9.8.18

Novela Jesus Tv Record: Entenda o contexto histórico em que viveu Jesus


No primeiro século, a região da antiga Israel estava sob o domínio do Império Romano. 

Era comum, naquela época, os romanos aplicarem o sistema de dominação inspirado no conceito da Paz Romana (em latim, Pax Romana) em seus territórios. Ou seja, promoviam melhorias às suas províncias, principalmente, na área de infraestrutura, como estradas, mas também se instalavam com suas tropas a fim de garantir pagamentos de impostos e evitar revoltas. Porém, na província da Judeia, em especial, os romanos decidiram colocar um príncipe local para administrar a área devido à religião judaica ser considerada muito diferente, segundo o consultor e historiador da novela Jesus, Maurício dos Santos. 

Herodes, o Grande, (Paulo Gorgulho) era o rei da Judeia subordinado a Roma. Após a morte dele, o território foi dividido entre seus filhos. Arquelau (Alexandre Slaviero) assumiu o posto como Etnarca na Judeia, no entanto, terminou condenado ao exílio em razão das sucessivas crueldades direcionadas aos judeus. 

O outro herdeiro, Antipas (Miguel Roncato/ Marcos Winter), se tornou o Tetrarca da Galileia (governante de uma quarta parte), mas, com o isolamento do irmão, passou a nutrir o sonho de governar a Judeia e recuperar o prestígio dos Herodes.

Enviado a Jerusalém por decisão do imperador Tiberius, Poncio Pilatos (Nicola Siri) era o prefeito maximus. 

Ele foi o representante de Roma escolhido para administrar a província. Além disso, Pilatos fiscalizava a atuação dos Herodes, supervisionava a cobrança de impostos e ajudava a administrar as tropas.

O Centurião Petrônius (Fernando Pavão) era homem responsável pela segurança da província. Ele atuava no local com objetivo de minimizar as chances de conflitos gerados por rebeldes. No caso de uma revolta popular, as centúrias eram acionadas.

O Tribuno era o representante direto do Senado romano. Ele inspecionava o trabalho dos romanos, como o de Petrônius. Também tinha a missão de manter a ordem em Jerusalém.

Os sacerdotes eram responsáveis por funções administrativas e religiosas no Templo de Herodes. 

Eles estavam sob o comandado do sumo sacerdote, que fazia cerimônias religiosas cotidianas e seguia todos os códigos de pureza. 

Indicado pelos Herodes, o sumo sacerdote era uma figura de enorme importância política e, por isso, gerava revolta em alguns por ter certa ligação com o Império Romano.

O sumo sacerdote também presidia o Sinédrio. O tribunal judaico tinha como papel analisar e julgar crimes religiosos. Para isso, o Sinédrio contava com um conselho formado por 70 membros, entre eles os príncipes dos sacerdotes, doutores da lei e os anciões.

Os fariseus, como Simão Fariseu (Rafael Sardão), exerciam atividades em sinagogas - espaços criados fora de Jerusalém para que se estude a Torá. 

Eles eram, geralmente, homens ricos, comerciantes,e letrados. Conhecidos como Guardiões da Lei, sabiam ler e escrever perfeitamente em aramaico e hebraico. 

Todo sábado, os fariseus faziam a leitura pública da Torá para a grande massa analfabeta. Apesar de fiscalizarem as Leis de Moisés, não eram considerados sacerdotes ou líderes religiosos.

Guardiões do nome de Deus, os zelotas, como Barrabás (André Gonçalves), se opõem a tudo que representa Roma, inclusive, os sacerdotes do templo. 

Também eram contra os fariseus, que aceitavam a dominação romana, e tinham horror aos judeus helenizados. 

As revoltas que ocorreram na cidade de Jerusalém, no século primeiro, foram capitaneadas por zelotas. 

Eles agiam como agentes secretos para tentar minar o domínio romano por acreditarem que Jerusalém deveria ser governada única e exclusivamente por Deus.

Os judeus helenizados, como Joana de Chuza (Ana Lima), seguiam a religião e acreditavam no Deus de Israel, mas adotavam costumes romanos. 

Os homens, por exemplo, raspavam a barba. Já as mulheres tinham direito a ter bens em seu nome. 

Os judeus helenizados não guardavam o sábado e até contrariavam algumas Leis de Moisés. Em geral, eles eram ricos e ligados ao comércio. A maioria sonhava em ganhar cidadania romana.

Os idumeus foram obrigados a se converterem ao judaismo no século 2 a.C, quando os judeus invadiram e dominaram a região da Idumeia. 

Os romanos escolheram Herodes, que tinha sangue idumeu, para governar porque ele pertencia a um povo que conhecia a religião, mas que não gostava de judeus. Isso explicaria muito sobre como Herodes tratava com desprezo o povo.

Os samaritanos são da região de Samaria, onde ficaram os judeus que não foram enviados como escravos para Babilônia, em 609 a.C. Neste período, os samaritanos construíram dois templos para cultuar Deus. No entanto, quando os judeus foram libertos e voltaram para Israel, eles não aceitaram este povo, que não frequentava o Templo de Jerusalém. Com isso, criou-se tamanha inimizade que chegou a ser perigoso para um judeu andar por Samaria.

Na fonte de Record TV

2 comentários:

  1. Camila Sanchesagosto 09, 2018

    Estou adorando esta nova novela. Espero que as pessoas não confunda fantasia com o que aconteceu é uma ficção não é 100% como foi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vi nada ainda, depois quem sabe do uma olhada em outros meios existentes, mas em conversas com amigos seja eles católicos ou evangélicos vamos dizer que do total esta em 50%. Uns estão gostando outros não. Um forte abraço e muito obrigado por sua participação no SHD, vejo que este não é o seu primeiro comentário e que não seje o último. Valeu.

      Excluir

Veja também: