17.8.18

Músicas para Louvar e Adorar



Musicas para Louvor e Adoração!

Durante muito tempo, as palavras “Louvar” e “Adorar” foram tratadas na prática como palavras sinônimas, com significados praticamente semelhantes. Muitos são os autores que ainda hoje, não veem diferenças marcantes entre os dois significados. Nós, entretanto, gostaríamos de definir alguns termos e anotar algumas diferenças, pois cremos que elas nos ajudarão a entender melhor o conceito de cada uma destas palavras:



LOUVAR: quando consultamos dicionários da língua portuguesa, notamos que se refere ao ato de elogiar, exaltar, enaltecer, glorificar, aplaudir, bendizer, expressar admiração, relatar os méritos.

LOUVOR: em dicionários bíblicos, como por exemplo “O Novo Dicionário da Bíblia” (Ed. Vida Nova, pág.960), percebemos que o substantivo Louvor no Velho Testamento, é relacionado a palavras hebraicas como halal, yadha e zamar. Estas palavras são associadas à alegria manifesta diante de Deus, de diversas formas: cantos, gestos, instrumentos etc. No Novo Testamento, o Louvor na Igreja da época é assim descrito no comentário bíblico:



“A alegria era a atitude dominante da vida cristã, e embora a adoração formal e o louvor que tal alegria inspiravam, não seja explicitamente descrita ou prescrita, o motivo disso é que era considerado como algo automático. 

Assim como aqueles que experimentavam a cura e o poder purificador de Jesus, prorrompiam espontaneamente em louvor (Lc 18:43; Mc 2:12), semelhantemente na igreja apostólica, há frequentes exemplos dessas explosões espontâneas de louvor, quando os homens começaram a perceber e a compreender o poder e a bondade de Deus, na pessoa de Jesus Cristo (At 2:46; 3:8; 11:18; 16:25; Ef 1:1-14)”.



ADORAR: em dicionários da língua portuguesa, significa: render culto, expressar uma admiração reverente, venerar, amar extremamente.

ADORAÇÃO: todos os dicionários (bíblicos ou linguísticos), definem esta palavra como um tema muito extenso. Mas o conceito essencial é de que Adoração é a ação ou atitude de cultuar. Dr. Russell Shedd no livro “Adoração Bíblica” (Ed. Vida Nova, pág. 11), mostra que através dos séculos, a Igreja cristã utilizou diferentes expressões de adoração, que caracterizam formas de cultuar e não medem a realidade ou o grau de espiritualidade do adorador. Assim comenta o Dr. Shedd:

“Qualquer que seja a expressão do culto como veículo de adoração, a sua forma é externa, mas a atitude do coração é interna, muitas vezes oculta da própria percepção do adorador. Deus preocupa-se mais com o coração do que com a forma (…). É o próprio Deus quem toma a iniciativa na busca de verdadeiros adoradores (…) Atos religiosos (…) não expressam necessariamente um amor real. O mesmo acontece com a adoração; os atos externos mais notáveis podem facilmente enganar”.



RESUMINDO:

LOUVAR está ligado ao elogio ou exaltação que damos a Deus, numa espontânea manifestação de alegria;

ADORAR está ligado à nossa atitude de cultuar, que deve ser a expressão de um coração sincero e verdadeiro.

ADORAR ENVOLVE UM ESPÍRITO DE GRATIDÃO

Seria quase impossível pensar em um “verdadeiro adorador”, que não tivesse uma atitude de gratidão ao Senhor, tanto pelo que Ele é, como pelo que Ele faz continuamente. Esta gratidão a Deus, é uma atitude tão básica na vida de adoração, que foi didaticamente ensinada pelo Senhor desde o Velho Testamento.

Quase todas as orientações para as ofertas e sacrifícios dadas a Moisés, contêm elementos de “ações de graças”. Marcos Witt, em “Adoremos”, diz que “ao oferecerem sacrifícios e oferendas, não o faziam apenas em obediência às ordenanças do Senhor, mas também em agradecimento pelo fato de que Ele lhes permitia continuar com vida para poder aproximar-se dEle. Uma dessas ofertas é a pacífica, ou como normalmente é chamada, o sacrifício pacífico” (“Adoremos”, Ed. Betania, pág. 17).

Lv 7:11, 12 “Esta é a lei das ofertas pacíficas que alguém pode oferecer ao Senhor. Se fizer por ações de graças, com a oferta de ação de graças trarás (…)”.

Lv 22:29 “Quando oferecerdes sacrifício de louvores ao Senhor, fá-lo-eis para que sejais aceitos”.

Sl 116:17 “Oferecer-te-ei sacrifícios de ações de graças e invocarei o nome do Senhor”.

Jn 2:9 “Mas, com a voz do agradecimento, eu te oferecerei sacrifício; o que votei pagarei. Ao Senhor pertence a salvação!”.
Esta foi a maneira didática de Deus ensinar ao seu povo, a importância de ser agradecido diante dEle. 

Hoje, não temos a necessidade de oferecer sacrifícios, pois Cristo na cruz foi o último sacrifício aceito por Deus, em substituição pelos nossos pecados. Entretanto, as orientações para que sejamos agradecidos continuam por toda a Bíblia e são válidas para nós hoje:

1Ts 5:18 “Em tudo dai graças, pois esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco”.

Um comentário:

  1. Camila Silasagosto 17, 2018

    Que blog lindo e maravilhoso que Deus continue iluminando a vida de todos vocês. Amei

    ResponderExcluir

Veja também: