todo disco de vinil é bom ou melhor o que pode sem bom para mim pode ser horrível para você.

Mas em fim, acredite há uma grande diferença de ouvir musica através do disco de vinil do que as atuais digitalizadas.

Tantos as músicas antigas como as atuais disponíveis hoje no mercado de disco de vinil que infelizmente tem um custo alto tem seu charme e prazer ao serem tocadas. Claro que a qualidade do equipamento também influencia muito por exemplo: Quando coloco um disco para tocar na minha replica de vitrola vamos dizer que o ouvinte consegue reconhecer a diferença em uns 25%.

Agora quando coloco um disco no aparelho CCE a qualidade do som muda e muito, mesmo não sendo um equipamento top e moderno existente hoje no mercado, acredito que da para sentir em 90% a diferença do som em disco de vinil em comparação a um CD ou música digitalizada.

Você que abandonou seus disco de vinil ou não teve a oportunidade de crescer com eles, talvez pode achar que é coisa de velho. Mas quem ama, e ainda tem seus discos e cuidadosamente colocam eles para serem tocados, sabem muito bem o que estou dizendo e não há debates só uma coisa é certa, não há como abandonar ou ficar sem ouvir um bom e velho disco de vinil.

E você ainda tem seus discos de vinil?

Ou você acha que eles são coisas do passado?

Deixe seu comentário logo abaixo, conte para nós e assim que possível responderei seu comentário com maior prazer.

Agradeço pela visita ao SHD (Seja Hoje Diferente) e, espero contar com seu retorno sempre.

Um forte abraço.

Sucesso, Saúde, Proteção e Paz.

2 comentários:

  1. Rodrigo Vagasagosto 09, 2018

    Parabéns pelo aparelho CCE meus pais tinham um quando eu era pequeno foi emocionante ver o vídeo lembrar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Rodrigo por sua participação, sobre o SOM eu adoro é muito bom para acordar os vizinhos ;)

      Excluir

Veja também: