20.8.18

As Gordas também Amam



O principal objetivo do As Gordas Também Amam é oferecer um espaço seguro e livre para o debate sobre a gordofobia, além de conscientizar a população e mostrar que brincadeiras e comentários “inocentes” podem ter consequências enormes no psicológico das pessoas. 

Os textos visam desconstruir preconceitos externos e internos, ensinando o mundo e a própria gorda a se aceitar. O projeto é todo baseado em casos de gordofobia vividos por mulheres. 

Apresentação:

Cada aba traz um vídeo de até dois minutos com um depoimento, além de citações retiradas dos diversos textos escritos pelas próprias mulheres e recolhidos durante a produção deste especial. As histórias completas podem ser conferidas na última aba.

Para conseguir os depoimentos, utilizei bastante as redes sociais, principalmente o Facebook. Criei um texto explicando, em poucas palavras, a ideia inicial do meu projeto e convidando todos a me enviarem suas histórias. 

Postei, junto com uma ilustração que trazia exemplos de frases que pessoas gordas costumam ouvir no dia a dia, no meu mural e em grupos feministas e de apoio a pessoas que sofrem com a gordofobia, além de pedir o apoio de familiares e amigos para a divulgação. 

No dia seguinte, imprimi cerca de 30 cartazes, com o número de telefone destacável e a mesma mensagem que usei nas redes sociais e colei em diversos pontos da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) e da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Enquanto recolhia os depoimentos, percebi que todos vinham de mulheres. Após fazer mais algumas pesquisas sobre a cultura da magreza, ler artigos sobre a gordofobia e questionar sobre o porquê da maioria dos participantes dos grupos de apoio no Facebook ser mulheres, cheguei à conclusão de que, apesar dos homens também sofrerem com a segregação, a pressão social é consideravelmente menor no público masculino. Foi neste momento que decidi fazer um corte no meu tema e focar no preconceito contra as gordas.

Mulheres que sofrem com a gordofobia rapidamente percebem que o preconceito com o peso pode atrapalhar todas as esferas da vida delas. Sofrer descriminação na hora de arrumar empregos, ter dificuldade em encontrar roupas ou ser ridicularizada na vida pessoal são situações comuns na vida de pessoas gordas. 

A nossa sociedade ainda considera esse tipo de segregação aceitável partindo do pressuposto que peso é um escolha pessoal e que estas críticas ajudarão a pessoa a emagrecer e ser mais feliz. 

Mas seria que isso acontece mesmo?

Sugestão de Acesso:
Conheça o Gordas também Amam 

2 comentários:

  1. As gordinhas recebem respeito, são lindas e eu adoro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por sua visita e participação.

      Excluir

Veja também: